Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Lucro presumido: Possibilidade de alteração do regime de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário

Resumo:

Analisaremos no presente artigo a possibilidade da pessoa jurídica que apura o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) com base no lucro presumido de alterar o regime de reconhecimento de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário, ou seja, após já ter efetuado sua opção quando do pagamento da primeira ou única quota do IRPJ devido correspondente ao primeiro período de apuração do ano.

Hashtags: #irpj, #csll, #lucroPresumido, #regimeReceita, #regimeCaixa, #regimeCompetencia,

Postado em: - Área: IRPJ e CSLL.

Lucro presumido: Possibilidade de alteração do regime de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário

De acordo com o artigo 215, § 9º da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017, a pessoa jurídica optante pela apuração do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) com base no lucro presumido poderá determinar o lucro tributável pelo regime de competência ou de caixa (1).

Porém, a pessoa jurídica, optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido, que adotar o critério de reconhecimento de suas receitas das vendas de bens ou direitos ou de prestação de serviços com pagamento a prazo ou em parcelas na medida dos recebimentos (regime de caixa) e mantiver a escrituração do livro caixa, deverá:

  1. emitir a Nota Fiscal quando da entrega do bem ou direito ou da conclusão do serviço;
  2. indicar, no livro Caixa, em registro individual, a Nota Fiscal a que corresponder cada recebimento.

Na hipótese em que a pessoa jurídica optante pelo lucro presumido no regime de caixa mantiver escrituração contábil, na forma da legislação comercial, deverá controlar os recebimentos de suas receitas em conta específica, na qual, em cada lançamento, será indicada a Nota Fiscal a que corresponder o recebimento.

Os valores recebidos adiantadamente, por conta de venda de bens ou direitos ou da prestação de serviços, serão computados como receita do mês em que se der o faturamento, a entrega do bem ou do direito ou a conclusão dos serviços, o que ocorrer primeiro. Os valores recebidos, a qualquer título, do adquirente do bem ou direito ou do contratante dos serviços serão considerados como recebimento do preço ou de parte deste, até o seu limite.

O cômputo da receita em período de apuração posterior ao do recebimento sujeitará a pessoa jurídica ao pagamento do imposto com o acréscimo de juros de mora e de multa, de mora ou de ofício, conforme o caso, calculados na forma da legislação vigente.

Quanto ao momento de opção de um regime ou de outro (caixa ou competência), a mesma deverá ser manifestada com o pagamento da primeira ou única quota do IRPJ devido correspondente ao primeiro período de apuração... Aí que surge a grande dúvida em muitos profissionais que militam na sera contábil e tributária, qual seja, a pessoa jurídica que pagar o IRPJ optando pelo pagamento com base no regime de competência poderá alterar esse regime para o de caixa (e vise e versa ao contrário) no próprio curso do ano-calendário?

Para responder essa questão, vamos nos socorrer aos entendimentos exarados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), a qual destacamos a Solução de Consulta Cosit nº 88/2019, in verbis:

SOLUÇÃO DE CONSULTA COSIT Nº 88, DE 21 DE MARÇO DE 2019

(Publicado(a) no DOU de 29/03/2019, seção 1, página 70)


Assunto: Imposto sobre a Renda de Pessoa Jurídica - IRPJ

LUCRO PRESUMIDO. REGIME DE APROPRIAÇÃO DE RECEITA. ALTERAÇÃO DENTRO DO PRÓPRIO ANO-CALENDÁRIO. IMPOSSIBILIDADE.

A opção pelo regime de apropriação de receitas (caixa ou competência) na sistemática do Lucro Presumido manifesta-se com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido correspondente ao primeiro período de apuração, devendo ser definitiva em relação a todo o ano-calendário. Em consequência, não é permitida a alteração do regime dentro do próprio ano-calendário. (grifos nossos)

Dispositivos Legais: IN SRF nº 345, de 2003, art. 1º.

Como se observa, a opção pelo regime de apropriação de receitas (caixa ou competência) na sistemática do Lucro Presumido é definitiva em relação a todo o ano-calendário, devendo ser exercida com o pagamento da primeira ou única quota do imposto devido correspondente ao primeiro período de apuração.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Note-se, ainda que a Solução de Consulta Cosit nº 88/2019 esclarece que não é permitida a alteração do regime dentro do próprio ano-calendário. Essa posição é amparada no artigo 1º, caput, Instrução Normativa SRF nº 345/2003, que dispõe sobre o tratamento tributário aplicável na hipótese de mudança do regime de reconhecimento das receitas em função do recebimento para o regime de competência.

Art. 1º Para fins de apuração do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS/Pasep, a pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido ou pela tributação na forma do Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) que adotar o critério de reconhecimento de suas receitas à medida do recebimento e, por opção ou obrigatoriedade, passar a adotar o critério de reconhecimento de suas receitas segundo o regime de competência, deverá reconhecer no mês de dezembro do ano-calendário anterior àquele em que ocorrer a mudança de regime as receitas auferidas e ainda não recebidas. (grifos nossos)

Interessante observar que, ao se referir "mês de dezembro do ano-calendário anterior" a Instrução Normativa deixa implícito que somente considera a possibilidade de mudança de um ano para o outro, pois, se pretendesse alcançar alterações dentro do próprio ano-calendário, ao invés de referir-se ao mês de dezembro do ano-calendário anterior, referir-se-ia, simplesmente, ao mês anterior àquele em que ocorreu a mudança.

Posteriormente, em 03/04/2019, essa disposição ficou cravada na Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017 (2), com a inclusão de dispositivo similar pela Instrução Normativa RFB nº 1.881/2019:

Art. 223-A. A pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido que adotar o critério de reconhecimento de suas receitas à medida do recebimento e passar a adotar o critério de reconhecimento segundo o regime de competência deverá reconhecer no mês de dezembro do ano-calendário anterior àquele em que ocorrer a mudança de regime as receitas auferidas e ainda não recebidas. (Incluído(a) pelo(a) Instrução Normativa RFB nº 1881, de 03 de abril de 2019)

§ 1º A pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido que durante o ano-calendário incorrer na obrigação de apurar o imposto pelo lucro real deverá oferecer à tributação as receitas auferidas e ainda não recebidas, no período de apuração anterior àquele em que ocorrer a mudança do regime de tributação. (Incluído(a) pelo(a) Instrução Normativa RFB nº 1881, de 03 de abril de 2019)

§ 2º Na hipótese prevista no § 1º, as receitas auferidas e ainda não recebidas deverão ser adicionadas às receitas do período de apuração anterior à mudança do regime de tributação, para fins de recalcular o IRPJ e a CSLL do período, e a diferença apurada, após compensação do tributo pago, deverá ser recolhida, sem multa ou juros moratórios, até o último dia útil do mês subsequente àquele em que incorreu na obrigação de apurar o imposto pelo lucro real. (Incluído(a) pelo(a) Instrução Normativa RFB nº 1881, de 03 de abril de 2019)

Por fim, vale mencionar que a questão já foi objeto de análise pela Receita Federal em diversas outras oportunidades, dentre as quais destacamos à Nota/Cosit/Cotir nº 572/2000, que assim dispõe:

Dessa forma, respondendo objetivamente as questões suscitadas, podemos concluir:

1º) a opção pelo regime de caixa, que trata a IN SRF nº 104/1998, deverá ocorrer no início do 1º trimestre do ano-calendário, com a escrituração do Livro Caixa, nos moldes estabelecidos nos incisos I e II e §§ 2º e 3º, ou com a escrituração contábil, na forma prevista no § 1º, da citada Instrução Normativa, a qual se formalizará por ocasião do pagamento da primeira ou única quota do imposto devido, relativa ao período de apuração correspondente ao trimestre da opção; consequentemente, a base de cálculo para o pagamento do imposto de renda, da CSLL, da contribuição ao PIS/Pasep e da Cofins será determinada somente com a receita recebida no trimestre, caso o regime adotado tenha sido o de caixa;

2º) considerando o já disposto nesta Nota (itens 5, 6 e 7), bem assim a integração de dispositivos da legislação que trata da matéria, não poderá, dentro do ano-calendário, haver mudança do regime de competência para o de caixa e vice-versa;

É isso aí galerinha!!!

Notas Valor Consulting:

(1) A pessoa jurídica que apura a CSLL com base no resultado presumido somente poderá adotar o regime de caixa na hipótese de adotar esse mesmo regime para apurar o IRPJ com base no lucro presumido.

(2) A Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017 dispõe sobre a determinação e o pagamento do IRPJ e da CSLL das pessoas jurídicas e disciplina o tratamento tributário da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins no que se refere às alterações introduzidas pela Lei nº 12.973/2014.

Base Legal: Preâmbulo e art. 1º, caput da Instrução Normativa SRF nº 345/2003; Preâmbulo e arts. 215, § 9º e 223, 2223-A e 224 da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017; Instrução Normativa RFB nº 1881/2019; Solução de Consulta Cosit nº 88/2019; Nota/Cosit/Cotir nº 572/2000 e; Questão 038 do Capítulo XIII do Perguntas e Respostas Pessoa Jurídica da RFB/2021 (Checado pela Valor em 10/10/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Instrução Normativa SRF nº 345/2003:

Por acharmos importante seu conhecimento por parte dos leitores que nos acompanham, estamos publicando a íntegra da citada Instrução Normativa SRF nº 345/2003:

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRF Nº 345, DE 28 DE JULHO DE 2003

(Publicado(a) no DOU de 08/08/2003, seção , página 37)


Dispõe sobre o tratamento tributário aplicável na hipótese de mudança do regime de reconhecimento das receitas em função do recebimento para o regime de competência.


O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no uso da atribuição que lhe confere o inciso III do art. 209 do Regimento Interno da Secretaria da Receita Federal, aprovado pela Portaria MF nº 259, de 24 de agosto de 2001, e tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº 70, de 30 de dezembro de 1991, no art. 57 da Lei nº 8.981, de 20 de janeiro de 1995, no art. 2º da Lei nº 9.317, de 5 de dezembro de 1996, no art. 3º da Lei nº 9.715, de 25 de novembro de 1998, no art. 13 da Lei nº 9.718, de 27 de novembro de 1998, no art. 30 da Medida Provisória nº 2.158-35, de 24 de agosto de 2001, no art. 46 da Lei nº 10.637, de 30 de dezembro de 2002, e no art. 22 da Lei nº 10.684, de 30 de maio de 2003, resolve:

Art. 1º Para fins de apuração do Imposto de Renda das Pessoas Jurídicas (IRPJ), da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e da Contribuição para o PIS/Pasep, a pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido ou pela tributação na forma do Sistema Integrado de Pagamento de Impostos e Contribuições das Microempresas e das Empresas de Pequeno Porte (Simples) que adotar o critério de reconhecimento de suas receitas à medida do recebimento e, por opção ou obrigatoriedade, passar a adotar o critério de reconhecimento de suas receitas segundo o regime de competência, deverá reconhecer no mês de dezembro do ano-calendário anterior àquele em que ocorrer a mudança de regime as receitas auferidas e ainda não recebidas.

§ 1º A pessoa jurídica obrigatoriamente excluída do Simples durante o ano-calendário deverá oferecer à tributação as receitas auferidas e ainda não recebidas, no mês anterior àquele em que operarem os efeitos da exclusão do Simples.

§ 2º A pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido que, no quarto trimestre-calendário de 2003, por opção, passar a adotar o regime de tributação com base no lucro real deverá oferecer à tributação no terceiro trimestre-calendário de 2003 as receitas auferidas e ainda não recebidas.

§ 3º A pessoa jurídica optante pelo regime de tributação com base no lucro presumido que, durante o ano-calendário, passar a ser obrigada à apuração do lucro real deverá oferecer à tributação as receitas auferidas e ainda não recebidas, no período de apuração anterior àquele em que ocorrer a mudança do regime de tributação.

§ 4º Na hipótese do § 3º, as receitas auferidas e ainda não recebidas serão adicionadas às receitas do período de apuração anterior à mudança do regime de tributação para fins de recalcular o imposto e as contribuições do período, sendo que a diferença apurada, após compensação do tributo pago, deverá ser recolhida, sem multa e juros moratórios, até o último dia útil do mês subseqüente àquele em que incorreu na situação de obrigatoriedade à apuração do lucro real.

§ 5º Os custos e as despesas associados às receitas de que tratam este artigo incorridas após a mudança do regime de tributação não poderão ser deduzidos da base de cálculo do IRPJ e da CSLL.

Art. 2º (REVOGADO)

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

JORGE ANTONIO DEHER RACHID

Base Legal: Instrução Normativa SRF nº 345/2003 (Checado pela Valor em 10/10/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Lucro presumido: Possibilidade de alteração do regime de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário (Área: IRPJ e CSLL). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=1167&titulo=lucro-presumido-possibilidade-de-alteracao-do-regime-de-receita-caixa-ou-competencia-no-decorrer-do-mesmo-ano-calendario. Acesso em: 26/10/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Recursos mantidos no exterior relativos aos recebimentos de exportações

Neste Roteiro de Procedimentos analisaremos o dever de informar os recursos mantidos no exterior relativos aos recebimentos de exportações. Para tanto, tomaremos como base a Instrução Normativa RFB nº 1.801/2018 que extinguiu a Derex e trouxe novas disposições sobre o assunto. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Despesas de fim de ano

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento fiscal e contábil que deve ser observado na apuração do Lucro Real e da Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) quando da realização de despesas de fim de ano, quais sejam: (i) da distribuição de cestas de Natal a colaboradores; (ii) da distribuição de brindes à colaboradores e terceiros quem mantenham vínculo com a empresa; (iii) das festas de confraternização e; (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Empresa cidadã: Prorrogação da licença-maternidade e licença-paternidade

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o benefício fiscal criado dentro do Programa Empresa Cidadã, que estabelece as prorrogações da licença-maternidade e da licença-paternidade, esta por mais 15 (quinze) dias e àquela por mais 60 (sessenta) dias. Medida extremamente importante que merece um artigo específico pelo nosso Portal. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Responsabilidade tributária: Cisão, extinção ou transformação societária

Discorreremos no presente artigo a responsabilidade tributária presente nas reorganizações societárias, mais especificamente na cisão, extinção ou transformação, com fulcro no Código Tributário Nacional (CTN/1966) e no Regulamento do Imposto sobre a Renda (RIR/2018). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF) em atraso: Contribuinte que apura prejuízo fiscal

Analisamos nesse artigo a incidência da multa por falta de apresentação da Escrituração Contábil Fiscal (ECF), tanto para empresas tributadas com base no Lucro Real, como pelas tributadas pelo Lucro Presumido, Lucro Arbitrado, imunes e isentas. Considerando que ela é calculada com base no lucro líquido apurado pela empresa, analisaremos também como fica a incidência da multa no caso de inexistência de lucro, ou seja, quando a mesma apurar prejuízo fiscal. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Receita Federal esclarece os requisitos para não tributar IRPJ e CSLL sobre perdão de multas e juros vinculados a autos de infração do ICMS no Lucro Presumido

Através da Solução de Consulta Cosit nº 172/2021, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) veio esclarecer quais são os requsitos para não adicionar à Base de Cálculo (BC) do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) o perdão de multas e juros vinculados a autos de infração do ICMS. Segundo o entendimento do órgão, no regime de tributação com base no lucro presumido, os valores recuperados de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Receita Federal publica Solução de Consulta para esclarecer o conceito de Receita Bruta

Através da Solução de Consulta Cosit nº 170/2021 a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), por intermédio da Coordenação-Geral de Tributação (Cosit), veio esclarecer que a receita bruta de que trata o artigo 12 do Decreto-Lei nº 1.598/1977 (1), no caso de prestação de serviços, corresponde ao preço do serviço. Não se incluem no conceito de receita bruta os valores que circulam na contabilidade de pessoa jurídica e não lhe pertencem, sendo propriedade (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Novo serviço no e-CAC da Receita Federal: Obtenção do Laudo Fiscal para destruição de bens

Através da Portaria Cofis nº 23/2021, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) veio a dispor sobre a disponibilização de um novo serviço no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC)... Trata-se da abertura de processo digital, no ambiente do e-CAC, para obtenção do Laudo Fiscal para destruição de bens, conforme Instrução Normativa RFB nº 2.022/2021. O serviço "Obter Laudo Fiscal de Destruição de Bens" está localizado na área de concentração temática (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Usufruto de Participações Societárias. Distribuição Disfarçada de Lucros na Instituição de Usufruto de Juros Sobre o Capital

INTRODUÇÃO Em 4 de janeiro de 2021, o Diário Oficial da União divulgou o texto da Solução de Consulta COSIT nº 137/2020, na qual trata da dedução de despesas de juros sobre o capital que forem pagos aos usufrutuários de cotas ou ações do capital de sociedade. A meu juízo, o documento normativo aborda de modo escorreito o tema para firmar a interpretação no sentido de que, para efeitos de apuração do lucro real e do resultado ajustado, a pessoa jurídica po (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Subvenções para investimentos: O calvário do contribuinte continua. A vitanda ilegalidade da Solução de Consulta Cosit nº 145/2020

A Solução de Consulta COSIT nº 145, publicada em 22 de dezembro de 2020, traz um novo entendimento da Receita Federal do Brasil sobre a interpretação das normas que tratam da isenção de IRPJ e CSLL sobre o montante das receitas de subvenções relacionadas ao ICMS nos termos dos artigos 30 e 50 da Lei nº 12.973/14, com alterações veiculadas pela Lei Complementar nº 160/17. De acordo com os exatos termos da ementa da referida Solução de Consulta: "a partir da Lei (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.