Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS

Resumo:

O crédito presumido (ou crédito outorgado do ICMS é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte.

No presente Roteiro de Procedimentos veremos como contabilizar o crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS, desde a contabilização do valor apurado, sua utilização, até a sua constituição como reserva de incentivos fiscais, determinada pela legislação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Hashtags: #manualContabilidade, #contabilidazacao, #tratamentoContabil, #creditoPresumido, #creditoOutorgado, #icms, #irpj, #csll, #subvencaoInvestimento,

Postado em: - Área: Manual de lançamentos contábeis.

1) Introdução:

O ICMS, de competência dos Estados e do Distrito Federal, é um imposto não-cumulativo, pois permite a compensação do ICMS devido em cada operação ou prestação com o anteriormente cobrado pelo mesmo ou outro Estado, relativamente à mercadoria entrada ou à prestação de serviço recebida, acompanhada de documento fiscal hábil, emitido por contribuinte em situação regular perante o Fisco.

Ocorre que algumas operações fogem dessa regra geral de compensação (ou dedução), são os chamados benefícios fiscais, tais como isenção, diferimento, crédito presumido (ou outorgado), redução de Base de Cálculo (BC) do ICMS, etc. Nestes casos, devemos analisar cada norma concedente do benefício para verificar se a legislação permite ou não a manutenção de crédito fiscal do ICMS.

Todos esses benefícios fiscais geram reflexos contábeis que o contador e seus auxiliares devem observar quando da sua contabilização; hoje veremos os procedimentos para contabilização do crédito presumido (ou crédito outorgado) do ICMS... Mas o que vem a ser esse "bendito" crédito presumido do ICMS?, não podemos falar em contabilização antes da sua devida conceituação.

Em resposta à esse questionamento, temos que o crédito presumido ou crédito outorgado é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte.

Regra geral, o crédito presumido é concedido de forma opcional ao sistema normal de creditamento do ICMS, caso em que o contribuinte fica impedido de utilizar quaisquer outros créditos que normalmente apropriaria, por conta da aplicação do princípio da não-cumulatividade do imposto. Na prática, tais créditos representam uma sistemática especial de tributação.

Nesse sentido, transcrevemos o artigo 38-A da Lei do ICMS do Estado de São Paulo, que bem esclarece a questão:

Artigo 38-A: Em substituição ao sistema de crédito previsto no artigo 38 (1), poderá ser facultado ao contribuinte à compensação de importância resultante da aplicação de porcentagem fixa.

Portanto, a sistemática de crédito presumido faculta ao contribuinte do ICMS a compensação de importância resultante da aplicação de porcentagem fixa sobre suas saídas, em substituição ao sistema normal de creditamento. Deste modo, o contribuinte pode ter sua carga tributária final reduzida ou ter suas as obrigações acessórias simplificadas.

É importante destacar que na prática, nem sempre há uma vedação total a outros créditos do ICMS. Existem situações em que o Poder Executivo permite ao contribuinte manter parte dos seus créditos, como no caso do artigo 2º do Anexo III do RICMS/2000-SP, o qual trouxe a possibilidade do crédito presumido correspondente ao percentual de 47,30% (quarenta e sete inteiros e três décimos por cento) do valor do imposto nas hipóteses em que estabelece.

Porém, alertamos que esta situação representa exceção à regra geral, assim, o contribuinte deve verificar se realmente compensa renunciar ao sistema normal de créditos, vez que dependendo do caso poderá ver sua carga tributária aumentada.

Interessante mencionar que o crédito presumido do ICMS pode ser concedido por meio de uma das seguintes modalidades:

  1. percentual fixo; ou
  2. carga tributária.

Assim, para verificar qual modalidade utilizar o contribuinte deverá analisar o próprio dispositivo legal concedente do crédito presumido.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Na hipótese de crédito presumido calculado na modalidade de percentual fixo, serviços de transporte por exemplo, cujo percentual é de 20,00% (vinte por cento) no Estado de São Paulo, o contribuinte deverá aplicar referido percentual sobre o valor total da operação ou prestação. Já na modalidade carga tributária é necessário o cálculo para identificação do valor do benefício fiscal.

A título de exemplo, demonstraremos o cálculo do crédito presumido aplicável aos fabricantes que promoverem a saída tributada pelo ICMS de determinado produto de informática (2), cujo crédito corresponde a importância equivalente à aplicação do percentual de 80,1% (oitenta inteiros e um décimo por cento) sobre o valor do imposto devido, quando se tratar de saída interna, ou, em se tratando de saída interestadual, à aplicação do percentual de 5,5% (cinco inteiros e cinco décimos por cento) sobre o valor da operação, quando a alíquota interestadual aplicável for 7% (sete por cento) ou 12% (doze por cento), e do percentual de 3,2% (três inteiros e dois décimos por cento), quando a alíquota interestadual aplicável for 4% (quatro por cento), em substituição ao aproveitamento de quaisquer outros créditos.

Assim, supondo que a empresa fictícia Vivax Indústria e Comércios de Eletrônicos Ltda. tenha no mês de abril de 20X1 efetuado vendas interestaduais sujeitas à alíquota de 12% (doze por cento), no valor total de R$ 200.000,00, do produto "monitor de vídeo de LCD para computador" (NCM: 8471.60.74), teremos o seguinte cálculo do benefício fiscal:

  • Crédito dos insumos na Entrada: R$ 0,00;
  • Valor das Saídas Interestaduais Tributadas: R$ 200.000,00;
  • Crédito Presumido: R$ 11.000,00 (3).

É isso aí, agora bora lá focar nos aspectos contábeis...

Notas Valor Consulting:

(1) O artigo 38 da Lei nº 6.374/1989 trata da não cumulatividade do ICMS.

(2) Exceto as hipóteses descritas nas alíneas "a" e "b", 2, § 3º, artigo 1º, do Decreto nº 51.624/2007.

(3) Crédito Presumido = R$ 200.000,00 X 5,50%.

Base Legal: Arts. 36, caput, 38, caput e 38-A da Lei nº 6.374/1989; Arts. 59, caput, 62 e arts. 2º e 11, caput do Anexo III do RICMS/2000-SP; Art. 1º, caput, Decreto nº 51.624/2007 e; Comunicado CAT nº 2/2001 (Checado pela Valor em 11/09/21).

2) Tratamento tributário:

2.1) IRPJ e CSLL:

De acordo com o artigo 30 da Lei nº 12.973/2014, as subvenções para investimento, inclusive mediante isenção ou redução de impostos, concedidas como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos e as doações feitas pelo poder público não serão computadas na determinação do Lucro Real (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - IRPJ) e da Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), desde que seja registrada em reserva de lucros a que se refere o artigo 195-A da Lei nº 6.404/1976 (4), que somente poderá ser utilizada para:

  1. absorção de prejuízos, desde que anteriormente já tenham sido totalmente absorvidas as demais Reservas de Lucros, com exceção da Reserva Legal (5); ou
  2. aumento do capital social.

Já o artigo 30, § 4º da Lei nº 12.973/2014, incluído pela Lei Complementar nº 160/2017, estabelece que os incentivos e os benefícios fiscais ou financeiro-fiscais relativos ao ICMS, concedidos pelos Estados e pelo Distrito Federal, são considerados subvenções para investimento, vedada a exigência de outros requisitos ou condições não previstos no mencionado artigo 30 da Lei nº 12.973/2014 (6).

Reiterando a norma legal, temos a Solução de Consulta Cosit nº 145/2020, in verbis:

Solução de Consulta Cosit nº 145, de 15 de dezembro de 2020

(Publicado(a) no DOU de 22/12/2020, seção 1, página 33)

Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ

INCENTIVOS FISCAIS. INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS OU FINANCEIROS-FISCAIS RELATIVOS AO ICMS. SUBVENÇÃO PARA INVESTIMENTO. REQUISITOS E CONDIÇÕES.

A partir da Lei Complementar nº 160, de 2017, os incentivos e os benefícios fiscais ou financeiro-fiscais relativos ao ICMS, concedidos por estados e Distrito Federal e considerados subvenções para investimento por força do § 4º do art. 30 da Lei nº 12.973, de 2014, poderão deixar de ser computados na determinação do lucro real desde que observados os requisitos e as condições impostos pelo art. 30 da Lei nº 12.973, de 2014, dentre os quais, a necessidade de que tenham sido concedidos como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos.

Reforma a Solução de Consulta Cosit nº 11, de 4 de março de 2020.

Dispositivos Legais: Lei nº 12.973, de 2014, art. 30; Lei Complementar nº 160, de 2017, arts. 9º e 10; Parecer Normativo Cosit nº 112, de 1978; IN RFB nº 1.700, de 2017, art. 198, § 7º.


Assunto: Contribuição Social sobre o Lucro Líquido - CSLL

INCENTIVOS FISCAIS. INCENTIVOS E BENEFÍCIOS FISCAIS OU FINANCEIROS-FISCAIS RELATIVOS AO ICMS. SUBVENÇÃO PARA INVESTIMENTO. REQUISITOS E CONDIÇÕES.

A partir da Lei Complementar nº 160, de 2017, os incentivos e os benefícios fiscais ou financeiro-fiscais relativos ao ICMS, concedidos por estados e Distrito Federal e considerados subvenções para investimento por força do § 4º do art. 30 da Lei nº 12.973, de 2014, poderão deixar de ser computados na determinação da base de cálculo da CSLL apurada na forma do resultado do exercício desde que observados os requisitos e as condições impostos pelo art. 30 da Lei nº 12.973, de 2014, dentre os quais, a necessidade de que tenham sido concedidos como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos.

Reforma a Solução de Consulta Cosit nº 11, de 4 de março de 2020.

Dispositivos Legais: Lei nº 12.973, de 2014, arts. 30 e 50; Lei Complementar nº 160, de 2017, arts. 9º e 10; Parecer Normativo Cosit nº 112, de 1978; IN RFB nº 1.700, de 2017, art. 198, § 7º.


Assunto: Processo Administrativo Fiscal

É ineficaz a consulta, não produzindo efeitos, quando não versar sobre a interpretação de dispositivos da legislação tributária.

Dispositivos Legais: Decreto nº 70.235, de 1972, art. 52, I, c/c art. 46.

Por fim, temos que as doações e subvenções mencionadas serão tributadas caso não seja observado o disposto na nota 5 abaixo ou seja dada destinação diversa da mencionada no início desse subcapítulo, inclusive nas hipóteses de:

  1. capitalização do valor e posterior restituição de capital aos sócios ou ao titular, mediante redução do capital social, hipótese em que a base para a incidência será o valor restituído, limitado ao valor total das exclusões decorrentes de doações ou subvenções governamentais para investimentos;
  2. restituição de capital aos sócios ou ao titular, mediante redução do capital social, nos 5 (cinco) anos anteriores à data da doação ou da subvenção, com posterior capitalização do valor da doação ou da subvenção, hipótese em que a base para a incidência será o valor restituído, limitada ao valor total das exclusões decorrentes de doações ou de subvenções governamentais para investimentos; ou
  3. integração à Base de Cálculo (BC) dos dividendos obrigatórios.

Se, no período de apuração, a pessoa jurídica apurar prejuízo contábil ou lucro líquido contábil inferior à parcela decorrente de doações e de subvenções governamentais e, nesse caso, não puder ser constituída como parcela de lucros, esta deverá ocorrer à medida que forem apurados lucros nos períodos subsequentes.

Notas Valor Consulting:

(4) Redação do artigo 195-A da Lei nº 6.404/1976: "Art. 195-A. A assembléia geral poderá, por proposta dos órgãos de administração, destinar para a reserva de incentivos fiscais a parcela do lucro líquido decorrente de doações ou subvenções governamentais para investimentos, que poderá ser excluída da base de cálculo do dividendo obrigatório.".

(5) Na hipótese mencionada na letra "a", a pessoa jurídica deverá recompor a reserva à medida que forem apurados lucros nos períodos subsequentes.

(6) Essa regra aplica-se inclusive aos processos administrativos e judiciais não definitivamente julgados quando da sua entrada em vigor.

Base Legal: Lei Complementar nº 160/2017; Art. 195-A da Lei nº 6.404/1976; Art. 30 da Lei nº 12.973/2014; Art. 198 da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017; Art. 1º da Instrução Normativa RFB nº 1.881/2019 e; Solução de Consulta Cosit nº 145/2020 (Checado pela Valor em 11/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.2) PIS/Pasep e Cofins:

As pessoas jurídicas contribuintes da contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins no regime de apuração cumulativa e não cumulativa poderão excluir da Base de Cálculo (BC) dessas contribuições, as receitas de subvenções para investimento, inclusive mediante isenção ou redução de impostos, concedidas como estímulo à implantação ou expansão de empreendimentos econômicos e de doações feitas pelo poder público.

Base Legal: Art. 1º, § 3º, X da Lei nº 10.637/2002; Art. 1º, § 3º, IX da Lei nº 10.833/2003; Arts. 5º, caput, II e 28, caput, II da Instrução Normativa RFB nº 1.911/2019 (Checado pela Valor em 11/09/21).

3) Tratamento contábil:

O crédito presumido do ICMS tem característica de subvenção governamental concedida pelo Estado, assim, de acordo com a Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) TG 07 - R2 o tratamento contábil dele será como receita, tendo em vista os seguintes principais argumentos (7):

  1. uma vez que a subvenção governamental é recebida de uma fonte que não os acionistas e deriva de ato de gestão em benefício da entidade, não deve ser creditada diretamente no patrimônio líquido, mas, sim, reconhecida como receita nos períodos apropriados;
  2. subvenção governamental raramente é gratuita. A entidade ganha efetivamente essa receita quando cumpre as regras das subvenções e cumpre determinadas obrigações. A subvenção, dessa forma, deve ser reconhecida como receita na demonstração do resultado nos períodos ao longo dos quais a entidade reconhece os custos relacionados à subvenção que são objeto de compensação;
  3. assim como os tributos são despesas reconhecidas na demonstração do resultado, é lógico registrar a subvenção governamental que é, em essência, uma extensão da política fiscal, como receita na demonstração do resultado.

Diante o exposto, temos que o crédito presumido do ICMS deverá ser registrado contabilmente na conta "Crédito Presumido do ICMS a Recuperar (AC)", no grupo Ativo Circulante (AC), tendo como contrapartida uma conta de receita, a qual sugerimos a rubrica "Receita de Crédito Presumido do ICMS (CR)".

Importante mencionar que dá situações em que é necessário que o valor da subvenção governamental não seja distribuído ou de qualquer forma repassado aos sócios ou acionistas, fazendo-se necessária a retenção, após trânsito pela demonstração do resultado, em conta apropriada de patrimônio líquido, para comprovação do atendimento dessa condição. Nessas situações, tal valor, após ter sido reconhecido na demonstração do resultado, pode ser creditado à reserva própria (reserva de incentivos fiscais), a partir da conta de lucros ou prejuízos acumulados.

Nota Valor Consulting:

(7) Enquanto não atendidos os requisitos para reconhecimento da receita com subvenção na demonstração do resultado, a contrapartida da subvenção governamental registrada no ativo deve ser feita em conta específica do passivo.

Base Legal: Itens 15, 15A e 15B da Norma Brasileira de Contabilidade (NBC) TG 07 - R2 (Checado pela Valor em 11/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Exemplo prático:

Vamos "colar" o exemplo mencionado na introdução desse trabalho, o qual se baseia no artigo 11 do Anexo III dodo RICMS/2000-SP, in verbis:

Artigo 11 (TRANSPORTE) - O estabelecimento prestador de serviço de transporte, exceto o aéreo, poderá creditar-se da importância correspondente a 20% (vinte por cento) do valor do imposto devido na prestação.

§ 1º - O benefício previsto neste artigo é opcional, devendo alcançar todos os estabelecimentos do contribuinte localizados no território nacional e sua adoção implicará vedação ao aproveitamento de quaisquer outros créditos.

§ 2º - O contribuinte declarará a opção em termo lavrado no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, devendo a renúncia a ela ser objeto de novo termo, termos esses que produzirão efeitos a partir do primeiro dia do mês subseqüente ao da sua lavratura.

§ 3º - Na hipótese de o prestador de serviço não estar obrigado à inscrever-se no Cadastro de Contribuintes deste Estado ou à escrituração fiscal, o crédito concedido nos termos deste artigo poderá ser apropriado na guia de recolhimento, observado o disposto no § 3º do artigo 115

Supondo que a transportadora fictícia Transportadora Gianini Ltda. tenha no mês de novembro de 20X1 efetuado serviços de transporte no valor total de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais), teremos o seguinte cálculo do benefício fiscal:

  • Crédito pelas entradas: R$ 0,00;
  • Valor das prestações tributadas: R$ 500.000,00;
  • Valor do ICMS devido na prestações tributadas (R$ 500.000,00 X 12%): R$ 60.000,00;
  • Crédito Presumido (R$ 60.000,00 X 20%): R$ 12.000,00.

No que se refere aos lançamentos contábeis, a Transportadora Gianini poderá observar o seguinte:

Pelo reconhecimento do crédito presumido do ICMS da competência novembro de 20X1:

D - Crédito Presumido do ICMS a Recuperar (AC) _ R$ 12.000,00

C - Receita de Crédito Presumido do ICMS (CR) _ R$ 12.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Importante mencionar que o valor de R$ 12.000,00 (doze mil reais) poderá ser excluído do lucro líquido da Transportadora Gianini. A exclusão deverá ser efetuada na parte "A" do:

  1. Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-Lalur), para fins da apuração do Lucro Real (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica - IRPJ) e;
  2. Livro de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-Lacs), para fins da apuração da Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

Na parte "B" de ambos os livros deverá ser controlado o valor dessa subvenção, para serem adicionados quando forem descumpridas as condições estabelecidas pelo artigo 30 da Lei nº 12.973/2014 (ver subcapítulo 2.1 acima).

Base Legal: Art. 198 , § 5º da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017 e; Art. 11 do Anexo III dodo RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1) Aproveitamento do crédito presumido do ICMS:

No que se refere ao aproveitamento contábil do crédito presumido do ICMS, o qual deverá ser efetuado quando o crédito for efetivamente registrado nos livros fiscais da empresa, sugerimos o seguinte lançamento contábil:

Pelo aproveitamento do crédito presumido do ICMS:

D - ICMS a Recolher (PC) _ R$ 12.000,00

C - Crédito Presumido do ICMS a Recuperar (AC) _ R$ 12.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Interessante observar que na hipótese do saldo da conta "ICMS a Recolher (PC)" não ser suficiente para absorver o saldo da conta "Crédito Presumido de ICMS a Recuperar (AC)", eventual excesso deverá ser transferido par a conta "ICMS a Recuperar (AC)", no grupo Ativo Circulante (AC) do Balanço Patrimonial (BP) da empresa, para ser aproveitado nos meses subsequentes.

Base Legal: Art. 11 do Anexo III dodo RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/09/21).

4.2) Constituição da reserva de incentivos fiscais:

Conforma já comentado nesse Roteiro de Procedimentos, é pré-requisito para não tributação pelo Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e pela Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) que as subvenções sejam contabilizadas no Patrimônio Líquido (PL), em conta de reserva de incentivos fiscais.

Para finalizar nosso exemplo prático, vamos supor nossa transportadora fictícia Transportadora Gianini Ltda. tenha apurado lucro contábil do exercício de 20X1 no valor total de R$ 100.000,00 (cem mil reais). Nessa hipótese, considerando que a mesma irá destinar o saldo remanescente dos lucros do exercício (R$ 88.000,00) aos sócios, teremos o seguinte lançamento contábil:

Pela constituição da reserva de incentivos fiscais e pela destinação do saldo remanescente de lucros.:

D - Lucros Acumuladas (PL) _ R$ 100.000,00

C - Reserva de Incentivos Fiscais (PL) _ R$ 12.000,00

C - Lucros a Pagar (PC) _ R$ 88.000,00


Legenda:

PC: Passivo Circulante; e

PL: Patrimônio Líquido.

Base Legal: Equipe Valor Consulting (Checado pela Valor em 11/09/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS (Área: Manual de lançamentos contábeis). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=1090&titulo=credito-presumido-credito-outorgado-icms. Acesso em: 26/09/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Provisão para créditos de liquidação duvidosa

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito o lançamento contábil da constituição da "provisão para créditos de liquidação duvidosa", bem como de sua baixa e reversão do saldo não utilizado dessa mesma provisão. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Importação de serviços

Analisaremos no presente Roteiro os procedimentos para contabilização da operação de importação de serviços do exterior, bem como os tributos incidentes nessa operação. Claro que não poderia ficar de fora a contabilização da variação cambial (ativa ou passiva) incidente quando da liquidação da fatura emitida pelo fornecedor no exterior. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Quitação de dívidas com cheques ou duplicatas de terceiros

Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito os lançamentos contábeis quando da quitação de dívidas com cheques ou duplicatas de terceiros. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Empréstimos bancários com juros cobrados antecipadamente

Demonstraremos no presente Roteiro de Procedimentos como contabilizar a operação de empréstimo bancário cujo juros tenham sido cobrados antecipadamente pelo banco ou instituição financeira autorizada a praticar essa operação. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Agenda das empresas fica comprometida com obrigações de fim de ano

Setores devem ter planejamento para evitar transtornos para as empresas. De outubro em diante, começa uma contagem regressiva de encerramento de ciclo no meio corporativo, de maneiras diferentes em cada setor. Para os departamentos de Recursos Humanos, Pessoal e Contábil, o período é sinônimo de correria - em algumas empresas, a agitação persiste até janeiro do ano seguinte. Isso porque há muitas obrigações legais e despesas extras a cumprir. “Deixa (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Lei de Goiás que imputa responsabilidade solidária ao contador é derrubada pelo STF

A totalidade dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional partes da Lei n° 17.519/2011, do Estado de Goiás, que estabelece a responsabilidade solidária do profissional da contabilidade pelo pagamento de tributos e penas pecuniárias de seus clientes. A votação da ação teve início no último dia 3 e foi finalizada nesta terça-feira (14). A decisão é resultado do trabalho do Conselho Regional de Contabilidade de Goiás (CRCGO) que, desde (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


CFC firma parceria com SEPRT para ampliar a fiscalização da profissão contábil

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT), do Ministério da Economia, firmaram um acordo de cooperação técnica para ampliar e fortalecer a fiscalização do exercício ilegal da profissão contábil no Brasil. A parceria começou a valer a partir de abril deste ano e terá duração de três anos, podendo ser renovada por igual período. Por meio da ação, o CFC passa a ter acesso à base de dados da Relação (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Fiscalização do exercício profissional: zelando pelo interesse coletivo

A partir da edição do Decreto-Lei nº 9.295, em 27 de maio de 1946, o exercício da Contabilidade passou a ser supervisionado, de forma qualitativa, técnica e ética, pelos Conselhos de Contabilidade. Pessoas leigas e as diplomadas sem registro passaram a ser consideradas não habilitadas ao exercício da profissão. Com a implantação dos Conselhos Regionais (CRCs) nos estados e no Distrito Federal, a atividade de fiscalização se estruturou e, ao longo dos anos, vá (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)