Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Venda a bordo de aeronaves em voos domésticos

Resumo:

Veremos no presente Roteiro quais são os procedimentos a serem observados para a realização de venda a bordo de aeronaves em voos domésticos. Para tanto, utilizaremos como base o Ajuste Sinief nº 07/2011 (DOU 08/08/2011) que dispõe sobre a concessão de Regime Especial nas referidas operações.

Hashtags: #icms, #vendaBordoAeronave,

Postado em: - Área: ICMS São Paulo.

1) Introdução:

Através do Ajuste Sinief nº 07/2011 (DOU 08/08/2011) foi concedido Regime Especial para regulamentar as operações com mercadorias promovidas por empresas que realizem venda a bordo de aeronaves em voos domésticos. Registra-se que o referido Ajuste Sinief tem efeitos a partir de 01/10/2011.

Assim, veremos no presente Roteiro de Procedimentos quais são os procedimentos a serem observados para a realização das referidas operações dentro de aeronaves. Dentro outros assuntos, veremos o que a legislação tem a dizer sobre a Inscrição Estadual (IE), a emissão de Nota Fiscal (NF), o Sped-Fiscal e Base de cálculo (BC) do ICMS nessas operações.

Base Legal: Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

2) Inscrição Estadual:

A adoção do Regime Especial nas operações de venda a bordo de aeronaves em voos domésticos está condicionada à manutenção, pela empresa que realize as operações de venda a bordo, de IE no Município de origem e destino dos voos (1).

Nota Valor Consulting:

(1) Para os efeitos de aplicação do Regime Especial, considera-se origem e destino do voo, respectivamente, o local da decolagem e o do pouso da aeronave em cada trecho voado.

Base Legal: Cláusula 1ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3) Nota Fiscal Eletrônica (NF-e):

Na saída de mercadoria para realização de venda a bordo das aeronaves, o estabelecimento remetente deverá emitir Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), Modelo 55, em seu próprio nome, para acobertar o carregamento das aeronaves (2).

Referida NF-e deverá conter, além de outros requisitos exigidos pela legislação do imposto, as seguintes indicações:

  1. Campo CFOP: 5.904 ou 6.904 (Remessa para venda fora do estabelecimento), tratando-se de operação interna ou interestadual respectivamente;
  2. Campo ICMS: destaque o imposto, se for devido;
  3. Campo de "Informações Complementares": a identificação completa da aeronave ou do voo em que serão realizadas as vendas e a expressão: "Procedimento autorizado no Ajuste SINIEF 07/2011"; e
  4. Campo Base de Cálculo (BC) do ICMS: o preço final de venda da mercadoria e o imposto será devido à Unidade Federada (UF) de origem do voo.

Importante dizer que, em todos os documentos fiscais emitidos, inclusive relatórios e listagens, deverá ser indicado o número do Ajuste Sinief que embasa o Regime Especial, qual seja, o Ajuste Sinief nº 07/2011.

Notas Valor Consulting:

(2) Sobre emissão de NF-e, ver o Ajuste Sinief nº 7/2005.

(3) Até 31/12/2011, o estabelecimento remetente estava autorizado a emitir o documento denominado "Documento Auxiliar de Venda", mas como atualmente essa autorização caducou, por isso mesmo, não estamos tratando do assunto neste Roteiro de Procedimentos.

Base Legal: Ajuste Sinief nº 7/2005 e; Cláusulas 2ª, caput, §§ 1º e 3º e 8ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

3.1) Substituição Tributária:

No caso de mercadorias sujeitas ao regime jurídico de Substituição Tributária (ST), para efeito de emissão da Nota Fiscal será observado o disposto na legislação tributária da UF de origem do trecho.

Base Legal: Cláusula 3ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

3.2) Equipamentos eletrônicos portáteis:

Nas vendas de mercadorias realizadas a bordo de aeronaves, as empresas ficam autorizadas a utilizar equipamentos eletrônicos portáteis (Personal Digital Assistant - PDA) acoplados a uma impressora térmica, observadas as disposições do Convênio ICMS n° 57/1995, para gerar a NF-e e imprimir o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) simplificado, nos termos da cláusula nova, § 5º-A do Ajuste Sinief nº 7/2005.

Base Legal: Convênio ICMS n° 57/1995; Cláusula 9ª, § 5º-A do Ajuste Sinief nº 7/2005 e; Cláusula 4ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

4) NF-e Simbólica de entrada e de transferência:

O estabelecimento remetente deverá emitir:

  1. no encerramento de cada trecho voado a:
    1. NF-e simbólica de entrada relativa às mercadorias não vendidas, para a recuperação do ICMS destacado no carregamento, utilizando as CFOPs 1.904/2.904 (Retorno de remessa para venda fora do estabelecimento), tratando-se de operação interno ou interestadual respectivamente; e
    2. NF-e de transferência relativa às mercadorias não vendidas, com débito do ICMS, por parte do estabelecimento remetente, para seu estabelecimento no local de destino do voo, para o fim de se transferir a posse e guarda das mercadorias, utilizando as CFOPs 5.151/6.151 (Transferência de produção do estabelecimento) ou 5.152/6.152 (Transferência de mercadoria adquirida e/ou recebida de terceiros), conforme o caso;
  2. no prazo máximo de 48 (quarenta e oito horas) contadas do encerramento do trecho voado, as NF-e correspondentes às vendas de mercadorias realizadas a bordo das aeronaves, utilizando as CFOPs 5.103/6.103 (Venda de produção do estabelecimento efetuada fora do estabelecimento).

Na hipótese prevista na letra "a" acima, a Nota Fiscal referenciará a Nota Fiscal de remessa e conterá a quantidade, a descrição e o valor dos produtos devolvidos.

Caso o consumidor não forneça seus dados, a NF-e referida na letra "b" acima deverá ser emitida com as seguintes informações:

  1. destinatário: "Consumidor final de mercadoria a bordo de aeronave";
  2. CPF do destinatário: o CNPJ do emitente;
  3. endereço: o nome do emitente (Companhia aérea) e o número do voo;
  4. complemento do endereço: Município da origem do voo.
Base Legal: Cláusula 6ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5) Sped-Fiscal:

A NF-e referida no capítulo 3 será o documento hábil para a Escrituração Fiscal Digital (EFD), também denominado Sped-Fiscal, com o respectivo débito do ICMS, se for devido, observadas as disposições constantes da legislação Estadual.

Atualmente o Sped-Fiscal está disciplinado pelo Ajuste Sinief nº 2/2009, sendo que suas especificações técnicas para a geração de seus arquivos podem ser encontradas no Ato Cotepe/ICMS nº 44/2018.

Base Legal: Ato Cotepe/ICMS nº 44/2018; Ajuste Sinief nº 2/2009 e; Cláusula 2ª, § 2º do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).

6) Obrigações Fiscais:

A aplicação da disciplina prevista no Ajuste Sinief nº 07/2011 não desonera o contribuinte do cumprimento das demais obrigações fiscais previstas na legislação tributária das UFs devendo, no que couber, serem atendidas as disposições relativas às operações de venda de mercadoria fora do estabelecimento.

Base Legal: Cláusula 7ª do Ajuste Sinief nº 7/2011 (Checado pela Valor em 03/08/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Venda a bordo de aeronaves em voos domésticos (Área: ICMS São Paulo). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=209&titulo=venda-a-bordo-de-aeronaves-em-voos-domesticos-icms-sp. Acesso em: 26/09/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o que a legislação do ICMS paulista versa sobre o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe). Para tanto, utilizaremos como fonte de estudo a Portaria CAT nº 162/2008, que atualmente dispõe sobre a emissão da NF-e e do Danfe, o credenciamento de contribuintes e dá outras providências não menos importantes. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Convênios ICMS

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos todas as peculiaridades acerca dos Convênios ICMS, tais como sua celebração, natureza, revogação, vigência, etc. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei Complementar nº 24/1975, que dispõe sobre os Convênios para a concessão de benefícios fiscais relacionados (isenção, redução de Base de Cálculo, crédito presumido, entre outros) ao ICMS e dá outras providências. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Isenção do ICMS: Prestação de serviço de transporte de mercadorias para o exterior

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras gerais para utilização da isenção do ICMS na prestação de serviço de transporte vinculados à operação de exportação de mercadorias para o exterior. Para tanto, utilizaremos como base o RICMS/2000-SP e a Portaria CAT nº 13/2013. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e): Modelo operacional

Discorreremos neste artigo sobre o modelo operacional do Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e), com fundamento Ajuste Sinief nº 21/2010 e Manual de Orientação do Contribuinte (MOC) - MDF-e, em sua versão 3.00a. Importante mencionar que o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) deverá ser emitido por empresas prestadoras de serviço de transporte para prestações com mais de um conhecimento de transporte ou pelas demais empresas nas operações (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Secretaria da Fazenda avança na desburocratização de processos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (Sefaz) trabalha continuamente para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. Para que as modernizações sejam implementadas, vários setores da Sefaz se integraram, como o que aconteceu com as equipes das diretorias de Arrecadação, Cobrança e Recuperação da Dívida (Dicar); a de Atendiment (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Os impactos da ADC STF nº 49: As inconstitucionalidades de dispositivos da Lei Kandir (ICMS sobre transferências entre estabelecimentos)

Por Cleberson Vasconcelos, supervisor fiscal | Indirect Tax Supervisor at Grendene S/A. 1) Introdução: Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a não incidência de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no deslocamento de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo contribuinte. Ao reiterar jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio STF sobre a matéria, a Corte Superior julgou improcedente a aç (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Fazenda inicia fase de monitoramento fiscal de contribuintes do Simples Nacional

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, a partir de hoje (19), estende aos contribuintes optantes do Simples Nacional o monitoramento e a análise dos documentos fiscais que já vinham sendo realizados para os contribuintes do regime normal de apuração. A ação, que tem por objetivo identificar indícios de comportamento irregular em empresas enquadradas no Simples Nacional, ocorre após a primeira etapa da campanha Empreenda Legal, promovida em par (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Inovação do Confaz Permite ao Caminhoneiro Emitir Documentos de Transportes e Carregar ICMS Pré-pago a Partir do Smartphone

Na sua reunião de hoje, dia 8, o CONFAZ autorizou importantes medidas. Presidida pelo Secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, foi aprovado Ajuste SINIEF que autoriza os estados e o DF a implementarem o ICMS pré-pago. Isso foi mais uma etapa o trabalho realizado pelo CONFAZ e pelas secretarias estaduais de fazenda, que estão implantando um novo aplicativo que já permite ao caminhoneiro emitir seus documentos fiscais de tran (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)