Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Fiscalização previdenciária: Estabelecimento centralizador

Resumo:

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos o tema "estabelecimento centralizador" no âmbito da Previdência Social. Analisaremos seu conceito, eleição, requisitos para a escolha ou a alteração do estabelecimento centralizador, entre outros não menos importante. Utilizaremos como fonte de estudo à Instrução Normativa RFB nº 971/2009.

Hashtags: #inss, #previdenciario, #fiscalizacao, #fiscalizacaoInss, #estabelecimentoCentralizador, #previdenciaSocial, #domicilioTributario, #estabelecimentoMatriz, #estabelecimento, #afrfb, #procedimentoFiscal,

Postado em: - Área: Previdenciário em geral.

1) Introdução:

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos o tema "estabelecimento centralizador" no âmbito da Previdência Social. Analisaremos seu conceito, eleição, requisitos para a escolha ou a alteração do estabelecimento centralizador, entre outros não menos importante. Utilizaremos como fonte de estudo à Instrução Normativa RFB nº 971/2009, que atualmente dispõe sobre normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência Social e as destinadas a outras entidades ou fundos, administradas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB).

Base Legal: Preâmbulo da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

2) Conceitos:

2.1) Domicílio tributário:

Domicílio tributário é aquele eleito pelo sujeito passivo ou, na falta de eleição, aplica-se o disposto no artigo 127 da Lei nº 5.172/1966 (CTN/1966):

SEÇÃO IV

Domicílio Tributário

Art. 127. Na falta de eleição, pelo contribuinte ou responsável, de domicílio tributário, na forma da legislação aplicável, considera-se como tal:

I - quanto às pessoas naturais, a sua residência habitual, ou, sendo esta incerta ou desconhecida, o centro habitual de sua atividade;

II - quanto às pessoas jurídicas de direito privado ou às firmas individuais, o lugar da sua sede, ou, em relação aos atos ou fatos que derem origem à obrigação, o de cada estabelecimento;

III - quanto às pessoas jurídicas de direito público, qualquer de suas repartições no território da entidade tributante.

§ 1º Quando não couber a aplicação das regras fixadas em qualquer dos incisos deste artigo, considerar-se-á como domicílio tributário do contribuinte ou responsável o lugar da situação dos bens ou da ocorrência dos atos ou fatos que deram origem à obrigação.

§ 2º A autoridade administrativa pode recusar o domicílio eleito, quando impossibilite ou dificulte a arrecadação ou a fiscalização do tributo, aplicando-se então a regra do parágrafo anterior.

Base Legal: Art. 487 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

2.2) Estabelecimento:

Estabelecimento é uma unidade ou dependência integrante da estrutura organizacional da empresa, sujeita à inscrição no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) ou no Cadastro Específico do INSS (CEI), onde a empresa desenvolve suas atividades, para os fins de direito e de fato.

Base Legal: Art. 488 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

3) Estabelecimento centralizador:

A partir do 91º (nonagésimo primeiro) dia após a publicação da Instrução Normativa RFB nº 971/2009, ou seja, a partir de 16/02/2010, deverão ser observadas as seguintes disposições (1):

  1. o cadastro previdenciário e a base do CNPJ terão o mesmo estabelecimento como centralizador e matriz;
  2. o cadastro previdenciário assumirá como centralizador o estabelecimento matriz constante na base do CNPJ, com exceção dos órgãos públicos da administração direta; e
  3. o estabelecimento centralizador constante no cadastro previdenciário passará a ser denominado matriz e regido pelos atos próprios da RFB.

Nota Valor Consulting:

(1) Até 90º (nonagésimo) dia após a publicação da mencionada Instrução Normativa, os dispositivos que mencionam estabelecimento matriz devem ser entendidos como mencionando estabelecimento centralizador, com exceção do disposto neste capítulo e seus subcapítulos.

Base Legal: Arts. 489, caput e 490 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.1) Órgãos públicos:

Para os órgãos públicos da administração direta, a base do CNPJ assumirá como matriz o estabelecimento centralizador constante no cadastro previdenciário.

Base Legal: Art. 489, § 1º da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

3.2) Coincidência entre estabelecimento centralizador e estabelecimento matriz:

No caso de coincidência entre estabelecimento centralizador, constante no cadastro previdenciário, e estabelecimento matriz, constante na base do CNPJ com endereços divergentes, o endereço a ser considerado será aquele cuja data de atualização é a mais recente.

Base Legal: Art. 489, § 2º da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

4) Alteração de ofício do estabelecimento matriz:

O estabelecimento matriz será alterado de ofício pela RFB, quando for constatado que os elementos necessários à Auditoria-Fiscal na empresa se encontram, efetivamente, em outro estabelecimento (2).

Nota Valor Consulting:

(2) O sujeito passivo poderá eleger qualquer de seus estabelecimentos como estabelecimento matriz e poderá alterá-lo por meio de requerimento. Para esse efeito, a RFB recusará o estabelecimento eleito como matriz quando constatar a impossibilidade ou a dificuldade de realizar o procedimento fiscal neste estabelecimento.

Base Legal: Arts. 21 e 491 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

5) Manutenção dos elementos necessários aos procedimentos fiscais para os AFRFB:

A empresa deverá manter à disposição do Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil (AFRFB), no estabelecimento matriz, os elementos necessários aos procedimentos fiscais, em decorrência do ramo de atividade da empresa e em conformidade com a legislação aplicável.

Base Legal: Art. 492 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).

6) Atribuição da qualidade de matriz a unidade ou dependência da empresa não inscrita no CNPJ:

É vedado atribuir-se a qualidade de matriz a qualquer unidade ou dependência da empresa não inscrita no CNPJ, bem como àquelas não pertencentes à empresa.

Base Legal: Art. 493 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 02/06/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Fiscalização previdenciária: Estabelecimento centralizador (Área: Previdenciário em geral). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=1062&titulo=fiscalizacao-previdenciaria-estabelecimento-centralizador. Acesso em: 20/09/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Confissão de débitos previdenciários (INSS)

Veremos no presente Roteiro de Procedimentos a confissão de débitos previdenciários, levada a efeito através do documento intitulado "Débito Confessado em GFIP (DCG)". Através desse documento é registrado o débito decorrente de divergência entre os valores recolhidos em documento de arrecadação previdenciária e os declarados em "Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e Informações à Previdência Social (GFIP)". Analisaremos também o "L (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Síndico condominial e a legislação previdenciária

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos as questões previdenciárias ligadas ao síndico condominial. Veremos desde o seu conceito até as questões relacionadas ao seu salário-de-contribuição e cálculo da contribuição previdenciária, sem deixar de recorrer a um bom exemplo prático. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Contribuição adicional ao Senai

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a contribuição adicional obrigatória devida pelas empresas para o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Para tanto, utilizaremos como fonte de estudo o Decreto-Lei nº 4.048/1942, posteriormente alterado pelo Decreto-Lei nº 6.246/1944. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Benefício previdenciário: Recursos administrativos previdenciário junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS)

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos as disposições gerais sobre os recursos administrativos previdenciários junto ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), tais como o conceito de recurso, prazo para sua interposição, forma de notificação, as diligências dos órgãos julgadores, o cumprimento dos acórdãos dos órgãos julgadores, o pedido de efeito suspensivo, dúvida na execução do julgado, a verificação da existência do benefício, a desist (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


INSS pretende usar biometria para confirmação de consignados

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) acenou hoje (24) com a possibilidade de usar tecnologias biométricas para a confirmação, por parte de seus beneficiários, da concordância em adquirir empréstimos consignados. A ideia é evitar o assédio praticado por instituições financeiras e correspondentes que, fazendo uso de informações vazadas pelo INSS, disponibilizam empréstimos consignados a aposentados e servidores públicos sem que tenham solicitado. A poss (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Governo aprimora as regras do Benefício de Prestação Continuada e cria o auxílio-inclusão

O Benefício de Prestação Continuada (BPC) teve as regras aperfeiçoadas, com a alteração dos critérios de renda para concessão de um salário mínimo mensal aos idosos com 65 anos ou mais e às pessoas com deficiência de qualquer idade. A Lei nº 14.176, sancionada pelo Presidente da República, Jair Bolsonaro, nessa terça-feira (22), também prevê um mecanismo para alcançar a emancipação, concedendo meio salário mínimo a quem conseguir se inserir no mercado de (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Pagamento da segunda parcela do adiantamento do 13º salário começa nesta quinta-feira (24 de junho de 2021)

Amigos, o Instituto Nacional de Previdência Social (INSS) irá pagar a segunda parcela do 13º Salário entre os dias 24 de junho e 7 de julho, fica atento ao calendário. Vale mencionar que a data do depósito para o segurado da Previdêbncia Social observará o número final do benefício do seu benefício, não se considerando, para tanto, o dígito verificador. Calendário - Benefícios de até um salário mínimo: Final do benefício Data pagamento (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Concessão de benefícios do INSS fica mais rápida a partir desta quinta

A partir desta quinta-feira (10) começam a valer os novos prazos para concessão de benefícios do INSS. As novas datas foram fruto de acordo da instituição e de outros órgãos do governo federal com o Ministério Público Federal (MPF) e a Defensoria Pública da União (DPU). De acordo com o presidente do INSS, Leonardo Rolim, o acordo firmado vai ao encontro das ações que a instituição já vem adotando desde 2020 para reduzir o tempo de espera do segurado. “Con (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)