Benefícios fiscais do ICMS: Energia eólica

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os incentivos fiscais ligados ao setor de energia eólica do Estado de São Paulo. Registra-se que utilizaremos como base de estudo os artigos 400-H e 400-I e 30 do Anexo I do RICMS/2000-SP, aprovado pelo Decreto n° 45.490/2000.

Hashtags: #isencaoICMS, #diferimentoICMS, #suspensaoICMS, #energiaEolica,

Postado em: - Área: ICMS São Paulo.

1) Introdução:

Energia eólica é a energia que provém do vento. O termo eólico vem do latim aeolicus, que pertence a Éolo, o deus dos ventos na mitologia grega. A energia eólica é utilizada desde a antiguidade para mover os barcos impulsionados por velas ou para fazer funcionar a engrenagem de moinhos, ao mover as suas pás.

Nos moinhos de vento a energia eólica é transformada em energia mecânica, que é utilizada para moer grãos ou bombear água. Atualmente utiliza-se a energia eólica para mover aerogeradores, que são turbinas colocadas em lugares de muito vento, para produzir energia. Essas turbinas têm geralmente a forma de um catavento ou moinho.

Existem os parques eólicos, que são concentrações de aerogeradores, utilizados para produzir energia, geralmente para alimentar localidades remotas e distantes da rede de transmissão. É possível ainda a utilização de aerogeradores de baixa tensão quando se trata de requisitos limitados de energia elétrica.

O Brasil tem um dos maiores potenciais eólicos do planeta e, existem muitos planos para exploração dessa fonte de energia. O que impede a instalação de mais centrais eólicas ainda é o preço, pois a energia gerada custa entre 60% (sessenta por cento) e 70% (setenta por cento) a mais que a mesma quantidade gerada por uma usina hidrelétrica.

A energia eólica é uma das mais promissoras fontes naturais de energia, e possui muitas vantagens, porque é renovável, ou seja, não se esgota, limpa, amplamente distribuída globalmente e, se utilizada para substituir fontes de combustíveis fósseis, o que auxilia na redução do efeito estufa.

Apesar das suas muitas vantagens, existem também desvantagens, por ter alguns impactos ambientais. Os parques eólicos e os seus aerogeradores são muito grandes e o vento passando pelas suas pás faz muito ruído, o que impede que populações residam perto desses parques. Além disso, os parques eólicos podem afetar o fenômeno da migração de algumas espécies de aves.

O Governo do Estado de São Paulo, ponderando essas vantagens e desvantagem, decidiu incentivar a indústria ligada ao setor de energia eólica, através da concessão de diversos incentivos fiscais ligados ao ICMS. Dentre os incentivos até agora implementados, destacamos:

  1. a isenção do imposto em operações realizadas por fabricantes de diversos produtos ligados a produção de energia solar e eólica;
  2. o diferimento do imposto nas operações com diversos insumos utilizados na fabricação de produtos para produção de energia eólica; e
  3. a suspensão imposto incidente no desembaraço aduaneiro de diversos insumos utilizados na fabricação de produtos para produção de energia eólica.

São esses os incentivos que ora examinaremos neste Roteiro de Procedimentos. Registra-se que utilizaremos como base de estudo os artigos 400-H e 400-I e 30 do Anexo I do RICMS/2000-SP, aprovado pelo Decreto n° 45.490/2000.

Base Legal: Significado de Energia Eólica (Checado pela Valor em 11/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceitos:

2.1) Diferimento:

Regra geral, o ICMS incide sobre a saída de mercadorias do estabelecimento de contribuinte, independentemente da natureza jurídica da operação que está sendo realizada. Assim, sempre que o contribuinte der saída de uma mercadoria do seu estabelecimento estará sujeito ao recolhimento do imposto incidente sobre dita operação. Porém, pode ocorrer de a legislação determinar outro momento para o lançamento e cobrança do ICMS, nesta situação, estamos diante do benefício fiscal denominado "diferimento".

Nos casos em que a legislação prevê esse diferimento, o contribuinte normalmente dá a saída da mercadoria do seu estabelecimento, mas não recolhe o ICMS em virtude de haver disposição legal determinando que esse imposto seja recolhido apenas em etapa posterior da cadeia de circulação da mercadoria.

Portanto, podemos concluir na operação amparada pelo diferimento temos ocorrido o fato gerador do imposto, porém, o seu recolhimento é postergado para um momento futuro (posterior ao da ocorrência do fato gerador). Essa postergação provoca o deslocamento da responsabilidade tributária, de um contribuinte paulista para um sujeito passivo, também paulista, indicado na legislação como responsável tributário pelo recolhimento do imposto.

Em outras palavras, o diferimento do ICMS é uma forma diferenciada de tributação, na qual o momento do lançamento do imposto é postergado para um momento futuro. Nessa hipótese, a legislação enumera expressamente as situações em que encerram o diferimento e, por consequência, o imposto torna-se exigível.

Considerando que o imposto será pago por uma terceira pessoa, em momento futuro expressamente indicado na legislação, relativamente a fato gerador já ocorrido, o diferimento é caracterizado como substituição tributária na modalidade antecedente (para trás).

Base Legal: Valor Consulting.

2.2) Diferimento e Suspensão:

A expressão diferimento designa um transferência de responsabilidade tributária. Já a expressão suspensão nomeia postergação do lançamento do ICMS para uma etapa ulterior do processo de circulação de uma mercadoria pelo mesmo contribuinte.

Base Legal: Item 5 da Resposta à Consulta nº 402/2011 (Checado pela Valor em 11/08/22).

3) Isenção do ICMS:

Estão isentas do ICMS, no Estado de São Paulo, as operações com os produtos a seguir indicados, classificados nos códigos da Nomenclatura Brasileira de Mercadorias / Sistema Harmonizado (NBM/SH):

  1. aerogeradores para conversão de energia dos ventos em energia mecânica para fins de bombeamento de água e/ou moagem de grãos, 8412.80.00;
  2. bomba para líqüidos, para uso em sistema de energia solar fotovoltáico em corrente contínua, com potência não superior a 2 HP, 8413.81.00;
  3. aquecedores solares de água, 8419.19.10;
  4. geradores fotovoltáicos:
    1. de potência não superior a 750W, 8501.31.20;
    2. de potência superior a 750 W, mas não superior a 75 KW, 8501.32.20;
    3. de potência superior a 75 KW, mas não superior a 375 KW, 8501.33.20;
    4. de potência superior a 375 KW - 8501.34.20;
  5. aerogeradores de energia eólica, 8502.31.00;
  6. células solares:
    1. não montadas, 8541.40.16;
    2. em módulos ou painéis, 8541.40.32;
  7. torre para suporte de gerador de energia eólica, 7308.20.00 e 9406.00.99;
  8. pá de motor ou turbina eólica, 8503.00.90;
  9. partes e peças utilizadas:
    1. exclusiva ou principalmente em aerogeradores classificados no código 8502.31.00, em geradores fotovoltaicos, classificados nos códigos 8501.31.20, 8501.32.20, 8501.33.20 e 8501.34.20 - 8503.00.90;
    2. em torres para suporte de energia eólica, classificadas no código 7308.20.00 - 7308.90.90;
  10. chapas de aço, 7308.90.10;
  11. cabos de controle, 8544.49.00;
  12. cabos de potência, 8544.49.00;
  13. anéis de modelagem, 8479.89.99;
  14. conversor de frequência de 1600 kVA e 620V - 8504.40.50;
  15. fio retangular de cobre esmaltado 10 x 3,55mm - 8544.11.00;
  16. barra de cobre 9,4 x 3,5mm - 8544.11.00.
Base Legal: Art. 30, caput do Anexo I do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

3.1) Manutenção do crédito do ICMS:

De acordo com o artigo 60 do RICMS/2000-SP, a isenção, salvo determinação em contrário: a) não implicará crédito para compensação com o valor devido nas operações ou prestações seguintes e; b) acarretará a anulação do crédito relativo às operações ou prestações anteriores.

Porém, o dispositivo normativo que concede isenção para as operações com os produtos indicados no capítulo 3 acima não exige o estorno de crédito do ICMS relativo às entradas.

Base Legal: Arts. 60, caput e 30, § 1º do Anexo I do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.2) Condições para aplicabilidade da isenção:

A isenção prevista no capítulo 3:

  1. fica condicionada a que a operação esteja amparada por isenção ou alíquota zero do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI);
  2. somente se aplica aos produtos relacionados nas letras X a XIII quando destinados à fabricação de torres para suporte de gerador de energia eólica;
  3. somente se aplica aos produtos relacionados nas letras XIV a XVI quando destinados à fabricação de aerogeradores de energia eólica, classificados no código NCM 8502.31.00.
Base Legal: Art. 30, § 2º do Anexo I do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

3.3) Vigência da isenção:

O incentivo fiscal analisado neste capítulo vigorará enquanto vigorar o Convênio ICMS nº 101/1997.

Nota Valor Consulting:

(1) O Convênio ICMS nº 101/1997 teve seus efeitos prorrogados até 31/12/2028, por meio do Convênio ICMS nº 156/2017.

Base Legal: Convênio ICMS nº 101/1997; Convênio ICMS nº 156/2017 e; Art. 30, § 3º do Anexo I do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

4) Diferimento do ICMS:

O lançamento do ICMS incidente na saída interna de mercadoria utilizada como matéria-prima (MP) ou produto intermediário (PI) na fabricação dos produtos indicados no subcapítulo 4.1 fica diferido para o momento em que ocorrer a entrada da mercadoria no estabelecimento fabricante.

Vale registrar que o momento para o encerramento do diferimento ora analisado, onde o ICMS tornar-se-á exigível, é a entrada do(s) insumo(s) no estabelecimento fabricante dos produtos para produção de energia eólica relacionados no subcapítulo 4.1 abaixo.

Base Legal: Art. 400-H, caput do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

4.1) Produtos beneficiados:

O diferimento ora analisado aplica-se às mercadorias utilizadas como MP ou PI na fabricação dos produtos a seguir relacionados, classificados nos códigos da NCM:

  1. aerogeradores para conversão de energia dos ventos em energia mecânica para fins de bombeamento de água e/ou moagem de grãos, 8412.80.00;
  2. aerogeradores de energia eólica, 8502.31.00;
  3. torre para suporte de gerador de energia eólica, 7308.20.00 e 9406.00.99;
  4. pás de motor ou turbina eólica, 8503.00.90;
  5. rotor (hub) para gerador de energia eólica, 8503.00.90.
Base Legal: Art. 400-H, § 1º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

4.2) Condições para aplicabilidade do diferimento:

A aplicabilidade do diferimento ora analisado fica condicionado a que:

  1. seja concedido Regime Especial ao estabelecimento fabricante dos produtos relacionados no subcapítulo 4.1, nos termos de disciplina estabelecida pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz/SP);
  2. haja expressa adesão do estabelecimento fornecedor da mercadoria utilizada como MP ou PI na fabricação dos referidos produtos ao Regime Especial concedido conforme indicado na letra "a" anterior.

Por fim, registra-se que a forma para recolhimento do ICMS deferido será definido no Regime Especial.

Nota Valor Consulting:

(2) A Portaria CAT nº 18/2021 dispõe sobre os pedidos de Regimes Especiais previstos nos artigos 479-A e 489 do RICMS/2000-SP.

Base Legal: Art. 400-H, § 1º do RICMS/2000-SP e; Preâmbulo da Portaria CAT nº 18/2021 (Checado pela Valor em 11/08/22).

5) Suspensão do ICMS:

O lançamento do ICMS incidente no desembaraço aduaneiro da mercadoria, sem similar produzida no país, utilizada como MP ou PI na fabricação dos produtos indicados no subcapítulo 4.1, quando a importação for efetuada diretamente por estabelecimento fabricante dos referidos produtos, fica suspenso para o momento em que ocorrer a entrada da mercadoria no mencionado estabelecimento.

Base Legal: Art. 400-I, caput do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 11/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5.1) Condições para aplicabilidade da suspensão:

A aplicabilidade da suspensão ora analisada fica condicionado a que o estabelecimento fabricante:

  1. esteja sob Regime Especial concedido pela Sefaz/SP;
  2. seja usuário do sistema eletrônico de processamento de dados para a emissão e escrituração de documentos fiscais, nos termos de disciplina estabelecida pela Sefaz/SP;
  3. promova o desembarque e o desembaraço aduaneiro da mercadoria importada em território paulista.

A inexistência de mercadoria similar produzida no país deverá ser atestada por órgão Federal competente ou por entidade representativa do setor produtivo de tais mercadorias, com abrangência em todo o território nacional.

Base Legal: Art. 400-I, §§ 1º e 2º do RICMS/2000-SP e; Portaria CAT nº 43/2007 (Checado pela Valor em 11/08/22).

5.2) Não cumprimento das condições para aplicação da suspensão:

Não satisfeitas as condições estabelecidas no subcapítulo 5.1, não prevalecerá a suspensão, hipótese em que o importador deverá recolher o imposto devido com multa e demais acréscimos legais, calculados desde a data do desembaraço aduaneiro, por meio de Guia de Arrecadação Estadual (Gare-ICMS).

Base Legal: Art. 400-I, § 3º do RICMS/2000-SP e; Portaria CAT nº 43/2007 (Checado pela Valor em 11/08/22).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Benefícios fiscais do ICMS: Energia eólica (Área: ICMS São Paulo). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=381&titulo=beneficios-fiscais-icms-energia-eolica. Acesso em: 04/10/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e): Alteração dos dados do tomador do serviço

Analisaremos nesse artigo as alternativas constantes na legislação que rege o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) para regularizar erros de informação dos dados do tomador do serviço. Para tanto, utilizaremos como base o Ajuste Sinief nº 9/2007 e a Portaria CAT nº 5/2009. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Crédito presumido do ICMS: Programa de Ação Cultural (PAC)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o crédito presumido (ou outorgado) do ICMS concedido no âmbito do Programa de Ação Cultural (PAC), através do Convênio ICMS nº 27/2006 e Lei n° 12.268/2006 (DOE 21/02/2006). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Base de Cálculo do ICMS: Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a inclusão ou não do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) na Base de Cálculo (BC) do ICMS incidente na importação de bens e mercadorias do exterior. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a legislação em vigor atualmente no Estado de São Paulo, principalmente o Regulamento do ICMS (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Perda, extravio ou inutilização de livros ou documentos fiscais

Analisaremos no presente Roteiro os procedimentos a serem observados pelos contribuintes paulista do ICMS na hipótese de perda, extravio, inutilização de livros ou documentos fiscais, bem como de reconstituição de escrita fiscal e adaptação de livros ou documentos fiscais nos casos de alteração cadastral, com fundamento na disciplina estabelecida na Portaria CAT nº 17/2006. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Crédito fiscal do ICMS: Aquisição de energia elétrica

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as hipóteses de aproveitamento de crédito fiscal do ICMS por ocasião da entrada de energia elétrica no estabelecimento contribuinte do imposto. Para tanto, utilizaremos como base de estudo o Regulamento do ICMS (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como outras fontes citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Governo de São Paulo reduz ICMS na gasolina de 25% para 18%

O governador Rodrigo Garcia e o secretário Felipe Salto anunciaram, nesta segunda-feira (27), a antecipação da redução na alíquota do ICMS na gasolina de 25% para 18%. Garcia afirma que a expectativa é uma queda de cerca de R$ 0,48 na bomba. Considerando o valor médio de R$ 6,97, o litro do combustível ficaria abaixo de R$ 6,50 com essa decisão, segundo o governador. A redução é imediata e segue a nova legislação federal: a Secretaria da Fazenda e Planejamen (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Ministro André Mendonça define que alíquotas de ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo o país a partir de 1º de julho

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar nesta sexta-feira (17) para suspender a eficácia do convênio ICMS 16/2022 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e decidiu que as alíquotas do ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo território nacional. O ministro também estipulou uma série de medidas que devem ser observadas pelos estados e pela Petrobras. Até que uma nova norma seja editada pelo Confaz a res (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Crédito acumulado: mais facilidade para o contribuinte do ICMS aderir ao ProAtivo

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo ampliou a participação das empresas paulistas no ProAtivo. A partir desta sexta-feira (10), por meio da publicação da Portaria SRE 43/22, fica dispensada a necessidade de indicação prévia do destinatário do crédito acumulado. Com essa modificação, a empresa que aderir ao ProAtivo terá mais tempo para escolher o destinatário, podendo fazê-lo por ocasião da autorização eletrônica para transferênci (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Sistemas inteligentes do Governo de SP facilitam pagamento de impostos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP) trabalha, desde 2019, para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. A nova cultura de melhoria contínua aliada à inteligência de dados e ao uso de métodos ágeis possibilitou a entrega de sistemas mais amigáveis e inteligentes, além de processos mais enxutos. Com isso, ganha-se cada vez mais celeridade (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Governo de São Paulo anuncia redução de ICMS e desoneração fiscal

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP), reduzirá a carga tributária de ICMS de setores geradores de empregos, a partir de janeiro de 2022. O anúncio ocorreu em coletiva, nesta quarta-feira (29), no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do Governador João Doria, do vice-governador Rodrigo Garcia e do secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles. Para Meirelles, o novo pacote fiscal para apoiar (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Secretaria da Fazenda avança na desburocratização de processos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (Sefaz) trabalha continuamente para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. Para que as modernizações sejam implementadas, vários setores da Sefaz se integraram, como o que aconteceu com as equipes das diretorias de Arrecadação, Cobrança e Recuperação da Dívida (Dicar); a de Atendiment (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Os impactos da ADC STF nº 49: As inconstitucionalidades de dispositivos da Lei Kandir (ICMS sobre transferências entre estabelecimentos)

Por Cleberson Vasconcelos, supervisor fiscal | Indirect Tax Supervisor at Grendene S/A. 1) Introdução: Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a não incidência de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no deslocamento de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo contribuinte. Ao reiterar jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio STF sobre a matéria, a Corte Superior julgou improcedente a aç (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael AMARAL, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Set/21 Out/21 Nov/21 Dez/21 Jan/22 Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen -0,23 0,41 0,89 0,63 -0,58 1,08 1,17 -0,36 -0,27 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,88 -0,07 0,79 0,66 1,86 2,92 0,81 0,82 0,59 -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 1,19 1,05 0,93 0,84 0,42 0,33 0,86 1,53 0,35 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 1,43 0,77 1,08 0,57 0,49 0,28 1,35 1,08 0,50 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,93 1,26 0,79 1,08 0,40 0,39 0,47 1,67 0,54 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV -1,21 0,53 -0,29 0,95 2,30 2,36 2,07 1,45 0,45 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV -1,17 1,90 -1,16 1,54 2,57 1,94 2,80 0,19 0,55 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV -0,76 -0,77 1,31 -0,51 2,27 2,51 1,44 2,81 -0,08 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 0,56 0,80 0,71 0,30 0,64 0,48 0,73 0,87 1,49 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 0,51 0,86 0,67 0,35 0,71 0,38 0,86 0,95 2,28 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 0,43 0,53 0,95 0,54 0,50 0,61 0,34 1,17 0,74 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV -0,64 0,64 0,02 0,87 1,82 1,83 1,74 1,41 0,52 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV -0,55 1,60 -0,58 1,25 2,01 1,50 2,37 0,41 0,69 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV -0,37 -0,31 1,19 -0,14 1,79 1,98 1,18 2,48 0,10 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 1,13 1,00 0,72 0,57 0,74 0,90 1,28 1,62 0,42 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 0,25 2,26 1,46 -0,08 1,20 0,54 3,12 2,08 1,81 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 1,14 1,20 1,17 0,78 0,58 0,99 0,95 1,73 0,59 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 1,16 1,25 0,95 0,73 0,54 1,01 1,62 1,06 0,47 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 1,20 1,16 0,84 0,73 0,67 1,00 1,71 1,04 0,45 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,3012 0,3575 0,4412 0,4902 0,5608 0,5000 0,5976 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,4221 0,5046 0,5927 0,7191 0,7609 0,7272 0,8678 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,4067 0,4433 0,4433 0,4433 0,5067 0,5067 0,5067 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,0000 0,0000 0,0000 0,0488 0,0605 0,0000 0,0971 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 0,4420 0,4860 0,5868 0,7691 0,7323 0,7550 0,9271 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 0,44 0,49 0,59 0,77 0,73 0,76 0,93 0,83 1,03 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,54 23,54 23,54 23,54 23,55 23,55 23,55 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 29,09 29,09 29,09 29,09 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97
Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97