Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Demolição de edificações para construção de novo Ativo Imobilizado

Resumo:

Abordaremos no presente trabalho o tratamento contábil e fiscal da demolição de edificações para construção de novo Ativo Imobilizado. Para tanto, utilizaremos como base o Parecer Normativo CST nº 72/1977.

Hashtags: #irpj, #csll, #demolicao, #demolicaoEdificacao, #ativoImobilizado, #construcaoCivil,

Postado em: - Área: IRPJ e CSLL.

1) Introdução:

Todo empresário que tem visão de futuro quer ver seu empreendimento crescer, gerando oportunidades de empregos, renda, aumento de lucratividade, expansão de mercado. Em suma, todo empresário quer que sua empresa seja reconhecida no mercado em que atua.

Acontece que muitas vezes esse crescimento envolve a ampliação e/ou modernização de seus escritórios, parques industriais, pontos de vendas ou outras instalações ligadas ao negócio como um todo ou, até mesmo, a aquisição de imóveis a serem reformados e/ou ampliados para posterior expansão de seus negócios e/ou aumento de sua participação no mercado. Em ambos os casos, pode ocorrer à demolição de um bem imóvel (edificação) com a finalidade de promover nova construção no local.

Referida demolição para posterior construção de uma nova edificação também possui reflexos nas searas contábil e tributária, como não poderia deixar de acontecer. Assim, abordaremos no presente trabalho o tratamento contábil e fiscal da demolição de edificações para construção de novo bem do Ativo Imobilizado (AI), com base no Parecer Normativo CST nº 72/1977 que nos trouxe importantes esclarecimentos sobre a temática, bem como outras fontes não menos importantes.

Base Legal: Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

2) Aquisição de terreno com edificação a ser demolida:

A empresa que adquire determinado terreno com edificação já existente, porém, com o fim específico de demolição para posterior construção de nova edificação, deverá ativar o valor total da escritura em conta do Ativo Imobilizado (AI) representativa do terreno, visto que o investimento teve por objeto a obtenção deste, sendo irrelevante que no documento de compra e venda (escritura) constem os valores destacados tanto para o terreno como para a edificação ou, até mesmo, que conste somado os dois valores (Terreno + Edificação). Assim, somente a nova construção, também ativada, comporá a conta Edifícios, construções e benfeitorias, ou semelhantes.

Base Legal: Item 3 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.1) Custo do Ativo Imobilizado a ser construído:

O custo de um item do Ativo Imobilizado, edificação a ser construída no caso aqui analisado, compreende:

  1. seu preço de aquisição, acrescido de impostos de importação e impostos não recuperáveis sobre a compra, depois de deduzidos os descontos comerciais e abatimentos;
  2. quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local e condição necessárias para o mesmo ser capaz de funcionar da forma pretendida pela administração;
  3. a estimativa inicial dos custos de desmontagem e remoção do item e de restauração do local (sítio) no qual este está localizado. Tais custos representam a obrigação em que a entidade incorre quando o item é adquirido ou como consequência de usá-lo durante determinado período para finalidades diferentes da produção de estoque durante esse período.

Portanto, temos que todos os custos essenciais à colocação do ativo nas condições operacionais pretendidas pela empresa deverão ser ativados, sendo classificado em conta representativa do ativo denominada "Construções em andamento" até o início das operações, quando serão reclassificados para as contas correspondentes de "Bem em Operação".

Base Legal: Item 16 do Pronunciamento Técnico CPC nº 27 - R1 (Checado pela Valor em 21/09/21).

2.2) Tratamento dos gastos com a demolição:

Por serem gastos (custos) vinculados à realização do novo empreendimento, os dispêndios com a demolição devem ser ativados como parcela integrante do custo da construção nova, pois estão vinculados à construção da nova edificação.

Base Legal: Subitem 3.2 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

2.3) Tratamento do valor da venda do material demolido:

Com relação à venda do material originário da demolição, seu valor poderá ter uma das seguintes destinações, a critério do contribuinte:

  1. ser deduzido do valor ativado como custo do terreno, de forma a que se ajuste à realidade econômica;
  2. ser contabilizado como receita não operacional, tributável pelo Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e pela Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL), no exercício de sua realização; ou
  3. ser compensado com o custo da demolição.
Base Legal: Subitem 3.1 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

3) Demolição de edificação já incorporada no Ativo Imobilizado:

Outra situação possível é a existência anterior do imóvel na empresa (já incorporado no Ativo Imobilizado), que, por necessidade de ampliação ou modernização de suas instalações, deva ser demolido para fim de nova construção no local. Pode nesta oportunidade, ocorrer que os valores do terreno e respectiva edificação se encontrem destacados na contabilidade, quer por consignação na escritura originária, quer pelo fato de a construção ser posterior à aquisição do terreno.

Neste caso, o valor residual da edificação a ser demolida (entendido como tal o valor registrado na contabilidade, corrigido monetariamente até 31/12/1995 e, se for o caso, diminuído da depreciação acumulada) terá o tratamento de perda de capital (prejuízo da empresa), sendo como tal dedutível do para fins de apuração do Lucro Real.

Base Legal: Item 4 e subitem 4.1 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.1) Falta de destaque contábil do valor da edificação:

Se pela contabilidade não for possível à separação dos valores do terreno e da edificação, em virtude de se acharem somados, o contribuinte deverá providenciar avaliação pericial e utilizará o Laudo emitido pelo perito para determinar que parcela do valor contabilizado do imóvel corresponde ao edifício e à construção a ser demolida, podendo, assim, levar o quantum respectivo a débito da conta de resultados.

Base Legal: Subitem 4.2 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

3.2) Tratamento dos gastos com a demolição:

Por serem gastos (custos) vinculados à realização do novo empreendimento, os dispêndios com a demolição devem ser ativados como parcela integrante do custo da construção nova, pois estão vinculados à construção da nova edificação. Por outro lado, quando a demolição não for destinada à construção de outro edifício, o seu custo será reconhecido como perda de capital.

Base Legal: Subitens 3.2 e 4.3 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

3.3) Tratamento do valor da venda do material demolido:

Com relação à venda do material originário da demolição, seu valor poderá ter uma das seguintes destinações, a critério do contribuinte:

  1. ser contabilizado como receita não operacional, tributável pelo IRPJ e pela CSLL, no exercício de sua realização; ou
  2. ser compensado com o custo da demolição.

Neste caso a empresa não poderá utilizar a faculdade de deduzir os dispêndios do valor ativado como custo do terreno (Ver letra "a" do subcapítulo 2.3 acima). Base Legal: Subitens 3.1 e 4.3 do Parecer Normativo CST nº 72/1977 (Checado pela Valor em 21/09/21).

Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Demolição de edificações para construção de novo Ativo Imobilizado (Área: IRPJ e CSLL). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=257&titulo=demolicao-de-edificacoes-para-construcao-de-novo-ativo-imobilizado-imposto-renda-irpj-csll. Acesso em: 26/10/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Recursos mantidos no exterior relativos aos recebimentos de exportações

Neste Roteiro de Procedimentos analisaremos o dever de informar os recursos mantidos no exterior relativos aos recebimentos de exportações. Para tanto, tomaremos como base a Instrução Normativa RFB nº 1.801/2018 que extinguiu a Derex e trouxe novas disposições sobre o assunto. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Despesas de fim de ano

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento fiscal e contábil que deve ser observado na apuração do Lucro Real e da Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) quando da realização de despesas de fim de ano, quais sejam: (i) da distribuição de cestas de Natal a colaboradores; (ii) da distribuição de brindes à colaboradores e terceiros quem mantenham vínculo com a empresa; (iii) das festas de confraternização e; (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Empresa cidadã: Prorrogação da licença-maternidade e licença-paternidade

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o benefício fiscal criado dentro do Programa Empresa Cidadã, que estabelece as prorrogações da licença-maternidade e da licença-paternidade, esta por mais 15 (quinze) dias e àquela por mais 60 (sessenta) dias. Medida extremamente importante que merece um artigo específico pelo nosso Portal. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Lucro presumido: Possibilidade de alteração do regime de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário

Analisaremos no presente artigo a possibilidade da pessoa jurídica que apura o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) com base no lucro presumido de alterar o regime de reconhecimento de receita (caixa ou competência) no decorrer do mesmo ano-calendário, ou seja, após já ter efetuado sua opção quando do pagamento da primeira ou única quota do IRPJ devido correspondente ao primeiro período de apuração do a (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Responsabilidade tributária: Cisão, extinção ou transformação societária

Discorreremos no presente artigo a responsabilidade tributária presente nas reorganizações societárias, mais especificamente na cisão, extinção ou transformação, com fulcro no Código Tributário Nacional (CTN/1966) e no Regulamento do Imposto sobre a Renda (RIR/2018). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: IRPJ e CSLL


Receita Federal esclarece os requisitos para não tributar IRPJ e CSLL sobre perdão de multas e juros vinculados a autos de infração do ICMS no Lucro Presumido

Através da Solução de Consulta Cosit nº 172/2021, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) veio esclarecer quais são os requsitos para não adicionar à Base de Cálculo (BC) do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) o perdão de multas e juros vinculados a autos de infração do ICMS. Segundo o entendimento do órgão, no regime de tributação com base no lucro presumido, os valores recuperados de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Receita Federal publica Solução de Consulta para esclarecer o conceito de Receita Bruta

Através da Solução de Consulta Cosit nº 170/2021 a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB), por intermédio da Coordenação-Geral de Tributação (Cosit), veio esclarecer que a receita bruta de que trata o artigo 12 do Decreto-Lei nº 1.598/1977 (1), no caso de prestação de serviços, corresponde ao preço do serviço. Não se incluem no conceito de receita bruta os valores que circulam na contabilidade de pessoa jurídica e não lhe pertencem, sendo propriedade (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Novo serviço no e-CAC da Receita Federal: Obtenção do Laudo Fiscal para destruição de bens

Através da Portaria Cofis nº 23/2021, a Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) veio a dispor sobre a disponibilização de um novo serviço no Centro Virtual de Atendimento (e-CAC)... Trata-se da abertura de processo digital, no ambiente do e-CAC, para obtenção do Laudo Fiscal para destruição de bens, conforme Instrução Normativa RFB nº 2.022/2021. O serviço "Obter Laudo Fiscal de Destruição de Bens" está localizado na área de concentração temática (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Usufruto de Participações Societárias. Distribuição Disfarçada de Lucros na Instituição de Usufruto de Juros Sobre o Capital

INTRODUÇÃO Em 4 de janeiro de 2021, o Diário Oficial da União divulgou o texto da Solução de Consulta COSIT nº 137/2020, na qual trata da dedução de despesas de juros sobre o capital que forem pagos aos usufrutuários de cotas ou ações do capital de sociedade. A meu juízo, o documento normativo aborda de modo escorreito o tema para firmar a interpretação no sentido de que, para efeitos de apuração do lucro real e do resultado ajustado, a pessoa jurídica po (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Subvenções para investimentos: O calvário do contribuinte continua. A vitanda ilegalidade da Solução de Consulta Cosit nº 145/2020

A Solução de Consulta COSIT nº 145, publicada em 22 de dezembro de 2020, traz um novo entendimento da Receita Federal do Brasil sobre a interpretação das normas que tratam da isenção de IRPJ e CSLL sobre o montante das receitas de subvenções relacionadas ao ICMS nos termos dos artigos 30 e 50 da Lei nº 12.973/14, com alterações veiculadas pela Lei Complementar nº 160/17. De acordo com os exatos termos da ementa da referida Solução de Consulta: "a partir da Lei (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal (IRPJ e CSLL)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.