Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Locação de mão de obra temporária: Tributação dos valores recebidos pelas empresas de trabalho temporário para pagamento de salários e encargos

Resumo:

Analisaremos no presente artigo a tributação, pelas contribuições para o PIS/Pasep e Cofins, dos valores recebidos pelas empresas de trabalho temporário para pagamento de salários e encargos sociais. Para tanto, utilizaremos como fundamento a Lei nº 6.019/1974, que dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas, bem como a Solução de Consulta Cosit nº 303/2018 que bem esclarece o assunto.

Hashtags: #trabalhoTemporario, #maoObraTemporaria, #locacaoMaoObra, #pisPasep, #cofins,

Postado em: - Área: PIS/Pasep e Cofins.

1) Introdução:

Primeiramente, cabe esclarecer que empresa de trabalho temporário é a pessoa jurídica, devidamente registrada no Ministério da Economia, responsável pela colocação de trabalhadores temporários à disposição de outras empresas, tomadoras de agenciamentos ou clientes, que deles necessite, temporariamente. Portanto, da relação entre empresa de trabalho temporário, cliente e trabalhador surge a figura do trabalho temporário, o qual é bem definido no artigo 2º da Lei nº 6.019/1974 (dispõe sobre o trabalho temporário nas empresas urbanas), a saber:

Art. 2º Trabalho temporário é aquele prestado por pessoa física contratada por uma empresa de trabalho temporário que a coloca à disposição de uma empresa tomadora de agenciamentos, para atender à necessidade de substituição transitória de pessoal permanente ou à demanda complementar de agenciamentos.

§ 1º É proibida a contratação de trabalho temporário para a substituição de trabalhadores em greve, salvo nos casos previstos em lei.

§ 2º Considera-se complementar a demanda de agenciamentos que seja oriunda de fatores imprevisíveis ou, quando decorrente de fatores previsíveis, tenha natureza intermitente, periódica ou sazonal.

Agora, falando em dinheiro, ou seja, do faturamento da empresa de trabalho temporário, tempos que simplificadamente ele pode ser subdividido da seguinte forma:

DescriçãoValor
(a) Parcela correspondente aos salários e encargos dos trabalhadoresR$ -
(b) Parcela correspondente à remuneração da empresa de trabalho temporário (taxa de administrativa ou de agenciamento)R$ -
(c) Total (a + b) R$ -

No que se refere à parcela correspondente aos salários e encargos dos trabalhadores (letra "a"), recebidos dos clientes e repassados aos trabalhadores postos à disposição do mesmo, muitas empresas de trabalho temporário entendem que esse valor não compõe o faturamento para fins de tributação das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins. Em verdade, as empresas de trabalho temporário argumentam que somente a parcela correspondente à sua remuneração (letra "b") devem ser oferecidos à tributação das mencionadas contribuições.

Em sua defesa, essas empresas dizem que os valores que elas recebem de seus tomadores de serviços e que depois são pagos aos seus trabalhadores temporários são mero reembolsos/repasses.

Buscando dirimir essa questão, vamos ver o que diz o Decreto nº 10.060/2019, Decreto esse que atualmente regulamenta à Lei nº 6.019/1974:

Art. 8º Compete à empresa de trabalho temporário remunerar e assistir os trabalhadores temporários quanto aos seus direitos, a que se referem os art. 20 ao art. 23.

Art. 10. A empresa de trabalho temporário fica obrigada a apresentar ao agente da fiscalização, quando solicitado, o contrato celebrado com o trabalhador temporário, a comprovação do recolhimento das contribuições previdenciárias e os demais documentos comprobatórios do cumprimento das obrigações estabelecidas neste Decreto.

Art. 11. A empresa de trabalho temporário fica obrigada a discriminar, separadamente, em nota fiscal os valores pagos a título de obrigações trabalhistas e fiscais e a taxa de agenciamento de colocação à disposição dos trabalhadores temporários.

Art. 20. Ao trabalhador temporário são assegurados os seguintes direitos:

I - remuneração equivalente àquela percebida pelos empregados da mesma categoria da empresa tomadora de serviços ou cliente, calculada à base horária, garantido, em qualquer hipótese, o salário-mínimo regional;

II - pagamento de férias proporcionais, calculado na base de um doze avos do último salário percebido, por mês trabalhado, nas seguintes hipóteses:

a) dispensa sem justa causa,

b) pedido de demissão; ou

c) término normal do contrato individual de trabalho temporário;

III - Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, na forma prevista em lei;

IV - benefícios e serviços da Previdência Social;

V - seguro de acidente do trabalho; e

VI - anotação da sua condição de trabalhador temporário em sua Carteira de Trabalho e Previdência Social, em anotações gerais, conforme regulamentado em ato do Ministro de Estado da Economia.

Parágrafo único. Para fins do disposto no inciso II do caput, será considerada como mês completo a fração igual ou superior a quinze dias úteis.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Como podemos verificar, a responsabilidade pelos encargos trabalhistas e previdenciários dos trabalhadores contratados na modalidade "trabalho temporário" é da empresa de trabalho temporário. Partindo dessa premissa, temos que os dispêndios com salários, benefícios obrigatórios e facultativos, bem como os encargos trabalhistas e previdenciários relativos aos trabalhadores temporários são, em verdade, despesas ou custos diretamente atribuíveis a atividade fim da empresa de trabalho temporário, como ocorre em qualquer outra pessoa jurídica prestadora de serviços.

Aliás, no caso das empresas de trabalho temporário há a particularidade de essas despesas e custos serem atribuídos a ela por força da legislação e não por força negocial. Assim, haverá nulidade de eventuais disposições contratuais que transfiram juridicamente tais despesas e custo para a empresa tomadora dos serviços.

Assim, podemos afirmar que:

  1. a Base de Cálculo (BC) das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins, tanto no regime de apuração cumulativa quanto no regime de apuração não cumulativa, é o valor total do faturamento ou da receita, respectivamente, auferido pela pessoa jurídica, sendo permitidas somente as exclusões expressamente fixadas na legislação;
  2. no caso de pessoa jurídica prestadora de serviços de locação de mão de obra temporária (empresa de trabalho temporário), regida pela Lei nº 6.019/1974, a Base de Cálculo (BC) das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins, tanto no regime de apuração cumulativa quanto no regime de apuração não cumulativa, abrange os valores recebidos pela pessoa jurídica de seus tomadores de serviços e posteriormente destinados ao pagamento de salários dos trabalhadores temporários e de encargos sociais a eles relativos.

Por fim, cabe mencionar que a jurisprudência atual encontra-se consolidada nesse mesmo sentido, conforme decidiu o Superior Tribunal de Justiça (STJ) no Resp 1.141.065/SC, julgado na forma dos recursos repetitivos representativos de controvérsias, cujo excerto da elucidativa ementa afirma:

"1. A base de cálculo do PIS e da COFINS, independentemente do regime normativo aplicável (Leis Complementares 7/70 e 70/91 ou Leis ordinárias 10.637/2002 e 10.833/2003), abrange os valores recebidos pelas empresas prestadoras de serviços de locação de mão-de-obra temporária (regidas pela Lei 6.019/74 e pelo Decreto 73.841/74), a título de pagamento de salários e encargos sociais dos trabalhadores temporários. (...)"

Processo REsp 1141065 / SC RECURSO ESPECIAL 2009/0095932-9 Relator(a) Ministro LUIZ FUX (1122) Órgão Julgador S1 - PRIMEIRA SEÇÃO Data do Julgamento 09/12/2009 Data da Publicação/Fonte DJe 01/02/2010

Base Legal: Preâmbulo e art. 2º Lei nº 6.019/1974; Art. 3º, caput, I do Decreto nº 10.060/2019; Solução de Consulta Cosit nº 303/2018 e; Resp 1.141.065/SC (Checado pela Valor em 30/11/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Locação de mão de obra temporária: Tributação dos valores recebidos pelas empresas de trabalho temporário para pagamento de salários e encargos (Área: PIS/Pasep e Cofins). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=1182&titulo=locacao-mao-de-obra-temporaria-tributacao-valores-recebidos-pelas-empresas-de-trabalho-temporario-para-pagamento-de-salarios-encargos. Acesso em: 26/01/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Regime de tributação monofásica

Em algumas operações, onde é extremamente difícil a fiscalização por parte da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), nosso legislador achou por bem tributá-las de forma diferenciada. Para essas operações o legislador criou o regime monofásico para tributação das contribuições destinadas ao PIS/Pasep e a Cofins. Assim, determinados produtos passaram a ter suas alíquotas majoradas quando da saída de empresa que os tenha industrializado ou importado. Est (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: PIS/Pasep e Cofins


Crédito fiscal do PIS/Pasep e Cofins: Energia elétrica consumida em condomínio industrial

Analisaremos no presente estudo a tomada dos créditos fiscais de PIS/Pasep e Cofins incidentes sobre os valores das despesas e custos incorridos no mês com energia elétrica no estabelecimento de pessoa jurídica tributada pelo regime da não cumulatividade das contribuições, no caso de a mesma operar em condomínio industrial envolvendo várias pessoas jurídicas que exploram esse ramo. Para tanto, utilizaremos como basde de estudo a Lei nº 10.637/2002 e Lei nº 10.833 (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: PIS/Pasep e Cofins


Suspensão do PIS/Pasep e Cofins: Venda de desperdícios, resíduos ou aparas

Abordaremos neste Roteiro de Procedimentos a suspensão das contribuições para o PIS/Pasep e para a Cofins incidentes na venda de desperdícios, resíduos ou aparas. Para tanto, utilizaremos como base os artigos 47 e 48 da Lei nº 11.196/2005 (Lei do Bem). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: PIS/Pasep e Cofins


Tributação do PIS/Pasep e Cofins: Receitas financeiras

Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos a incidência das contribuições para o PIS/Pasep e para a Cofins sobre as receitas financeiras, tanto no regime cumulativo como no não cumulativo. Tema que era para ser relativamente simples, mas que nosso legislador deixou deveras complicado. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: PIS/Pasep e Cofins


Hipóteses de aplicação de alíquota zero (0%) das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins importação

No presente Roteiro de Procedimentos trataremos das hipóteses em que a legislação das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins preveem a alíquota 0% (zero por cento) na importação de produtos. Nossa fonte principal de estudo é a Instrução Normativa RFB nº 1.911/2020, a qual centraliza essas hipóteses. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: PIS/Pasep e Cofins


Receita Federal divulga entendimento a respeito do crédito de PIS/Pasep e Cofins sobre gastos com vale-transporte de funcionários

Segundo a Divisão de Tributação da Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil (Disit) nº 3, o gasto custeado pelo empregador com vale-transporte fornecido a seus funcionários que trabalham diretamente na produção de bens ou na prestação de serviços, por ser despesa decorrente de imposição legal, pode ser considerado insumo, para fins do desconto de crédito das contribuições para a Cofins e o PIS/Pasep. Referido entendimento foi exarado na Soluç (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (PIS e Cofins)


Receita Federal autoriza créditos de PIS/Pasep e Cofins sobre as aquisições de álcool em gel, luvas e máscaras de proteção contra a COVID-19

Através da Solução de Consulta Cosit nº 164/2021, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) veio esclarecer que o álcool em gel, luvas e máscaras de proteção contra a COVID-19 fornecidos trabalhadores por ela alocados nas suas atividades de produção de bens podem ser considerados insumos para fins da apropriação de créditos na apuração não cumulativa das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins durante o período em que a legislação de combate à refe (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (PIS e Cofins)


PGFN define os procedimentos para cumprimento da decisão sobre a exclusão do ICMS da base de cálculo das contribuições - Parecer SEI nº 7698/2021

MINISTÉRIO DA ECONOMIA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional Procuradoria-Geral Adjunta de Consultoria e Estratégia da Representação Judicial Coordenação-Geral da Representação Judicial da Fazenda Nacional Coordenação de Consultoria Judicial PARECER SEI Nº 7698/2021/ME Documento Público. Ausência de sigilo. Recurso Extraordinário nº 574.706/PR. Julgamento do Tema nº 69 de Repercussão Geral, com fixação da tese: "O ICMS não compõe a b (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (PIS e Cofins)


PIS e Cofins incidem sobre royalties de tecnologia desenvolvida por cooperativa agrícola de pesquisa

As receitas de royalties provenientes de atividades próprias de cooperativa de desenvolvimento científico e tecnológico do setor agropecuário devem integrar a base de cálculo das contribuições ao PIS e à Cofins. Aplicando esse entendimento em decisão unânime, a Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) deu provimento a recurso especial interposto pela Fazenda Nacional para garantir o recolhimento de PIS e Cofins sobre os royalties auferidos por uma co (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (PIS e Cofins)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

d