Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Retenção do INSS sobre serviços prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada

Resumo:

Discorreremos, no presente Roteiro, sobre os procedimentos contábeis pertinentes à retenção na fonte da contribuição ao INSS incidente sobre a remuneração da prestação de serviços por meio de cessão de mão-de-obra ou empreitada, tanto pelo lado da empresa prestadora (contratada) quanto pelo da empresa tomadora dos serviços (contratante).

Hashtags: #contabilizacao, #manualContabilidade, #lancamentoContabil, #tratamentoContabil, #cfc, #cpc, #retencaoPrevidenciaria, #cessaoMaoObra, #empreitada, #retencaoFonte, #inss, #contribuicaoPrevidenciaria, #retencao11, #servicosComRetencao, #dispensaRetencaoInss, #baseCalculoRetencao, #aliquatoRetencao,

Postado em: - Área: Manual de lançamentos contábeis.

1) Introdução:

Primeiramente, cabe nos esclarecer que o instituto da retenção na fonte tem por objetivo reduzir a inadimplência e a sonegação fiscal, bem como aperfeiçoar a arrecadação tributária. Através desse instituto a legislação elege um responsável (terceiro na relação) para efetuar o recolhimento do tributo aos cofres públicos, normalmente a fonte pagadora.

No que se refere à retenção da contribuição previdenciária (aqui chamada apenas de INSS) incidente sobre serviços prestados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, desde a sua instituição em 01/02/1999, foi regulada primeiramente através da Ordem de Serviço INSS/DAF nº 209/1999, depois, a partir de 01/09/2002, passou a ser disciplinada nas Instruções Normativas nºs 69, 70 e 71/2002, e no período de 01/04/2004 a 31/07/2005 foi disciplinada pela Instrução Normativa INSS/DC nº 100/2003. Já a partir de 01/08/2005 passou a ser disciplinada pela Instrução Normativa SRP nº 3/2005 e desde 13/11/2009, está sendo disciplinada na Instrução Normativa RFB n° 971/2009.

Com base nessas normas legais, a empresa contratante de serviços prestados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, a partir da competência fevereiro de 1999, deverá reter 11% (onze por cento) do valor bruto da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços e recolher à Previdência Social a importância retida, em documento de arrecadação identificado com a denominação social e o Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) da empresa contratada.

A empresa contratada, por sua vez, compensará o INSS retido quando do recolhimento das contribuições sociais incidentes sobre a folha de pagamento dos segurados empregados, empresários e trabalhadores autônomos. Lembrando que a compensação dos valores retidos será efetuada na guia de recolhimento de contribuições previdenciárias relativa à folha de pagamento da mesma competência da emissão da Nota Fiscal, fatura ou recibo.

Devido à importância do tema, discorreremos no presente Roteiro sobre os procedimentos contábeis pertinentes à retenção na fonte da contribuição ao INSS incidente sobre a remuneração da prestação de serviços por meio de cessão de mão-de-obra ou empreitada, tanto pelo lado da empresa prestadora (contratada) quanto pelo da empresa tomadora dos serviços (contratante).

Nota Valor Consulting:

(1) Todas as alíquotas e valores mencionados neste Roteiro de Procedimentos são hipotéticos, assim, para informações sobre os aspectos previdenciários da retenção veja o nosso Roteiro sobre o tema em nossos Guias Trabalhista e Previdenciário.

Base Legal: Arts. 112, caput e 113 da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceitos:

2.1) Cessão de mão-de-obra:

Cessão de mão-de-obra é a colocação à disposição da empresa contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de trabalhadores que realizem serviços contínuos, relacionados ou não com sua atividade fim, quaisquer que sejam a natureza e a forma de contratação, inclusive por meio de trabalho temporário na forma da Lei nº 6.019/1974.

Base Legal: Art. 115, caput da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

2.1.1) Dependência de terceiros:

Dependências de terceiros são aquelas indicadas pela empresa contratante, que não sejam as suas próprias e que não pertençam à empresa prestadora dos serviços.

Base Legal: Art. 115, § 1º da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

2.1.2) Serviços contínuos:

Serviços contínuos são aqueles que constituem necessidade permanente da contratante, que se repetem periódica ou sistematicamente, ligados ou não a sua atividade fim, ainda que sua execução seja realizada de forma intermitente ou por diferentes trabalhadores.

Base Legal: Art. 115, § 2º da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

2.1.3) Colocação à disposição da empresa:

Por colocação à disposição da empresa contratante entende-se a cessão do trabalhador, em caráter não eventual, respeitados os limites do contrato.

Base Legal: Art. 115, § 3º da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

2.2) Empreitada:

Empreitada é a execução, contratualmente estabelecida, de tarefa, de obra ou de serviço, por preço ajustado, com ou sem fornecimento de material ou uso de equipamentos, que podem ou não ser utilizados, realizada nas dependências da empresa contratante, nas de terceiros ou nas da empresa contratada, tendo como objeto um resultado pretendido, observado o artigo 149, VI da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 quanto à empreitada realizada nas dependências da contratada.

Abaixo redação do mencionado artigo 149, VI da Instrução Normativa RFB nº 971/2009:

Art. 149. Não se aplica o instituto da retenção:

(...)

VI - à empreitada realizada nas dependências da contratada;

(...)

Base Legal: Arts. 116 e 149, caput, VI da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3) Tratamento tributário:

De acordo com o artigo 112 da Instrução Normativa RFB nº 971/2009, desde 01/02/1999, a empresa contratante de serviços por meio de cessão de mão-de-obra ou empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, deverá reter 11% (onze por cento) do valor bruto da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços e recolher à Previdência Social a importância retida, em documento de arrecadação identificado com a denominação social e o CNPJ da empresa contratada. O recolhimento deverá ser feito até o dia 20 (vinte) do mês subsequente ao da emissão da respectiva Nota Fiscal.

Esse valor, que deverá ser destacado na Nota Fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços, poderá ser compensado por qualquer estabelecimento da empresa contratada, com as contribuições devidas à Previdência Social ou ser objeto de pedido de restituição, na forma prevista em ato próprio da Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB).

A retenção antecipa somente as contribuições destinadas à Previdência Social, ficando a contratada sujeita ao recolhimento das contribuições destinadas a outras entidades ou fundos, arrecadadas pelo INSS, vedada a compensação de valores retidos sobre esta rubrica.

Notas Valor Consulting:

(2) Além do INSS, as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas pela prestação de serviços de limpeza, conservação, segurança, vigilância e por locação de mão-de-obra sujeitam-se à retenção do Imposto de Renda na Fonte à alíquota de 1% (um por cento). O imposto é considerado antecipação do devido pela beneficiária.

(3) O artigo 30 da Lei nº 10.833/2003, instituiu a retenção da Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL), da Cofins e da contribuição para o PIS/Pasep incidente sobre os pagamentos efetuados pelas pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas de direito privado, pela prestação de serviços de limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão-de-obra, pela prestação de serviços de assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais. Porém, deixamos de focalizar essas contribuições por não interferirem no tema abordado neste Roteiro de Procedimentos, mas o assunto poderá ser estudado no Roteiro de Procedimentos institulado "Contribuições sociais retidas na fonte - CSRF".

Base Legal: Art. 30 da Lei nº 10.833/2003; Arts. 716 e 717 do RIR/2018 e; Artigo 112, caput, §§ 1º e 113 da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

3.1) Optantes pelo Simples Nacional:

A partir de 01/01/2009, as Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP) optantes pelo Simples Nacional, que prestarem serviços mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada não estão sujeitas à retenção sobre o valor bruto da Nota Fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços emitidos, excetuada:

  1. a ME ou a EPP tributada na forma dos Anexos IV e V da Lei Complementar nº 123/2006, para os fatos geradores ocorridos até 31/12/2008; e
  2. a ME ou a EPP tributada na forma do Anexo IV da Lei Complementar nº 123/2006, para os fatos geradores ocorridos a partir de 01/01/2009.

Nota Valor Consulting:

(4) A ME ou a EPP estará sujeita à exclusão do Simples Nacional na hipótese de prestação de serviços mediante cessão ou locação de mão-de-obra.

Base Legal: Art. 191, caput da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

3.2) Serviços sujeitos a retenção na fonte:

Estão sujeitos à retenção do INSS, se contratados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, os serviços de:

  1. limpeza, conservação ou zeladoria, que se constituam em varrição, lavagem, enceramento ou em outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, jardins, rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências, logradouros, vias públicas, pátios ou de áreas de uso comum;
  2. vigilância ou segurança, que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de bens patrimoniais (5);
  3. construção civil, que envolvam a construção, a demolição, a reforma ou o acréscimo de edificações ou de qualquer benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo ou obras complementares que se integrem a esse conjunto, tais como a reparação de jardins ou de passeios, a colocação de grades ou de instrumentos de recreação, de urbanização ou de sinalização de rodovias ou de vias públicas;
  4. natureza rural, que se constituam em desmatamento, lenhamento, aração ou gradeamento, capina, colocação ou reparação de cercas, irrigação, adubação, controle de pragas ou de ervas daninhas, plantio, colheita, lavagem, limpeza, manejo de animais, tosquia, inseminação, castração, marcação, ordenhamento e embalagem ou extração de produtos de origem animal ou vegetal;
  5. digitação, que compreendam a inserção de dados em meio informatizado por operação de teclados ou de similares;
  6. preparação de dados para processamento, executados com vistas a viabilizar ou a facilitar o processamento de informações, tais como o escaneamento manual ou a leitura ótica.

Esta sujeitos à retenção do INSS, se contratados mediante cessão de mão-de-obra, os serviços de:

  1. acabamento, que envolvam a conclusão, o preparo final ou a incorporação das últimas partes ou dos componentes de produtos, para o fim de colocá-los em condição de uso;
  2. embalagem, relacionados com o preparo de produtos ou de mercadorias visando à preservação ou à conservação de suas características para transporte ou guarda;
  3. acondicionamento, compreendendo os serviços envolvidos no processo de colocação ordenada dos produtos quando do seu armazenamento ou transporte, a exemplo de sua colocação em paletes, empilhamento, amarração, dentre outros;
  4. cobrança, que objetivem o recebimento de quaisquer valores devidos à empresa contratante, ainda que executados periodicamente;
  5. coleta ou reciclagem de lixo ou de resíduos, que envolvam a busca, o transporte, a separação, o tratamento ou a transformação de materiais inservíveis ou resultantes de processos produtivos, exceto quando realizados com a utilização de equipamentos tipo contêineres ou caçambas estacionárias;
  6. copa, que envolvam a preparação, o manuseio e a distribuição de todo ou de qualquer produto alimentício;
  7. hotelaria, que concorram para o atendimento ao hóspede em hotel, pousada, paciente em hospital, clínica ou em outros estabelecimentos do gênero;
  8. corte ou ligação de serviços públicos, que tenham como objetivo a interrupção ou a conexão do fornecimento de água, de esgoto, de energia elétrica, de gás ou de telecomunicações;
  9. distribuição, que se constituam em entrega, em locais predeterminados, ainda que em via pública, de bebidas, de alimentos, de discos, de panfletos, de periódicos, de jornais, de revistas ou de amostras, dentre outros produtos, mesmo que distribuídos no mesmo período a vários contratantes;
  10. treinamento e ensino, assim considerados como o conjunto de serviços envolvidos na transmissão de conhecimentos para a instrução ou para a capacitação de pessoas;
  11. entrega de contas e de documentos, que tenham como finalidade fazer chegar ao destinatário documentos diversos tais como, conta de água, conta de energia elétrica, conta de telefone, boleto de cobrança, cartão de crédito, mala direta ou similares;
  12. ligação de medidores, que tenham por objeto a instalação de equipamentos destinados a aferir o consumo ou a utilização de determinado produto ou serviço;
  13. leitura de medidores, aqueles executados, periodicamente, para a coleta das informações aferidas por esses equipamentos, tais como a velocidade (radar), o consumo de água, de gás ou de energia elétrica;
  14. manutenção de instalações, de máquinas ou de equipamentos, quando indispensáveis ao seu funcionamento regular e permanente e desde que mantida equipe à disposição da contratante;
  15. montagem, que envolvam a reunião sistemática, conforme disposição predeterminada em processo industrial ou artesanal, das peças de um dispositivo, de um mecanismo ou de qualquer objeto, de modo que possa funcionar ou atingir o fim a que se destina;
  16. operação de máquinas, de equipamentos e de veículos relacionados com a sua movimentação ou funcionamento, envolvendo serviços do tipo manobra de veículo, operação de guindaste, painel eletroeletrônico, trator, colheitadeira, moenda, empilhadeira ou caminhão fora-de-estrada;
  17. operação de pedágio ou de terminal de transporte, que envolvam a manutenção, a conservação, a limpeza ou o aparelhamento de terminal de passageiros terrestre, aéreo ou aquático, de rodovia, de via pública, e que envolvam serviços prestados diretamente aos usuários;
  18. operação de transporte de passageiros, inclusive nos casos de concessão ou de subconcessão, envolvendo o deslocamento de pessoas por meio terrestre, aquático ou aéreo;
  19. portaria, recepção ou ascensorista, realizados com vistas ao ordenamento ou ao controle do trânsito de pessoas em locais de acesso público ou à distribuição de encomendas ou de documentos;
  20. recepção, triagem ou movimentação, relacionados ao recebimento, à contagem, à conferência, à seleção ou ao remanejamento de materiais;
  21. promoção de vendas ou de eventos, que tenham por finalidade colocar em evidência as qualidades de produtos ou a realização de shows, de feiras, de convenções, de rodeios, de festas ou de jogos;
  22. secretaria e expediente, quando relacionados com o desempenho de rotinas administrativas;
  23. saúde, quando prestados por empresas da área da saúde e direcionados ao atendimento de pacientes, tendo em vista avaliar, recuperar, manter ou melhorar o estado físico, mental ou emocional desses pacientes;
  24. telefonia ou de telemarketing, que envolvam a operação de centrais ou de aparelhos telefônicos ou de teleatendimento.

As relações dos serviços sujeitos à retenção apresentadas acima são exaustivas, ou seja, no se pode aplicá-las a serviços análogos. Porém, a pormenorização das tarefas compreendidas em cada um dos serviços, é meramente exemplificativa.

Notas Valor Consulting:

(5) Os serviços de vigilância ou segurança prestados por meio de monitoramento eletrônico não estão sujeitos à retenção.

(6) Não se aplica o instituto da retenção:

  1. à contratação de serviços prestados por trabalhadores avulsos por intermédio de sindicato da categoria ou de OGMO;
  2. à empreitada total, conforme definição contida no artigo 7º, caput, III, § 1º da Instrução Normativa RFB nº 2.021/2021, hipótese em que será aplicada a solidariedade, conforme disposições previstas na Seção III do Capítulo IX deste Título da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 , observado o disposto no artigo 164 e 151, § 2º, IV da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 ;
  3. à contratação de entidade beneficente de assistência social isenta de contribuições sociais;
  4. ao contribuinte individual equiparado à empresa e à pessoa física;
  5. à contratação de serviços de transporte de cargas, a partir de 10/06/2003, data da publicação no Diário Oficial da União do Decreto nº 4.729/2003;
  6. à empreitada realizada nas dependências da contratada;
  7. aos órgãos públicos da administração direta, autarquias e fundações de direito público quando contratantes de obra de construção civil, reforma ou acréscimo, por meio de empreitada total ou parcial, observado o disposto no inciso IV do § 2º do artigo 151, ressalvado o caso de contratarem serviços de construção civil mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, em que se obrigam a efetuar a retenção prevista no artigo 112.
Base Legal: Arts. 117 a 119 e 149 da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.3) Dispensa da retenção:

A contratante fica dispensada de efetuar a retenção, e a contratada, de registrar o destaque da retenção na Nota Fiscal, na fatura ou no recibo, quando:

  1. o valor correspondente a 11% (onze por cento) dos serviços contidos em cada nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços for inferior ao limite mínimo estabelecido pela RFB para recolhimento em documento de arrecadação;
  2. a contratada não possuir empregados, o serviço for prestado pessoalmente pelo titular ou sócio e o seu faturamento do mês anterior for igual ou inferior a 2 (duas) vezes o limite máximo do salário-de-contribuição, cumulativamente;
  3. a contratação envolver somente serviços profissionais relativos ao exercício de profissão regulamentada por legislação federal, ou serviços de treinamento e ensino, desde que prestados pessoalmente pelos sócios, sem o concurso de empregados ou de outros contribuintes individuais.

Para comprovação dos requisitos previstos na letra "b", a contratada apresentará à tomadora declaração assinada por seu representante legal, sob as penas da lei, de que não possui empregados e o seu faturamento no mês anterior foi igual ou inferior a 2 (duas) vezes o limite máximo do salário-de-contribuição.

Para comprovação dos requisitos previstos na letra "c", a contratada apresentará à tomadora declaração assinada por seu representante legal, sob as penas da lei, de que o serviço foi prestado por sócio da empresa, no exercício de profissão regulamentada, ou, se for o caso, por profissional da área de treinamento e ensino, e sem o concurso de empregados ou contribuintes individuais, ou consignará o fato na Nota Fiscal, na fatura ou no recibo de prestação de serviços.

Para fins do disposto na letra "c", são serviços profissionais regulamentados pela legislação federal, dentre outros, os prestados por administradores, advogados, aeronautas, aeroviários, agenciadores de propaganda, agrônomos, arquitetos, arquivistas, assistentes sociais, atuários, auxiliares de laboratório, bibliotecários, biólogos, biomédicos, cirurgiões dentistas, contabilistas, economistas domésticos, economistas, enfermeiros, engenheiros, estatísticos, farmacêuticos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, geógrafos, geólogos, guias de turismo, jornalistas profissionais, leiloeiros rurais, leiloeiros, massagistas, médicos, meteorologistas, nutricionistas, psicólogos, publicitários, químicos, radialistas, secretárias, taquígrafos, técnicos de arquivos, técnicos em biblioteconomia, técnicos em radiologia e tecnólogos.

Base Legal: Art. 120 da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

3.4) Outras disposições:

Conforme mencionado anteriormente, este Roteiro visa apresentar aos nossos leitores os procedimentos contábeis pertinentes à retenção na fonte da contribuição ao INSS incidente sobre a remuneração da prestação de serviços por meio de cessão de mão-de-obra ou empreitada, portanto, neste trabalho não adentraremos nos aspectos previdenciários da mencionada retenção. Caso o leitor queira maiores detalhes sobre as regras previdenciárias da retenção, recomendamos a leitura de Roteiro específico sobre o tema disponibilizado em nossa área Trabalhista/Previdenciária.

Neste roteiro, o leitor poderá encontrar, além de outros pontos específicos, os seguintes tópicos envolvendo a retenção do INSS:

  1. Apuração e Deduções da Base de Cálculo da Retenção;
  2. Destaque da Retenção no documento;
  3. Subcontratação;
  4. Recolhimento do Valor Retido;
  5. Obrigações da Empresa Contratada e Contratante;
  6. Retenção na Construção Civil;
  7. Retenção na Prestação de Serviços em Condições Especiais;
  8. Penalidades;
  9. Entre outros tópicos.
Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Tratamento contábil:

Nos próximos subcapítulo apresentamos, de modo geral, como devem ser efetuados os lançamentos contábeis da retenção na fonte dos 11% (onze por cento) de INSS, tanto pelo lado da empresa prestadora (contratada) quanto pelo da empresa tomadora dos serviços (contratante).

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

4.1) Contabilização na empresa contratante:

A retenção da contribuição ao INSS pela empresa contratante (tomadora dos serviços), que tem a obrigatoriedade de reter e recolher a contribuição, deverá ser registrada a crédito de conta própria do subgrupo de impostos e contribuições a recolher, no Passivo Circulante (PC), que pode ser denominada "INSS Retido na Fonte a Recolher (PC)", por ocasião da contabilização da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo do prestador de serviços, observando sempre o regime de competência.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

4.2) Contabilização na empresa contratada:

O INSS descontado na fonte sobre os serviços prestados por pessoa jurídica a outra pessoa jurídica será considerado como antecipação do INSS devido pela beneficiária. Assim, a empresa contratada (prestadora dos serviços) deve registrar o valor da contribuição ao INSS a ser retida pela empresa contratante (tomadora dos serviços) a débito de conta própria do subgrupo de impostos e contribuições a recuperar, no Ativo Circulante (AC), que pode ser denominada "INSS Retido na Fonte a Compensar (AC)", por ocasião da contabilização da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo referente aos serviços prestados, observando sempre o regime de competência.

Desta forma, o INSS, na pessoa jurídica prestadora do serviço, assume características de um direito a ser compensável. Assim, por ocasião da contabilização da folha de pagamento (dos empregados, empresários e autônomos), o valor da contribuição ao INSS devida pela empresa será registrado a crédito da conta de "INSS a Recolher (PC)", no Passivo Circulante (PC).

Quando for efetivada a compensação do valor retido na fonte com o valor da contribuição efetivamente devida ao INSS (na GPS), o valor compensado, registrado na conta "INSS Retido na Fonte a Compensar (AC)", será baixado a débito da conte de "INSS a Recolher (PC)".

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

4.3) Exemplo Prático:

A título de exemplo, suponhamos que a empresa Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., empresa com sede no Município de Campinas/SP, tenha contratado a empresa Limpex Ltda. para cessão de mão-de-obra de pessoal para execução de serviços de limpeza, conservação e zeladoria de seu estabelecimento industrial também situado em Campinas/SP. Suponhamos, ainda, que no mês de novembro de 2X01 a empresa Limpex tenha emitido Nota Fiscal-Fatura de prestação de serviços de limpeza com os seguintes dados:

  1. Valor dos serviços prestados: R$ 10.000,00;
  2. Valor do INSS Retido na Nota Fiscal: R$ 1.100,00 (R$ 10.000,00 X 11%);
  3. Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF): R$ 100,00 (R$ 10.000,00 X 1%);
  4. Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL): R$ 100,00 (R$ 10.000,00 X 1%);
  5. Cofins retido na fonte: R$ 300,00 (R$ 10.000,00 X 3%);
  6. PIS/Pasep retido na fonte: R$ 65,00 (R$ 10.000,00 X 0,65%); e
  7. Valor líquido da Nota Fiscal: R$ 8.335,00.

Além disso, a empresa Limpex Ltda. estará sujeita ao Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) de acordo com o Município de seu domicilio fiscal, mas deixamos de focalizar seu cálculo e contabilização por não interferir no foco principal do presente Roteiro de Procedimentos, qual seja, a contabilização da retenção do INSS sobre serviços prestados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada.

Nota Valor Consulting:

(7) Quando da emissão da Nota Fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços, a contratada deve destacar o valor da retenção com o título de "RETENÇÃO PARA A PREVIDÊNCIA SOCIAL".

Base Legal: Art. 126 da Instrução Normativa RFB n° 971/2009 (Checado pela Valor em 05/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.3.1) Contabilização na empresa contratante:

A empresa tomadora dos serviços (contratante) deverá registrar em sua contabilidade a Nota Fiscal-Fatura emitida pela empresa contratada da seguinte forma:

Registro da NF-Fatura de serviços de limpeza:

D - Serviços Prestados por Pessoa Jurídica (CR) _ R$ 10.000,00

C - Fornecedores (PC) _ R$ 8.335,00

C - IR Fonte a Recolher (PC) _ R$ 100,00

C - INSS Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 1.100,00

C - CSLL a Recolher (PC) _ R$ 100,00

C - Cofins Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 300,00

C - PIS/Pasep Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 65,00


Legenda:

PC: Passivo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Quando do recolhimento do INSS retido na fonte sobre os serviços de limpeza executados pela empresa Limpex (contratada), a empresa contratante (Vivax) deverá efetuar o seguinte lançamento contábil, conforme Guia da Previdência Social (GPS) emitida em nome e no CNPJ da empresa prestadora dos serviços:

Recolhimento do INSS Retido na Fonte:

D - INSS Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 1.100,00

C - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 1.100,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Já no momento do recolhimento do IRRF, a empresa contratante (Vivax) deverá efetuar o seguinte lançamento contábil, conforme Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf) emitido (8):

Recolhimento do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF):

D - IR Fonte a Recolher (PC) _ R$ 100,00

C - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 100,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Por outro lado, quando do recolhimento das contribuições sociais retidas na fonte (CSRF), a Vivax deverá providenciar os seguintes lançamentos em sua escrita contábil:

Registro da NF-Fatura de serviços de limpeza:

D - CSLL a Recolher (PC) _ R$ 100,00

D - Cofins Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 300,00

D - PIS/Pasep Retido na Fonte a Recolher (PC) _ R$ 65,00

C - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 465,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Por fim, a empresa Vivax (contratante) deverá registrar o pagamento da Nota Fiscal-Fatura anteriormente registrada em sua contabilidade. Assim, no momento do efetivo pagamento ela deverá efetuar o seguinte lançamento contábil:

Pagamento da Nota Fiscal-Fatura de prestação de serviços:

D - Fornecedores (PC) _ R$ 8.335,00

C - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 8.335,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Nota Valor Consulting:

(8) Esse Darf deve totalizar o Imposto de Renda de todas as prestações de serviços com o mesmo Código de Receita (CR).

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.3.2) Contabilização na empresa contratada:

A empresa prestadora dos serviços de limpeza (contratada) deverá registrar em sua contabilidade a Nota Fiscal-Fatura emitida, da seguinte forma:

Registro da NF-Fatura de prestação de serviços de limpeza:

D - Clientes (AC) _ R$ 8.335,00

D - IR Fonte a Compensar (AC) _ R$ 100,00

D - INSS Retido na Fonte a Compensar (AC) _ R$ 1.100,00

D - CSLL Retido na Fonte a Compensar (AC) _ R$ 100,00

D - Cofins Retido na Fonte a Compensar (AC) _ R$ 300,00

D - PIS/Pasep Retido na Fonte a Compensar (AC) _ R$ 65,00

C - Receita de Prestação de Serviços (CR) _ R$ 10.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Quando do recebimento da fatura dos serviços de limpeza prestados, a empresa Limpex (contratada) deverá efetuar em sua contabilidade o seguinte lançamento contábil:

Recebimento da Nota Fiscal-Fatura de prestação de serviços:

D - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 8.335,00

C - Clientes (AC) _ R$ 8.335,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

4.3.2.1) Compensação do valor retido na fonte e pagamento do saldo remanescente do INSS:

Conforme já visto nesse trabalho, a empresa contratada poderá compensar o INSS retido com as contribuições devidas à Previdência Social incidentes sobre a folha de pagamento dos segurados empregados, empresários e trabalhadores autônomos, na forma prevista em ato próprio da RFB.

Para tanto, imaginemos que a empresa Limpex deva a título de INSS sobre folha de pagamento a importância de R$ 100.000,00 (dos quais R$ 85.000,00 relativos à contribuição ao INSS - parcela descontada dos empregados e parte da empresa - e R$ 15.000,00 referente à contribuição para terceiros), assim, considerando esses dados teríamos um saldo a recolher no valor de R$ 98.900,00, como segue:

INSS descontado dos empregados e parte da empresaR$ 85.000,00
(-) INSS Retido na FonteR$ 1.100,00 (9)
(=) SubtotalR$ 83.900,00
(+) Contribuição a terceirosR$ 15.000.00
(=) Saldo a pagarR$ 98.900,00

Para finalizarmos o nosso exemplo, a empresa Limpex (contratada) deverá efetuar os lançamentos contábeis para registrar a compensação do valor do INSS retido na fonte e do pagamento do respectivo saldo remanescente. Assim, sugerimos os seguintes lançamentos contábeis:

Pela compensação do INSS Retido na Fonte:

D - INSS a Recolher (PC) _ R$ 1.100,00

C - INSS Retido na Fonte a Compensar (AC) _ R$ 1.100,00


Pelo pagamento do INSS devido na competência 11/20X1:

D - INSS a Recolher (PC) _ R$ 98.900,00

C - Banco c/ Movto. (AC) _ R$ 98.900,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

PC: Passivo Circulante.

Notas Valor Consulting:

(9) A fim de simplificarmos o nosso exemplo, estamos imaginando que a empresa Limpex tenha no mês de novembro de 20X1 emitido apenas uma Nota Fiscal-Fatura de prestação de serviços.

(10) Por medida de simplificação, deixamos de demonstrar o lançamento contábil relativo à compensação do IRRF e das CSRF incidente sobre os serviços prestados pela empresa Limpex Ltda..

Base Legal: Equipe Valor Consulting.
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Retenção do INSS sobre serviços prestados mediante cessão de mão de obra ou empreitada (Área: Manual de lançamentos contábeis). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=119&titulo=retencao-do-inss-sobre-servi%EF%BF%BD%EF%BF%BDos-prestados-mediante-cessao-de-mao-de-obra-ou-empreitada-contabilizacao. Acesso em: 27/10/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Desfalque, roubo ou furto de mercadorias

O desfalque, roubo ou furto de mercadorias infelizmente é muito comum nas empresas, principalmente nas que produzem e comercializam bens. Devido à importância do fenômeno, estudaremos nesse Roteiro os procedimentos contábeis aplicáveis aos casos de desfalque, roubo ou furto de mercadorias praticados por terceiros ou empregados, dentro ou fora da empresa, tendo em vista a possibilidade de ganho ou perda de estoque. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento contábil a ser dado aos gastos realizados com o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do Imposto de Renda (RIR/2018), aprovado pelo Decreto nº 9.580/2018, bem como outras normas citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Aplicações financeiras de renda fixa

Estudaremos neste Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito os lançamentos contábeis das aplicações financeiras realizadas com títulos de renda fixa, entendido como tal àqueles cuja remuneração ou retorno de capital podem ser dimensionado no momento da aplicação. Esses títulos são classificados em públicos ou privados, conforme a condição da entidade ou empresa que os emite (governo ou empresa). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Sinistro de bens do Ativo Imobilizado

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deve ser feito a contabilização do recebimento da indenização de seguro, em decorrência do sinistro de bem do Ativo Imobilizado (ou Ativo Permanente). Aqui, estudaremos desde a baixa do bem sinistrado até a consequente contabilização dos valores apurados com a indenização, bem como do ganho ou da perda de capital apurado com o referido sinistro. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Prêmios de seguro

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deve ser feito a contabilização dos prêmios de seguro pagos pelas empresas brasileiras às empresas seguradoras, entendido como tal a soma em dinheiro, paga pelo segurado ao segurador, para que este assuma a responsabilidade de um determinado risco. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


CVM edita norma contábil

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) edita hoje, 22/10/2021, a Resolução CVM 58, que aprova o Documento de Revisão de Pronunciamento Técnico nº 19, emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). O documento apresenta alterações nos Pronunciamentos Técnicos CPC 37 (R1), CPC 48, CPC 29, CPC 27, CPC 25 e CPC 15 (R1) em decorrência de modificações aprovadas pelo IASB no documento do ciclo de melhorias 2018- 2020 (Annual Improvements 2018-2020) e nas (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


A LGPD e a proteção de dados nas organizações contábeis

A Lei nº 13.709/2018 ou Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) que tem como objetivo estabelecer regras sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais, impondo mais proteção às pessoas e penalidades para o seu descumprimento - foi um dos temas debatidos nesta quarta-feira, durante a Conferência Interamericana de Contabilidade (CIC), pelos palestrantes Karen Ranielli Borges e Nivaldo Cleto. Alguns dos primeiros passos para que em (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Valores das anuidades, taxas e multas devidas aos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) para o ano de 2022

Amigos contadores e técnicos em contabilidade, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) divulgou os valores das anuidades, taxas e multas devidas aos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) para o exercício de 2022. De acordo com a Resolução CFC nº 1.636/2021 do Conselho Federal, os valores das anuidades devidas devem ser pagas vencimento em 31/03/2022 e terão os seguintes valores: Profissional/escritório Valor (R$) Contador (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Publicado Portaria do Ministério da Economia sobre a publicação e divulgação dos atos das companhias fechadas com receita bruta anual de até R$ 78.000.000,00

Com a publicação da Portaria ME nº 12.071/2021 (1), a partir de 13/10/2021, as empresas de capital fechado (sem ações na bolsa) com receita bruta anual de até R$ 78 milhões (setenta e oito milhões de reais) publicarão seus atos societários na Central de Balanços do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), e o melhor, sem cobrança de qualquer taxa. Além disso, as companhias fechadas a que se refere a mencionada Portaria ficam desobrigadas de publicar sua (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Agenda das empresas fica comprometida com obrigações de fim de ano

De outubro em diante, começa uma contagem regressiva de encerramento de ciclo no meio corporativo, de maneiras diferentes em cada setor. Para os departamentos de Recursos Humanos, Pessoal e Contábil, o período é sinônimo de correria - em algumas empresas, a agitação persiste até janeiro do ano seguinte. Isso porque há muitas obrigações legais e despesas extras a cumprir. “Deixar tudo para as últimas semanas não é uma boa opção. O ideal é que estes set (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Lei de Goiás que imputa responsabilidade solidária ao contador é derrubada pelo STF

A totalidade dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional partes da Lei n° 17.519/2011, do Estado de Goiás, que estabelece a responsabilidade solidária do profissional da contabilidade pelo pagamento de tributos e penas pecuniárias de seus clientes. A votação da ação teve início no último dia 3 e foi finalizada nesta terça-feira (14). A decisão é resultado do trabalho do Conselho Regional de Contabilidade de Goiás (CRCGO) que, desde (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


CFC firma parceria com SEPRT para ampliar a fiscalização da profissão contábil

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT), do Ministério da Economia, firmaram um acordo de cooperação técnica para ampliar e fortalecer a fiscalização do exercício ilegal da profissão contábil no Brasil. A parceria começou a valer a partir de abril deste ano e terá duração de três anos, podendo ser renovada por igual período. Por meio da ação, o CFC passa a ter acesso à base de dados da Relação (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.