ICMS: Revenda de embalagens usadas

Resumo:

Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento fiscal dispensado pela legislação do ICMS para a revenda de embalagens usadas, assim entendidas aquelas que acondicionaram produtos (insumos) adquiridos pelo estabelecimento industrial (barris, bombonas, caixas de madeira, papelão, tambores metálicos, contêineres, etc.). Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do ICMS/2000 (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como outras fontes que serão citados no decorrer do trabalho.

Hashtags: #icms, #revenda, #reciclagem, #sucata, #embalagem, #embalagemUsada, #diferimentoICMS,

Postado em: - Área: ICMS São Paulo.

1) Introdução:

Antes de qualquer coisa, importante frisar que a embalagem é um recipiente ou envoltura que armazena produtos temporariamente e serve principalmente para agrupar unidades de um produto, com vista à sua manipulação, transporte ou armazenamento. Outras funções da embalagem são: proteger o conteúdo contra avarias, informar sobre as condições de manipulação, exibir os requisitos legais como composição, etc.

Essas embalagens possuem um impacto significativo sobre o custo e a produtividade dentro dos sistemas logísticos. Seus custos mais evidentes se encontram na execução de operações automatizadas ou manuais de embalagem e muitas vezes, na necessidade subsequente de descartar a própria embalagem. O custo da embalagem afeta toda a cadeia produtiva, desde o estoque até o transporte ao ponto de vendas.

Visando minimizar o custo com o descarte dessas embalagens, muitos contribuintes optam por revendê-las para terceiros, que podem reutilizá-las ou até mesmo reciclá-las.

Na seara tributária, mais especificamente o ICMS, no Estado de São Paulo, a saída de mercadoria com a característica de embalagem usada (barris, bombonas, caixas de madeira, papelão, tambores metálicos, contêineres, etc.) é normalmente gravada pelo imposto na forma do artigo 2º, caput, I do RICMS/2000-SP:

Artigo 2º - Ocorre o fato gerador do imposto:

I - na saída de mercadoria, a qualquer título, de estabelecimento de contribuinte, ainda que para outro estabelecimento do mesmo titular;

(...)

Desse modo, caso uma indústria adquira parafina acondicionada em tambores para fins de aplicação em processo industrial e, posteriormente venda esses tambores vazios deverá emitir Nota Fiscal com destaque do ICMS, considerando que a operação é normalmente tributada.

Feito esses comentários e considerando a importância do tema para os contribuintes paulistas, estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento tributário dado às embalagens usadas dentro do estado de São Paulo.

Base Legal: Art. 2º, caput, I do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Base de Cálculo (BC):

O contribuinte paulista que der saída de embalagens usadas deverá observar as disposições do artigo 37, I, § 1º do RICMS/2000-SP para fins de formação da Base de Cálculo (BC) do ICMS. De acordo com esse dispositivo normativo, a Base de Cálculo (BC) nessa operação será constituída pela seguinte equação:

  • Base de Cálculo (BC) = Valor da operação + Despesas acessórias, se houver (seguros, juros, frete, etc.).

A título de exemplo, suponhamos que uma indústria de velas tenha adquirido parafina em tambores para fins de aplicação em seu processo industrial e que, após a utilização das parafinas venda os tambores vazios. A Nota Fiscal de venda desses tambores deverá ser emitida considerando a seguinte Base de Cálculo (BC) do ICMS:

DescriçãoValores (R$)
Valor Total da operação (25 tambores X R$ 30,00):750,00
Frete:50,00
Base de Cálculo (R$ 750,00 + R$ 50,00):800,00
ICMS devido (R$ 800,00 X 18%):144,00

Nota Valor Consulting:

(1) Para efeito de simplificação, não consideramos no cálculo o valor do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), quando aplicável, bem como das contribuições para o PIS/Pasep e Cofins.

Base Legal: Art. 37, caput, I, § 1º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

3) Alíquotas:

As alíquotas aplicáveis nas operações e prestações interestaduais realizadas entre contribuintes, ainda que destinadas a uso e/ou consumo do destinatário da mercadoria (ou do tomador do serviço), são as seguintes:

  1. 7% (sete por cento): nas operações interestaduais com destino aos Estados localizados nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste e no Estado do Espírito Santo; e
  2. 12% (doze por cento): nas operações interestaduais com destino aos Estados localizados nas Regiões Sul e Sudeste, exceto o Estado do Espírito Santo.

Lembramos que na hipótese de operação interestadual com mercadoria destinada a consumidor final não contribuinte do ICMS, o remetente paulista deverá recolher o Diferencial de Alíquotas (Difal) ao Estado destinatário.

Por fim, temos que nas operações internas, o contribuinte paulista deverá aplicar a alíquota de 18% (dezoito por cento).

Base Legal: Art. 52, caput, II e III do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Crédito fiscal:

Prescreve nossa Constituição Federal (CF/1988) que o ICMS é um imposto não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação relativa à circulação de mercadorias ou prestação de serviços com o montante cobrado nas operações anteriores pelo mesmo ou outro Estado ou pelo Distrito Federal. Logo, quando a CF/1988 fala em "montante do ICMS cobrado nas operações ou prestações anteriores", está se falando no valor que representa o crédito fiscal do contribuinte.

Seguindo os ditames constitucionais a legislação paulista absorveu, como não poderia deixar de ser, o princípio da não-cumulatividade no artigo 59 do RICMS/2000-SP, que assim prescreve: Art. 59 - O imposto é não-cumulativo, compensando-se o que for devido em cada operação ou prestação com o anteriormente cobrado por este ou outro Estado, relativamente à mercadoria entrada ou à prestação de serviço recebida, acompanhada de documento fiscal hábil, emitido por contribuinte em situação regular perante o fisco.

Para efeito dessa compensação é assegurado ao contribuinte o direito de creditar-se do imposto anteriormente cobrado em relação à mercadoria entrada, real ou simbolicamente, em seu estabelecimento ou ao serviço a ele prestado, em razão de operações ou prestações regulares e tributadas.

Diante isso, temos que o contribuinte que adquirir embalagens usadas acompanhadas de Nota Fiscal emitida por outro contribuinte em situação regular perante o Fisco paulista, e desde que preenchido todos os requisitos regulamentares exigidos, incluído aí o destaque do ICMS no campo próprio do documento fiscal, poderá apropriar-se do crédito fiscal pelo valor destacado.

Amigos leitores, se por ventura a embalagem for adquirida de não-contribuinte ou particular, pessoas essas não obrigadas à emissão de documentos fiscais, restará vedado o creditamento fiscal, haja vista a operação não estar onerada pelo imposto por ocasião de sua venda e compra.

Complexo, não?... Continue com a Valor Consulting, bora estudar!!!

Base Legal: Arts. 20, caput, 23 e 33, caput, II da Lei Complementar nº 87/1996; Art. 155, caput, II, § 2º, I da Constituição Federal/1988 e; Arts. 59, caput, 61, caput e 85 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

5) Nota fiscal de entrada:

O contribuinte, excetuado o produtor, deverá emitir Nota Fiscal no momento em que entrar no estabelecimento, real ou simbolicamente, mercadoria ou bem novo ou usado, remetido a qualquer título por produtor ou por pessoa natural ou jurídica não obrigada à emissão de documentos fiscais. Portanto, no caso de aquisição de embalagens usadas procedentes de não-contribuintes ou particulares, o adquirente deverá proceder à emissão da Nota Fiscal de Entrada para documentar a entrada da mercadoria em seu estabelecimento.

Registra-se que essa Nota Fiscal servirá para acompanhar o trânsito da mercadoria até o local do estabelecimento emitente (destinatário) quando ele assumir o encargo de retirá-la ou de transportá-la.

Base Legal: Arts. 125, caput, IV e 136, caput, I, "a", § 1º, item 1 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

6) Beneficiamento:

Quando ainda estava vigente o antigo Regulamento do ICMS (RICM/1991-SP), aprovado pelo Decreto nº 33.118/1991, a Consultoria Tributária da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo, editou a Resposta à Consulta nº 4.660/1973 (2) manifestando entendimento sobre a incidência do ICMS em operação de venda de latas (embalagens) usadas, após recuperação (processo rústico de lavagem com soda cáustica). Segundo a mencionada consultoria, é devido o ICMS nessa operação!

Veja abaixo a íntegra dessa Resposta à Consulta:

Resposta à Consulta nº 4.660/1973, de 10/5/73.

Vendas de latas (embalagens) usadas, após recuperação.

1. Segundo se pode depreender das informações apresentadas, a consulente adquire "latas vazias usadas" que, após recuperação "por um processo rústico de lavagem com soda cáustica", são vendidas "a pessoas jurídicas, porém, sem cobrança do tributo estadual".

2. Entende a consulente estar àquela operação "isenta do imposto de circulação de mercadorias", por "enquadrar-se perfeitamente" no item 47 da Lista de Serviços anexa ao Decreto-lei federal no 406/68, na redação dada pelo Decreto-lei federal no 834/69.

3. Labora em equívoco a interessada. Em nenhuma hipótese, pode a operação descrita ser confundida com "prestação de serviços". Esta, para configurar-se como "beneficiamento" ou "lavagem", enquadrada, portanto, na Lista de Serviços mencionada, há que ser praticada em "objetos não destinados à comercialização ou industrialização" remetidos pela pessoa encomendante.

4. Forçoso concluir, portanto, que a saída das latas recuperadas de seu estabelecimento configura fato gerador do ICM. (artigo 1º, inciso I, do Regulamento do ICM). Assim, inexistindo qualquer dispositivo legal exonerando aquela operação do pagamento do tributo, compete à consulente observar o Regulamento do ICM.

5. Deve a interessada adotar o entendimento da presente resposta, no prazo de 15 dias, recolhendo o ICM devido pelas operações efetuadas sem o seu pagamento, com as multas previstas no artigo 161 do Regulamento daquele tributo.

Nilo Louzano,

Consultor Tributário.

De acordo.

Antônio Pinto da Silva,

Consultor Tributário Chefe.

Nota Valor Consulting:

(2) Embora a Resposta à Consulta nº 4.660/1973 tenha sido formulada considerando o RICM/1991-SP, bem como no Decreto-lei nº 406/1968 e Decreto-lei nº 834/1969 que foram tacitamente revogados pelo artigo 10 da Lei Complementar nº 116/2003, que trata da tributação do ISSQN, é do entendimento de nossa equipe técnica que o ali manifestado ainda é aplicável nos dias (legislação) atuais, pois no case utilizado a consulente pratica operação de venda e compra mercantil, e não prestação de serviços. O beneficiamento, ou seja, a lavagem das latas ocorre para que o produto se torne viável à sua subsequente comercialização, operação esta tributada pelo ICMS, de competência estadual.

Base Legal: Decreto-lei nº 834/1969 - Revogado; Decreto-lei nº 406/1968 - Revogado; Art. 10 da Lei Complementar nº 116/2003 e; Resposta à Consulta nº 4.660/1973 (Checado pela Valor em 16/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7) Diferimento:

Visando contribuir com as atividades de limpeza, descontaminação e recuperação das embalagens industriais, em consonância com a legislação de preservação ambiental, o então Governador Geraldo Alckmin editou o Decreto nº 58.391/2012 para desonerar as operações intermediárias com embalagens industriais usadas. Referido Decreto incluiu o artigo 400-J no RICMS/2000-SP, que assim prescreve:

DAS OPERAÇÕES COM EMBALAGENS INDUSTRIAIS USADAS

Artigo 400-J - O lançamento do imposto incidente nas sucessivas saídas das embalagens industriais usadas indicadas no § 3º fica diferido para o momento em que ocorrer a saída:

I - da embalagem:

a) a outro Estado;

b) ao exterior;

II - de mercadoria acondicionada na embalagem, após esta ser submetida a processo de limpeza, descontaminação e recuperação.

(...)

Base Legal: Exposição de motivos do Decreto nº 58.391/2012 e; Art. 400-J, caput do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

7.1) Embalagens beneficiadas:

De acordo com o artigo 400-J no RICMS/2000-SP, o diferimento mencionado no capítulo 7 aplica-se exclusivamente às seguintes embalagens industriais usadas, classificadas nos correspondentes códigos da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM):

  1. tambores metálicos, 73.10.10.90;
  2. bombonas plásticas, 39.23.90.00;
  3. contêineres plásticos do tipo "Intermediate Bulk Container" (IBC), 39.23.90.00.
Base Legal: Art. 400-J, § 3º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

7.2) Reciclagem e sucata:

Caso as embalagens indicadas no subcapítulo 7.1, após serem submetidas ao processo de limpeza e descontaminação, sejam:

  1. recicladas pelo próprio estabelecimento que promoveu a limpeza e descontaminação, ou remetidas a outro estabelecimento para fins de reciclagem, o lançamento do imposto fica diferido para o momento em que ocorrer a saída da mercadoria resultante da reciclagem;
  2. transformadas em retalho, fragmento ou resíduo de plástico ou em sucata de metal, as sucessivas saídas destes produtos sujeitar-se-ão à disciplina prevista no artigo 392 do RICMS/2000-SP (3), ficando o imposto diferido para os momentos estabelecidos no referido dispositivo.

Vale mencionar que é considerado reciclagem, para fins do artigo 400-J do RICMS/2000-SP, o processo de transformação das embalagens industriais usadas em um novo produto.

Nota Valor Consulting:

(3) O artigo 392 do RICMS/2000-SP possui a seguinte redação:

SUBSEÇÃO I - DAS OPERAÇÕES COM RESÍDUOS DE MATERIAIS

Artigo 392 - O lançamento do imposto incidente nas sucessivas saídas de papel usado ou apara de papel, sucata de metal, caco de vidro, retalho, fragmento ou resíduo de plástico, de borracha ou de tecido fica diferido para o momento em que ocorrer:

I - sua saída para outro Estado;

II - sua saída para o exterior;

III - sua entrada em estabelecimento industrial.

§ 1º - Na hipótese do inciso III, deverá o estabelecimento industrial:

1 - emitir Nota Fiscal, relativamente a cada entrada ou a cada aquisição de mercadoria;

2 - escriturar a operação no livro Registro de Entradas, utilizando as colunas sob os títulos "ICMS - Valores Fiscais - Operações ou Prestações com Crédito do Imposto", quando o crédito for admitido;

3 - escriturar o valor do imposto a pagar no livro Registro de Apuração do ICMS, no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "Entradas de Resíduos de Materiais".

4 - tratando-se de contribuinte sujeito às normas do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte - "Simples Nacional", proceder conforme os itens 1 e 2 e efetuar o recolhimento do ICMS devido, mediante guia de recolhimento especial, até o último dia do segundo mês subsequente ao da operação.

§ 2º - Na entrada de mercadoria de peso inferior a 200 Kg (duzentos quilogramas), adquirida de particulares, inclusive catadores, fica dispensada a emissão da Nota Fiscal referida no item 1 do parágrafo anterior para cada operação; deverá o contribuinte, ao fim do dia, emitir uma única Nota Fiscal pelo total das operações, para escrituração no livro Registro de Entradas.

Base Legal: Arts. 392 e 400-J, §§ 1º e 2º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).

7.3) Condições para fruição do benefício:

A aplicação do diferimento mencionado no capítulo 7 fica condicionada:

  1. a que os contribuintes que efetuarem as operações com as embalagens relacionadas no subcapítulo 7.1, ainda que limpas, descontaminadas ou recuperadas, estejam credenciados pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB);
  2. à indicação, no documento fiscal, no campo "informações complementares":
    1. dos números de registro e datas de validade das Licenças de Operação concedidas pela CETESB ao estabelecimento emitente do documento fiscal e à indústria de limpeza, descontaminação e recuperação das embalagens;
    2. da expressão "Embalagens Industriais Usadas Recuperadas" ou "Embalagens Industriais Usadas Não Recuperadas", conforme o caso.
Base Legal: Art. 400-J, § 4º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 16/09/22).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. ICMS: Revenda de embalagens usadas (Área: ICMS São Paulo). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=824&titulo=icms-revenda-de-embalagens-usadas. Acesso em: 04/10/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e): Alteração dos dados do tomador do serviço

Analisaremos nesse artigo as alternativas constantes na legislação que rege o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) para regularizar erros de informação dos dados do tomador do serviço. Para tanto, utilizaremos como base o Ajuste Sinief nº 9/2007 e a Portaria CAT nº 5/2009. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Crédito presumido do ICMS: Programa de Ação Cultural (PAC)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o crédito presumido (ou outorgado) do ICMS concedido no âmbito do Programa de Ação Cultural (PAC), através do Convênio ICMS nº 27/2006 e Lei n° 12.268/2006 (DOE 21/02/2006). (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Base de Cálculo do ICMS: Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM)

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a inclusão ou não do Adicional ao Frete para a Renovação da Marinha Mercante (AFRMM) na Base de Cálculo (BC) do ICMS incidente na importação de bens e mercadorias do exterior. Para tanto, utilizaremos como base de estudo a legislação em vigor atualmente no Estado de São Paulo, principalmente o Regulamento do ICMS (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Perda, extravio ou inutilização de livros ou documentos fiscais

Analisaremos no presente Roteiro os procedimentos a serem observados pelos contribuintes paulista do ICMS na hipótese de perda, extravio, inutilização de livros ou documentos fiscais, bem como de reconstituição de escrita fiscal e adaptação de livros ou documentos fiscais nos casos de alteração cadastral, com fundamento na disciplina estabelecida na Portaria CAT nº 17/2006. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Crédito fiscal do ICMS: Aquisição de energia elétrica

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as hipóteses de aproveitamento de crédito fiscal do ICMS por ocasião da entrada de energia elétrica no estabelecimento contribuinte do imposto. Para tanto, utilizaremos como base de estudo o Regulamento do ICMS (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como outras fontes citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Governo de São Paulo reduz ICMS na gasolina de 25% para 18%

O governador Rodrigo Garcia e o secretário Felipe Salto anunciaram, nesta segunda-feira (27), a antecipação da redução na alíquota do ICMS na gasolina de 25% para 18%. Garcia afirma que a expectativa é uma queda de cerca de R$ 0,48 na bomba. Considerando o valor médio de R$ 6,97, o litro do combustível ficaria abaixo de R$ 6,50 com essa decisão, segundo o governador. A redução é imediata e segue a nova legislação federal: a Secretaria da Fazenda e Planejamen (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Ministro André Mendonça define que alíquotas de ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo o país a partir de 1º de julho

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu liminar nesta sexta-feira (17) para suspender a eficácia do convênio ICMS 16/2022 do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e decidiu que as alíquotas do ICMS dos combustíveis devem ser uniformes em todo território nacional. O ministro também estipulou uma série de medidas que devem ser observadas pelos estados e pela Petrobras. Até que uma nova norma seja editada pelo Confaz a res (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Crédito acumulado: mais facilidade para o contribuinte do ICMS aderir ao ProAtivo

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo ampliou a participação das empresas paulistas no ProAtivo. A partir desta sexta-feira (10), por meio da publicação da Portaria SRE 43/22, fica dispensada a necessidade de indicação prévia do destinatário do crédito acumulado. Com essa modificação, a empresa que aderir ao ProAtivo terá mais tempo para escolher o destinatário, podendo fazê-lo por ocasião da autorização eletrônica para transferênci (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Sistemas inteligentes do Governo de SP facilitam pagamento de impostos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP) trabalha, desde 2019, para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. A nova cultura de melhoria contínua aliada à inteligência de dados e ao uso de métodos ágeis possibilitou a entrega de sistemas mais amigáveis e inteligentes, além de processos mais enxutos. Com isso, ganha-se cada vez mais celeridade (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Governo de São Paulo anuncia redução de ICMS e desoneração fiscal

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria da Fazenda e Planejamento (Sefaz-SP), reduzirá a carga tributária de ICMS de setores geradores de empregos, a partir de janeiro de 2022. O anúncio ocorreu em coletiva, nesta quarta-feira (29), no Palácio dos Bandeirantes, com a presença do Governador João Doria, do vice-governador Rodrigo Garcia e do secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles. Para Meirelles, o novo pacote fiscal para apoiar (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Secretaria da Fazenda avança na desburocratização de processos

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo (Sefaz) trabalha continuamente para desburocratizar seus processos, desenvolvendo procedimentos cada vez mais simples, automatizados e que exijam menos providências por parte dos contribuintes. Para que as modernizações sejam implementadas, vários setores da Sefaz se integraram, como o que aconteceu com as equipes das diretorias de Arrecadação, Cobrança e Recuperação da Dívida (Dicar); a de Atendiment (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Os impactos da ADC STF nº 49: As inconstitucionalidades de dispositivos da Lei Kandir (ICMS sobre transferências entre estabelecimentos)

Por Cleberson Vasconcelos, supervisor fiscal | Indirect Tax Supervisor at Grendene S/A. 1) Introdução: Recentemente o Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou a não incidência de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no deslocamento de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo contribuinte. Ao reiterar jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio STF sobre a matéria, a Corte Superior julgou improcedente a aç (...)

Artigo postado em: .

Área: Tributário Estadual (ICMS São Paulo)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael AMARAL, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Set/21 Out/21 Nov/21 Dez/21 Jan/22 Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen -0,23 0,41 0,89 0,63 -0,58 1,08 1,17 -0,36 -0,27 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,88 -0,07 0,79 0,66 1,86 2,92 0,81 0,82 0,59 -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 1,19 1,05 0,93 0,84 0,42 0,33 0,86 1,53 0,35 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 1,43 0,77 1,08 0,57 0,49 0,28 1,35 1,08 0,50 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,93 1,26 0,79 1,08 0,40 0,39 0,47 1,67 0,54 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV -1,21 0,53 -0,29 0,95 2,30 2,36 2,07 1,45 0,45 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV -1,17 1,90 -1,16 1,54 2,57 1,94 2,80 0,19 0,55 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV -0,76 -0,77 1,31 -0,51 2,27 2,51 1,44 2,81 -0,08 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 0,56 0,80 0,71 0,30 0,64 0,48 0,73 0,87 1,49 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 0,51 0,86 0,67 0,35 0,71 0,38 0,86 0,95 2,28 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 0,43 0,53 0,95 0,54 0,50 0,61 0,34 1,17 0,74 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV -0,64 0,64 0,02 0,87 1,82 1,83 1,74 1,41 0,52 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV -0,55 1,60 -0,58 1,25 2,01 1,50 2,37 0,41 0,69 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV -0,37 -0,31 1,19 -0,14 1,79 1,98 1,18 2,48 0,10 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 1,13 1,00 0,72 0,57 0,74 0,90 1,28 1,62 0,42 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 0,25 2,26 1,46 -0,08 1,20 0,54 3,12 2,08 1,81 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 1,14 1,20 1,17 0,78 0,58 0,99 0,95 1,73 0,59 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 1,16 1,25 0,95 0,73 0,54 1,01 1,62 1,06 0,47 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 1,20 1,16 0,84 0,73 0,67 1,00 1,71 1,04 0,45 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,3012 0,3575 0,4412 0,4902 0,5608 0,5000 0,5976 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,4221 0,5046 0,5927 0,7191 0,7609 0,7272 0,8678 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,4067 0,4433 0,4433 0,4433 0,5067 0,5067 0,5067 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,0000 0,0000 0,0000 0,0488 0,0605 0,0000 0,0971 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 0,4420 0,4860 0,5868 0,7691 0,7323 0,7550 0,9271 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 0,44 0,49 0,59 0,77 0,73 0,76 0,93 0,83 1,03 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,54 23,54 23,54 23,54 23,55 23,55 23,55 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 29,09 29,09 29,09 29,09 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97
Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
IBC-Br Bacen 0,93 1,17
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00
IVAR FGV -0,31 1,05 1,76
IPC-M FGV 0,71 -0,28 -1,18 -0,08
IPC-DI FGV 0,67 -1,19 -0,57
IPC-10 FGV 0,72 0,42 -1,56 -0,14
IPA-M FGV 0,30 0,21 -0,71 -1,27
IPA-DI FGV 0,44 -0,32 -0,63
IPA-10 FGV 0,47 0,57 -0,65 -1,18
INCC-M FGV 2,81 1,16 0,33 0,10
INCC-DI FGV 2,14 0,86 0,09
INCC-10 FGV 3,29 1,26 0,74 -0,02
IGP-M FGV 0,59 0,21 -0,70 -0,95
IGP-DI FGV 0,62 -0,38 -0,55
IGP-10 FGV 0,74 0,60 -0,69 -0,90
IPC FIPE 0,28 0,16 0,12
IPP IBGE 1,01 1,13 -3,11
IPCA-15 IBGE 0,69 0,13 -0,73 -0,37
IPCA IBGE 0,67 -0,68 -0,36
INPC IBGE 0,62 -0,60 -0,31
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Poupança Bacen 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814
TBF Bacen 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020
TJLP Bacen 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842
TR Bacen 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805
CDI Cetip 1,0153 1,0349 1,1694
Selic RFB 1,02 1,03 1,17 1,07
Indicadores diversos (em Reais)
UPC Bacen 23,59 23,67 23,67 23,67
Minimo Federal 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00
Teto INSS Federal 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22
UFESP Sefaz/SP 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97