Dedução da Contribuição Previdenciária do empregado doméstico na Declaração de Ajuste Anual

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras que devem ser observadas para a dedução da contribuição previdenciária patronal (INSS-Patronal) incidente sobre a remuneração do empregado doméstico. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do IR (RIR/2018), os artigos 50 a 53 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 e a Instrução Normativa RFB nº 1.871/2019 que trata sobre a obrigatoriedade e sobre as regras de preenchimento da DAA - IRPF/2019, bem como outras fontes citadas ao longo de nosso trabalho.

Hashtags: #domestica #empregadaDomestica #contribuicaoPatronal

Postado em: - Área: Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

1) Introdução:

Desde o ano-calendário de 2006 (exercício 2007), com a entrada em vigor do artigo 1º da Lei nº 11.324/2006 (1), a contribuição patronal (INSS-Patronal) paga à Previdência Social pelo empregador doméstico incidente sobre o valor da remuneração de seu empregado doméstico poderá ser deduzida da Base de Cálculo (BC) do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) devido na Declaração de Ajuste Anual (DAA), desde que, é claro, respeitadas as regras previstas na legislação tributária e analisadas no presente Roteiro de Procedimentos.

Importante lembrar que esse incentivo fiscal vale somente para as pessoas físicas que optaram pelo modelo Completo da Declaração de Ajuste Anual (DAA), já que o modelo Simplificado prevê um desconto padrão de 20% (vinte por cento), que substitui todas as deduções legais permitidas (2).

Referida dedução deve ser informada na Ficha "Pagamentos Efetuados" da Declaração de Ajuste Anual (DAA), com a indicação do:

  1. Número de Inscrição do Trabalhador (NIT) ou o Número do Programa de Integração Social (PIS) ou o Número do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep);
  2. nome completo e o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) do empregado doméstico;
  3. valor pago, relativo à contribuição patronal recolhida pelo empregador doméstico; e
  4. valor não dedutível da contribuição patronal recolhida.

Eventualmente, caso a Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB) desconfie de alguma irregularidade, poderá pedir a comprovação dos gastos realizados com o empregado doméstico. Portanto, é de fundamental importância que o contribuinte guarde todos os comprovantes do recolhimento da contribuição patronal à Previdência Social, bem como do vínculo empregatício registrado em Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS).

Assim, devido à importância do tema para os empregadores domésticos, analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras que devem ser observadas para a dedução da contribuição previdenciária patronal (INSS-Patronal) incidente sobre a remuneração do empregado doméstico. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do Imposto de Renda (RIR/2018), os artigos 50 a 53 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 e a Instrução Normativa RFB nº 2.065/2022 que trata sobre a obrigatoriedade e sobre as regras de preenchimento da DAA - IRPF/2022, bem como outras fontes citadas ao longo de nosso trabalho.

Incluiremos neste trabalho, inclusive, um exemplo prático de cálculo do incentivo fiscal para que nosso leitor tenha o máximo de informação sobre o assunto.

Notas Valor Consulting:

(1) O artigo 1º da Lei nº 11.324/2006, que alterou o artigo 12 da Lei nº 9.250/1995, foi resultado da conversão da Medida Provisória (MP) nº 284/2006.

(2) Salvo algumas restrições legais, que obrigam o contribuinte a efetuar a entrega da Declaração de Ajuste Anual (DAA) pelo modelo Completo, em princípio cada pessoa física deve verificar qual modelo de declaração lhe é mais favorável, ou seja, qual lhe onerará menos ou trará um valor maior de restituição, conforme o caso.

(3) Se o empregador doméstico utiliza os serviços de uma diarista ele não poderá deduzir na sua DAA as contribuições previdenciárias desta profissional, pois a dedução permitida é do INSS-Patronal (empregador doméstico), e no caso da diarista não existe a figura do empregador e sim do tomador do serviço.

Base Legal: Art. 12, caput, VII, § 3º da Lei nº 9.250/1995; Art. 1º da Lei nº 11.324/2006; RIR/2018; Arts. 50 a 53 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 e; Instrução Normativa RFB nº 2.065/2022 (Checado pela Valor em 26/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceito:

2.1) Empregado doméstico:

A Lei Complementar nº 150/2015 (DOU de 02/06/2015), que dispõe sobre o contrato de trabalho doméstico, conceitua empregado doméstico como sendo aquele que presta serviços de forma contínua, subordinada, onerosa e pessoal e de finalidade não lucrativa à pessoa ou à família, no âmbito residencial destas, por mais de 2 (dois) dias por semana.

São exemplos de empregados domésticos:

  1. o motorista particular;
  2. a cozinheira;
  3. a lavadeira;
  4. o jardineiro;
  5. a babá;
  6. a copeira;
  7. o empregado de sítio de veraneio e de casa de praia;
  8. a governanta;
  9. a acompanhante;
  10. a passadeira;
  11. o vigilante;
  12. o mordomo;
  13. entre outros vinculados à definição acima.

Nota Valor Consulting:

(4) É vedada a contratação de menor de 18 (dezoito) anos para desempenho de trabalho doméstico, de acordo com a Convenção nº 182/1999, da Organização Internacional do Trabalho (OIT) e com o Decreto nº 6.481/2008.

Base Legal: Preâmbulo e art. 1º da Lei Complementar nº 150/2015 (Checado pela Valor em 26/09/22).

2.2) Empregador doméstico:

Empregador doméstico é a pessoa ou família que admite a seu serviço empregado doméstico.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

3) Tipos de declaração:

3.1) DAA Simplificada:

A DAA Simplificada é aquela na qual se utiliza um desconto padrão de 20% (vinte por cento) dos rendimentos tributáveis, limitado a R$ 16.754,34 (dezesseis mil, setecentos e cinquenta e quatro reais e trinta e quatro centavos) (5). Este desconto implica na substituição de todas as deduções legais permitidas pela Declaração de Ajuste Anual (DAA) Completa, sem a obrigatoriedade de comprovar à RFB as despesas pagas e a indicação de sua espécie. Portanto, fazendo a opção pela entrega no modelo Simplificado, o contribuinte não poderá utilizar as despesas legalmente admitidas para deduzir da Base de Cálculo (BC) do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF).

Em princípio, qualquer contribuinte pode optar pelo modelo Simplificado, não poderá utilizar esse modelo apenas quando estiver relacionado em alguma das restrições legais que o obrigue a declarar no modelo Completo. Também deverá utilizar o modelo Completo, caso pretenda compensar resultado negativo da atividade rural com resultado positivo nesta mesma atividade ou compensar imposto pago no exterior.

Notas Valor Consulting:

(5) Valor referente ao exercício de 2019, ano-calendário de 2018. Caso nosso leitor queira conferir os limites de outros anos, recomendamos acessar as "Tabelas Progressivas do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) vigentes desde 1998" em nosso site.

(6) O valor utilizado a título de desconto simplificado, ou seja, os 20% (vinte por cento) dos rendimentos tributáveis, não poderá ser utilizado para a comprovação de acréscimo patrimonial, sendo apenas considerado rendimento consumido.

Base Legal: Art. 10 da Lei nº 9.250/1995; Art. 77 do RIR/2018 e; Art. 3º da Instrução Normativa RFB nº 2.065/2022 (Checado pela Valor em 26/09/22).

3.2) DAA Completa:

A DAA Completa é a declaração em que se podem utilizar todas as deduções permitidas pela legislação tributária, desde que devidamente comprovadas com documentos idôneos.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Vigência do incentivo fiscal:

A permissão para dedução do INSS-Patronal incidente sobre a remuneração do empregado doméstico tem prazo de vida limitado. Prescreve o artigo 12, caput, VII da Lei nº 9.250/1995 que o benefício se estende apenas até o exercício de 2019, ano-calendário de 2018.

No que se refere à vigência, cabe a nos contribuintes torcemos para que ocorra uma prorrogação de prazo no futuro.

Nota Valor Consulting:

(7) Referida dedução aplica-se em relação ao INSS-Patronal pagas a partir do mês de janeiro de 2006.

Base Legal: Art. 12, caput, VII da Lei nº 9.250/1995 e; Art. 50 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 (Checado pela Valor em 26/09/22).

5) Abrangência do incentivo fiscal:

Primeiramente, registramos que o empregador doméstico contribui de maneira diferenciada para a Previdência Social. Até setembro/2015, ele recolhia mensalmente 12% (doze por cento) do salário-de-contribuição do empregado doméstico a seu serviço.

Já a partir de outubro/2015, com a alteração do artigo 24 da Lei nº 8.212/1991 pela Lei nº 13.202/2015, a contribuição do empregador doméstico incidente sobre o salário-de-contribuição do empregado doméstico a seu serviço passou a ser de:

  1. 8% (oito por cento); e
  2. 0,8% (oito décimos por cento) para o financiamento do seguro contra acidentes de trabalho, mais conhecida como Contribuição do Grau de Incidência de Incapacidade Laborativa decorrente de Riscos Ambientais do Trabalho (Gilrat).

Já a contribuição do empregado doméstico é calculada de acordo com a "Tabela de Contribuição Mensal", que é retido pelo empregador e recolhido no mês subsequente ao da competência, via Documento de Arrecadação do eSocial (DAE), juntamente com o FGTS, INSS-Patronal, IRRF, entre outros. Após a extinção da CPMF, a contribuição do empregado doméstico varia de 8% (oito por cento) a 11% (onze por cento), dependendo da faixa do salário-de-contribuição do empregado. Na realidade, a tabela é a mesma para os segurados empregados e trabalhadores avulsos e deve ser aplicada no mês correspondente à competência do salário.

No que se refere à abrangência, a dedução restringe-se as quantias recolhidas pelo empregador, no período de janeiro a dezembro de cada ano-calendário, equivalente a 8,8% (oito inteiro e oito décimos por cento) da remuneração paga ao empregado doméstico a título de INSS-Patronal (atentar-se para alteração de alíquota, conforme mencionado acima), observado os respectivos limites impostos pela legislação. Observe-se que o Gilrat também pode ser deduzida a título de contribuição patronal.

Portanto, os demais valores que compõem o Simples Doméstico, como os recolhimentos efetuados pelos empregadores domésticos para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) do empregado e as importâncias destinadas ao pagamento da indenização compensatória da perda do emprego sem justa causa ou por culpa do empregador não podem ser deduzidos do valor do imposto apurado por falta de previsão legal.

Base Legal: Art. 24 da Lei nº 8.212/1991; Art. 12, caput, VII da Lei nº 9.250/1995; Arts. 12 e 16 da Lei nº 13.202/2015; Art. 50 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 e; Questão 08.01 do Perguntas e Respostas do eSocial - Empregado Doméstico (Checado pela Valor em 26/09/22).

6) Limites da dedução:

Para que o contribuinte possa deduzir o INSS-Patronal na Declaração de Ajuste Anual (DAA), a título de incentivo fiscal, deverá observar que a dedução:

  1. está limitada:
    1. a 1 (um) empregado doméstico por declaração, inclusive no caso da declaração em conjunto (8);
    2. ao valor efetivamente recolhido no ano-calendário a que se referir a DAA (usa-se o Regime de Caixa), que para o ano-calendário de 2018 corresponde a R$ 1.200,32 (um mil, duzentos reais e trinta e dois centavos);
    3. ao valor recolhido, na hipótese de pagamentos feitos proporcionalmente em relação ao período de duração do contrato de trabalho;
  2. aplica-se somente ao modelo completo de Declaração de Ajuste Anual (DAA);
  3. não poderá exceder:
    1. ao valor da contribuição patronal calculada sobre 1 (um) salário mínimo mensal, sobre o 13º (décimo terceiro) salário e sobre a remuneração adicional de férias (1/3 de férias), referidos também a 1 (um) salário mínimo (Ver subcapítulo 6.1 abaixo);
    2. ao valor do imposto apurado na DAA, deduzidos os seguintes incentivos fiscais, limitados a 6% (seis por cento) do imposto devido:
      • Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e do Idoso;
      • Incentivo à Cultura;
      • Incentivo à Atividade Audiovisual;
      • Incentivo ao Desporto e Paradesporto;
      • Incentivo ao Estatuto do Idoso;
      • Incentivo ao Programa Nacional de Apoio à Atenção de Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas/PCD) (9);
      • Incentivo ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) (9);
      • Doações Diretamente na Declaração (ECA);
  4. fica condicionada à comprovação da regularidade do empregador doméstico perante o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) quando se tratar de contribuinte individual.

Notas Valor Consulting:

(8) É admitido à dedução de mais de um empregado doméstico, desde que não seja cumulativo no mesmo mês, ou seja, sai um e entra outro, mas sempre respeitando o limite máximo de dedução, independentemente do valor pago em rescisão contratual.

(9) O Pronas/PCD e o Pronon poderá ser deduzido do IRPF apurado na DAA da pessoa física (na qualidade de incentivadora) a partir do ano-calendário de 2012 até o ano-calendário de 2020, observando-se que, nessa hipótese, esses incentivos não se sujeitam ao limite global de 6% (seis por cento), porém ficam limitadas ao valor das doações efetuadas no ano-calendário a que se referir a DAA.

Base Legal: Art. 12, § 3º da Lei nº 9.250/1995; Art. 4º, caput, §§ 3º, 5º e 6º, I da Lei nº 12.715/2012; Arts. 1º a 7º do Decreto nº 7.988/2013; Art. 80 do RIR/2018 e; Art. 51 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 (Checado pela Valor em 26/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6.1) Salário mínimo mensal:

O salário mínimo a que se refere o capítulo anterior é o salário mínimo nacional, ou seja, aquele cuja aplicabilidade se estende a todo território nacional.

Para saber a vigência e os valores do salário mínimo nacional desde os anos de 1940, recomendamos a leitura do Roteiro intitulado "Tabela com salário mínimo nacional por ano" em nosso site.

Fonte: Roteiro "Tabela com salário mínimo nacional por ano" (Checado pela Valor em 26/09/22).

6.2) Declaração em separado:

Se uma família possui mais de 1 (um) empregado doméstico e ambos os cônjuges fazem declarações de IRPF em separado, poderão deduzir em suas declarações a contribuição patronal paga a Previdência Social incidente sobre a remuneração de um empregado doméstico em cada declaração, independente de quem esteja assinando a CTPS do empregado doméstico. Isto é possível porque de acordo com o artigo 15, II da Lei nº 8.212/1991, é considerado empregador doméstico à pessoa ou família que admite a seu serviço, sem finalidade lucrativa, empregado doméstico.

Base Legal: Art. 15, caput, II da Lei nº 8.212/1991 (Checado pela Valor em 26/09/22).

7) Exemplo Prático:

Suponhamos que a Srª Maria Pereira Albuquerque tenha uma empregada doméstica que trabalha em sua residência no Município de Campinas/SP, durante 5 (cinco) dias por semana em todas as semanas do mês (ou seja, é uma mensalista). Suponhamos também que, a Srª Maria tenha pago no mês de dezembro/2017 um salário de R$ 1.100,00 (um mil e cem reais) e no período de janeiro/2018 a novembro/2018 um salário mensal de R$ 1.200,00 (um mil e duzentos reais), variação essa ocorrida em virtude de aumento concedido no salário.

Com base nesses dados, temos que a Srª Maria recolheu durante o ano-calendário de 2016 as seguintes contribuições patronais (INSS-Patronal), devidas à alíquota de 8,8% (oito inteiros e oito centésimos por cento) sobre a remuneração mensal da sua empregada:

INSS-Patronal efetivamente pago
DescriçãoValor (R$)
Sobre Salários de dezembro/2017 - R$ 1.100,00 X 8,8%96,80
Sobre 13º Salário de dezembro/2017 - R$ 1.100,00 X 8,8%96,80
Sobre Salários de jan./2018 a nov./2018 - (R$ 1.200,00 X 11 meses) X 8,8%1.161,60
Sobre Adicional de férias - (R$ 1.200,00 X 1/3 constitucional) X 8,8%35,20
Total de INSS-Patronal recolhido1.390,40

Na elaboração da Declaração de Ajuste Anual (DAA) da Srª Maria deve ser observado, ainda, as seguintes informações:

  1. ela concedeu férias a sua empregada doméstica em julho de 2018;
  2. ela efetuou doação ao Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente no valor de R$ 750,00;
  3. ela sofreu retenção do IRPF no valor total de R$ 15.640,25 durante o ano-calendário de 2018;
  4. ela apurou IRPF devido na DAA do ano calendário de 2018, antes das deduções dos incentivos fiscais, no valor total de R$ 13.617,89;
  5. relativamente ao limite de dedução do INSS-Patronal, na DAA de 2018 (ano-calendário de 2018) apresentou o seguinte cálculo:
CompetênciaSalário Mínimo (R$)13º Salário (R$)1/3 Férias (R$)INSS-Patronal devido (R$)Data recolhimento (10)
12/2017937,00937,000,00164,9105/01/2018
01/2018954,000,000,0083,9507/02/2018
02/2018954,000,000,0083,9507/03/2018
03/2018954,000,000,0083,9506/04/2018
04/2018954,000,000,0083,9507/05/2018
05/2018954,000,000,0083,9507/06/2018
06/2018954,000,000,0083,9506/07/2018
07/2018954,000,00318,00111,9407/08/2018
08/2018954,000,000,0083,9507/09/2018
09/2018954,000,000,0083,9505/10/2018
10/2018954,000,000,0083,9507/11/2018
11/2018954,000,000,0083,9507/12/2018
Total dedutível11.431,00937,00318,001.116,37-

Com esses dados chegamos à conclusão de que a Srª Maria não poderá deduzir R$ 274,03 (duzentos e setenta e quatro reais e três centavos) de INSS-Patronal, a título de incentivo fiscal, conforme demonstra planilha abaixo. Por outro lado, poderá perfeitamente deduzir a parcela de R$ 1.116,37:

Resumo do limite de dedução
DescriçãoValor (R$)
Total de INSS-Patronal recolhido1.390,40
Limite de dedução permitido na DAA1.116,37
Parcela não dedutível na DAA274,03

Por fim, com base em todas essas informações, a Srª Maria terá a seguinte apuração de IRPF a restituir na DAA:

Cálculo do IRPF a Restituir
DescriçãoValor (R$)
IRPF devido13.617,89
Doação ao Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente(750,00)
Imposto devido I (R$ 13.617,89 - 750,00)12.867,89
Parcela dedutível do INSS-Patronal(1.116,37)
Imposto devido II (R$ 12.867,89 - R$ 1.116,37)11.751,52
IRPF retido na fonte(15.640,25)
Imposto a restituir3.888,73

Nota Valor Consulting:

(10) Em outubro/2015 entrou em vigor o Simples Doméstico que estabelece o pagamento unificado dos tributos e dos encargos trabalhistas e previdenciários incidentes sobre a remuneração dos empregados domésticos, os quais deverão ser recolhidos pelos empregadores. O Simples Doméstico consiste no pagamento do DAE, cujo recolhimento é efetuado de forma unificada contemplando as seguintes obrigações: INSS a cargo do empregado doméstico, INSS-Patronal, contribuição para financiamento do seguro contra acidentes do trabalho, FGTS, FGTS para indenização compensatória da perda do emprego sem justa causa, IRRF. O DAE mensal para pagamento no prazo vencerá até o dia 7 de cada mês, lembrando que, se no dia 7 não houver expediente bancário, o recolhimento deverá ser antecipado para o dia útil imediatamente anterior.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

8) Prestação de Informação na DAA:

A pessoa física beneficiária do incentivo deverá informar na Ficha "Pagamentos Efetuados" da Declaração de Ajuste Anual (DAA), com o código 50, o(s):

  1. números do NIT, ou PIS, ou Pasep;
  2. nome completo e o número de inscrição no CPF do empregado doméstico;
  3. valor total pago, relativo ao INSS-Patronal recolhido pelo empregador doméstico; e
  4. valor não dedutível do INSS-Patronal recolhido.

Já a comprovação do recolhimento da Contribuição à Previdência Social será feita por meio de GPS, bem como do vínculo empregatício registrado em CTPS. Além disso, a pessoa física beneficiária do incentivo deverá manter em seu poder todos os comprovantes e documentos a ele relativos, pelo prazo decadencial.

Base Legal: Art. 53 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 (Checado pela Valor em 26/09/22).

8.1) Informação do NIT, PIS ou Pasep:

A informação na Declaração de Ajuste Anual (DAA) do NIT, PIS ou Pasep faz com que o mesmo empregado doméstico não conste em mais de uma declaração, além de checar se efetivamente houve recolhimento das contribuições, por meio do sistema informatizado da RFB X da Previdência Social, ou seja, a própria RFB.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

Agradecimento:

Me chamo Raphael AMARAL, fundador deste Portal que a anos vem buscando ajudar advogados, contadores e demais interessados através de publicações técnicas de primeira qualidade e 100% gratuitos. São anos de estudos compartilhados com nossos amigos leitores.

Bom, estou aqui para agradecer seu acesso... Obrigado de coração, se não fosse você não teria motivação para continuar com esse trabalho... Bora com a Valor Consulting escalar conhecimento.

Doações via Pix:

Gosta do conteúdo?, que tal fazer um Pix, de qualquer valor, para ajudar a manter o Portal funcionando:

  • Chave Pix: pix@valor.srv.br

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



9) Outras informações importantes:

Observadas às competências de recolhimentos das contribuições previdenciárias, somente podem ser deduzidos, a título de incentivo fiscal, os valores recolhidos no ano-calendário a que se referir a Declaração de Ajuste Anual (DAA), observado o seguinte:

  1. na hipótese de recolhimentos de contribuições feitos com atraso:
    1. se os pagamentos ocorrerem no exercício das respectivas competências, as contribuições pagas podem ser aproveitadas para fins de incentivo do IRPF, sendo que as multas e os juros não podem ser aproveitados para fins de dedução;
    2. se os pagamentos ocorrerem em exercícios seguintes às das respectivas competências, as contribuições pagas não podem ser aproveitadas para fins de incentivo do IRPF;
  2. na hipótese de contribuinte que se retira do Brasil, somente é permitida a dedução de contribuição paga por pessoa física que à época do pagamento se encontrava na condição de residente no Brasil;
  3. na hipótese de contribuinte falecido (espólio):
    1. havendo bens a inventariar, somente é permitida a dedução de contribuição paga até a data do trânsito em julgado da decisão judicial da partilha, sobrepartilha ou adjudicação dos bens inventariados;
    2. não havendo bens a inventariar, somente é permitida a dedução de contribuição paga até a data do falecimento.
Base Legal: Art. 52 da Instrução Normativa RFB nº 1.131/2011 (Checado pela Valor em 26/09/22).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Dedução da Contribuição Previdenciária do empregado doméstico na Declaração de Ajuste Anual (Área: Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF)). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=179&titulo=deducao-da-contribuicao-previdenciaria-do-empregado-domestico-na-declaracao-ajuste-anual. Acesso em: 28/11/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Comprovação de despesas através de Cupom Fiscal

Teceremos nesta matéria alguns comentários sobre a comprovação de despesas através de Cupom Fiscal. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do Imposto de Renda (RIR/2018), aprovado pelo Decreto nº 9.580/2018. Nesse sentido, interessante esclarecer que Cupom Fiscal é um documento equivalente à Nota Fiscal, diferenciando-se deste por ter que ser emitido por impressora fiscal especial, o Emissor de Cupom Fiscal (ECF). Ele substitui a Nota Fiscal de Ve (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Economista

No presente Roteiro de Procedimentos estamos tratando da atividade profissional do economista, profissão regulamentada pela Lei nº 1.411/1951, a qual está disciplinada pelo Decreto nº 31.794/1952. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Profissões regulamentadas


Mensageiro obtém indenização por danos morais por ser coagido a transportar valores

A Quinta Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ) confirmou, por unanimidade, a sentença que determinou o pagamento de indenização por danos morais a um mensageiro que transportava indevidamente valores. A condenação foi ratificada já que a empresa impunha ao empregado o desempenho de atividade para a qual ele não havia sido contratado, aumentando sua exposição a situações de risco. O voto que pautou a decisão do segundo grau foi do des (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Gerente que contratou seguro indevidamente, com prejuízo de R$ 1 milhão, recebe justa causa

Em votação unânime, a 18ª Turma do TRT da 2ª Região (SP) manteve a justa causa de uma gerente do Banco Santander dispensada por ter descumprido regras previstas nos normativos da empresa. Ela gerou um prejuízo milionário à instituição. De acordo com os autos, a empregada contratou seguro de vida no valor de R$ 1 milhão sem analisar o potencial financeiro do cliente e sem fazer consulta de antecedentes criminais. No caso, o segurado respondia a vários pr (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Afastada penhora de aposentadoria após constatação de risco à sobrevivência do devedor e da família

O juiz Ordenísio Cesar dos Santos, titular da 3ª Vara do Trabalho de Coronel Fabriciano (MG), determinou a exclusão da penhora de valores de aposentadoria de devedor do crédito trabalhista, ao constatar risco à subsistência dele e de sua família. Houve ainda a determinação de liberação de valores bloqueados em conta bancária da outra executada, porque eram relativos à pensão alimentícia paga a seu filho menor. Proventos de aposentadoria Para sal (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Juntas comerciais têm novas regras para autenticação de livros contábeis e sociais

Secretaria Especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia (SEPEC/MEI), por meio do Departamento Nacional de Registro Empresarial e Integração (DREI), publicou nesta sexta-feira (25/11), no Diário Oficial da União (DOU), a Instrução Normativa (IN) DREI /ME nº 79, que altera disposições da Instrução Normativa DREI nº 82, de 2021 sobre procedimentos para autenticação dos livros contábeis e societários de empresários individuais (...)

Notícia postada em: .

Área: Societário (Sociedades empresariais)


Receita define parâmetros para indicação de pessoas jurídicas sujeitas ao monitoramento dos maiores contribuintes

A Receita Federal publicou a Portaria RFB nº 252, de 22 de novembro de 2022, que estabelece parâmetros para a indicação de pessoa jurídica a ser submetida ao monitoramento dos maiores contribuintes, disciplinado pelas Portarias RFB nº 645/2015 e nº 4.888/2020. A nova portaria atualiza valores dos parâmetros de indicação relativos às pessoas jurídicas diferenciadas, e define as diretrizes gerais que fundamentam o monitoramento diferenciado e especial, (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (Assuntos gerais sobre tributação)


Acidente com empregado em transporte fornecido pela empresa gera responsabilidade civil objetiva

Um motorista de betoneira, da cidade de Cesarina (GO), garantiu o direito ao recebimento de pensão mensal vitalícia até completar 76 anos de idade. Ele sofreu um acidente de trânsito em veículo fornecido pela transportadora para a qual trabalhava, quando fazia o trajeto entre as filiais de Itumbiara (GO) e Rio Verde (GO). Para a Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO), quando o acidente de trânsito ocorre durante o transporte do tr (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Perdas no recebimento de créditos: Aspectos tributários

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento tributário dado pela legislação do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) para as "perdas no recebimento de créditos". Para tanto, utilizaremos como base os artigos 9º a 14 da Lei nº 9.430/1996, incorporados nos artigos 347 a 351 do RIR/2018, bem como os artigos 71 a 74 da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Perdas no recebimento de créditos: Aspectos contábeis

A perda no recebimento de créditos nada mais é que a perda pela inadimplência de clientes. Todas as pessoas jurídicas poderão baixar de sua contabilidade as duplicatas, notas promissórias, faturas, entre outros recebíveis, não quitadas pelos respectivos clientes, porém, para sua dedutibilidade na apuração do Lucro Real e na Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) alguns requisitos deverão ser observados. No presente (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Produtos sujeitos ao selo de controle do IPI

No presente Roteiro de Procedimentos listamos os produtos sujeitos ao selo de controle do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) afim de auxiliar nossos amigos que militam na área tributária, bem como listamos as hipóteses em que a selagem é dispensada. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI)


Empresa é condenada por dispensa discriminatória de trabalhadora com câncer de mama

Uma loja de autopeças de Sinop (MT) terá de arcar com indenização por dano moral à ex-empregada demitida logo após retornar de tratamento contra o câncer de mama. A empresa também foi condenada a pagar-lhe remuneração em dobro relativa ao período de afastamento da ex-empregada. O caso foi julgado pela Primeira Turma do TRT da 23ª Região (MT). Por unanimidade, os desembargadores concluíram que, por ser a trabalhadora vítima de doença que causa esti (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Cláusula coletiva que compensa horas extras com gratificação de função é considerada válida

A 2ª Vara de Trabalho de Itapecerica da Serra (SP) reconheceu a validade de uma cláusula coletiva segundo a qual o valor pago por horas extras a bancários compõe a gratificação de função dos profissionais. A decisão, tomada a partir de reclamação ajuizada por trabalhador que buscava invalidar a norma, considera também que ela não pode ser anulada por ação individual. O argumento do empregado foi o de que a Consolidação das Leis de Trabalho (CLT) (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Zootecnista receberá indenização por ter de tomar banho em banheiro sem porta

A Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 18ª Região (GO) manteve, por unanimidade, sentença que deferiu indenização por danos morais ao zootecnista de uma granja. O profissional teve que tomar banho em banheiro sem porta. O colegiado entendeu ter ficado provado que o banho era obrigatório e, ainda, que os banheiros não asseguravam o resguardo conveniente aos trabalhadores. Histórico do processo O trabalhador ingressou na Justiça do Trabalh (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Decisão mantém adicional de insalubridade por equipamento de proteção individual sem certificação

A Sexta Turma do TRT da 2ª Região (SP) manteve condenação de um fabricante de rodas automotivas. Ele deverá pagar adicional de insalubridade a trabalhador que atuava exposto a níveis excessivos de ruído. Os protetores de ouvido fornecidos ao empregado não tinham certificado de aprovação, o que dificulta a comprovação de que eram eficazes. A decisão de 1º grau, baseada em perícia realizada no local de trabalho, atestou atividade insalubre em grau m (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Motorista será indenizado após atropelar e matar homem que se jogou embaixo de ônibus em Juiz de Fora (MG)

A Justiça do Trabalho determinou o pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 30 mil, ao motorista de ônibus que desenvolveu depressão após acidente que resultou na morte de um pedestre durante uma viagem de Juiz de Fora a Matias Barbosa, na Zona da Mata mineira. Segundo o motorista, o atropelamento aconteceu próximo ao ponto final da linha em Matias. “Eu estava dando passagem para outro veículo e percebi, ao continuar o deslocamento, um bar (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)