Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Pró-labore

Resumo:

Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos os lançamentos contábeis que as empresas deverão fazer no momento de registrar e pagar a remuneração denominada pró-labore aos seus sócios, diretores ou administradores, bem como, aos titulares de empresas individuais (atualmente empresários) e aos membros do Conselho de Administração de companhia.

Hashtags: #manualContabilidade, #contabilizacao, #proLabore, #salarioSocio, #lucro, #dividendo, #irpj, #csll,

Postado em: - Área: Manual de lançamentos contábeis.

1) Introdução:

O pró-labore é uma expressão latina que significa "pelo trabalho". Com o aportuguesamento da expressão pró-labore, ela passou a significar a remuneração do trabalho realizado por sócios, diretores ou administradores de empresas (1).

Assim, pró-labore nada mais é do que a remuneração paga aos sócios, diretores ou administradores pela prestação de serviços à empresa e corresponde ao salário de um profissional contratado para isso. Portanto, o valor dessa remuneração deve ser definido com base nos salários de mercado para o tipo de atividade (ou serviço) que o sócio, diretor ou administrador irá prestar, não podendo ser pago um valor maior a título de pró-labore do que se pagaria a um empregado (ou profissional) que realizasse as mesmas tarefas que o sócio, diretor ou administrador, pois isto seria antieconômico.

Importante dizer que, a remuneração de pró-labore não se confunde com a distribuição de lucros normalmente pagos pelas empresas. Este, na verdade, corresponde à remuneração do capital integralizado pelo sócio na sociedade.

Tributariamente, sobre a remuneração paga à título de pró-labore incidirá 11% (onze por cento) de INSS Retido na Fonte a ser descontada do beneficiário do rendimento (até o teto-máximo do salário-de-contribuição previdenciária), bem como o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) e na Declaração de Ajuste Anual (DAA) do beneficiário.

Já na seara contábil, a remuneração paga a título de pró-labore deverá ser contabilizada como custo ou despesa operacional, conforme a locação do beneficiário. Se o pró-labore se tratar de remuneração de sócio, diretor ou administrador ligado diretamente ao setor industrial, nas empresas industriais ou de prestação de serviços, deverá ser lançado como custo, caso contrário, deverá ser lançado como despesa operacional.

Feitas essas considerações, estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos os lançamentos contábeis que as empresas deverão fazer no momento de registrar e pagar a remuneração denominada pró-labore aos seus sócios, diretores ou administradores.

Nota Valor Consulting:

(1) Os titulares de empresas individuais (atualmente empresários) e os membros do Conselho de Administração também poderão receber remuneração sob a nomenclatura de pró-labore, em retribuição ao seu trabalho.

Base Legal: Wikipedia e; Questões 229 e 230 do Perguntão IRPF/2020 (Checado pela Valor em 24/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceitos:

2.1) Pró-labore:

O pró-labore refere-se à remuneração paga aos sócios, diretores ou administradores pela prestação de serviços à empresa e corresponde ao salário de um profissional contratado para isso. Importante observar que essa remuneração está sujeita à incidência do Imposto de Renda (IR), retido na fonte e na DAA do beneficiário.

Sob a ótica da legislação trabalhista brasileira, o pró-labore não se confunde com aquilo que se denomina como "salário". Sobre o pró-labore não existem regras obrigatórias em relação ao 13º Salário, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), férias, aviso prévio, etc. Neste caso, todos os denominados benefícios trabalhistas são opcionais, intermediados através de acordo entre a empresa e o sócio, diretor ou administrador. Por exemplo: ambos podem estabelecer em um contrato que o administrador receba as férias, mas não ganhe um 13º Salário.

Base Legal: Wikipedia e; Questões 229 e 230 do Perguntão IRPF/2020 (Checado pela Valor em 24/06/21).

2.1.1) O Pró-labore é obrigatório?:

Primeiramente, é interessante nosso leitor saber que a legislação previdenciária, mais precisamente o artigo 9º, caput, V, "e", "f", "g" e "h" do Regulamento da Previdência Social (RPS/1999), enquadra na condição de contribuinte individual, entre outros, os seguintes empresários (2):

  1. o titular de firma individual urbana ou rural, atualmente considerados empresário individual pelo Código Civil/2002;
  2. o diretor não empregado e o membro de conselho de administração na sociedade anônima;
  3. todos os sócios, nas sociedades em nome coletivo e de capital e indústria;
  4. o sócio gerente e o sócio cotista que recebam remuneração decorrente de seu trabalho e o administrador não empregado na sociedade por cotas de responsabilidade limitada, urbana ou rural.

Como podemos verificar, a legislação previdenciária brasileira não impõe ao segurado empresário a obrigatoriedade da retirada de pró-labore, ressalvado a regra mencionada na Nota 2 abaixo, mas apenas o enquadra como contribuinte individual. Em verdade, a estipulação ou não da retirada de pró-labore dependerá do que está inscrito no Contrato Social.

Assim, na confecção do Contrato Social poderá ser inserida cláusula prevendo ou não a retirada do pró-labore pelo administrador da sociedade, bem como estabelecer à possibilidade de redução ou aumento da referida remuneração.

Portanto, é do nosso entendimento que as empresas que não pagam aos seus sócios qualquer valor a título de pró-labore e têm como comprovar essa situação, mediante contabilidade formal e regular, não deverão recolher a contribuição previdenciária para a Previdência Social. Isso se justifica, pois não havendo pagamento não terá ocorrido o fato gerador da contribuição.

Porém, não havendo comprovação dos valores pagos ou creditados aos empresários, em face de recusa ou sonegação de qualquer documento ou informação, ou sua apresentação deficiente, a contribuição da empresa referente a esses segurados será de 20% (vinte por cento) sobre:

  1. o salário-de-contribuição do segurado na qualidade de contribuinte individual;
  2. a maior remuneração paga a empregados da empresa; ou
  3. o salário mínimo, caso não ocorra nenhuma das hipóteses anteriores.

Vale a pena registrar que o salário-de-contribuição do segurado contribuinte individual (empresário) é a remuneração auferida em uma ou mais empresas ou pelo exercício de sua atividade por conta própria, durante o mês, observados os limites mínimo e máximo do salário-de-contribuição. Assim, quando estivermos falando de pró-labore, este será considerado salário-de-contribuição.

Nota Valor Consulting::

(2) Apesar do que diz o RPS/1999, a Instrução Normativa RFB nº 971/2009 estabelece o seguinte:

Art. 9º Deve contribuir obrigatoriamente na qualidade de contribuinte individual:

(...)

XII - desde que receba remuneração decorrente de trabalho na empresa:

a) o empresário individual e o titular do capital social na empresa individual de responsabilidade limitada, conforme definidos nos arts. 966 e 980-A da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil;

b) qualquer sócio nas sociedades em nome coletivo;

c) o sócio administrador, o sócio cotista e o administrador não-sócio e não-empregado na sociedade limitada, urbana ou rural, conforme definido na Lei nº 10.406, de 2002 (Código Civil);

d) o membro de conselho de administração na sociedade anônima ou o diretor não-empregado que, participando ou não do risco econômico do empreendimento, seja eleito por assembleia geral dos acionistas para cargo de direção de sociedade anônima, desde que não mantidas as características inerentes à relação de emprego;

e) o membro de conselho fiscal de sociedade ou entidade de qualquer natureza;

(...)

Base Legal: Arts. 12, V, "f" e 28, caput, III da Lei nº 8.212/1991; Art. 931 do CC/2002; Arts. 9º, caput, V, "e", "f", "g" e "h" e 201, §§ 3º e 5º do RPS/1999 e; Art. 9º, caput, XII da IN RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 24/06/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.2) Lucro distribuído:

O lucro distribuído refere-se à remuneração do capital integralizado pelo sócio na sociedade. No que se refere à forma de tributação, dependerá da legislação vigente no período de formação do lucro que está sendo distribuído.

Base Legal: Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB (Checado pela Valor em 24/06/21).

2.3) Diretor, administrador e conselho de administração:

De acordo com o entendimento da Administração Tributária, considera-se:

  1. Diretor: a pessoa que dirige ou administra um negócio ou uma soma determinada de serviços. Pessoa que exerce a direção mais elevada de uma instituição ou associação civil, ou de uma companhia ou sociedade comercial, podendo ser ou não acionista ou associado. Os diretores são, em princípio, escolhidos por eleição de assembleia, nos períodos assinalados nos seus Estatutos ou Contratos Sociais;
  2. Administrador: a pessoa que pratica, com habitualidade, atos privativos de gerência ou administração de negócios da empresa, e o faz por delegação ou designação de assembleia, de diretoria ou de diretor;
  3. Conselho de Administração: o órgão instituído pela Lei das Sociedades por Ações, cujos membros recebem, para os efeitos fiscais, o mesmo tratamento de diretores ou administradores.

Importa destacar que "são excluídos do conceito de administrador os empregados que trabalham com exclusividade para uma empresa, subordinados hierárquica e juridicamente, e, como meros prepostos ou procuradores, mediante outorga de instrumento de mandato, exercem essa função cumulativamente com as de seus cargos efetivos, percebendo remuneração ou salário constante do respectivo contrato de trabalho, provado por carteira profissional, bem como o assessor, que é a pessoa que tenha subordinação direta e imediata ao administrador, dirigente ou diretor, e atividade funcional ligada à própria atividade da pessoa jurídica."

Base Legal: Art. 131 da IN SRF nº 02/1969 e; PN CST nº 48/1972 (Checado pela Valor em 24/06/21).

3) Tratamento Tributário:

3.1) IRPJ/CSLL:

A partir de 01/01/1997, com a revogação do artigo 29 do Decreto-lei nº 2.341/1987 pelo artigo 88, XIII da Lei nº 9.430/1996, deixou de existir no ordenamento jurídico tributário brasileiro quaisquer limites para a dedução da remuneração mensal (pró-labore) paga aos sócios, diretores ou administradores da pessoa jurídica pelos serviços prestados à empresa.

Portanto, as pessoas jurídicas tributadas com base no Lucro Real poderão deduzir a totalidade dos valores pagos à título de pró-labore como custo ou despesa operacional, tanto para efeito de apuração do Lucro Real como para fins de determinação da Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL).

Porém, cabe nos observar que não serão dedutíveis, para fins de determinação do lucro real ou da Base de Cálculo (BC) da CSLL:

  1. as retiradas não debitadas em custos ou despesas operacionais, ou contas subsidiárias, e aquelas que, mesmo escrituradas nessas contas, não correspondam à remuneração mensal fixa por prestação de serviços; e
  2. as percentagens e os ordenados pagos a membros das diretorias das sociedades por ações que não residam no País.
Base Legal: Art. 29 do Decreto-lei nº 2.341/1987 - Revogado; Art. 88, caput, XIII da Lei nº 9.430/1996 e; Art. 368 do RIR/2018 (Checado pela Valor em 24/06/21).

3.2) Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF):

Os valores considerados como remuneração, inclusive os salários indiretos, quando pagos ou creditados ao titular, administradores, diretores, gerentes e seus assessores integram os rendimentos tributáveis dos beneficiários, no caso pessoas físicas. Sujeitam-se, também, à incidência do IRRF, com base na tabela progressiva mensal, sendo o imposto, que vier a ser retido pela fonte pagadora, passível de compensação com o devido na DAA dos beneficiários.

Base Legal: Art. 36, caput, I do RIR/2018 (Checado pela Valor em 24/06/21).

3.3) INSS:

Sobre a remuneração paga à título de pró-labore incidirá INSS-Patronal calculado mediante aplicação da alíquota de 20% (vinte por cento) sobre o total da remuneração paga, exceto em determinadas empresas optantes pelo Simples Nacional. Além disso, caberá a empresa pagadora descontar o INSS Retido na fonte à alíquota de 11% (onze por cento), a cargo do sócio, dirigente ou administrador, até o teto-máximo do salário-de-contribuição previdenciária.

Base Legal: Art. 72, caput, III da IN RFB nº 971/2009 (Checado pela Valor em 24/06/21).

3.4) FGTS a diretos:

As empresas sujeitas ao regime da legislação trabalhista poderão equiparar seus diretores não empregados aos demais trabalhadores sujeitos ao regime do FGTS. Para esse efeito, considera-se diretor aquele que exerça cargo de administração previsto em Lei, Estatuto ou Contrato Social, independente da denominação do cargo.

Lembramos que, os depósitos efetuados pela pessoa jurídica, para garantia do tempo de serviço de seus diretores não empregados são dedutíveis como despesa operacional.

Base Legal: Art. 16 da Lei nº 8.036/1990 e; Art. 353, § único do RIR/2018 (Checado pela Valor em 24/06/21).

4) Tratamento Contábil:

A remuneração paga a título de pró-labore deverá ser contabilizada como custo ou despesa operacional, conforme a locação do beneficiário. Se o pró-labore se tratar de remuneração de sócio, diretor ou administrador ligado diretamente ao setor industrial, nas empresas industriais ou de prestação de serviços, deverá ser lançado como custo, caso contrário, deverá ser lançado como despesa operacional.

Interessante observar que, igual tratamento deve ser dado ao INSS-Patronal incidente sobre a remuneração paga à título pró-labore, bem como ao valor da contribuição ao FGTS de dirigentes não-sócios, observando-se que essa segunda é facultativa.

Diante o exposto, sugerimos que a empresa responsável pelo pagamento da remuneração efetue os seguintes lançamentos contábeis:

Pela apropriação da despesa de pró-labore do sócio _____________:

D - Pró-labore (CR)

C - Pró-labore a Pagar (PC)


Pelo registro do INSS Patronal devido sobre o pró-labore:

D - INSS (CR)

C - INSS a Recolher (PC)


Pelo registro do IRRF descontado do sócio:

D - Pró-labore a Pagar (PC)

C - IRRF a Recolher (PC)


Pelo registro do INSS descontado do sócio:

D - Pró-labore a Pagar (PC)

C - INSS a Recolher (PC)


Legenda:

CR: Conta de Resultado, custo ou despesa operacional; e

PC: Passivo Circulante.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1) Exemplo Prático:

A título de exemplo, imaginemos que a empresa Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., pessoa jurídica de direito privado com sede no Município de Campinas/SP, pague ao sócio João Alcantra Machado a importância de R$ 20.000,00 (vinte mil reais) à título de remuneração pelos serviços prestados (pró-labore) na área administrativa da empresa. Imaginemos, também, que o sócio João não possua dependentes e seja contribuinte da Previdência Social pelo valor máximo (teto) permitido legalmente.

Considerando essas informações, a empresa Vivax terá a seguinte folha de pagamento de pró-labore:

DescriçãoValor (R$)
Remuneração mensal (pró-labore)20.000,00
INSS Retido na Fonte (3)671,12
IRRF (4)4.630,64
Valor líquido a receber14.698,24
INSS Patronal (R$ 20.000,00 X 20%)4.000,00

Verificadas as informações supracitadas, a empresa Vivax deverá providenciar os seguintes lançamentos contábeis a fim de apropriar a despesa com o pagamento do pró-labore ao seu sócio João Alcantra Machado:

Pela apropriação da despesa de pró-labore do sócio João Alcantra Machado:

D - Pró-labore (CR-DO) ______ R$ 20.000,00

C - Pró-labore a Pagar (PC) _ R$ 20.000,00


Pelo registro do INSS Patronal devido sobre o pró-labore:

D - INSS (CR-DO) _ R$ 4.000,00

C - INSS a Recolher (PC) _ R$ 4.000,00


Pelo registro do IRRF descontado do sócio:

D - Pró-labore a Pagar (PC) _ R$ 4.630,64

C - IRRF a Recolher (PC) _ R$ 4.630,64


Pelo registro do INSS descontado do sócio:

D - Pró-labore a Pagar (PC) _ R$ 671,12

C - INSS a Recolher (PC) _ R$ 671,12


Pelo pagamento do pró-labore ao sócio João Alcantra Machado:

D - Pró-labore a Pagar (PC) _ R$ 14.698,24

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 14.698,24


Pelo recolhimento do IRRF sobre folha de pagamento de pró-labore:

D - IRRF a Recolher (PC) _ R$ 4.630,64

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 4.630,64


Pelo recolhimento do INSS sobre folha de pagamento de pró-labore (5):

D - INSS a Recolher (PC) _ R$ 4.671,12

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 4.671,12


Legenda:

AC: Ativo Circulante;

CR-DO: Conta de Resultado - Despesa Operacional; e

PC: Passivo Circulante.

Notas Valor Consulting:

(3) INSS Retido na Fonte = Teto da Previdência X 11% ===> INSS Retido na Fonte = R$ 6.101,06 X 11% ===> INSS Retido na Fonte = R$ 671,12. Importante dizer que estamos utilizando a Tabela INSS vigente para o ano de 2020, pois se trata apenas de um exemplo, assim, recomendamos que nosso leitor cheque a competência do pró-labore pago a fim de se verificar a Tabela correta a se utilizar.

(4) IRRF = (Remuneração mensal X 27,5%) - Parcela a deduzir ===> IRRF = (R$ 20.000,00 X 27,5%) - R$ 869,36 ===> IRRF = R$ 4.630,64. Importante dizer que estamos utilizando a Tabela Progressiva do Imposto de Renda vigente para o ano de 2020, pois se trata apenas de um exemplo, assim, recomendamos que nosso leitor cheque a competência do pró-labore pago a fim de se verificar a Tabela correta a se utilizar.

(5) INSS a Recolher = INSS-Patronal + INSS a cargo do sócio ===> INSS a Recolher = R$ 4.000,00 + 671,12 ===> INSS a Recolher = R$ 4.671,12.

(6) Acesse o link Tabelas Progressivas do Imposto de Renda vigentes desde 1998 e confira Tabelas do Imposto de Renda vigentes desde o ano de 1998.

Base Legal: Equipe Valor Consulting:.

4.1.1) FGTS:

Com base no exemplo desenvolvido no subcapítulo 4.1 acima, temos a importância de R$ 1.600,00 (um mil e seiscentos reais) (7) à título de FGTS a ser depositado na conta vinculada do sócio João. Uma vez calculado o valor do FGTS, ele deverá ser contabilizado da seguinte forma:

Pela apropriação do FGTS incidente sobre pró-labore:

D - FGTS (CR-DO) _ R$ 1.600,00

C - FGTS a Recolher (PC) _ R$ 1.600,00


Pelo recolhimento do FGTS incidente sobre pró-labore:

D - FGTS a Recolher (PC) _ R$ 1.600,00

C - Bco. c/ Movto. (AC) _ R$ 1.600,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante;

CR-DO: Conta de Resultado - Despesa Operacional; e

PC: Passivo Circulante.

Nota Valor Consulting:

(7) FGTS = Pró-labore X 8% ===> FGTS = R$ 20.000,00 X 8% ===> FGTS = R$ 1.600,00.

Base Legal: Equipe Valor Consulting:.
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Pró-labore (Área: Manual de lançamentos contábeis). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=239&titulo=contabilizacao-pro-labore. Acesso em: 27/10/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Desfalque, roubo ou furto de mercadorias

O desfalque, roubo ou furto de mercadorias infelizmente é muito comum nas empresas, principalmente nas que produzem e comercializam bens. Devido à importância do fenômeno, estudaremos nesse Roteiro os procedimentos contábeis aplicáveis aos casos de desfalque, roubo ou furto de mercadorias praticados por terceiros ou empregados, dentro ou fora da empresa, tendo em vista a possibilidade de ganho ou perda de estoque. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Programa de Alimentação do Trabalhador - PAT

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento contábil a ser dado aos gastos realizados com o Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT). Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do Imposto de Renda (RIR/2018), aprovado pelo Decreto nº 9.580/2018, bem como outras normas citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Aplicações financeiras de renda fixa

Estudaremos neste Roteiro de Procedimentos como deverá ser feito os lançamentos contábeis das aplicações financeiras realizadas com títulos de renda fixa, entendido como tal àqueles cuja remuneração ou retorno de capital podem ser dimensionado no momento da aplicação. Esses títulos são classificados em públicos ou privados, conforme a condição da entidade ou empresa que os emite (governo ou empresa). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Sinistro de bens do Ativo Imobilizado

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deve ser feito a contabilização do recebimento da indenização de seguro, em decorrência do sinistro de bem do Ativo Imobilizado (ou Ativo Permanente). Aqui, estudaremos desde a baixa do bem sinistrado até a consequente contabilização dos valores apurados com a indenização, bem como do ganho ou da perda de capital apurado com o referido sinistro. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Prêmios de seguro

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos como deve ser feito a contabilização dos prêmios de seguro pagos pelas empresas brasileiras às empresas seguradoras, entendido como tal a soma em dinheiro, paga pelo segurado ao segurador, para que este assuma a responsabilidade de um determinado risco. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


CVM edita norma contábil

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) edita hoje, 22/10/2021, a Resolução CVM 58, que aprova o Documento de Revisão de Pronunciamento Técnico nº 19, emitido pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). O documento apresenta alterações nos Pronunciamentos Técnicos CPC 37 (R1), CPC 48, CPC 29, CPC 27, CPC 25 e CPC 15 (R1) em decorrência de modificações aprovadas pelo IASB no documento do ciclo de melhorias 2018- 2020 (Annual Improvements 2018-2020) e nas (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


A LGPD e a proteção de dados nas organizações contábeis

A Lei nº 13.709/2018 ou Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) que tem como objetivo estabelecer regras sobre coleta, armazenamento, tratamento e compartilhamento de dados pessoais, impondo mais proteção às pessoas e penalidades para o seu descumprimento - foi um dos temas debatidos nesta quarta-feira, durante a Conferência Interamericana de Contabilidade (CIC), pelos palestrantes Karen Ranielli Borges e Nivaldo Cleto. Alguns dos primeiros passos para que em (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Valores das anuidades, taxas e multas devidas aos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) para o ano de 2022

Amigos contadores e técnicos em contabilidade, o Conselho Federal de Contabilidade (CFC) divulgou os valores das anuidades, taxas e multas devidas aos Conselhos Regionais de Contabilidade (CRCs) para o exercício de 2022. De acordo com a Resolução CFC nº 1.636/2021 do Conselho Federal, os valores das anuidades devidas devem ser pagas vencimento em 31/03/2022 e terão os seguintes valores: Profissional/escritório Valor (R$) Contador (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Publicado Portaria do Ministério da Economia sobre a publicação e divulgação dos atos das companhias fechadas com receita bruta anual de até R$ 78.000.000,00

Com a publicação da Portaria ME nº 12.071/2021 (1), a partir de 13/10/2021, as empresas de capital fechado (sem ações na bolsa) com receita bruta anual de até R$ 78 milhões (setenta e oito milhões de reais) publicarão seus atos societários na Central de Balanços do Sistema Público de Escrituração Digital (Sped), e o melhor, sem cobrança de qualquer taxa. Além disso, as companhias fechadas a que se refere a mencionada Portaria ficam desobrigadas de publicar sua (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Agenda das empresas fica comprometida com obrigações de fim de ano

De outubro em diante, começa uma contagem regressiva de encerramento de ciclo no meio corporativo, de maneiras diferentes em cada setor. Para os departamentos de Recursos Humanos, Pessoal e Contábil, o período é sinônimo de correria - em algumas empresas, a agitação persiste até janeiro do ano seguinte. Isso porque há muitas obrigações legais e despesas extras a cumprir. “Deixar tudo para as últimas semanas não é uma boa opção. O ideal é que estes set (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Lei de Goiás que imputa responsabilidade solidária ao contador é derrubada pelo STF

A totalidade dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) julgou inconstitucional partes da Lei n° 17.519/2011, do Estado de Goiás, que estabelece a responsabilidade solidária do profissional da contabilidade pelo pagamento de tributos e penas pecuniárias de seus clientes. A votação da ação teve início no último dia 3 e foi finalizada nesta terça-feira (14). A decisão é resultado do trabalho do Conselho Regional de Contabilidade de Goiás (CRCGO) que, desde (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


CFC firma parceria com SEPRT para ampliar a fiscalização da profissão contábil

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT), do Ministério da Economia, firmaram um acordo de cooperação técnica para ampliar e fortalecer a fiscalização do exercício ilegal da profissão contábil no Brasil. A parceria começou a valer a partir de abril deste ano e terá duração de três anos, podendo ser renovada por igual período. Por meio da ação, o CFC passa a ter acesso à base de dados da Relação (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.