Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Convênios ICMS

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos todas as peculiaridades acerca dos Convênios ICMS, tais como sua celebração, natureza, revogação, vigência, etc. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei Complementar nº 24/1975, que dispõe sobre os Convênios para a concessão de benefícios fiscais relacionados (isenção, redução de Base de Cálculo, crédito presumido, entre outros) ao ICMS e dá outras providências.

Hashtags: #icms, #convenioIcms, #confaz,

Postado em: - Área: ICMS São Paulo.

1) Introdução:

De acordo com a Constituição Federal (CF/1988), cabe à Lei Complementar regular a forma como, mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fiscais serão concedidos e revogados.

Em complemento, o artigo 34, caput, § 5º do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT/1988), a seguir transcrito, assegura a aplicação da legislação anterior, a partir da vigência do atual Sistema Tributário Nacional (STN), desde que não seja incompatível com o referido sistema (princípio da recepção das leis). Registra-se que o STN atual entrou em vigor em 01/03/1989.

Art. 34. O sistema tributário nacional entrará em vigor a partir do primeiro dia do quinto mês seguinte ao da promulgação da Constituição, mantido, até então, o da Constituição de 1967, com a redação dada pela Emenda nº 1, de 1969, e pelas posteriores.

(...)

§ 5º Vigente o novo sistema tributário nacional, fica assegurada a aplicação da legislação anterior, no que não seja incompatível com ele e com a legislação referida nos § 3º e § 4º.

(...)

Portanto, considerando que a época da promulgação da Constituição Federal/1988 já existia a Lei Complementar nº 24/1975 e que suas disposições eram compatíveis com o STN vigente desde 01/03/1989, a citada Lei Complementar foi recepcionada pela CF/1988, ou seja, a celebração de Convênios entre os Estados e o Distrito Federal, para fins de concessão ou revogação de incentivos fiscais no âmbito do ICMS, continua se submetendo às formalidades fixadas por essa legislação.

Nunca é demais lembrar que, de acordo com o artigo 100, caput, IV do Código Tributário Nacional (CTN/1966), os Convênios que entre si celebrem a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, são normas complementares das leis, dos tratados e das convenções internacionais e dos decretos. Assim, a observância desses Convênios exclui a imposição de penalidades, a cobrança de juros de mora e a atualização do valor monetário da Base de Cálculo do imposto.

Uma vez firmado um Convênio entre dois ou mais Estados ou Distrito Federal, o mesmo deverá ser, ratificado (ou não) pelos respectivos Poderes Executivos. Só após aprovados, os Convênios ICMS passam a ter eficácia, pois é o Poder Executivo de cada Estado e do Distrito Federal que, ratificando o Convênio, o estabelecem como válido naquele Estado ou Distrito Federal.

Feitos esses brevíssimos comentários, passaremos a analisar nos próximos capítulos todas as peculiaridades acerca dos Convênios ICMS, tais como sua celebração, natureza, revogação, vigência, etc. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei Complementar nº 24/1975, que dispõe sobre os Convênios para a concessão de benefícios fiscais relacionados ao ICMS e dá outras providências.

Base Legal: Art. 155, § 2º, XII, "g" da Constituição Federal/1988; Art. 34, caput, § 5º do ADCT/1988; Art. 100, caput, IV, § único do CTN/1966 e; Art. 1º, caput da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Objeto dos Convênios:

Os Convênios ICMS têm por objeto a concessão (ou a revogação) de benefícios fiscais relacionados com as operações e prestações sujeitas à incidência do ICMS, a saber:

  1. isenção;
  2. redução da Base de Cálculo;
  3. à devolução total ou parcial, direta ou indireta, condicionada ou não, do tributo, ao contribuinte, a responsável ou a terceiros;
  4. concessão de créditos presumidos;
  5. quaisquer outros incentivos ou favores fiscais ou financeiro-fiscais, concedidos com base no ICMS, dos quais resulte redução ou eliminação, direta ou indireta, do respectivo ônus.
Base Legal: Art. 1º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

2.1) Revogação de isenção (Princípio da anterioridade):

De acordo com a Constituição Federal/1988, restou estabelecido, como regra geral, que é vedado aos Estados e ao Distrito Federal cobrar tributos no mesmo exercício financeiro em que haja sido publicada a lei que os instituiu ou aumentou; estamos, nesta situação, diante do Princípio da anterioridade (anual). Mas, considerando que quase tudo na legislação tributária tem uma exceção, não seria diferente agora, estabelece o artigo 150, § 1º Constituição Federal/1988 que o Princípio da anterioridade não é aplicável em algumas situações, dentre as quais a revogação de isenção do ICMS.

Esse entendimento foi pacificado, inclusive, pelo Supremo Tribunal Federal (STF) através da Súmula STF nº 615 aprovada ainda na vigência da Constituição anterior, portanto, referindo-se ao antigo Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICM):

SÚMULA 615

O PRINCÍPIO CONSTITUCIONAL DA ANUALIDADE (§ 29 DO ART. 153 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL) NÃO SE APLICA À REVOGAÇÃO DE ISENÇÃO DO ICM.

Data de Aprovação - Sessão Plenária de 17/10/1984 (DJU de 29/10/1984).

Nota Valor Consulting:

(1) Na vigência da Constituição Federal/1946 foi incluído em nosso ordenamento jurídico o princípio da anualidade. Porém, com a promulgação da Constituição Federal/1988 esse princípio deixou de existir, passando a ser adotado tão somente o princípio da anterioridade.

Base Legal: Art. 150, III, "b" da Constituição Federal/1988 e; Súmula STF nº 615 (Checado pela Valor em 20/09/21).

3) Efeitos do Convênio ICMS:

Para efeitos de aplicação de incentivos ou benefícios fiscais, o Convênio ICMS poderá ser impositivo ou autorizativo, isto quer dizer que os citados atos nem sempre obrigam as Unidades da Federação a adotar as medidas por eles aprovadas.

No Convênio impositivo, as medidas nele previstas devem ser obrigatoriamente adotadas por todas as Unidades da Federação. Já no Convênio autorizativo, a adoção ou não das medidas nele previstas ficam por conta do Poder Executivo de cada Unidade da Federação, isso porque o citado ato apenas autoriza os Estados e o Distrito Federal a conceder o benefício nele previsto.

Para reforçar essa diferença entre os dois tipos de Convênios, temos que os impositivos normalmente consignam: "Ficam isentas as saídas..."; ou "É concedida isenção nas saídas...". Já os autorizativos consignam texto diferente: "Ficam os Estados e o Distrito Federal autorizados a conceder isenção nas saídas...".

Por fim, lembramos que muitos dos Convênios celebrados são dirigidos apenas a determinadas Unidades da Federação, situação em que somente estas deverão (se for impositivo) ou poderão (se autorizativo) adotar as suas disposições.

Base Legal: Art. 3º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

4) Natureza dos Convênios:

Os Convênios ICMS serão celebrados em reuniões para as quais tenham sido convocados representantes de todos os Estados e do Distrito Federal, sob a presidência de representantes do Governo Federal, observando-se o seguinte:

  1. as reuniões se realizarão com a presença de representantes da maioria das Unidades da Federação;
  2. a concessão de benefícios dependerá sempre de decisão unânime dos Estados representados e a sua revogação total ou parcial dependerá de aprovação de 4/5 (quatro quintos), pelo menos, dos representantes presentes.
Base Legal: Art. 2º, caput, §§ 1º e 2º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

5) Vigência e formalidades:

Os Convênios ICMS podem dispor que a aplicação de qualquer de suas cláusulas seja limitada a uma ou a algumas Unidades da Federação. Além disso, antes de entrarem em vigor, os Convênios deverão atender as formalidades legais examindas nos subcapítulos seguintes.

Base Legal: Art. 3º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

5.1) Publicação no DOU:

Dentro de 10 (dez) dias, contados da data final da reunião a que nos referimos no capítulo 4 acima, a resolução nela adotada (em outras palavras, o texto do Convênio) deverá ser publicada no Diário Oficial da União (DOU).

Base Legal: Art. 2º, § 3º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5.2) Ratificação Estadual:

Dentro do prazo de 15 (quinze) dias contados da publicação dos Convênios no DOU (Ver subcapítulo 5.1 acima), e independentemente de qualquer outra comunicação, o Poder Executivo de cada Unidade da Federação deverá publicar, no Diário Oficial da localidade, decreto ratificando ou não os Convênios celebrados, considerando-se ratificação tácita dos Convênios a falta de manifestação no prazo assinalado.

Nota Valor Consulting:

(2) O disposto neste subcapítulo aplica-se também às Unidades da Federação cujos representantes não tenham comparecido à reunião em que hajam sido celebrados os Convênios.

Base Legal: Art. 4º, caput, § 1º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

5.3) Ratificação Nacional:

Até 10 (dez) dias depois de findo o prazo de ratificação dos Convênios pelas Unidades da Federação (Ver subcapítulo 5.2 acima), deverá ser publicado ato do Presidente da Comissão Técnica Permanente do ICMS (Cotepe) ratificando ou rejeitanto o Convênio. Essa publicação também deverá ser feita no DOU.

Base Legal: Art. 5º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

5.4) Rejeição do Convênio:

Considerar-se-á rejeitado o Convênio ICMS que não for expressa ou tacitamente ratificado pelo Poder Executivo:

  1. de todas as Unidades da Federação, no caso de concessão de isenções, incentivos e benefícios fiscais;
  2. de, no mínimo, 4/5 (quatro quintos) das Unidades da Federação, nos casos de revogação total ou parcial desses benefícios.
Base Legal: Art. 4º, § 2º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

5.5) Início da Vigência:

Os Convênios ICMS entrarão em vigor no 30º (trigésimo) dia após a publicação a que se refere o subcapítulo 5.3 acima (ratificação nacional), salvo disposição em contrário. Essa ressalva, entretanto, significa dizer que o próprio Convênio poderá estabelecer a data de início para sua vigência.

Portanto, podemos concluir pela existência de 2 (duas) possibilidades diversas quanto ao início de vigência dos Convênios ICMS, quais sejam:

  1. Convênio silente (omisso): a vigência se iniciará no 30º (trigésimo) dia após a ratificação nacional, conforme já mencionado; ou
  2. Convênio não silente: a vigência se iniciará no prazo expressamente previsto no corpo do Convênio.

Por fim, temos que a regra geral dos Convênios é fixar a data da ratificação nacional como início da sua vigência, hipóteses em que, sendo o Convênio impositivo, a partir desta data suas disposições produzirão efeitos, ainda que elas não sejam expressamente incorporadas na legislação Estadual local.

Base Legal: Art. 6º da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6) Aplicação dos Convênios:

Os Convênios ICMS ratificados obrigam todas as Unidades da Federação inclusive as que, regularmente convocadas, não se tenham feito representar na reunião.

Não obstante, registra-se que muitos Convênios são celebrados para aplicação exclusivamente por determinadas Unidades da Federação, obrigatória ou facultativamente, conforme ele seja impositivo ou autorizativo. Neste sentido, o artigo 3º da Lei Complementar nº 24/1975 estabelece que os Convênios ICMS podem dispor que a aplicação de qualquer de suas cláusulas seja limitada a uma ou a algumas Unidades da Federação.

Ocorrendo tal situação, as disposições aprovadas pelo Convênio serão aplicadas tão somente à Unidade da Federação envolvida. A título de exemplo podemos mencionar o Convênio ICMS nº 17/2006, a seguir reproduzido:

Convênio ICMS nº 17/06 - DOU de 29/3/06

Autoriza o Estado do Amapá a conceder isenção do ICMS nas prestações de serviços de transporte rodoviário intermunicipal de pessoas.

O Conselho Nacional de Política Fazendária - CONFAZ, na sua 121ª reunião ordinária, realizada em Ipojuca, PE, no dia 24 de março de 2006, tendo em vista o disposto na Lei Complementar nº 24, de 7 de janeiro de 1975, resolve celebrar o seguinte

CONVÊNIO

Cláusula primeira - Fica o Estado do Amapá autorizado a conceder isenção do ICMS incidente nas prestações de serviços de transporte rodoviário intermunicipal de pessoas, no período de janeiro a agosto do ano calendário.

Parágrafo único. Fica o Estado do Amapá autorizado a não exigir o estorno do crédito fiscal nas prestações de que trata esta cláusula.

Cláusula segunda - Este convênio entra em vigor na data da publicação de sua ratificação nacional, produzindo efeitos até 31 de agosto de 2008.

Ipojuca, PE, 24 de março de 2006

Base Legal: Arts. 3º e 7º da Lei Complementar nº 24/1975 e; Convênio ICMS nº 17/2006 (Checado pela Valor em 20/09/21).

7) Outras observações importantes:

A Lei Complementar nº 24/1975 ainda estabelece que:

  1. os Convênios definirão as condições gerais em que se poderão conceder, unilateralmente, anistia, remissão, transação, moratória, parcelamento de débitos fiscais e ampliação do prazo de recolhimento do ICMS;
  2. o Regimento das reuniões de representantes das Unidades da Federação será aprovado em Convênio.
Base Legal: Arts. 10 e 11 da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).

8) Inobservância da Lei Complementar nº 24/1975:

A inobservância dos dispositivos da Lei Complementar nº 24/1975 acarretará, cumulativamente:

  1. a nulidade do ato e a ineficácia do crédito fiscal atribuído ao estabelecimento recebedor da mercadoria;
  2. a exigibilidade do imposto não pago ou devolvido e a ineficácia da lei ou ato que conceda remissão do débito correspondente.
Base Legal: Art. 8º, caput da Lei Complementar nº 24/1975 (Checado pela Valor em 20/09/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Convênios ICMS (Área: ICMS São Paulo). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=426&titulo=convenios-icms. Acesso em: 25/10/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Caixas e paletes de madeira

Veremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento fiscal dispensado pela legislação paulista do ICMS para fruição do Regime Especial de diferimento do imposto por ocasião da 1ª (primeira) saída de caixas e paletes de madeira. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como, a Portaria CAT nº 13/2007, que estabelece a disciplina operacional do benefício, concedend (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Equiparação das colunas Isenta ou Não Tributadas e Outras dos Livros Registro de Entradas ou Saídas na EFD ICMS/IPI

Comentários a respeito do preenchimento das colunas Isenta ou Não Tributadas e Outras dos Livros Registro de Entradas ou Saídas na EFD ICMS/IPI. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Regime Optativo de Tributação da Substituição Tributária (ROT-ST)

O Regime Optativo de Tributação da Substituição Tributária (ROT-ST) consiste na dispensa de pagamento do complemento do ICMS retido antecipadamente por substituição tributária (ICMS-ST), na hipótese em que o valor da operação com a mercadoria for maior que a Base de Cálculo (BC) da retenção do imposto, compensando-se com a restituição do imposto quando o valor da operação for inferior à Base de Cálculo (BC). No presente Roteiro de Procedimentos analisarem (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Regime Especial Simplificado de Exportação (Rese)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os requisitos previstos na legislação para a fruição dos incentivos fiscais relacionado ao Regime Especial Simplificado de Exportação. Para tanto, utilizaremos como base os artigos 450-A a 450-I do RICMS/2000-SP, aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como a Portaria CAT nº 31/2005, que disciplina a aplicação desse Regime. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Fornecimento de refeição (ou alimentação)

Analisaremos no presente Roteiro quais são os procedimentos previstos na legislação do ICMS paulista que deverão ser observados quando da realização de operações envolvendo o fornecimento de refeições (ou de alimentações). Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, e demais normas pertinentes. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Sefaz-SP e PGE parcelam débitos de ICMS em até 60 meses

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP) e da Procuradoria Geral do Estado (PGE), atualizou a norma que garante aos contribuintes a possibilidade de parcelar o pagamento de débitos de ICMS, inscritos ou não na dívida ativa. As regras gerais estão dispostas na Resolução Conjunta SFP/PGE nº 2/2021, publicada no Diário oficial do Estado desta quinta-feira (30). A principal novidade é a possibilidade de parcelament (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Governo de São Paulo anuncia redução de ICMS e desoneração fiscal

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP), reduzirá a carga tributária de ICMS de setores geradores de empregos, a partir de janeiro de 2022. O anúncio ocorreu em coletiva, nesta quarta-feira (29), no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do Governador João Doria, do vice-governador Rodrigo Garcia e do secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles. Para Meirelles, o novo pacote fiscal para apoiar (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Secretaria da Fazenda avança na desburocratização de processos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (Sefaz) trabalha continuamente para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. Para que as modernizações sejam implementadas, vários setores da Sefaz se integraram, como o que aconteceu com as equipes das diretorias de Arrecadação, Cobrança e Recuperação da Dívida (Dicar); a de Atendiment (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Os impactos da ADC STF nº 49: As inconstitucionalidades de dispositivos da Lei Kandir (ICMS sobre transferências entre estabelecimentos)

Por Cleberson Vasconcelos, supervisor fiscal | Indirect Tax Supervisor at Grendene S/A. 1) Introdução: Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a não incidência de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no deslocamento de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo contribuinte. Ao reiterar jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio STF sobre a matéria, a Corte Superior julgou improcedente a aç (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Fazenda inicia fase de monitoramento fiscal de contribuintes do Simples Nacional

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, a partir de hoje (19), estende aos contribuintes optantes do Simples Nacional o monitoramento e a análise dos documentos fiscais que já vinham sendo realizados para os contribuintes do regime normal de apuração. A ação, que tem por objetivo identificar indícios de comportamento irregular em empresas enquadradas no Simples Nacional, ocorre após a primeira etapa da campanha Empreenda Legal, promovida em par (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Inovação do Confaz Permite ao Caminhoneiro Emitir Documentos de Transportes e Carregar ICMS Pré-pago a Partir do Smartphone

Na sua reunião de hoje, dia 8, o CONFAZ autorizou importantes medidas. Presidida pelo Secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues Júnior, foi aprovado Ajuste SINIEF que autoriza os estados e o DF a implementarem o ICMS pré-pago. Isso foi mais uma etapa o trabalho realizado pelo CONFAZ e pelas secretarias estaduais de fazenda, que estão implantando um novo aplicativo que já permite ao caminhoneiro emitir seus documentos fiscais de tran (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Processo tributário eletrônico da Sefaz é destaque em artigo na revista do Banco Interamericano de Desenvolvimento

A revista de Gestão Fiscal do Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID publicou em sua última edição um artigo que destaca o pioneirismo do processo tributário eletrônico do Estado de São Paulo, por meio do Tribunal de Impostos e Taxas (TIT). O texto aborda a importância do desenvolvimento de iniciativas de transformação digital que aumentem a eficiência e agilizem processos - ainda mais em um cenário de pandemia como o que estamos vivendo - e destaca os i (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.