Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Pensão especial da síndrome de talidomida

Resumo:

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos detalhadamente a pensão especial (espécie 56) que fazem jus as pessoas com síndrome da talidomida. Analisaremos desde os procedimentos a serem adotados para concessão do benefício, quais são os beneficiários, a forma de habilitação, o valor, a acumulação, entre outros pontos não menos importante.

Postado em: - Área: Benefícios previdenciários.

1) Introdução:

Trataremos no presente Roteiro de Procedimentos de um benefício previdenciário pouco conhecido pelos brasileiros, qual seja, a pensão especial destinada aos deficientes afetados pela síndrome da talidomida.

O fármaco talidomina foi sintetizado em 1954 na Alemanha e em 1958 passou a ser comercializado no Brasil. Foi comercializada como um sedativo e hipnótico com poucos efeitos colaterais. A indústria farmacêutica que a desenvolveu acreditou que o medicamento era tão seguro que era propício para prescrever a mulheres grávidas, para combater náuseas, tonturas e enjoos matinais. Foi rapidamente prescrita a milhares de mulheres e espalhada para todas as partes do mundo (46 países), sem circular no mercado norte-americano.

Os procedimentos de testes de drogas naquela época eram muito menos rígidos e, por isso, os testes feitos na talidomida não revelaram seus efeitos teratogénicos. Os testes em roedores, que metabolizavam a droga de forma diferente de humanos, não acusaram problemas. Mais tarde, foram feitos os mesmos testes em coelhos e primatas, que produziram os mesmos efeitos horríveis que a droga causa em fetos humanos.

No final dos anos 1960, foram descritos na Alemanha, Reino Unido e Austrália os primeiros casos de más-formações congênitas onde crianças passaram a nascer com focomelia, mas não foi imediatamente óbvio o motivo para tal doença. Os bebês nascidos desta tragédia são chamados de "bebês da talidomida", ou "geração talidomida". Em 1962, quando já havia mais de 10.000 casos de defeitos congênitos a ela associados em todo o mundo, a talidomida foi removida da lista de remédios indicados. Os Estados Unidos foram poupados deste problema graças à atuação firme de Frances Oldham Kelsey, farmacologista encarregada pelo Food and Drug Administration (FDA) de avaliar os testes clínicos apresentados pela indústria.

Cientistas japoneses identificaram em 2010 como a talidomida interfere na formação fetal. Eles descobriram que o medicamento inativa a enzima cereblon, importante nos primeiros meses de gestação para a formação dos membros.

Por um longo tempo, a talidomida foi associada a um dos mais horríveis acidentes médicos da história. Por outro lado, estão em estudo novos tratamentos com a talidomida para doenças como o câncer de medula e, já há algum tempo, para a hanseníase. Útil em doenças, como lúpus, alívio dos sintomas de portadores do HIV, diminuição do risco de rejeição em transplantes de medula e artrite reumatoide, a talidomida é indicada em cerca de 60 tratamentos.

Em 2012, a Gruenenthal, empresa produtora da talidomida, pediu desculpas pelos danos causados.

No Brasil, a Talidomida continuou sendo comercializada 1962, aproximadamente... Como forma de reconhecimento pelo erro do estado em gerir o controle da saúde pública, bem como pelo dever de "indenização/reparação" dos danos, em 20/12/1982 foi publicada a Lei nº 7.070/1982, a qual dispõe sobre pensão especial para os deficientes físicos, estabelecendo rendimento mensal vitalício e intransferível.

Nos próximos capítulos analisaremos detalhadamente esse importante benefício... Esperamos que esse Roteiro seja útil para os profissionais que militam na seara previdenciária, bem como para as pessoas que possuem essa síndorme e seus familiares.

Base Legal: Preâmbulo da Lei nº 7.070/1982 e; Wikipédia - Talidomida (Checado pela Valor em 07/02/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Beneficiários:

De acordo com o artigo 1º da Lei nº 7.070/1982, o Poder Executivo está autorizado a conceder pensão especial, mensal, vitalícia e intransferível, aos portadores da deficiência física conhecida como "síndrome da talidomida" que a requererem, devida a partir da entrada do pedido de pagamento no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

Neste sentido é a Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015:

Art. 758. É garantido o direito à Pensão Especial (Espécie 56) a pessoa com Síndrome da Talidomida nascidos a partir de 1º de março de 1958, data do início da comercialização da droga no Brasil, denominada "Talidomida" (Amida Nfálica do Ácido Glutâmico), inicialmente comercializada com os nomes comerciais de Sedin, Sedalis e Slip, de acordo com a Lei nº 7.070, de 20 de dezembro de 1982.

Parágrafo único. O benefício será devido sempre que ficar constatado que a deformidade física for consequência do uso da Talidomida, independentemente da época de sua utilização.

Nota Valor Consulting:

(1) A pensão especial da síndrome de talidomida é de natureza indenizatória, não prejudicando eventuais benefícios de natureza previdenciária, e não poderá ser reduzido em razão de eventual aquisição de capacidade laborativa ou de redução de incapacidade para o trabalho, ocorridas após a sua concessão.

Base Legal: Arts. 1º, caput e 3º, § 1º da Lei nº 7.070/1982 e; Art. 758 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 (Checado pela Valor em 07/02/21).

3) Habilitação:

Para formalização do processo para concessão do benefício, deverão ser apresentados pelo pleiteante nas agências do INSS, no ato do requerimento, os seguintes documentos:

  1. documento de identificação com foto e o número do Cadastro de Pessoa Física (CPF) do pleiteante ou de seu representante legal;
  2. documentos que comprovem a deformidade, tais como fotografias (preferencialmente em fundo escuro, tamanho 12x9 cm, em traje de banho, com os braços separados e afastados do corpo, sendo uma de frente, uma de costas e outra(s) detalhando o(s)membro(s) afetado(s));
  3. certidão de nascimento ou casamento;
  4. outros subsídios, quando possível, que comprovem o uso da talidomida pela mãe durante a gestação, tais como receituários da época relacionados ao medicamento, relatório ou atestado médico de entidades relacionadas à patologia.
Base Legal: Art. 2º da Lei nº 7.070/1982 e; Art. 763 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 e; Pensão especial da síndrome da Talidomida (Checado pela Valor em 07/02/21).

3.1) Formalização do processo:

O processo original, com todas as peças, após a formalização, será encaminhado para realização do exame pericial, feito por junta médica, na Agência da Previdência Social (APS).

Base Legal: Art. 764 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 (Checado pela Valor em 07/02/21).

4) Data de início do benefício:

A data do início da pensão especial será fixada na data da entrada do requerimento (DER).

Base Legal: Art. 759 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 (Checado pela Valor em 07/02/21).

5) Valor do benefício:

A renda mensal inicial (RMI) será calculada mediante a multiplicação do número total de pontos indicadores da natureza e do grau de dependência resultante da deformidade física, constante do processo de concessão, pelo valor fixado em Portaria Ministerial que trata dos reajustamentos dos benefícios pagos pela Previdência Social (2).

Sempre que houver reajustamento, o Sistema Único de Benefícios (SUB), multiplicará o valor constante em Portaria Ministerial, pelo número total de pontos de cada benefício, obtendo-se a renda mensal atualizada.

O beneficiário da Pensão Especial Vitalícia da Síndrome da Talidomida, maior de 35 (trinta e cinco anos), que necessite de assistência permanente de outra pessoa e que tenha recebido a pontuação superior ou igual a seis pontos, fará jus a um adicional de 25% (vinte e cinco por cento) sobre o valor desse benefício, conforme disposto no artigo 13 da MP nº 2.129-10/2001.

O beneficiário da Pensão Especial Vitalícia da Síndrome da Talidomida terá direito a mais um adicional de 35% (trinta e cinco por cento) sobre o valor do benefício, desde que, alternativamente, comprove:

  1. 25 (vinte e cinco) anos, se homem, e 20 (vinte) anos, se mulher, de contribuição para a Previdência Social, independentemente do regime; ou
  2. 50 (cinquenta e cinco) anos de idade, se homem, ou 50 (cinquenta) anos de idade, se mulher, e contar pelo menos 15 (quinze_ anos de contribuição para a Previdência Social, independentemente do regime.

Na decisão proferida nos autos da ACP nº 97.0060590-6. da 7a Vara Federal de São Paulo/SP, a União, por meio do Ministério da Saúde, foi condenada ao pagamento mensal de valor igual ao do que trata a Lei nº 7.070/1982, a título de indenização, aos já beneficiados pela pensão especial, nascidos entre 01/01/1966 a 31/12/1998, considerados de segunda geração de vítimas da droga.

A partir de março de 2005, por determinação do Ministério Público Federal, o INSS assumiu o pagamento da indenização devida aos beneficiários deste Instituto, que anteriormente era efetuado pelo Ministério da Saúde.

Nas novas concessões, o sistema identificará os beneficiários com direito ao pagamento da indenização e processará o pagamento.

A opção pelo pagamento da indenização de que trata a Lei nº 12.190/2010, importa em renúncia e extinção da indenização mencionada acima, na forma do artigo 7º do Decreto nº 7.235/2010.

Nota Valor Consulting:

(2) O valor a ser multiplicado pelo número total de pontos indicadores da natureza do grau de dependência resultante da deformidade física, para fins de definição da renda mensal inicial da pensão especial devida às vítimas da síndrome de talidomida, é de:

  1. R$ 1.125,17, entre 01/01/2019 e 31/12/2019;
  2. R$ 1.175,58, a partir de 01/01/2020.
Base Legal: Arts. 1º, § 1º e 2º, §§ 2º e 3º da Lei nº 7.070/1982 e; Art. 760 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 e; Art. 8º, caput, I da Portaria SEPRT nº 3.659/2020 (Checado pela Valor em 07/02/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6) Acumulação de benefícios:

É vedada a acumulação da pensão especial da talidomida com qualquer rendimento ou indenização por danos físicos, inclusive os benefícios assistenciais da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) e Renda Mensal Vitalícia que, a qualquer título, venha a ser pago pela União, ressalvado o direito de opção, porém, é acumulável com outro benefício do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) ou ao qual, no futuro, a pessoa com síndrome possa vir a filiar-se, ainda que a pontuação referente ao quesito trabalho seja igual a dois pontos totais.

Base Legal: Art. 3º, caput da Lei nº 7.070/1982 e; Art. 762 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 (Checado pela Valor em 07/02/21).

7) Benefícios vitalícios e intransferíveis:

O benefício é vitalício e intransferível, não gerando pensão a qualquer eventual dependente ou resíduo de pagamento a seus familiares.

Base Legal: Art. 761 da Instrução Normativa INSS/PRES nº 77/2015 (Checado pela Valor em 07/02/21).

8) Isenção do Imposto de Renda:

Estão isentos do Imposto de Renda a pensão especial e outros valores recebidos em decorrência da síndrome de talidomida. A documentação comprobatória da natureza dos valores, quando recebidos de fonte situada no exterior, deve ser traduzida por tradutor juramentado.

Base Legal: Arts. 4º-A da Lei nº 7.070/1982 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9) Indenização por dano moral:

A Lei nº 12.190/2010, regulamentada pelo Decreto nº 7.235/2010, estabelece normas para o pagamento da indenização por dano moral às pessoas com deficiência física decorrente do uso da talidomida.

Base Legal: Lei nº 12.190/2010 e; Preâmbulo e art. 1º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.1) Valor da indenização:

A indenização por dano moral referida no capítulo 9, concedida às pessoas com deficiência física decorrente do uso da talidomida, consiste no pagamento de valor único igual a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) multiplicado pelo número dos pontos indicadores da natureza e do grau da dependência resultante da deformidade física, avaliados conforme o artigo 11º, § 1º da Lei nº 7.070/1982.

Base Legal: Art. 1º da Lei nº 12.190/2010 e; Art. 2º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.2) Operacionalização:

Fica o INSS responsável pela operacionalização do pagamento da indenização com dotações específicas constantes do orçamento da União.

Base Legal: Art. 4º da Lei nº 12.190/2010 e; Art. 3º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.3) Termo de Opção:

Para o recebimento da indenização por dano moral a pessoa com deficiência física decorrente do uso da talidomida deverá firmar termo de opção, conforme o modelo constante no capítulo 9 abaixo, declarando sua escolha pelo recebimento da indenização por danos morais de que trata a Lei nº 12.190/2010, em detrimento de qualquer outra, da mesma natureza, concedida por decisão judicial.

Nota Valor Consulting:

(3) O termo de opção poderá ser firmado por representante legal ou procurador investido de poderes específicos para este fim.

Base Legal: Art. 4º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

9.3.1) Modelo:

Termo de Opção
Figura 1: Termo de Opção.
Base Legal: Anexo do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.4) Perícia médica pelo INSS:

O pagamento da indenização será precedido da realização de perícia médica pelo INSS para a identificação do número de pontos indicadores da natureza e do grau da dependência resultante da deformidade física, nos moldes do artigo 1º, § 1º da Lei nº 7.070/1982. Para esse fim, será considerado o resultado da perícia médica realizada por ocasião da concessão da pensão especial de que trata a Lei nº 7.070/1982.

Após a assinatura do termo de opção, o INSS procederá, se for o caso, ao cálculo da indenização adotando como parâmetro a quantidade de pontos informados no laudo pericial, limitados ao máximo de oito, observado o disposto no artigo 178 do Regulamento da Previdência Social (RPS), aprovado pelo Decreto nº 3.048/1999.

Base Legal: Art. 5º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.5) Isenção do Imposto de Renda:

Sobre a indenização não incidirá Imposto de Renda.

Base Legal: Art. 6º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.6) Acumulação:

A indenização por danos morais, ressalvado o direito de opção, não é acumulável com qualquer outra de mesma natureza concedida por decisão judicial.

Caso haja ação judicial cujo objeto seja o recebimento de indenização inacumulável com a prevista no Decreto nº 7.235/2010, o pagamento ficará condicionado à apresentação do termo de opção e:

  1. do pedido de desistência da ação, homologado em juízo; ou
  2. da renúncia ao crédito decorrente da ação judicial transitada em julgado, em favor do recebimento da indenização de que trata o Decreto nº 7.235/2010, homologada em juízo.

Nos casos mencionado no parágrafo anterior, eventuais pagamentos realizados em decorrência de decisão judicial, com ou sem trânsito em julgado, serão descontados dos valores a serem pagos, atualizados monetariamente.

Deverá constar do termo de opção referido no Decreto nº 7.235/2010 que, na hipótese de recebimento irregular da indenização, em virtude da acumulação indevida de indenizações, o beneficiário autoriza que haja desconto, de até 30% (trinta por cento), do valor de seu benefício mensal concedido nos termos da Lei nº 7.070/1982, até a completa quitação do valor pago indevidamente, acrescido da atualização monetária correspondente.

Em caso de fundada dúvida sobre o caráter inacumulável das indenizações judiciais, esta será dirimida pelo órgão integrante da estrutura da Advocacia-Geral da União (AGU), ou a ela vinculado, responsável pelo acompanhamento da ação judicial que concedeu a indenização.

Base Legal: Art. 7º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

9.7) Acumulação com a pensão especial:

A pensão especial prevista na Lei nº 7.070/1982, cujo direito tenha sido reconhecido judicialmente, poderá ser acumulada com a indenização de que trata o Decreto nº 7.235/2010, observando-se que o pagamento desta somente ocorrerá após o trânsito em julgado da ação judicial que determinou a concessão da pensão.

O disposto acima não se aplica às ações judiciais nas quais se questione somente a quantidade de pontos indicadores da natureza, o grau da dependência resultante da deformidade física ou apenas o valor da pensão especial concedida, hipóteses em que a indenização será paga com base no valor ou número de pontos incontroversos e o restante, se for o caso, após o trânsito em julgado da ação.

Para o pagamento da indenização, deverá ser observado o número de pontos indicadores da natureza e do grau da dependência resultante da deformidade física definidos na decisão judicial que determinou a concessão da pensão especial.

Na inexistência de informação do número de pontos na decisão judicial referida no parágrafo anterior, este será obtido por meio da divisão do valor da renda mensal inicial da pensão especial pelo valor do ponto vigente na data do início do benefício, observado o limite máximo de oito pontos.

Base Legal: Art. 8º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.8) Recebimento através de representante legal ou procurador:

O valor da indenização poderá ser recebido por representante legal ou procurador, desde que devidamente cadastrado no INSS.

Base Legal: Art. 9º do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).

9.9) Atualização:

O valor da indenização está sujeito à atualização com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), apurado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com efeitos a partir de 01/01/2010, na forma do artigo 6º da Lei nº 12.190/2010.

Base Legal: Art. 10 do Decreto nº 7.235/2010 (Checado pela Valor em 07/02/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Pensão especial da síndrome de talidomida (Área: Benefícios previdenciários). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=848&titulo=pensao-especial-da-sindrome-de-talidomida. Acesso em: 26/01/2022."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Auxílio-inclusão para pessoa com deficiência moderada ou grave

No presente Roteiro de procedimentos estudaremos o auxílio-inclusão que as pessoas com deficiência moderada ou grave fazem jus. Vale mencionar que não poderão usufruir do auxílio-inclusão o portador de deficiência leve, o qual terá que optar entre o Benefício de Prestação Continuada (BPC) ou emprego de carteira assinada. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Benefícios previdenciários


Salário-maternidade

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o que a legislação brasileira versa sobre o salário-maternidade... Com esse material, esperamos contribuir que os profissionais que militam na seara trabalhista e previdenciária, bem como nossos leitores que têm direito a esse importantíssimo benefício... Esse material está atualizado até as disposições constantes da Instrução Normativa INSS/PRES Nº 77/2015, e alterações posteriores. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Benefícios previdenciários


Tabela de índice de reajuste dos benefícios previdenciários em manutenção

No presente Roteiro de Procedimentos, estamos divulgando a tabela de índices de reajuste dos benefícios previdenciários em manutenção desde o ano de 1997, bem como seu prazo para pagamento. Este trabalho está atualizado até a Portaria SEPRT nº 477/2021, que nos trouxe os índices de reajuste dos benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a partir do ano de 2021. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Benefícios previdenciários


Comprovação de vida perante o INSS: Quem não faz a prova de vida, tem o benefício bloqueado

Neste artigo analisaremos a regulamentação que trata da comprovação de vida perante o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), bem como a renovação de senha por parte dos beneficiários e a prestação de informações por meio das instituições financeiras pagadoras de benefícios aos beneficiários e ao INSS, incluindo residente no exterior. Vele lembrar que os beneficiários do INSS que não fazem a prova de vida, tem o benefício bloqueado! (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Benefícios previdenciários


Você sabia que o INSS dá acréscimo de 25% na aposentadoria? Veja aqui se têm direito

Para receber o benefício, o segurado precisa ser aposentado por invalidez (atualmente chamada de aposentadoria por incapacidade permanente), bem como precisa passar por avaliação dos peritos médicos do órgão. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Benefícios previdenciários


INSS muda regras para contribuições atrasadas de MEIs, autônomos e domésticos

Mudança pode afetar os trabalhadores que precisam pagar contribuições antigas e que se enquadrariam nas regras de transição da reforma da Previdência O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS publicou a Portaria 1.382 que muda as regras sobre os efeitos das contribuições feitas em atraso por microempreendedores individuais (MEIs), autônomos e domésticos. Na prática, a mudança pode afetar os trabalhadores que precisam pagar contribuições antigas e que se (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Aposentadoria)


INSS amplia calendário de prova de vida até 2022

Prazos para 2021 seguem sem alteração; pessoas com mais de 80 anos ou com dificuldade de locomoção podem pedir o serviço domiciliar O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) prorrogou hoje (5/7), por meio da Portaria 1.321/2021, publicada no Diário Oficial da União, o calendário de prova de vida até agosto de 2022. Os prazos para 2021 seguem os mesmos. O Instituto alerta que é importante a pessoa ficar atenta para realizar a prova de vida seguindo o calendári (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Aposentadoria)


Tira-dúvidas sobre a prova de vida do INSS

Cerca de 36 milhões de beneficiários do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) devem realizar a prova de vida anualmente para continuar a receber seus benefícios. O procedimento serve para evitar fraudes e garante a manutenção do pagamento do benefício. Desde de março de 2020, o INSS suspendeu a obrigatoriedade da prova de vida e continuou pagando os benefícios. De acordo com a Portaria 1.299, a rotina de bloqueio de benefícios por falta de prova de vida segui (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário (Aposentadoria)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das nossas poucas fontes de renda. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo, assim, pedimos sua ajuda.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

d