Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Contribuição adicional ao Senai

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a contribuição adicional obrigatória devida pelas empresas para o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Para tanto, utilizaremos como fonte de estudo o Decreto-Lei nº 4.048/1942, posteriormente alterado pelo Decreto-Lei nº 6.246/1944.

Hashtags: #senai, #contribuicao, #contribuicaoSenai, #contribuicaoAdicionalSenai,

Postado em: - Área: Previdenciário em geral.

1) Introdução:

O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) é uma instituição de educação profissional criada para organizar e administrar, em todo o país, escolas de aprendizagem industrial. Foi criado pelo Decreto-Lei nº 4.048/1942, e posteriormente alterado pelo Decreto-Lei nº 6.246/1944 (1).

Trata-se de um sistema cujo objetivo fundamental é a formação de mão-de-obra para a indústria nacional, que atua mediante programas executados em suas unidades escolares, nas próprias empresas ou na comunidade.

A educação profissional é sua atividade prioritária, porém, o Senai também serviços técnicos e tecnológicos, tais como: ensaios laboratoriais, assistência técnica e informação tecnológica, para empresas e comunidade em geral.

O Senai é mantido pela contribuição das empresas industriais e das empresas das áreas de comunicação e pesca, que devem recolher a contribuição de 1% (um por cento) sobre o montante da remuneração paga a todos os seus empregados, a chamada contribuição geral obrigatória. Além disso, referido recolhimento deverá ser feito concomitantemente ao da contribuição devida ao instituto de previdência a que os empregados estejam vinculados.

Adicionalmente, será cobrada dos estabelecimentos que tiverem mais de 500 (quinhentos) operários contribuição de 20% (vinte por cento) calculada sobre a importância da contribuição geral devida pelos empregadores ao Senai, a chamada contribuição adicional obrigatória.

É isso aí, feito esses breves comentários, passaremos a analisar nos próximos capítulos a contribuição adicional obrigatória devida pelas empresas para o Senai. Para tanto, utilizaremos como fonte de estudo os Decreto-Leis anteriormente mencionados.

Nota Valor Consulting:

(1) Originalmente a denominação dada pelo Decreto-Lei nº 4.048/1942 era Serviço Nacional de Aprendizagem dos Industriários, somente posteriormente, com a publicação do Decreto-Lei nº 4.936/1942, passou-se a designar Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).

Base Legal: Preâmbulo e arts. 1º, 2º, caput e 6º, caput do Decreto-Lei nº 4.048/1942; Art. 1 do Decreto-Lei nº 4.936/1942 e; Arts. 1º, caput 2º, caput e 3º do Decreto-Lei nº 6.246/1944 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Empresas sujeitas ao adicional:

São estabelecimentos contribuintes do Senai:

  1. as empresas industriais, as de transporte (ferroviário e metroviário), as de comunicações e as de pesca (2);
  2. as empresas comerciais ou de outra natureza que explorem, acessória ou concorrentemente, qualquer das atividades econômicas próprias dos estabelecimentos indicados na letra anterior.

Conforme pode ser constatado no Anexo II da Instrução Normativa RFB nº 1.867/2019, o qual substituiu o Anexo II da Instrução Normativa RFB nº 971/2009, estão sujeitas à contribuição ao Senai as empresas enquadradas nos códigos do Fundo de Previdência e Assistência Social (FPAS) 507 e 833. Assim, a exatidão na classificação do FPAS é imprescindível para a correta tributação do sistema "S", incluindo aí a contribuição geral e adicional ao Senai.

Nota Valor Consulting:

(2) Até o advento da Lei nº 8.706/1993 (DOU de 15/09/1993) os estabelecimentos de transportes estavam sujeitos ao adicional para o Senai, porém, após a publicação dessa Lei restou criado o Serviço Social do Transporte (Sest) e o Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte (Senat). Com isso, a partir de 01/01/1994, as empresas de transporte rodoviário foram desvinculadas do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Senai e as contribuições até então recolhidas para o Sesi e Senai passaram a ser destinadas aos novos órgãos.

Base Legal: Art. 2º, caput do Decreto-Lei nº 6.246/1944; Preâmbulo e arts. 1º e 7º, caput, I da Lei nº 8.706/1993; Anexo II da Instrução Normativa RFB nº 1.867/2019 e; Anexo II da Instrução Normativa RFB nº 971/2009 - Perdeu eficácia (Checado pela Valor em 08/08/22).

3) Estrutura:

3.1) Organização e direção dos Senai:

O Senai será organizando e dirigido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Base Legal: Art. 3º do Decreto-Lei nº 4.048/1942 (Checado pela Valor em 08/08/22).

3.2) Organização e direção dos Senai:

Compete ao Senai organizar e administrar, em todo o país, escolas de aprendizagem para industriários.

As escolas do Senai poderão ofertar vagas aos usuários do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase) nas condições a serem dispostas em instrumentos de cooperação celebrados entre os operadores do Senai e os gestores dos Sistemas de Atendimento Socioeducativo locais.

Deverão as escolas de aprendizagem, que se organizarem, ministrar ensino de continuação e do aperfeiçoamento e especialização, para trabalhadores industriários não sujeitos à aprendizagem.

Base Legal: Art. 2º do Decreto-Lei nº 4.048/1942 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Tributação dos serviços do Senai:

Os serviços de caráter educativo, organizados e dirigidos pelo Senais, serão isentos de impostos Federais.

Além disso, deverão ser decretadas isenções Estaduais e Municipais, em benefício dos serviços mencionados. Assim, os Senais deverão verificar os dispositivos Estaduais e Municipais quanto às mencionadas isenções.

Base Legal: Art. 7º do Decreto-Lei nº 4.048/1942 (Checado pela Valor em 08/08/22).

5) Contribuições ao Senai:

5.1) Contribuição geral:

Serão os estabelecimentos industriais das modalidades de indústrias enquadradas na CNI obrigados ao pagamento de uma contribuição mensal para montagem e custeio das escolas de aprendizagem, a cargo do Senai. De acordo com a legislação atualmente em vigor, essa contribuição (dita como geral) é calculada e arrecadada na base de 1% (um por cento) sobre o montante da remuneração paga pelos estabelecimentos contribuintes a todos os seus empregados (3).

Notas Valor Consulting:

(3) Empregado é expressão que, para os efeitos da contribuição ao Senai, abrangerá todo e qualquer servidor de um estabelecimento, sejam quais forem as suas funções ou categoria.

(4) O produto da arrecadação da contribuição feita em cada região do pais, deduzida a quota necessária às despesas de caráter geral, será na mesma região aplicado.

Base Legal: Art. 4º, caput, §§ 1º e 3º do Decreto-Lei nº 4.048/1942 e; Art. 1º, caput, § 3º do Decreto-Lei nº 6.246/1944 (Checado pela Valor em 08/08/22).

5.1.1) Hipóteses de isenção:

Estarão isentos da contribuição referida no subcapítulo 5.1 os estabelecimentos que, por sua própria conta, mantiverem aprendizagem, considerada, pelo Senais, sob o ponto de vista da montagem, da constituição do corpo docente e do regime escolar, adequada aos seus fins.

Essa isenção dependerá, em cada caso, da realização de acordo celebrado entre o estabelecimento industrial interessado e o Senai. Do termo desse acordo constarão, circunstanciadamente, as obrigações atribuídas ao estabelecimento industrial relativamente à organização e funcionamento da sua escola ou sistema de escolas de aprendizagem, e cuja inobservância importe rescisão.

Por fim, no caso de fruição dessa isenção, cumprirá ao estabelecimento isento a obrigação de recolher 1/5 (um quinto) da contribuição a que estaria sujeito, para despesas de caráter geral e de orientação e inspeção escolar.

Base Legal: Art. 5º do Decreto-Lei nº 4.048/1942; Art. 5 do Decreto-lei nº 4.936/1942 e; Art. 4º do Decreto-Lei nº 6.246/1944 (Checado pela Valor em 08/08/22).

5.2) Contribuição adicional:

Adicionalmente à contribuição geral (ver subcapítulo 5.1 acima), será cobrada dos estabelecimentos que tiverem mais de 500 (quinhentos) operários contribuição de 20% (vinte por cento) calculada sobre a importância da contribuição geral devida pelos empregadores ao Senai (5), a chamada contribuição adicional obrigatória.

A título de exemplo, imaginamos uma indústria de eletrônicos que possua 1200 (um mil e duzentos) funcionários e que tenha um folha de pagamento mensal na ordem de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais). Assim, essa indústria deverá recolher à título de contribuição geral e adicional ao Senai os seguintes valores:

DescriçãoValor
Total da folha de pagamento:1.000.000,00
Contribuição geral devida ao Senai (R$ 1.000.000,00 X 1%)10.000,00
Contribuição adicional devida ao Senai (R$ 10.000,00 X 20%)2.000,00
Total geral das contribuições devidas ao Senai (R$ 10.000,00 + R$ 2.000,00)12.000,00

Registra-se que o Senai deverá aplicar o produto da contribuição adicional referida neste subcapítulo, em beneficio do ensino nos estabelecimentos contribuintes, quer criando bolsas de estudo a serem concedidas a operários, diplomados ou habilitados, e de excepcional valor, para aperfeiçoamento ou especialização profissional, quer promovendo a montagem de laboratórios que possam melhorar as suas condições técnicas e pedagógicas.

Nota Valor Consulting:

(5) Empregado é expressão que, para os efeitos da contribuição ao Senai, abrangerá todo e qualquer servidor de um estabelecimento, sejam quais forem as suas funções ou categoria.

Base Legal: Art. 6º do Decreto-Lei nº 4.048/1942 e; Arts. 1º, § 1º e 3º do Decreto-Lei nº 6.246/1944 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5.2.1) Contagem do número de empregados:

Para fins de contagem dos 500 (quinhentos) operários, o contribuinte deverá considerar o total geral de empregados da empresa, considerando como tal à soma de todos os empregados lotados nos seus estabelecimentos ou dependências, tais como filiais, escritórios, depósitos etc., independentemente de sua localização no território nacional.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

6) Recolhimento - Forma e prazos:

6.1) Contribuição geral:

O recolhimento da contribuição geral devida ao Senais poderá ser efetuada de 2 (duas) formas:

  1. via Secretaria da Receita Federal do Brasil (denominado de arrecadação indireta), por meio da Guia da Previdência Social (GPS) junto com as demais contribuições sociais, no campo 9 (Outras Entidades); ou
  2. diretamente ao Senai, para as empresas que optaram por firmar o Termo de Cooperação Técnica e Financeira (denominado de arrecadação direta). Nesse caso, o Senai disponibiliza software para emissão da Guia.

O vencimento é até o dia 20 (vinte) do mês subsequente ao da competência.

É extremamente importante que a Guia de Recolhimento do Fundo de Garantia e Informações da Previdência Social (GFIP) da empresa esteja corretamente preenchida para assegurar a destinação das importâncias recolhidas às entidades. A guia deve ser encaminhada até o dia 7 (sete) do mês seguinte.

Outra informação que deve estar corretamente preenchida é o código de terceiros. Este é o código que denomina as entidades a que se destinam as contribuições. Em caso de Convênio de Arrecadação Direta com o Senai e/ou com o Sesi, somar apenas códigos e percentuais das entidades para as quais está sendo efetuado o recolhimento conforme tabela abaixo:

Código FPASSituação do ContribuinteCódigo de terceirosAlíquota %
507 Com convênio Sesi + Senai
Com convênio Sesi
Com convênio Senai
Sem convênio
0067
0071
0075
0079
3,3
4,3
4,8
5,8
833 Com convênio Sesi + Senai
Com convênio Sesi
Com convênio Senai
Sem convênio
0067
0071
0075
0079
3,3
4,3
4,8
5,8
Base Legal: Art. 6º da Medida Provisória nº 447/2008; Art. 30, caput, I, "b" da Lei nº 8.212/1991 (Checado pela Valor em 08/08/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6.2) Contribuição adicional:

As empresas de grande porte, com mais de 500 (quinhentos) empregados, devem também recolher de forma obrigatória e diretamente ao Senai a contribuição adicional de 20% (vinte por cento), correspondente a 0,2% do valor do total da folha de salários. O vencimento é o último dia útil do mês subsequente ao da competência.

Essa contribuição pode ser revertida às empresas também na forma de concessão de bolsas de estudo para aperfeiçoamento profissional de seu pessoal no Brasil e no exterior.

Base Legal: Art. 12 do Decreto-Lei nº 4.481/1942 (Checado pela Valor em 08/08/22).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Contribuição adicional ao Senai (Área: Previdenciário em geral). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=586&titulo=contribuicao-adicional-ao-senai. Acesso em: 12/08/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Prazo de prescrição e decadência das contribuições da seguridade social

No presente artigo procuraremos tecer comentários a respeito da prescrição e da decadência no âmbito das contribuições da seguridade social (INSS, PIS/Pasep, Cofins, entre outros). Tudo com as devidas tratativas históricas e respaldado na legislação que rege o tema. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Fiscalização previdenciária: Estabelecimento centralizador

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos o tema "estabelecimento centralizador" no âmbito da Previdência Social. Analisaremos seu conceito, eleição, requisitos para a escolha ou a alteração do estabelecimento centralizador, entre outros não menos importante. Utilizaremos como fonte de estudo à Instrução Normativa RFB nº 971/2009. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Acordos internacionais no âmbito da Previdência Social

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os acordos internacionais no âmbito da Previdência Social. Referidos acordos têm por objetivo principal garantir os direitos de seguridade social previstos nas legislações dos dois países aos respectivos trabalhadores e dependentes legais, residentes ou em trânsito no país. Importante mencionar que os acordos internacionais de Previdência Social não implicam na modificação da legislação vigente em cada país, ca (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Auxílio-reclusão

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os principais aspectos que envolvem a concessão do auxílio-reclusão. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a Lei n° 8.213/1991, o Decreto nº 3.048/1999 (RPS/1999) e a Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015, que atualmente estabelece as regras para concessão de benefícios previdenciários, inclusive do auxílio-reclusão. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Acumulo de empregos (empregos simultâneos): Cálculo da contribuição previdenciária

Veremos no presente trabalho os procedimentos para cálculo e recolhimento da contribuição previdenciária do empregado que estiver acumulando empregos, com fundamento no Decreto nº 3.048/1999, que aprovou o Regulamento da Previdência Social (RPS/1999), bem como na Instrução Normativa RFB nº 971/2009, que dispõe sobre as normas gerais de tributação previdenciária e de arrecadação das contribuições sociais destinadas à Previdência Social e as destinadas a outr (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Não caia no golpe! INSS não pede documentos por mensagem de texto

Golpistas estão se passando por servidores do INSS para obter dados pessoais dos segurados, usando como isca a Prova de Vida. As abordagens podem ocorrer por carta, e-mail, telefonema ou mensagem de celular (WhatsApp ou SMS). Não envie seus dados pessoais, fotos, documentos e não clique em links enviados por mensagem! Nos contatos, os golpistas solicitam dados pessoais e fotos de documentos para que não ocorra um suposto “bloqueio nos pagamentos”. Em alguns casos, (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Intérpretes e tradutores de LIBRAS podem acompanhar pessoas com deficiência nas unidades do INSS

Publicada na última quinta-feira (29), a Portaria DIRBEN/INSS nº 1.027, de 28 de junho de 2022, ratificou algumas orientações já estabelecidas na Portaria PRES/INSS nº 1.347, de 30 de agosto de 2021, sobre o período de atendimento das agências do INSS que já estão sendo cumpridos desde sua publicação. O horário de atendimento nas agências nos dias úteis é de seis horas ininterruptas, compreendidas entre as 7h e 14h, e iniciado até as 8h. Para as APS que po (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Empresa é condenada por colocar empregada em espécie de “limbo previdenciário

A 5ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) condenou a Companhia Brasileira de Distribuição ao pagamento das verbas trabalhistas devidas a uma empregada. Apesar de ter recebido alta médica, a balconista teve negado pela empresa o direito de assumir seu posto de trabalho. O colegiado acompanhou, por unanimidade, o entendimento do relator José Luis Campos Xavier de que a empresa não pode se negar a receber a empregada que retorna ao trabalho após (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Prazo de exigência para envio do PPP eletrônico é ampliado

O ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, assinou, nesta quinta-feira (17) a Portaria nº 334, que tem por objetivo dar segurança jurídica a todas as empresas do país na implantação do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) em meio eletrônico, bem como garantir o tempo necessário para adaptação à essa nova forma de elaboração do documento. A implantação do PPP exclusivamente em meio eletrônico somente ocorrerá em 1º de janeiro de 2023. A (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Portaria estabelece regras complementares à implementação do PPP em meio eletrônico

A Portaria PRES/INSS nº. 1.411, de 3 de fevereiro de 2022, republicada nesta segunda-feira (7), tem por objetivo estabelecer regras complementares no que diz respeito à implantação do Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) em meio eletrônico. A norma define como deve ser declarada ausência de risco no eSocial, acrescenta documento substituto ao Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho (LTCAT) e estabelece regras sobre quando um agente nocivo deve con (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Teto do seguro-desemprego sobe para R$ 2.106,08 após reajuste

Desde ontem (11), o trabalhador demitido sem justa causa está recebendo um valor maior de seguro-desemprego. A tabela das faixas salariais usadas para calcular o valor da parcela seguiu o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de 2021 e foi reajustada em 10,16%. Com a correção, o valor máximo do seguro-desemprego subirá de R$ 1.911,84 para R$ 2.106,08, diferença de R$ 194,24. O piso segue a variação do salário mínimo e aumenta de R$ 1,1 mil para R$ 1.21 (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Veja o calendário de pagamento do abono salarial de 2022

Cerca de 22 milhões de brasileiros recebem, neste ano, o abono salarial, com valor total de mais de R$ 20 bilhões, segundo o Ministério do Trabalho e Previdência. Trabalhadores do setor privado, inscritos no PIS, receberão o abono salarial deste ano no período de 8 de fevereiro a 31 de março, pela Caixa. Para servidores públicos, militares e empregados de estatais, inscritos no Pasep, o pagamento vai de 15 de fevereiro a 24 de março, pelo Banco do Brasil. Tradi (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Previdenciário em geral)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael AMARAL, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Jul/21 Ago/21 Set/21 Out/21 Nov/21 Dez/21 Jan/22 Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
IPC-M FGV 0,83 0,75 1,19 1,05 0,93 0,84 0,42 0,33 0,86 1,53 0,35 0,71 -0,28
IPC-DI FGV 0,92 0,71 1,43 0,77 1,08 0,57 0,49 0,28 1,35 1,08 0,50 0,67 -1,19
IPC-10 FGV 0,70 0,88 0,93 1,26 0,79 1,08 0,40 0,39 0,47 1,67 0,54 0,72 0,42
IPA-M FGV 0,71 0,66 -1,21 0,53 -0,29 0,95 2,30 2,36 2,07 1,45 0,45 0,30 0,21
IPA-DI FGV 1,65 -0,42 -1,17 1,90 -1,16 1,54 2,57 1,94 2,80 0,19 0,55 0,44 -0,32
IPA-10 FGV -0,07 1,29 -0,76 -0,77 1,31 -0,51 2,27 2,51 1,44 2,81 -0,08 0,47 0,57
INCC-M FGV 1,24 0,56 0,56 0,80 0,71 0,30 0,64 0,48 0,73 0,87 1,49 2,81 1,26
INCC-DI FGV 0,85 0,46 0,51 0,86 0,67 0,35 0,71 0,38 0,86 0,95 2,28 2,14 0,86
INCC-10 FGV 1,37 0,79 0,43 0,53 0,95 0,54 0,50 0,61 0,34 1,17 0,74 3,29 1,26
IGP-M FGV 0,78 0,66 -0,64 0,64 0,02 0,87 1,82 1,83 1,74 1,41 0,52 0,59 0,21
IGP-DI FGV 1,45 -0,14 -0,55 1,60 -0,58 1,25 2,01 1,50 2,37 0,41 0,69 0,62 -0,38
IGP-10 FGV 0,18 1,18 -0,37 -0,31 1,19 -0,14 1,79 1,98 1,18 2,48 0,10 0,74 0,60
IPC FIPE 1,02 1,44 1,13 1,00 0,72 0,57 0,74 0,90 1,28 1,62 0,42 0,28 0,16
IPP IBGE 1,86 1,89 0,25 2,26 1,46 -0,08 1,20 0,54 3,12 2,08 1,81 1,00
IPCA-15 IBGE 0,72 0,89 1,14 1,20 1,17 0,78 0,58 0,99 0,95 1,73 0,59 0,69 0,13
IPCA IBGE 0,96 0,87 1,16 1,25 0,95 0,73 0,54 1,01 1,62 1,06 0,47 0,67 -0,68
INPC IBGE 1,02 0,88 1,20 1,16 0,84 0,73 0,67 1,00 1,71 1,04 0,45 0,62 -0,60
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,2446 0,2446 0,3012 0,3575 0,4412 0,4902 0,5608 0,5000 0,5976 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639
TBF Bacen 0,3798 0,4248 0,4221 0,5046 0,5927 0,7191 0,7609 0,7272 0,8678 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844
TJLP Bacen 0,4067 0,4067 0,4067 0,4433 0,4433 0,4433 0,5067 0,5067 0,5067 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0000 0,0488 0,0605 0,0000 0,0971 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631
CDI Cetip 0,3556 0,4279 0,4420 0,4860 0,5868 0,7691 0,7323 0,7550 0,9271 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349
Selic RFB 0,36 0,43 0,44 0,49 0,59 0,77 0,73 0,76 0,93 0,83 1,03 1,02 1,03
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,54 23,54 23,54 23,54 23,54 23,54 23,55 23,55 23,55 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67
Minimo Federal 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 29,09 29,09 29,09 29,09 29,09 29,09 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97
Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00
IPC-M FGV 1,53 0,35 0,71 -0,28
IPC-DI FGV 1,08 0,50 0,67 -1,19
IPC-10 FGV 1,67 0,54 0,72 0,42
IPA-M FGV 1,45 0,45 0,30 0,21
IPA-DI FGV 0,19 0,55 0,44 -0,32
IPA-10 FGV 2,81 -0,08 0,47 0,57
INCC-M FGV 0,87 1,49 2,81 1,26
INCC-DI FGV 0,95 2,28 2,14 0,86
INCC-10 FGV 1,17 0,74 3,29 1,26
IGP-M FGV 1,41 0,52 0,59 0,21
IGP-DI FGV 0,41 0,69 0,62 -0,38
IGP-10 FGV 2,48 0,10 0,74 0,60
IPC FIPE 1,62 0,42 0,28 0,16
IPP IBGE 2,08 1,81 1,00
IPCA-15 IBGE 1,73 0,59 0,69 0,13
IPCA IBGE 1,06 0,47 0,67 -0,68
INPC IBGE 1,04 0,45 0,62 -0,60
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639
TBF Bacen 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844
TJLP Bacen 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631
CDI Cetip 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349
Selic RFB 0,83 1,03 1,02 1,03
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67
Minimo Federal 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97