Consulta na Tabela de Classificação Internacional de Doenças (CID-10)

Responsável: Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde, popularmente conhecida como Classificação Internacional de Doenças (CID-10) é publicada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e visa padronizar universalmente a codificação de doenças e outros problemas relacionados à saúde. A CID-10 fornece códigos relativos à classificação de doenças e de uma grande variedade de sinais, sintomas, aspectos anormais, queixas, circunstâncias sociais e causas externas para ferimentos ou doenças. A cada estado de saúde é atribuída uma categoria única à qual corresponde um código CID-10.

Vale lembrar que a sigla é utilizada mundialmente como o padrão médico para catalogar os diagnósticos médicos, ou seja, é um das principais ferramentas epidemiológica do cotidiano médico, podendo ser utilizada, por exemplo, nos atestados médicos.

Resumidamente, para cada enfermidade é atribuída uma categoria única e que remete a um código de 3 (três) caracteres, os quais é subdividido em um nível inferior denominado de subcategoria. Sendo assim, tais categorias podem incluir um conjunto de doenças semelhantes.

Objetivos da CID-10:

A Classificação Internacional de Doenças (CID-10) possibilita a padronização na nomenclatura das enfermidades, permitindo uma comunicação efetiva e clara entre profissionais de saúde e órgãos governamentais, como a Previdência Social, que concede benefícios como o auxílio-doença em função de algumas enfermidades.

Isso ajuda a evitar ambiguidades, que poderiam ser prejudiciais ao paciente, por exemplo.

O médico também pode usar a CID-10 para encobrir o nome específico da doença a pedido do paciente, por exemplo, com o objetivo de evitar situações desconfortáveis ou até mesmo discriminação.

Além disso, o nome de uma doença pode mudar de um país para outro, de acordo com o idioma, o que pode causar confusão na hora da tradução. Assim, a CID evita mais esse inconveniente.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Estrutura da CID-10:

A CID-10 é dividida 22 (vinte e dois) capítulos, que agrupam doenças com características semelhantes. Cada capítulo é referenciado por uma letra do alfabeto em ordem crescente (de A a Z).

A catalogação (agrupamento) é feita por categorias, que são representadas por uma letra (a do capítulo) acrescido de 2 (dois) dígitos numéricos, ou seja, cada grupo de doença ou enfermidade recebe uma letra e, dentro desse grupo, cada doença ou enfermidade recebe um número entre 0 e 99.

Em um próximo nível, há subcategorias para as quais é acrescentado um número de 0 a 9. Exemplo: código "B15.9", o qual representa a doença "hepatite A sem coma hepático".

Esquema didático da CID-0:

Capítulos ==>
 
Agrupamentos ==>
são conjuntos de
Categorias ==>
que correspondem ao código de uma letra e dois dígitos
Subcategorias ==>
ao código da categoria se junta um ponto e mais um algarismo - .0 a .9 que é o código da CID-10

Em outras palavras, temos:

  1. Capítulos: contendo vários;
  2. Agrupamentos: que são conjuntos de categorias;
  3. Categorias: que correspondem ao código com uma letra e dois dígitos e que são subdivididos em subcategorias;
  4. Subcategorias: onde a cada código de categoria junta-se um ponto e um algarismo do ".0" ao ".9" e que formam o código completo da doença.

Veja, abaixo, a lista completa de capítulos e seus conteúdos, nos links você pode acessar os níveis mais inferiores da CID-10:

Capítulo Grupos Descrição
I A00 a B99 Algumas doenças infecciosas e parasitárias
II C00 a D48 Neoplasias [tumores]
III D50 a D89 Doenças do sangue e dos órgãos hematopoéticos e alguns transtornos imunitários
IV E00 a E90 Doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas
V F00 a F99 Transtornos mentais e comportamentais
VI G00 a G99 Doenças do sistema nervoso
VII H00 a H59 Doenças do olho e anexos
VIII H60 a H95 Doenças do ouvido e da apófise mastóide
IX I00 a I99 Doenças do aparelho circulatório
X J00 a J99 Doenças do aparelho respiratório
XI K00 a K93 Doenças do aparelho digestivo
XII L00 a L99 Doenças da pele e do tecido subcutâneo
XIII M00 a M99 Doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo
XIV N00 a N99 Doenças do aparelho geniturinário
XV O00 a O99 Gravidez, parto e puerpério
XVI P00 a P96 Algumas afecções originadas no período perinatal
XVII Q00 a Q99 Malformações congênitas, deformidades e anomalias cromossômicas
XVIII R00 a R99 Sintomas, sinais e achados anormais de exames clínicos e de laboratório, não classificados em outra parte
XIX S00 a T98 Lesões, envenenamento e algumas outras conseqüências de causas externas
XX V01 a Y98 Causas externas de morbidade e de mortalidade
XXI Z00 a Z99 Fatores que influenciam o estado de saúde e o contato com os serviços de saúde
XXII U04 a U99 Códigos para propósitos especiais

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CID-11 será lançada em breve:

As ciências da saúde avançam juntamente com a tecnologia, com as ciências biológicas e com as ciências sociais. Por isso, foi proposta a revisão de todos os capítulos da CID-10, sendo apresentado mudanças substanciais em relação à atual versão.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou oficialmente, em julho de 2018, essa nova versão, a chamada "CID-11". Dessa forma, a nova versão traz uma série de novidades e novas formas de usabilidade.

A CID-11 entrará em vigor em Janeiro de 2022. A principal alteração é de formato. A CID-11 será eletrônica e facilmente integrada em aplicativos. Assim, o acesso ao conteúdo integral será facilitado.

As alterações trazidas pela nova versão refletem o avanço da compreensão científica. A nova versão conta com mais de 55 mil códigos únicos para os mais variados diagnósticos médicos, como lesões, doenças e causas de morte ( a CID 10 só possui 14,4 mil).

Exemplo disso são os códigos referentes aos antibióticos. Na nova versão, estão mais alinhados com o Sistema Global de Vigilância da Resistência Antimicrobiana (GLASS, na sigla em inglês). Além disso, a CID-11 também trará dados sobre segurança na assistência à saúde, buscando identificar e reduzir fluxos de trabalho inseguros em hospitais.

O novo documento incluirá capítulo sobre medicina tradicional. Como referido pela Organização Pan-Americana de Saúde, trata-se do reconhecimento da prática utilizada por milhões de pessoas em todo o mundo.

Outra mudança importante é a adição de capítulo sobre saúde sexual. Nele serão incluídas condições antes categorizadas de outras formas ou que contavam com descrições diferentes. É o caso do termo “transtornos de identidade de gênero”, que será definido como “incongruência de gênero”.

Lale Say, coordenadora do Departamento de Saúde Reprodutiva e Pesquisas da OMS, afirmou que a abordagem demonstra um "melhor entendimento de que isto não é realmente um problema de saúde mental". Ela também explicou que o motivo para o termo não ser excluído da CID é a necessidade de garantir o atendimento às demandas específicas de saúde da população trans.

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (CAEPF)

Juntamos no presente Roteiro de Procedimentos tudo o que você precisa saber sobre o Cadastro de Atividade Econômica da Pessoa Física (CAEPF) que veio substituir o Cadastro Específico do INSS (CEI), conforme o disposto na Instrução Normativa RFB nº 1.828/2018. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Informação do valor dos tributos no documento fiscal

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos os aspectos gerais relativos as informações dos tributos que obrigatoriamente deverão constar nos documentos fiscais emitidos para consumidores de mercadorias e serviços. Para tanto, utilizaremos como base a Lei nº 12.741/2012, mais conhecida como "Lei da Transparência", que foi sancionada pela presidenta Dilma Rousseff com objetivo de dar mais transparência para o consumidor sobre a carga tributária incident (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Assuntos gerais sobre tributação


Autoescola não agiu de forma discriminatória aos dispensar instrutor com esquizofrenia

A Primeira Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu que a dispensa sem justa causa de um instrutor de autoescola, empregado do Centro de Formação de Instrutores Guandú, de Colatina (ES), não teve caráter discriminatório. Pouco antes de ser demitido, o empregado havia sido diagnosticado com esquizofrenia. Apesar de a doença ser estigmatizante e haver presunção de discriminação, o colegiado entendeu ter a empresa comprovado que não agiu de forma a (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Pagar salário com atraso causa dano moral, decide TRT da 5ª Região (BA)

Trabalhador que frequentemente recebe o salário com atraso deve ser indenizado por dano moral. A decisão é da Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 5ª Região (BA), que determinou que o Instituto de Saúde e Direitos da Família (ISDF) indenize uma enfermeira no valor de R$ 3 mil. Os desembargadores integrantes da Turma entenderam que os atrasos reiterados no vencimento geraram transtornos na vida da trabalhadora e violaram sua honra e dignidade. Ain (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Empresa de Mato Grosso é condenada por demitir sem justa causa empregado com HIV

Uma empresa do interior de Mato Grosso foi condenada a pagar indenização de R$ 30 mil por danos morais após dispensar sem justa causa um trabalhador portador do vírus HIV. Além disso, também foi determinada a reintegração do trabalhador na empresa, reativação do plano de saúde e o pagamento de salário do período de afastamento. O trabalhador ingressou na empresa em julho de 2018 e, após prestar serviços por mais três anos como motorista, foi dispe (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Guarda compartilhada não impede mudança da criança para o exterior, define Terceira Turma

Na guarda compartilhada, não se exige a custódia física conjunta da criança, motivo pelo qual é possível que esse regime seja fixado mesmo quando os pais morem em países diferentes. Essa flexibilidade do compartilhamento da guarda não afasta, contudo, a possibilidade de convivência da criança com ambos os genitores e a divisão de responsabilidades – o que pode ser feito com o suporte da tecnologia. O entendimento foi adotado pela Terceira Turma do Su (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito em geral)


Bem herdado por cônjuge de devedor trabalhista é impenhorável, decide TRT da 2ª Região (SP)

Os magistrados da Primeira Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (SP) mantiveram sentença que impediu a inclusão de esposa do executado no polo passivo trabalhista, uma vez que ela não detém a condição de devedora. Segundo o juízo, o imóvel da mulher não pode ser penhorado porque é fruto de herança, permanecendo patrimônio exclusivo da herdeira. O pedido do exequente foi feito sob a alegação de que o sócio da empresa para a qual tra (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Juiz de MG nega relação de emprego entre mestre de obras e sobrinha proprietária de imóvel em construção

A Justiça do Trabalho não reconheceu a relação de emprego entre um mestre de obras e a sobrinha dele, proprietária de imóvel em construção. A decisão é da juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Varginha (MG), Maila Vanessa de Oliveira Costa. Segundo a julgadora, não há nos autos prova de que o profissional fosse efetivo empregado, com os pressupostos necessários à configuração do vínculo empregatício, nos termos dos artigos 2º e 3º da CLT. (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Redarf: Procedimentos para retificação de Darf

Analisaremos no presente Roteiro os procedimentos para retificação de erros no preenchimento de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf), com fundamento na Instrução Normativa SRF nº 672/2006. Lembramos que o documento base para essa retificação é o formulário denominado Redarf. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Assuntos gerais sobre tributação


INSS: Tetos da contribuição previdenciária

Veremos neste Roteiro um histórico com os valores do teto da contribuição previdenciária vigente desde 01/05/1995, com as respectivas bases legais. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Aspectos previdenciários do pró-labore

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento dado pela legislação previdenciária para o pró-labore. Para tanto, utilizaremos como fundamento a Lei nº 8.212/1991, o Regulamento da Previdência Social (RPS/1999), aprovado pelo Decreto nº 3.048/1999, bem como outras fontes citadas ao longo do trabalho. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Previdenciário em geral


Empresa de Natal é condenada a pagar motorista por valor de troco roubado

A Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (RN) condenou a Reunidas Transportes Urbanos Ltda. a pagar a um motorista o valor subtraído em assalto e reservado por ele para ser utilizado em troco. O profissional, que trabalhou para a empresa de maio de 2016 a dezembro de 2020, explicou que mantinha consigo dinheiro seu em espécie, em cédulas miúdas e moedas, para facilitar o troco. Durante esse período, houve a perda desses valores, que g (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Juiz de Passo Fundo nega enquadramento como metalúrgicos e define como comerciários trabalhadores de loja de pneus que também faziam reparos em veículos

O juiz Evandro Luís Urnau, da 4ª Vara do Trabalho de Passo Fundo (RS), indeferiu os pedidos do Sindicato dos Metalúrgicos de Passo Fundo, Marau e Tapejara em ação ajuizada para beneficiar trabalhadores de uma loja de comércio de pneus. Os profissionais foram enquadrados na categoria de comerciários e não como mecânicos e, portanto, não poderiam ser representados pelo sindicato autor do processo. O sindicato afirmou que os empregados realizavam prioritar (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Maioria do STF entende que sentenças definitivas em matéria tributária perdem eficácia com decisão contrária da Corte

O Supremo Tribunal Federal (STF) formou maioria, na sessão desta quinta-feira (2), no sentido de que os efeitos de uma sentença definitiva (transitada em julgado) em matéria tributária de trato continuado perde seus efeitos quando há julgamento em sentido contrário pelo STF. O julgamento de dois recursos extraordinários (REs) sobre a matéria, com repercussão geral, prosseguirá na próxima quarta-feira (8) com a discussão sobre o marco temporal para a reto (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito tributário)


Justiça acolhe perícia e afasta periculosidade para trabalho com gás liquefeito de petróleo

A 6ª Turma do TRT da 2ª Região negou recurso de operador de empilhadeira que buscava reconhecimento de trabalho insalubre e perigoso. O trabalhador tentou invalidar laudo pericial que afastava as condições alegadas, mas não apresentou elementos ou indícios que pudessem ter esse efeito. De acordo com o parecer do perito, a atividade do homem com o equipamento, que incluía substituição de cilindro de gás liquefeito de petróleo (GLP), não é classificad (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Trabalhador sem salário por dois anos é considerado em condição semelhante à de escravo, decide TRT da 2ª Região (SP)

Em sentença proferida na 6ª Vara do Trabalho de São Paulo (SP), a juíza Julia Pestana Manso de Castro condenou um empregador a pagar R$ 50 mil em danos morais por ter reduzido um trabalhador a condição análoga à de escravo. Na decisão, foi destacada norma do Ministério do Trabalho e Emprego que considera em tal situação a pessoa que está sujeita a condições degradantes de labor. De acordo com o documento, o homem ficou mais de dois anos sem receber (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Ajude o Portal:

Me chamo Raphael, AMARAL, sou o idealizador desse Portal. Aqui, todas as publicações são de livre acesso e gratuitas, sendo que a ajuda que recebemos dos leitores é uma das poucas fontes de renda que possuímos. Devido aos altos custos, estamos com dificuldades em mantê-lo funcionando, assim, pedimos sua colaboração.

Doações via Pix:

Que tal a proposta: Acessou um conteúdo e gostou, faça um Pix para nos ajudar:

Doações mensais:

Cadastre-se na lista de doadores mensais. A doação é realizada através de ambiente seguro, protegido e pode ser cancelada a qualquer momento:



Transferências bancárias e parcerias:

Se prefirir efetuar transferência bancária, entre em contato pelo fale Conosco e solicite os dados bancários. Também estamos abertos para parcerias.

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Órgão Indicador Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22 Nov/22 Dez/22 Jan/23 Fev/23
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
DIEESE ICV 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
FGV IVAR 2,92 0,81 0,82 0,59 -0,31 1,05 1,76 -0,02 0,10 -0,36 -1,19 4,20
FGV IPC-M 0,33 0,86 1,53 0,35 0,71 -0,28 -1,18 -0,08 0,50 0,64 0,44 0,61
FGV IPC-DI 0,28 1,35 1,08 0,50 0,67 -1,19 -0,57 0,02 0,69 0,57 0,35 0,80
FGV IPC-10 0,39 0,47 1,67 0,54 0,72 0,42 -1,56 -0,14 0,17 0,67 0,58 0,47
FGV IPA-M 2,36 2,07 1,45 0,45 0,30 0,21 -0,71 -1,27 -1,44 -0,94 0,47 0,10
FGV IPA-DI 1,94 2,80 0,19 0,55 0,44 -0,32 -0,63 -1,68 -1,04 -0,43 0,32 -0,19
FGV IPA-10 2,51 1,44 2,81 -0,08 0,47 0,57 -0,65 -1,18 -1,44 -0,98 0,31 -0,06
FGV INCC-M 0,48 0,73 0,87 1,49 2,81 1,16 0,33 0,10 0,04 0,14 0,27 0,32
FGV INCC-DI 0,38 0,86 0,95 2,28 2,14 0,86 0,09 0,09 0,12 0,36 0,09 0,46
FGV INCC-10 0,61 0,34 1,17 0,74 3,29 1,26 0,74 -0,02 0,01 0,19 0,36 0,14
FGV IGP-M 1,83 1,74 1,41 0,52 0,59 0,21 -0,70 -0,95 -0,97 -0,56 0,45 0,21
FGV IGP-DI 1,50 2,37 0,41 0,69 0,62 -0,38 -0,55 -1,22 -0,62 -0,18 0,31 0,06
FGV IGP-10 1,98 1,18 2,48 0,10 0,74 0,60 -0,69 -0,90 -1,04 -0,59 0,36 0,05
FIPE IPC 0,90 1,28 1,62 0,42 0,28 0,16 0,12 0,12 0,45 0,47 0,54 0,63
IBGE IPP 0,54 3,12 2,08 1,81 1,01 1,13 -3,04 -1,89 -0,86 -0,52 -1,29
IBGE IPCA-15 0,99 0,95 1,73 0,59 0,69 0,13 -0,73 -0,37 0,16 0,53 0,52 0,55
IBGE IPCA 1,01 1,62 1,06 0,47 0,67 -0,68 -0,36 -0,29 0,59 0,41 0,62
IBGE INPC 1,00 1,71 1,04 0,45 0,62 -0,60 -0,31 -0,32 0,47 0,38 0,69
SindusCon CUB sem des/ção 0,18 0,25 0,71 4,13 2,22 0,73 -0,01 -0,06 0,04 0,15 0,17 -0,06
SindusCon CUB com des/ção 0,19 0,27 0,76 3,99 2,17 0,70 -0,02 -0,07 0,04 0,15 0,18 -0,07
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Bacen Poupança 0,5000 0,5976 0,5558 0,6671 0,6491 0,6639 0,7421 0,6814 0,6501 0,6515 0,7082 0,7091
Bacen TBF 0,7272 0,8678 0,8159 0,9776 0,9496 0,9844 1,0929 1,0020 0,9506 0,9519 1,0489 1,0398
Bacen TJLP 0,5067 0,5067 0,5683 0,5683 0,5683 0,5842 0,5842 0,5842 0,6000 0,6000 0,6000 0,6142 0,6142
Bacen TR 0,0000 0,0971 0,0555 0,1663 0,1484 0,1631 0,2409 0,1805 0,1494 0,1507 0,2072 0,2081
Cetip CDI 0,7550 0,9271 0,8343 1,0346 1,0153 1,0349 1,1694 1,0720 1,0207 1,0207 1,1233 1,1233
RFB Selic 0,76 0,93 0,83 1,03 1,02 1,03 1,17 1,07 1,02 1,02 1,12 1,12
Indicadores diversos (em Reais)
Indicadores diversos (em Reais)
Bacen UPC 23,55 23,55 23,59 23,59 23,59 23,67 23,67 23,67 23,81 23,81 23,81
Federal Mínimo 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.212,00 1.302,00 1.302,00
Federal Teto INSS 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.087,22 7.507,49 7.507,49
Sefaz/SP UFESP 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 31,97 34,26 34,26
Cotação Ptax das principais moedas (Em Reais)
Cotação Ptax das principais moedas (Em Reais)
Moeda (Ptax) Fev/22 Mar/22 Abr/22 Mai/22 Jun/22 Jul/22 Ago/22 Set/22 Out/22 Nov/22 Dez/22 Jan/23 Fev/23
Dólar dos EUA (USD) 0,00000 0,00000 0,00000 4,72830 5,23740 5,18780 5,17840 5,40600 5,25640 5,29350 5,21710 5,09870 5,16890
Dólar canadense (CAD) 0,00000 0,00000 0,00000 3,73990 4,06910 4,05200 3,95480 3,93020 3,85310 3,90430 3,85420 3,82010 3,84220
Euro (EUR) 0,00000 0,00000 0,00000 5,07300 5,48300 5,29100 5,21000 5,28870 5,19490 5,45070 5,56660 5,53670 5,52610
Iene japonês (YPY) 0,00000 0,00000 0,00000 0,03678 0,03860 0,03894 0,03733 0,03735 0,03536 0,03794 0,03957 0,03921 0,03938
Libra esterlina (GBP) 0,00000 0,00000 0,00000 5,96900 6,37080 6,31870 6,02820 6,01800 6,05220 6,30460 6,27670 6,27340 6,20680
Peso argentino (ARS) 0,00000 0,00000 0,00000 0,03935 0,04183 0,03953 0,03733 0,03670 0,03350 0,03165 0,02951 0,02728 0,02728
Ver outras moedas (...)
Ver outras moedas (...)