Convenção coletiva e acordo coletivo de trabalho

Resumo:

O presente Roteiro de Procedimentos visa apresentar aos nossos leitores a diferença entre convenção coletiva e acordo coletivo de trabalho, bem como as condições para a celebração de cada um, suas vigências, a recusa às negociações por parte de sindicatos e empresas, entre outros pontos não menos importantes.

Este material se funda na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943) e em outras normas esparsas, todas devidamente citadas no decorrer do texto.

Hashtags: #convencaoColetiva, #acordoColetivo, #negociacaoColetiva, #contratoTrabalho,

Postado em: - Área: Direito do trabalho.

1) Introdução:

A convenção coletiva de trabalho é o acordo de caráter normativo, pelo qual 2 (dois) ou mais sindicatos representativos de categorias econômicas (sindicato patronal) e profissionais (sindicato dos trabalhadores) estipulam condições de trabalho aplicáveis, no âmbito das respectivas representações, às relações individuais de trabalho (1).

O acordo coletivo de trabalho, por sua vez, também tem caráter normativo e é firmado entre os sindicatos representativos de categorias profissionais (sindicato dos trabalhadores) com uma ou mais empresas da correspondente categoria econômica, que estipulem condições de trabalho, aplicáveis no âmbito da empresa ou das acordantes respectivas relações de trabalho. A partir da conclusão do acordo coletivo de trabalho, as regras estabelecidas passam a se tornar a lei vigente entre as partes, substituindo as regras padrão ou criando normas em questões duvidosas.

O acordo coletivo de trabalho está previsto no artigo 611, § 1º da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943). Diferentemente da convenção coletiva, que vale para a categoria toda, no caso dos acordos, teremos a validade apenas para empregados de empresas participantes da negociação.

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos mais detidamente a diferença entre convenção coletiva e acordo coletivo de trabalho, bem como as condições para a celebração de cada um, suas vigências, a recusa às negociações por parte de sindicatos e empresas, entre outros pontos não menos importantes.

Nota Valor Consulting:

(1) As Federações e, na falta destas, as Confederações representativas de categorias econômicas ou profissionais poderão celebrar convenções coletivas de trabalho para reger as relações das categorias a elas vinculadas, inorganizadas em Sindicatos, no âmbito de suas representações.

Interessante mencionar que as associações sindicais de grau superior são subdivididas em federações e confederações, ambas organizadas nos termos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943). As federações podem ser criadas pelos sindicatos, com número nunca inferior a 5 (cinco), que representem a maioria absoluta de um grupo de atividades ou profissões idênticas, similares ou conexas. As federações serão constituídas por Estados, podendo o órgão competente autorizar a constituição de Federações interestaduais ou nacionais.

Já as Confederações organizar-se-ão com o mínimo de 3 (três) federações e terão sede na Capital da República (Brasília).

Base Legal: Arts. 533, 534, caput, § 2º, 535 e 611 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Elementos essenciais da convenção e do acordo coletivos:

No exame de convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho, a Justiça do Trabalho:

  1. analisará exclusivamente a conformidade dos elementos essenciais do negócio jurídico, respeitando-se que a sua validade requer agente capaz, objeto lícito e forma prescrita e não proibida em lei; e
  2. balizará sua atuação pelo princípio da intervenção mínima na autonomia da vontade coletiva.
Base Legal: Art. 8º, § 3º da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 e Art. 104 do Código Civil/2002 (Checado pela Valor em 08/08/22).

3) Condições para validade da convenção e do acordo coletivos:

3.1) Quórum de votação:

Primeiramente, cabe esclarecer que os sindicatos só poderão celebrar convenções ou acordos coletivos de trabalho através de deliberação de assembleia geral especialmente convocada para esse fim, consoante o disposto nos respectivos Estatutos.

A validade da deliberação está condicionada ao comparecimento e votação:

  1. em primeira convocação, de 2/3 (dois terços) dos associados da entidade, no caso de convenção, e dos interessados, no caso de acordo; e
  2. em segunda convocação, de 1/3 (um terço) dos mesmos.

O "quórum" de comparecimento e votação será de 1/8 (um oitavo) dos associados em segunda convocação, nas entidades sindicais que tenham mais de 5.000 (cinco mil) associados.

Base Legal: Art. 612 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.2) Cláusulas mínimas:

As convenções e os acordos coletivos deverão conter obrigatoriamente:

  1. Designação dos Sindicatos convenentes ou dos Sindicatos e empresas acordantes;
  2. Prazo de vigência;
  3. Categorias ou classes de trabalhadores abrangidas pelos respectivos dispositivos;
  4. Condições ajustadas para reger as relações individuais de trabalho durante sua vigência;
  5. Normas para a conciliação das divergências sugeridas entre os convenentes por motivos da aplicação de seus dispositivos;
  6. Disposições sobre o processo de sua prorrogação e de revisão total ou parcial de seus dispositivos;
  7. Direitos e deveres dos empregados e empresas;
  8. Penalidades para os Sindicatos convenentes, os empregados e as empresas em caso de violação de seus dispositivos.

Lembramos que as convenções coletivas e os acordos serão celebrados por escrito, sem emendas nem rasuras, em tantas vias quantos forem os sindicatos convenentes ou as empresas acordantes, além de uma destinada a registro.

Por fim, temos que as convenções e os acordos poderão incluir entre suas cláusulas disposição sobre a constituição e funcionamento de comissões mistas de consulta e colaboração, no plano da empresa e sobre participação, nos lucros. Estas disposições mencionarão a forma de constituição, o modo de funcionamento e as atribuições das comissões, assim como o plano de participação, quando for o caso.

Base Legal: Arts. 613 e 621 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

4) Vigência da convenção e do acordo coletivos:

Primeiramente, cabe nos lembrar que os sindicatos convenentes ou as empresas acordantes promoverão, conjunta ou separadamente, dentro de 8 (oito) dias da assinatura da convenção ou acordo, o depósito de 1 (uma) via do mesmo, para fins de registro e arquivo, na Secretaria de Relações do Trabalho (SRT), em se tratando de instrumento de caráter nacional ou interestadual, ou nos órgãos regionais do Ministério do Trabalho e Previdência Social, nos demais casos (2).

Referidas convenções e acordos coletivos entrarão em vigor 3 (três) dias após a data da entrega dos mesmos no órgão referido acima.

Nota Valor Consulting:

(2) Observa-se que o artigo 3º da Instrução Normativa SRT nº 16/2013 determina que os requerimentos de registro de convenções e acordos coletivos de trabalho e seus respectivos termos aditivos deverão ser efetuados por meio do Sistema Mediador, disponível no endereço eletrônico do MTE na internet (www.mte.gov.br), por qualquer das partes signatárias, observados os requisitos formais e de legitimidade previstos na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943) e na citada Instrução Normativa.

As convenções coletivas, os acordos coletivos de trabalho e os acordos coletivos de trabalho específicos, bem como os seus respectivos termos aditivos, deverão ter seus registros requeridos no Sistema Mediador por meio de menus próprios disponibilizados no Sistema.

Base Legal: Art. 614, caput, § 1º da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943; Portaria MTE nº 282/2007 e; Art. 3º da Instrução Normativa SRT nº 16/2013 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1) Prazo de validade:

As convenções coletivas ou os acordos coletivos de trabalho não poderão estipular prazo de duração superior a 2 (dois) anos, sendo vedada a ultratividade.

Base Legal: Art. 614, § 3º da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

5) Afixação de cópias da convenção e do acordo coletivos:

Cópias autênticas das convenções e dos acordos deverão ser afixados de modo visível, pelos sindicatos convenentes, nas respectivas sedes e nos estabelecimentos das empresas compreendidas no seu campo de aplicação, dentro de 5 (cinco) dias da data do depósito mencionado no (4) acima.

Base Legal: Art. 614, § 2º da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

6) Processo de prorrogação, revisão, denúncia ou revogação:

O processo de prorrogação, revisão, denúncia ou revogação total ou parcial de convenção ou acordo ficará subordinado, em qualquer caso, à aprovação de assembleia geral dos sindicatos convenentes ou partes acordantes, com observância do disposto no subcapítulo 3.1 acima.

O instrumento de prorrogação, revisão, denúncia ou revogação de convenção ou acordo será depositado para fins de registro e arquivamento, na repartição em que o mesmo originariamente foi depositado.

As modificações introduzidos em convenção ou acordo, por força de revisão ou de revogação parcial de suas cláusulas passarão a vigorar 3 (três) dias após a realização de depósito previsto no parágrafo anterior.

Base Legal: Art. 615 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

7) Consequências da recusa às negociações:

Os sindicatos representativos de categorias econômicas ou profissionais e as empresas, inclusive as que não tenham representação sindical, quando provocados, não podem recusar-se à negociação coletiva.

Verificando-se recusa à negociação coletiva, cabe aos sindicatos ou empresas interessadas dar ciência do fato aos órgãos regionais da SEPRT, para convocação compulsória dos sindicatos ou empresas recalcitrantes.

No caso de persistir a recusa à negociação coletiva, pelo desatendimento às convocações feitas pelos órgãos regionais da SEPRT, ou se malograr a negociação entabolada, é facultada aos sindicatos ou empresas interessadas a instauração de dissídio coletivo.

Havendo convenção, acordo ou sentença normativa em vigor, o dissídio coletivo deverá ser instaurado dentro dos 60 (sessenta) dias anteriores ao respectivo termo final, para que o novo instrumento possa ter vigência no dia imediato a esse termo.

Nenhum processo de dissídio coletivo de natureza econômica será admitido sem antes se esgotarem as medidas relativas à formalização da convenção ou acordo correspondente.

Base Legal: Art. 616 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

8) Observações adicionais sobre acordo coletivo do trabalho:

Os empregados de uma ou mais empresas que decidirem celebrar acordo coletivo de trabalho com as respectivas empresas darão ciência de sua resolução, por escrito, ao sindicato representativo da categoria profissional, que terá o prazo de 8 (oito) dias para assumir a direção dos entendimentos entre os interessados, devendo igual procedimento ser observado pelas empresas interessadas com relação ao sindicato da respectiva categoria econômica.

Expirado o prazo de 8 (oito) dias sem que o sindicato tenha se desincumbido do encargo recebido, poderão os interessados dar conhecimento do fato à Federação a que estiver vinculado o sindicato e, em falta dessa, à correspondente Confederação, para que, no mesmo prazo, assuma a direção dos entendimentos. Esgotado esse prazo, poderão os interessados prosseguir diretamente na negociação coletiva até final.

Para o fim de deliberar sobre o acordo, a entidade sindical convocará assembleia geral dos diretamente interessados, sindicalizados ou não, nos termos do artigo 612 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943).

Base Legal: Arts. 612 e 617 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

9) Contrato individual de trabalho:

Nenhuma disposição de contrato individual de trabalho que contrarie normas de convenção ou acordo coletivo de trabalho poderá prevalecer na execução do mesmo, sendo considerada nula de pleno direito.

Base Legal: Art. 619 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

9.1) Cláusulas contrárias ao acordo ou convenção coletivos:

Os empregados e as empresas que celebrarem contratos individuais de trabalho, estabelecendo condições contrárias ao que tiver sido ajustado em convenção ou acordo que lhes for aplicável, serão passíveis da multa neles fixada.

A multa a ser imposta ao empregado não poderá exceder da metade daquela que, nas mesmas condições seja estipulada para a empresa.

Base Legal: Art. 622 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

10) Prevalência do acordo sobre a convenção coletiva:

As condições estabelecidas em acordo coletivo de trabalho sempre prevalecerão sobre as estipuladas em convenção coletiva de trabalho.

Base Legal: Art. 620 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

11) Categoria profissional diferenciada:

Segundo a jurisprudência predominante no Tribunal Superior do Trabalho (TST), o empregado integrante de categoria profissional diferenciada (telefonistas e motoristas, p.ex.) não tem o direito de haver de seu empregador vantagens previstas em instrumento coletivo no qual a empresa não foi representada por órgão de classe de sua categoria (sindicato). A contrário sensu, se a empresa que possui empregados nessa situação for solicitada a participar das negociações coletivas desses sindicatos, ficará, consequentemente, obrigada a aplicar os respectivos acordos, convenções ou dissídios coletivos aos empregados que se enquadrem nas referidas categorias profissionais, inclusive no que se refere aos reajustes salariais.

Porém, caso as cláusulas do acordo, convenção ou dissídio coletivo da atividade preponderante seja mais benéfico aos empregados, estas poderão ser aplicadas, inclusive, aos empregados das categorias diferenciadas.

Base Legal: Súmula nº 374 do Tribunal Superior do Trabalho - TST (Checado pela Valor em 08/08/22).

12) Prevalência sobre a lei:

A convenção coletiva e o acordo coletivo de trabalho têm prevalência sobre a lei quando, entre outros, dispuserem sobre:

  1. pacto quanto à jornada de trabalho, observados os limites constitucionais;
  2. banco de horas anual;
  3. intervalo intrajornada, respeitado o limite mínimo de 30 (trinta) minutos para jornadas superiores a 6 (seis) horas;
  4. adesão ao Programa Seguro-Emprego (PSE), de que trata a Lei nº 13.189/2015;
  5. plano de cargos, salários e funções compatíveis com a condição pessoal do empregado, bem como identificação dos cargos que se enquadram como funções de confiança;
  6. regulamento empresarial;
  7. representante dos trabalhadores no local de trabalho;
  8. teletrabalho, regime de sobreaviso, e trabalho intermitente;
  9. remuneração por produtividade, incluídas as gorjetas percebidas pelo empregado, e remuneração por desempenho individual;
  10. modalidade de registro de jornada de trabalho;
  11. troca do dia de feriado;
  12. enquadramento do grau de insalubridade;
  13. prorrogação de jornada em ambientes insalubres, sem licença prévia das autoridades competentes do Ministério do Trabalho;
  14. prêmios de incentivo em bens ou serviços, eventualmente concedidos em programas de incentivo;
  15. participação nos lucros ou resultados da empresa.

No exame da convenção coletiva ou do acordo coletivo de trabalho, a Justiça do Trabalho observará o mencionado no capítulo 2 acima.

A inexistência de expressa indicação de contrapartidas recíprocas em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho não ensejará sua nulidade por não caracterizar um vício do negócio jurídico.

Se for pactuada cláusula que reduza o salário ou a jornada, a convenção coletiva ou o acordo coletivo de trabalho deverão prever a proteção dos empregados contra dispensa imotivada durante o prazo de vigência do instrumento coletivo.

Na hipótese de procedência de ação anulatória de cláusula de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho, quando houver a cláusula compensatória, esta deverá ser igualmente anulada, sem repetição do indébito.

Os sindicatos subscritores de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho deverão participar, como litisconsortes necessários, em ação individual ou coletiva, que tenha como objeto a anulação de cláusulas desses instrumentos.

Base Legal: Art. 611-A da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

13) Direitos inegociáveis, por constituírem objeto ilícito:

Constituem objeto ilícito de convenção coletiva ou de acordo coletivo de trabalho, exclusivamente, a supressão ou a redução dos seguintes direitos:

  1. normas de identificação profissional, inclusive as anotações na Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS);
  2. seguro-desemprego, em caso de desemprego involuntário;
  3. valor dos depósitos mensais e da indenização rescisória do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS);
  4. salário mínimo;
  5. valor nominal do 13º Salário;
  6. remuneração do trabalho noturno superior à do diurno;
  7. proteção do salário na forma da lei, constituindo crime sua retenção dolosa;
  8. salário-família;
  9. repouso semanal remunerado (RSR);
  10. remuneração do serviço extraordinário superior, no mínimo, em 50% (cinquenta por cento) à do normal;
  11. número de dias de férias devidas ao empregado;
  12. gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, 1/3 (um terço) a mais do que o salário normal;
  13. licença-maternidade com a duração mínima de 120 (cento e vinte) dias;
  14. licença-paternidade nos termos fixados em lei;
  15. proteção do mercado de trabalho da mulher, mediante incentivos específicos, nos termos da lei;
  16. aviso prévio proporcional ao tempo de serviço, sendo no mínimo de 30 (trinta) dias, nos termos da lei;
  17. normas de saúde, higiene e segurança do trabalho previstas em lei ou em normas regulamentadoras do Ministério do Trabalho;
  18. adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas;
  19. aposentadoria;
  20. seguro contra acidentes de trabalho, a cargo do empregador;
  21. ação, quanto aos créditos resultantes das relações de trabalho, com prazo prescricional de 5 (cinco) anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de 2 (dois) anos após a extinção do contrato de trabalho;
  22. proibição de qualquer discriminação no tocante a salário e critérios de admissão do trabalhador com deficiência;
  23. proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre a menores de 18 (dezoito) anos e de qualquer trabalho a menores de 16 (dezesseis) anos, salvo na condição de aprendiz, a partir de 14 (quatorze) anos;
  24. medidas de proteção legal de crianças e adolescentes;
  25. igualdade de direitos entre o trabalhador com vínculo empregatício permanente e o trabalhador avulso;
  26. liberdade de associação profissional ou sindical do trabalhador, inclusive o direito de não sofrer, sem sua expressa e prévia anuência, qualquer cobrança ou desconto salarial estabelecidos em convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho;
  27. direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender;
  28. definição legal sobre os serviços ou atividades essenciais e disposições legais sobre o atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade em caso de greve;
  29. tributos e outros créditos de terceiros;
  30. as disposições previstas nos artigos 373-A, 390, 392, 392-A, 394, 394-A, 395, 396 e 400 da CLT/1943.

Registra-se que as regras sobre duração do trabalho e intervalos não são consideradas como normas de saúde, higiene e segurança do trabalho.

Nota Valor Consulting:

(1) Registra-se que os direitos relacionados neste capítulo são taxativos, ou seja, não admitem outras hipóteses se não as expressamente listadas, mesmo que se criadas através de negociações coletivas entre sindicatos profissional e patronal. Isso decorre do fato desses direitos estarem relacionados no artigo 611-B da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943) e ele utilizar a expressão "exclusivamente".

Base Legal: Art. 611-B da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).

14) Competência para decidir assunto controvertido:

As controvérsias resultantes da aplicação de convenção ou de acordo celebrado nos moldes tratados no presente Roteiro de Procedimentos serão dirimidas pela Justiça do Trabalho.

Base Legal: Art. 625 da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT/1943 (Checado pela Valor em 08/08/22).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Convenção coletiva e acordo coletivo de trabalho (Área: Direito do trabalho). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=1162&titulo=convencao-coletiva-e-acordo-coletivo-de-trabalho. Acesso em: 04/10/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Licença remunerada e licença não remunerada

A licença trabalhista é a permissão que o empregado possui para se ausentar temporariamente do trabalho, ela pode ser uma licença legal (prevista em lei) ou acordada entre empregado e empregador. Seja de uma forma ou outra, a licença trabalhista pode ser remunerada ou não remunerada. Entender as situações nas quais são aplicáveis à licença, remunerada ou não, é de suma importância para os gestores das empresas, pois seu desconhecimento pode acarretar custos de (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Programa Mais Médicos: Projeto Mais Médicos para o Brasil

Analisar nos próximos capítulos o Projeto Mais Médicos para o Brasil, com fundamento na Lei nº 12.871/2012 (DOU de 23/10/2013), que instituiu em nosso ordenamento jurídico o "Programa Mais Médicos". Esperamos que tenham uma boa leitura e nos mantemos a disposição para contatos comerciais futuros. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Conta salário

Veremos no presente Roteiro de Procedimentos os aspectos gerais sobre a abertura e manutenção de conta salário, destinada ao pagamento de salários aos empregados, bem como para pagamento de proventos, soldos, vencimentos, aposentadorias (exceto INSS), pensões e similares. Considerando que a conta salário é administrada por instituição financeira, cuja autorização de funcionamento depende do Banco Central do Brasil (Bacen), é a normativa desse órgão que servirá (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Creche: Obrigatoriedade das empresas manterem creche em seus estabelecimentos

No presente Roteiro de Procedimentos discorreremos sobre a obrigatoriedade das empresas manterem creche em seus estabelecimentos, quando tiverem pelo menos 30 (trinta) mulheres com mais de 16 (dezesseis) anos de idade trabalhando. Esse trabalho se baseia na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT/1943), na Portaria DNSHT nº 1/1969, que dispõe sobre a instalação de local apropriado para a guarda dos filhos de empregadas, bem como em outras normas citadas ao longo do text (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT) e Certidão Positiva de Débitos Trabalhistas (CPDT)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as disposições legais e normativas concernentes a emissão da Certidão Negativa de Débitos Trabalhistas (CNDT), a ser concedida aos empregadores que não estiverem inscritos como devedores no Banco Nacional de Devedores Trabalhistas (BNDT), a que se refere o artigo 642-A na Consolidação das Lei do Trabalho (CLT/1943). Utilizaremos como fonte complementar de estudo o Ato CGJT nº 1/2022, o qual regulamenta atualmente a em (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito do trabalho


Nova lei regulamenta teletrabalho e altera regras do auxílio-alimentação

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos a Lei nº 14.442/2022, que regulamenta o teletrabalho e altera regras do auxílio-alimentação. Publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (05/09/2022), a norma decorre da Medida Provisória (MP) nº 1.108/2022, aprovada pelo Congresso Nacional com alterações. Na Câmara, a MP foi relatada pelo deputado Paulinho da Força (Solidariedade-SP). A nova norma define teletrabalho (ou trabalho remoto) como a pr (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Disponível sistema que permite pedir benefício por incapacidade sem passar pela perícia presencial

Ministério do Trabalho e Previdência e INSS disponibilizam a partir desta quarta-feira (3) sistema que permite aos segurados do instituto entrar com o pedido de benefício por incapacidade temporária (antigo auxílio-doença) sem a necessidade de passar por um atendimento pericial. Um teste já foi feito e, como a documentação tinha todos os requisitos necessários, o benefício foi concedido logo após a análise do perito médico federal. O segurado que desejar cada (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Audiência pública da SIT discute Anexos de Agentes Químicos das NR-09 e NR-15

A Subsecretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho e Previdência, promoverá em julho audiência pública virtual sobre a inclusão de anexos sobre Agentes Químicos, Cancerígenos e Apêndices de Benzeno e Asbesto na Norma Regulamentadora n° 9 e dos anexos sobre agentes químicos da Norma Regulamentadora n° 15. No dia 5 serão tratadas as questões de prevenção, previstas na NR-09, e no dia 6 serão debatidos os assuntos de insalubridade, tratado (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Empresa é condenada por não assegurar uso de nome social a trabalhador transgênero

Uma empresa de telemarketing foi condenada a pagar indenização por danos morais a um empregado transgênero por não autorizá-lo a usar nome social nos sistemas corporativos. Na sentença, a juíza substituta da 3ª Vara do Trabalho de São Paulo, Fórum da Zona Leste, Rhiane Zeferino Goulart, pontua que é “dever do empregador assegurar a ampla possibilidade do uso do nome social às pessoas trans, travestis e transexuais, nos seus registros funcionais, sistemas e docum (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Motivo de desligamento não é mais anotado na Carteira de Trabalho

Uma portaria publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira (6) alterou alguns pontos da legislação trabalhista. Entre as mudanças mais relevantes está a retirada da obrigação de informar na Carteira de Trabalho o motivo de desligamento do trabalhador. Há também algumas alterações que, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência, envolvem “apenas procedimentos internos” da pasta. A Portaria nº 1.486 altera a portaria anterior (Portaria nº 6 (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Governo publica medida provisória para regulamentar o trabalho remoto

O governo federal apresentou na sexta-feira (25) duas medidas provisórias (MP) para regulamentar o trabalho remoto, promover mudanças no auxílio-alimentação e também com ações como a antecipação de férias ou benefícios como abono para os trabalhadores, em caso de ocorrência de situação de calamidade. As medidas fazem parte do Programa Renda e Oportunidade e, segundo o governo, visam ajudar na retomada da economia. Como as MPs têm força de lei, elas começa (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


CFC solicita à RFB a prorrogação da entrega do módulo SST para janeiro de 2023

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) enviou o Ofício nº 035/2022 CFC-Direx, nesta quinta-feira (13), à Receita Federal do Brasil (RFB) solicitando a atualização do calendário de implantação do eSocial, referente à quarta fase do projeto. A preocupação da autarquia está relacionada a problemas que envolvem o módulo de Saúde e Segurança no Trabalho (SST). Um dos pedidos do CFC é, inclusive, que o órgão prorrogue para 2023 a obrigatoriedade da transmiss (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (Trabalhista)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael AMARAL, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Set/21 Out/21 Nov/21 Dez/21 Jan/22 Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen -0,23 0,41 0,89 0,63 -0,58 1,08 1,17 -0,36 -0,27 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,88 -0,07 0,79 0,66 1,86 2,92 0,81 0,82 0,59 -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 1,19 1,05 0,93 0,84 0,42 0,33 0,86 1,53 0,35 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 1,43 0,77 1,08 0,57 0,49 0,28 1,35 1,08 0,50 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,93 1,26 0,79 1,08 0,40 0,39 0,47 1,67 0,54 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV -1,21 0,53 -0,29 0,95 2,30 2,36 2,07 1,45 0,45 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV -1,17 1,90 -1,16 1,54 2,57 1,94 2,80 0,19 0,55 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV -0,76 -0,77 1,31 -0,51 2,27 2,51 1,44 2,81 -0,08 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 0,56 0,80 0,71 0,30 0,64 0,48 0,73 0,87 1,49 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 0,51 0,86 0,67 0,35 0,71 0,38 0,86 0,95 2,28 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 0,43 0,53 0,95 0,54 0,50 0,61 0,34 1,17 0,74 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV -0,64 0,64 0,02 0,87 1,82 1,83 1,74 1,41 0,52 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV -0,55 1,60 -0,58 1,25 2,01 1,50 2,37 0,41 0,69 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV -0,37 -0,31 1,19 -0,14 1,79 1,98 1,18 2,48 0,10 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 1,13 1,00 0,72 0,57 0,74 0,90 1,28 1,62 0,42 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 0,25 2,26 1,46 -0,08 1,20 0,54 3,12 2,08 1,81 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 1,14 1,20 1,17 0,78 0,58 0,99 0,95 1,73 0,59 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 1,16 1,25 0,95 0,73 0,54 1,01 1,62 1,06 0,47 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 1,20 1,16 0,84 0,73 0,67 1,00 1,71 1,04 0,45 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,3012 0,3575 0,4412 0,4902 0,5608 0,5000 0,5976 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,4221 0,5046 0,5927 0,7191 0,7609 0,7272 0,8678 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,4067 0,4433 0,4433 0,4433 0,5067 0,5067 0,5067 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,0000 0,0000 0,0000 0,0488 0,0605 0,0000 0,0971 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 0,4420 0,4860 0,5868 0,7691 0,7323 0,7550 0,9271 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 0,44 0,49 0,59 0,77 0,73 0,76 0,93 0,83 1,03 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,54 23,54 23,54 23,54 23,55 23,55 23,55 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 29,09 29,09 29,09 29,09 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97
Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97