Perdas no recebimento de créditos: Aspectos contábeis

Resumo:

A perda no recebimento de créditos nada mais é que a perda pela inadimplência de clientes. Todas as pessoas jurídicas poderão baixar de sua contabilidade as duplicatas, notas promissórias, faturas, entre outros recebíveis, não quitadas pelos respectivos clientes, porém, para sua dedutibilidade na apuração do Lucro Real e na Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) alguns requisitos deverão ser observados.

No presente Roteiro de Procedimentos analisaremos o tratamento contábil dado as mencionadas perdas, tudo com base na legislação atualmente em vigor... Vem pra Valor Consulting você também, publicamos diariamente material técnico gratuito e de qualidade.

Hashtags: #perdaCredito #devedorDuvidoso

Postado em: - Área: Manual de lançamentos contábeis.

1) Introdução:

A perda no recebimento de créditos nada mais é que a perda pela inadimplência de clientes. Todas as pessoas jurídicas poderão baixar de sua contabilidade as duplicatas, notas promissórias, faturas, entre outros recebíveis, não quitadas pelos respectivos clientes, porém, para sua dedutibilidade na apuração do Lucro Real e na Base de Cálculo (BC) da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) alguns requisitos deverão ser observados.

Portanto, para as perdas no recebimento de créditos serem admitida como dedutíveis deverá atender cumulativamente os seguintes critérios:

  1. referir-se a perdas no recebimento de créditos efetivamente ocorridas nas atividades da pessoa jurídica; e
  2. a legislação tributária admitir como dedutíveis na apuração do Lucro Real e da Base de Cálculo (BC) da CSLL.

No que se refere à letra "b" anterior, temos que a legislação tributária atualmente em vigor prescreve que as pessoas jurídicas optantes pelo regime de apuração do Lucro Real poderão registrar como perda dedutível os créditos:

  1. em relação aos quais tenha havido a declaração de insolvência do devedor, em sentença emanada do Poder Judiciário;
  2. sem garantia, de valor:
    1. até R$ 15.000,00 (quinze mil reais) por operação, vencidos há mais de 6 (seis) meses, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento;
    2. acima de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) até R$ 100.000,00 (cem mil reais) por operação, vencidos há mais de 1 (um) ano, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, mantida a cobrança administrativa; e
    3. superior a R$ 100.000,00 (cem mil reais) por operação, vencidos há mais de 1 (um) ano, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento;
  3. com garantia, vencidos há mais de 2 (dois) anos, de valor:
    1. até R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) por operação, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; e
    2. superior a R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) por operação, desde que iniciados e mantidos os procedimentos judiciais para o seu recebimento ou o arresto das garantias; e
  4. contra devedor declarado falido ou pessoa jurídica em concordata (1) ou recuperação judicial, relativamente à parcela que exceder o valor que esta tenha se comprometido a pagar:

Como podemos verificar, a utilização de procedimentos de cobrança dos créditos de liquidação duvidosa, muitas vezes descartada, pode ser uma importante ferramenta de gestão na busca pela redução de custos ou melhora no fluxo de caixa das pessoas jurídicas em geral, desde que, é claro, sejam observados os limites e as condições acima listados.

Registra-se que, ainda que os procedimentos de cobrança não resultem no efetivo recebimento do crédito, eles serão suficientes para a pessoa jurídica aproveitar a dedutibilidade permitida pela legislação tributária, que pode significar uma economia no ano de até 34% (trinta e quatro por cento) do crédito não recuperado.

Vale ressaltar que a dedução das perdas com recebimento de créditos sem obediência à legislação tributária pode ensejar a glosa das despesas e a consequente cobrança do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e CSLL acrescida de multa de 75% (setenta e cinco por cento) e juros calculados pela Taxa do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Taxa Selic) do Banco Central do Brasil (Bacen).

Feitas essas breves considerações, passaremos a analisar nos próximos capítulos o tratamento contábil a ser dado à baixa (dedutível) dos créditos não adimplidos. Caso você, nosso estimado leitor, queira se aprofundar nas questões tributárias a respeito do assunto, recomendamos a leitura do nosso Roteiro de Procedimentos intitulado "Perdas no recebimento de créditos", nele o assunto é tratado em seus maiores detalhes.

Nota Valor Consulting:

(1) A concordata foi substituída pela recuperação judicial ou extrajudicial na nova lei de falências (Lei nº 11.101/2005). Entretanto, não há alterações de procedimentos para dedução dos créditos não garantidos.

Base Legal: Arts. 9º, caput, § 7º e 14 da Lei nº 9.430/1996; Art. 347, caput, §§ 1º e 2º do RIR/2018 e; Preâmbulo e art. 71, caput, § 1º da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017 (Checado pela Valor em 27/11/22).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Registro contábil das perdas:

Os registros contábeis das perdas admitidas nos limites e condições impostas pela legislação tributária serão efetuados a débito de conta de resultado e a crédito:

  1. da conta que registra o crédito de que trata a letra "b.i" do capítulo 1;
  2. de conta redutora do crédito, nas demais hipóteses.

Os valores registrados na conta redutora do crédito referido na letra "b" poderão ser baixados definitivamente em contrapartida à conta que registre o crédito, a partir do período de apuração em que se completarem 5 (cinco) anos do vencimento do crédito e sem que ele tenha sido liquidado (2).

Lembramos que as perdas no recebimento de créditos somente poderão ser consideradas dedutíveis para fins de determinação do Lucro Real e da Base de Cálculo (BC) da CSLL nos limites e condições impostas pela legislação tributárias, se houverem sido reconhecidos contabilmente.

Nota Valor Consulting:

(2) O reconhecimento das perdas no recebimento de créditos poderá ser feito em período posterior ao que ocorrer, desde que não produza efeito fiscal diverso daquele que seria obtido se realizado na data prevista.

Base Legal: Art. 10, caput, § 4º da Lei nº 9.430/1996; Art. 348, caput, § 4º do RIR/2018; Art. 72, caput, § 4º da Instrução Normativa RB nº 1.700/2017 e; Decisão nº 286/1998 da 8º RF (Checado pela Valor em 27/11/22).

2.1) Exemplos prático:

2.1.1) Crédito de até R$ 15.000,00:

Para efeito de exemplificação, suponhamos que a empresa Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda. tenha, em 30/01/20X1, efetuado a venda de suplementos para impressoras (cartuchos e tonners) à empresa Vieira Comércio de Informática Ltda. no valor total de R$ 3.600,00 (três mil e seiscentos reais), tendo sido estipulado no Contrato de Compra e Venda as seguintes cláusulas, além de outras inerentes à formalização dos contratos:

  1. Forma de pagamento: 4 (quatro) duplicatas de R$ 900,00 (novecentos reais), vencíveis em 28/02/20X1, 30/03/20X1, 30/04/20X1 e 30/05/X201;
  2. Acréscimos moratórios: No caso de não pagamento de quaisquer das duplicatas acima, até seu respectivo vencimento, sobre a duplicata vencida incidirá:
    1. Multa de mora: 2% (dois por cento) sobre o valor original do crédito;
    2. Juros de mora: 1% (um por cento) ao mês, contados do mês subsequente ao vencimento da parcela.

Nesse exemplo hipotético, supondo que em 31/12/20X1 a empresa Vieira não tenha liquidado o valor da dívida junto à empresa Vivax, teremos o seguinte valor atualizado do crédito:

DuplicataVencimento$ Original (R$)$ Multa (R$)$ Juros$ Total do Crédito
Taxa (%)Valor (R$)
000.10028/02/20X1900,0018,001090,001.008,00
000.10130/03/20X1900,0018,00981,00999,00
000.10230/04/20X1900,0018,00872,00990,00
000.10330/05/20X1900,0018,00763,00981,00
Total:3.600,0072,00306,003.978,00

Diante o exposto, temos que a Vivax poderá baixar o crédito que tem contra a empresa Vieira de sua contabilidade independentemente de ter iniciado qualquer procedimento administrativo ou judicial para o seu recebimento, pois o crédito atualizado (R$ 3.978,00) é inferior a R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e já está vencido há mais de 6 (seis) meses.

Contabilmente, a baixa deverá ser feita a débito da conta de resultado e a crédito da conta que registra o crédito, da seguinte forma:

Pela baixa da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX considerada incobrável, cliente Vieira Comércio de Informática Ltda.:

D - Perdas no Recebimento de Créditos (CR) _ R$ 3.600,00 (3)

C - Duplicatas a Receber (AC) _ R$ 3.600,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Nota Valor Consulting:

(3) Algumas empresas intitulam essa conta de "Créditos Vencidos e Não Liquidados (CR)".

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.1.2) Crédito superior à R$ 15.000,00:

Suponhamos, agora, que a Vivax tenha, em 30/03/20X1, efetuado a venda de suplementos para impressoras (cartuchos e tonners) à empresa Papelaria Barão Ltda. no valor total de R$ 18.000,00 (dezoito mil reais), tendo sido estipulado no Contrato de Compra e Venda as seguintes cláusulas, além de outras inerentes à formalização dos contratos:

  1. Forma de pagamento: 2 (duas) duplicatas de R$ 9.000,00 (nove mil reais), vencíveis em 30/05/20X1 e 30/06/20X1;
  2. Acréscimos moratórios: No caso de não pagamento de quaisquer das duplicatas acima, até seu respectivo vencimento, sobre a duplicata vencida incidirá:
    1. Multa de mora: 2% (dois por cento) sobre o valor original do crédito;
    2. Juros de mora: 1% (um por cento) ao mês, contados do mês subsequente ao vencimento da parcela.

Nesse exemplo hipotético, supondo que em 31/12/20X1 a Papelaria Barão não tenha liquidado o valor da dívida junto a empresa Vivax, teremos o seguinte valor atualizado do crédito:

DuplicataVencimento$ Original (R$)$ Multa (R$)$ Juros$ Total do Crédito
Taxa (%)Valor (R$)
002.98130/05/20X19.000,00180,007630,009.810,00
002.98230/06/20X19.000,00180,006540,009.720,00
Total:18.000,00360,001.170,0019.530,00

Diante o exposto, temos que a empresa Vivax somente poderá baixar o crédito que tem contra a Papelaria Barão de sua contabilidade depois de decorridos 1 (um) ano do vencimento das duplicatas, independentemente de iniciados os procedimentos judiciais para o seu recebimento, porém, iniciado e mantido a cobrança administrativa. Isso se justifica pelo fato de o crédito atualizado (R$ 19.530,00) ser superior a R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e inferior a R$ 100.000,00 (cem mil reais).

Contabilmente, a baixa deverá ser feita a débito da conta de resultado e a crédito de conta redutora da que registra o crédito, da seguinte forma:

Pela baixa da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX considerada incobrável, cliente Papelaria Barão Ltda.:

D - Perdas no Recebimento de Créditos (CR) _ R$ 18.000,00

C - Créditos vencidos e não liquidados (CR-AC) _ R$ 18.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR-AC: Conta Redutora do Ativo Circulante.

Os valores registrados na conta redutora do crédito somente poderão ser baixados definitivamente em contrapartida à conta que registre o crédito a partir do período de apuração em que se completarem 5 (cinco) anos do vencimento do crédito e sem que ele tenha sido liquidado. Portanto, passados esse prazo, a Vivax deverá efetuar o seguinte lançamento em sua contabilidade:

Pela baixa da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX considerada incobrável, cliente Papelaria Barão Ltda.:

D - Créditos vencidos e não liquidados (CR-AC) _ R$ 18.000,00

C - Duplicatas a Receber (AC) _ R$ 18.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR-AC: Conta Redutora do Ativo Circulante.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3) Créditos recuperados:

De acordo com a legislação atualmente em vigor, deverá ser computado na determinação do Lucro Real e do resultado ajustado o montante dos créditos deduzidos como despesa que tenham sido recuperados, em qualquer época ou a qualquer título, inclusive nos casos de novação da dívida ou do arresto dos bens recebidos em garantia real.

Contabilmente falando, essa regra pede que o crédito baixado como perda na escrituração contábil da pessoa jurídica e que tenha sido posteriormente recuperado seja reconhecido a crédito de uma conta de resultado (Receita tributável), a qual poderá ser intitulada de "Recuperação de Créditos Considerados Incobráveis (CR)". Com esse procedimento, fica dispensada a adição do montante recuperado no Livro de Apuração do Lucro Real (e-Lalur) e no Livro de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-Lacs), pois ele já estará compondo o Lucro Líquido do período.

Por outro lado, se o recebível (duplicata, por exemplo) ainda não foi baixado na contabilidade da pessoa jurídica, ou seja, se a perda foi registrada em conta redutora do Ativo Circulante (AC), deverá ser efetuada a baixa do título na conta de "Clientes (AC)", pelo recebimento, e reconhecida a recuperação do valor anteriormente deduzido como perda.

Notas Valor Consulting:

(4) Para fins deste capítulo, os juros vincendos poderão ser computados na determinação do Lucro Real e do resultado ajustado à medida que forem incorridos.

(5) Os bens recebidos a título de quitação do débito serão escriturados pelo valor do crédito ou avaliados pelo valor definido na decisão judicial que tenha determinado sua incorporação ao patrimônio do credor.

(6) Nas operações de crédito realizadas por instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Bacen, nos casos de renegociação de dívida, o reconhecimento da receita para fins de incidência de IRPJ e CSLL ocorrerá no momento do efetivo recebimento do crédito.

Base Legal: Art. 12 da Lei nº 9.430/1996; Art. 350 do RIR/2018 e; Art. 74 da Instrução Normativa RFB nº 1.700/2017 (Checado pela Valor em 27/11/22).

3.1) Exemplos prático:

3.1.1) Recebimento de título baixado diretamente da conta Clientes:

Voltemos ao exemplo do subcapítulo 2.1.1. Vamos supor que o cliente Vieira Comércio de Informática Ltda. para voltar a ter crédito junto à Vivax resolva quitar sua dívida, assim, quando do depósito da dívida a Vivax deverá efetuar o seguinte lançamento contábil:

Pelo recebimento da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX anteriormente baixada como perda, cliente Vieira Comércio de Informática Ltda.:

D - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 3.600,00

C - Recuperação de Créditos Considerados Incobráveis (CR) _ R$ 3.600,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Nesse exemplo, estamos considerando que foi pago apenas o valor original da dívida, caso tenha sido cobrado juros e multa de mora, estes deverão ser contabilizados diretamente em conta de resultado.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.1.2) Recebimento de título baixado em conta redutora do Ativo Circulante:

Voltemos ao exemplo do subcapítulo 2.1.2. Vamos supor que o cliente Papelaria Barão Ltda. para voltar a ter crédito junto à Vivax resolva quitar sua dívida, assim, quando do depósito da dívida a Vivax deverá efetuar os seguintes lançamentos contábeis:

Pelo recebimento da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX anteriormente baixada como perda, cliente Papelaria Barão Ltda.:

D - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 18.000,00

C - Duplicatas a Receber (AC) _ R$ 18.000,00


Pelo recebimento da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX anteriormente baixada como perda, cliente Papelaria Barão Ltda.:

D - Créditos vencidos e não liquidados (CR-AC) _ R$ 18.000,00

C - Recuperação de Créditos Considerados Incobráveis (CR) _ R$ 18.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante;

CR: Conta de Resultado; e

CR-AC: Conta Redutora do Ativo Circulante.

Vale mencionar que se a dívida foi paga após 5 (cinco) anos, ou seja, após a baixa definitiva do título na contabilidade da empresa, somente um lançamento contábil deverá ser efetuado, qual seja:

Pelo recebimento da duplicata de venda mercantil nº XXX.XXX anteriormente baixada como perda, cliente Papelaria Barão Ltda.:

D - Bco. c/ Mvto. (AC) _ R$ 18.000,00

C - Recuperação de Créditos Considerados Incobráveis (CR) _ R$ 18.000,00


Legenda:

AC: Ativo Circulante; e

CR: Conta de Resultado.

Enfatizamos que estamos considerando nos exemplos aqui utilizados que foi pago apenas o valor original da dívida, caso tenha sido cobrado juros e multa de mora, estes deverão ser contabilizados diretamente em conta de resultado.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Perdas no recebimento de créditos: Aspectos contábeis (Área: Manual de lançamentos contábeis). Disponível em: https://www.valor.srv.br/artigo.php?id=861&titulo=perdas-no-recebimento-de-creditos-aspectos-contabeis. Acesso em: 03/02/2023."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

INSS: Tetos da contribuição previdenciária

Veremos neste Roteiro um histórico com os valores do teto da contribuição previdenciária vigente desde 01/05/1995, com as respectivas bases legais. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Aspectos previdenciários do pró-labore

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento dado pela legislação previdenciária para o pró-labore. Para tanto, utilizaremos como fundamento a Lei nº 8.212/1991, o Regulamento da Previdência Social (RPS/1999), aprovado pelo Decreto nº 3.048/1999, bem como outras fontes citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Empresa de Natal é condenada a pagar motorista por valor de troco roubado

A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (RN) condenou a Reunidas Transportes Urbanos Ltda. a pagar a um motorista o valor subtraído em assalto e reservado por ele para ser utilizado em troco. O profissional, que trabalhou para a empresa de maio de 2016 a dezembro de 2020, explicou que mantinha consigo dinheiro seu em espécie, em cédulas miúdas e moedas, para facilitar o troco. Durante esse período, houve a perda desses valores, que g (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Juiz de Passo Fundo nega enquadramento como metalúrgicos e define como comerciários trabalhadores de loja de pneus que também faziam reparos em veículos

O juiz Evandro Luís Urnau, da 4ª Vara do Trabalho de Passo Fundo (RS), indeferiu os pedidos do Sindicato dos Metalúrgicos de Passo Fundo, Marau e Tapejara em ação ajuizada para beneficiar trabalhadores de uma loja de comércio de pneus. Os profissionais foram enquadrados na categoria de comerciários e não como mecânicos e, portanto, não poderiam ser representados pelo sindicato autor do processo. O sindicato afirmou que os empregados realizavam prioritar (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Maioria do STF entende que sentenças definitivas em matéria tributária perdem eficácia com decisão contrária da Corte

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria, na sessão desta quinta-feira (2), no sentido de que os efeitos de uma sentença definitiva (transitada em julgado) em matéria tributária de trato continuado perde seus efeitos quando há julgamento em sentido contrário pelo STF. O julgamento de dois recursos extraordinários (REs) sobre a matéria, com repercussão geral, prosseguirá na próxima quarta-feira (8) com a discussão sobre o marco temporal para a reto (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito tributário)


Justiça acolhe perícia e afasta periculosidade para trabalho com gás liquefeito de petróleo

A 6ª Turma do TRT da 2ª Região negou recurso de operador de empilhadeira que buscava reconhecimento de trabalho insalubre e perigoso. O trabalhador tentou invalidar laudo pericial que afastava as condições alegadas, mas não apresentou elementos ou indícios que pudessem ter esse efeito. De acordo com o parecer do perito, a atividade do homem com o equipamento, que incluía substituição de cilindro de gás liquefeito de petróleo (GLP), não é classificad (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Trabalhador sem salário por dois anos é considerado em condição semelhante à de escravo, decide TRT da 2ª Região (SP)

Em sentença proferida na 6ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP), a juíza Julia Pestana Manso de Castro condenou um empregador a pagar R$ 50 mil em danos morais por ter reduzido um trabalhador a condição análoga à de escravo. Na decisão, foi destacada norma do Ministério do Trabalho e Emprego que considera em tal situação a pessoa que está sujeita a condições degradantes de labor. De acordo com o documento, o homem ficou mais de dois anos sem receber (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Emissão de DAS SIMEI 2023 e Indisponibilidade da DASN SIMEI

O Programa Gerador de Documento de Arrecadação do Simples Nacional do Microempreendedor Individual (PGMEI) já está ajustado para a geração do DAS do período de apuração 01/2023, com vencimento em 22/02/2023, tendo como base para a contribuição para o INSS o novo valor do salário-mínimo. Para este período, o valor a ser pago em DAS corresponderá a: R$ 65,10 de INSS (5% do valor do salário-mínimo, de R$ 1.302,00); R$ 5,00 de ISS, caso seja (...)

Notícia postada em: .

Área: Simples Nacional (Microempreendedor Individual (MEI))


Pró-labore

Estudaremos no presente Roteiro de Procedimentos os lançamentos contábeis que as empresas deverão fazer no momento de registrar e pagar a remuneração denominada pró-labore aos seus sócios, diretores ou administradores, bem como, aos titulares de empresas individuais (atualmente empresários) e aos membros do Conselho de Administração de companhia. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Tabelas do eSocial

Visando auxiliar nossos leitores com conteúdo de qualidade e de fácil acesso, estamos publicando a lista completa de Tabelas do eSocial. Essas Tabelas são usadas para preencher os eventos do eSocial que são enviados ao Ambiente Nacional Virtual dessa obrigação acessória. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: eSocial


Tabela 30 do eSocial: Formas de tributação para rendimentos de beneficiários no exterior

Visando auxiliar nossos leitores com conteúdo de fácil acesso, estamos publicando a íntegra da Tabela 30 do eSocial, que lista os códigos de formas de tributação para rendimentos de beneficiários no exterior. Essa Tabela é usada para preencher os eventos do eSocial que são enviados ao Ambiente Nacional Virtual dessa obrigação acessória. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: eSocial


Magistrado de Fortaleza reconhece vínculo de emprego de entregador com Ifood

Decisão da 13ª Vara do Trabalho de Fortaleza (CE) reconheceu o vínculo de emprego de um entregador que trabalhava para a empresa Ifood. Na sentença, publicada em dezembro do ano passado, o juiz do trabalho Vladimir Paes de Castro apontou a existência dos requisitos que caracterizam a modalidade de trabalho como contrato intermitente, uma prestação de serviço não contínua, na qual se alternam períodos de atividade e inatividade. O trabalhador realizou e (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito em geral)


TRT-2 mantém justa causa de motorista que dormia no expediente

A 16ª Turma do TRT-2 manteve a justa causa de motorista que dormia em posto de combustível contratado para abastecer veículos de empresa de assistência técnica. Para os magistrados, embora não punida anteriormente, a conduta do profissional foi grave o suficiente para romper o vínculo empregatício. Na ação, o homem alega ter mais de dez anos de firma e que o fim do contrato se deu por suposta alegação de desídia. A empresa afirma, porém, que o desem (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Técnico obtém redução de jornada para cuidar de filho com malformação cerebral congênita

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho acolheu recurso de um técnico em farmácia da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) de Teresina (PI), para reduzir em 25% sua jornada semanal, ou seja, de 40 para 30 horas, a fim de acompanhar filho com síndrome de Dandy-Walker em atividades terapêuticas. Por unanimidade, o colegiado entendeu que o pai da criança, de quatros anos de idade, precisa assumir os ônus acarretados pela síndrome, o que l (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Juiz de São Luís determina pensão mensal e indenização a trabalhador que perdeu olho direito

Soldador que perdeu a visão do olho direito em decorrência de acidente de trabalho tem direito à pensão mensal até a idade de 76 anos, além de indenização por danos morais e estéticos. A decisão é do juiz do trabalho substituto Luznard de Sá Cardoso que atendeu parcialmente os pedidos formulados pelo trabalhador em uma ação trabalhista em tramitação na 1ª Vara do Trabalho de São Luís (MA). O trabalhador sofreu o acidente, no dia 20 de julho de (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Empregada de SP que sofreu ofensas no trabalho por ser muçulmana deve ser indenizada

Por unanimidade de votos, a Sexta Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) dobrou o valor da indenização por danos morais a uma auxiliar de limpeza que era alvo de "piadas" discriminatórias por ser adepta de religião islâmica. O juízo de primeiro grau havia arbitrado em R$ 10 mil a reparação. No processo, a mulher afirma que durante o contrato de trabalho foi vítima de intolerância religiosa. Ela declara que era xingada de "mulher bomb (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)