Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M)

Responsável: Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Índice Nacional de Custo de Construção - Mercado (INCC-M) tem por objetivo medir a variação do custo dos materiais utilizados nas construções habitacionais. É medido (ou calculado) mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma das instituições de ensino mais bem-conceituadas do país

A divulgação do Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) se dá no final de cada mês de referência. Abaixo relacionamos todas as taxas do INCC-M publicados pela FGV no período de janeiro de 1995 a abril de 2021, dividido em 3 colunas, sendo: (i) o índice válido num dado mês de referência; (ii) o acumulado em cada ano e; (iii) o acumulado nos 12 meses anteriores ao INCC-M do mês de referência. Mais uma vez a Valor Consulting trazendo material de qualidade aos leitores!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Mês/Ano Índice do mês (em %) Acumulado no ano (em %) Acumulado últimos 12 meses (em %)
Abr/2021 0,95 5,0386 12,8348
Mar/2021 2,00 4,0502 11,9741
Fev/2021 1,07 2,0100 10,1957
Jan/2021 0,93 0,9300 9,4107
Dez/2020 0,88 8,6844 8,6844
Nov/2020 1,29 7,7363 7,8871
Out/2020 1,69 6,3642 6,6729
Set/2020 1,15 4,5965 5,0260
Ago/2020 0,82 3,4074 4,4549
Jul/2020 0,84 2,5663 3,9576
Jun/2020 0,32 1,7119 4,0297
Mai/2020 0,21 1,3875 4,1542
Abr/2020 0,18 1,1750 4,0295
Mar/2020 0,38 0,9932 4,3514
Fev/2020 0,35 0,6109 4,1539
Jan/2020 0,26 0,2600 3,9878
Dez/2019 0,14 4,1330 4,1330
Nov/2019 0,15 3,9874 4,1226
Out/2019 0,12 3,8317 4,2370
Set/2019 0,60 3,7072 4,4556
Ago/2019 0,34 3,0887 4,0091
Jul/2019 0,91 2,7394 3,9677
Jun/2019 0,44 1,8129 3,7719
Mai/2019 0,09 1,3669 4,1025
Abr/2019 0,49 1,2757 4,3209
Mar/2019 0,19 0,7819 4,1029
Fev/2019 0,19 0,5908 4,1445
Jan/2019 0,40 0,4000 4,0925
Dez/2018 0,13 3,9681 3,9681
Nov/2018 0,26 3,8331 3,9785
Primeira
1
2
3
4
Última

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M):

O Índice Nacional de Custo da Construção - Mercado (INCC-M) é uma das versões do INCC. É medido (ou calculado) mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), uma das instituições de ensino mais bem-conceituadas do país. Concebido com a finalidade de aferir a evolução dos custos de construções habitacionais, configurou-se como o primeiro índice oficial de custo da construção civil no país. Foi divulgado pela primeira vez em 1950, mas sua série histórica retroage a janeiro de 1944. De início, o índice cobria apenas a cidade do Rio de Janeiro, então capital federal e sua sigla era ICC.

Nas décadas seguintes, a atividade econômica descentralizou-se e o IBRE passou a acompanhar os custos da construção em outras localidades. Além disso, em vista das inovações introduzidas nos estilos, gabaritos e técnicas de construção, o ICC teve que incorporar novos produtos e especialidades de mão-de-obra. Em 02/1985, para efeito de cálculo do IGP, o ICC deu lugar ao INCC, índice formado a partir de preços levantados em oito capitais estaduais. No processo de ampliação de cobertura, o INCC chegou a pesquisar preços em 20 capitais. Atualmente a coleta é feita em 7 capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília).

Os INCC's apresentam-se em três versões: Índice Nacional de Custo da Construção - 10 (INCC-10), Índice Nacional de Custo da Construção do Mercado (INCC-M) e Índice Nacional de Custo da Construção - Disponibilidade Interna (INCC-DI).

Registra-se que a diferença entre os INCC's está no período de coleta das informações para cálculo do índice. O INCC-10 mede a evolução dos preços no período compreendido entre os dias 11 (onze) do mês anterior e 10 (dez) do mês de referência. O INCC-M é coletado entre os dias 21 (vinte e um) do mês anterior e 20 (vinte) do mês de referência. O INCC-DI é coletado entre o primeiro e o último dia do mês de referência (mês cheio).

O quadro a seguir compara os períodos de referência de cada versão do IGP. Os preços coletados em cada período são comparados aos levantados nos 30 (trinta) dias imediatamente anteriores:

Períodos de coleta de preços do INCC

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Abr/20 Mai/20 Jun/20 Jul/20 Ago/20 Set/20 Out/20 Nov/20 Dez/20 Jan/21 Fev/21 Mar/21 Abr/21 Mai/21
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00
IPC-M FGV 0,13 -0,60 0,04 0,49 0,48 0,64 0,77 0,72 1,21 0,41 0,35 0,98 0,44
IPC-DI FGV -0,18 -0,54 0,36 0,49 0,53 0,82 0,65 0,94 1,07 0,27 0,54 1,00 0,23
IPC-10 FGV 0,33 -0,51 -0,33 0,50 0,48 0,46 0,98 0,55 1,27 0,59 0,35 0,72 0,87
IPA-M FGV 1,12 0,59 2,25 3,00 3,74 5,92 4,15 4,26 0,90 3,38 3,28 3,56 1,84
IPA-DI FGV 0,11 1,77 2,22 3,14 5,44 4,38 4,86 3,31 0,68 3,92 3,40 2,59 2,90
IPA-10 FGV 1,52 0,25 2,35 2,54 3,38 5,99 4,06 4,59 2,27 1,60 3,90 3,69 1,79
INCC-M FGV 0,18 0,21 0,32 0,84 0,82 1,15 1,69 1,29 0,88 0,93 1,07 2,00 0,95
INCC-DI FGV 0,22 0,20 0,34 1,17 0,72 1,16 1,73 1,28 0,70 0,89 1,89 1,30 0,90
INCC-10 FGV 0,29 0,19 0,21 0,62 1,01 0,80 1,51 1,51 1,12 0,76 0,98 1,96 1,24
IGP-M FGV 0,80 0,28 1,56 2,23 2,74 4,34 3,23 3,28 0,96 2,58 2,53 2,94 1,51
IGP-DI FGV 0,05 1,07 1,60 2,34 3,87 3,30 3,68 2,64 0,76 2,91 2,71 2,17 2,22
IGP-10 FGV 1,13 0,07 1,55 1,91 2,53 4,34 3,20 3,51 1,97 1,33 2,97 2,99 1,58
IPC FIPE -0,30 -0,24 0,39 0,25 0,78 1,12 1,19 1,03 0,79 0,86 0,23 0,71 0,44
IPCA IBGE -0,31 -0,38 0,26 0,36 0,24 0,64 0,86 0,89 1,35 0,25 0,86 0,93 0,31
INPC IBGE -0,23 -0,25 0,30 0,44 0,36 0,87 0,89 0,95 1,46 0,27 0,82 0,86 0,38
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Selic Bacen 0,28 0,24 0,21 0,19 0,16 0,16 0,16 0,15 0,16 0,15 0,13 0,20 0,21
TJLP Bacen 0,4117 0,4117 0,4117 0,4092 0,4092 0,4092 0,3792 0,3792 0,3792 0,3658 0,3658 0,3658 0,3842 0,3842
CDI Cetip 0,2849 0,2358 0,2123 0,1943 0,1599 0,1570 0,1570 0,1495 0,1645 0,1495 0,1345 0,2011 0,2078
Indicadores diversos (em Reais)
Minimo Federal 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.045,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00
Teto INSS Federal 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.101,06 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57
UFESP Sefaz/SP 27,61 27,61 27,61 27,61 27,61 27,61 27,61 27,61 27,61 29,09 29,09 29,09 29,09 29,09
Resumo dos indicadores econômicos e financeiros
Indicador Órgão Jan/21 Fev/21 Mar/21 Abr/21 Mai/21
Indicadores Econômicos (em porcentagem)
ICV DIEESE 0,00 0,00 0,00 0,00
IPC-M FGV 0,41 0,35 0,98 0,44
IPC-DI FGV 0,27 0,54 1,00 0,23
IPC-10 FGV 0,59 0,35 0,72 0,87
IPA-M FGV 3,38 3,28 3,56 1,84
IPA-DI FGV 3,92 3,40 2,59 2,90
IPA-10 FGV 1,60 3,90 3,69 1,79
INCC-M FGV 0,93 1,07 2,00 0,95
INCC-DI FGV 0,89 1,89 1,30 0,90
INCC-10 FGV 0,76 0,98 1,96 1,24
IGP-M FGV 2,58 2,53 2,94 1,51
IGP-DI FGV 2,91 2,71 2,17 2,22
IGP-10 FGV 1,33 2,97 2,99 1,58
IPC FIPE 0,86 0,23 0,71 0,44
IPCA IBGE 0,25 0,86 0,93 0,31
INPC IBGE 0,27 0,82 0,86 0,38
Indicadores Financeiros (em porcentagem)
Selic Bacen 0,15 0,13 0,20 0,21
TJLP Bacen 0,3658 0,3658 0,3658 0,3842 0,3842
CDI Cetip 0,1495 0,1345 0,2011 0,2078
Indicadores diversos (em Reais)
Minimo Federal 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00 1.100,00
Teto INSS Federal 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57 6.433,57
UFESP Sefaz/SP 29,09 29,09 29,09 29,09 29,09

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS

O crédito presumido (ou crédito outorgado do ICMS é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte. No presente Roteiro de Proced (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


TRT da 23ª Região (MT) decide redução de salário durante a pandemia é inválida sem acordo escrito

Empregador deverá quitar as diferenças salariais A redução de salário durante a pandemia da covid-19, prevista pela Medida Provisória 936/2020, só pode ocorrer com a concordância do empregado. Do contrário, a alteração é inválida e o empregador terá de quitar a diferença salarial. Foi o que ocorreu com o colégio CNEC de Nova Mutum, condenado a pagar a remuneração integral a uma auxiliar de serviços gerais. Depois de quase seis anos de e (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral


Tributação de software e meios de acesso

Na atual sociedade em que vivemos, a “transformação digital” é sem dúvida um dos fenômenos mais presentes, já que temos cada vez mais incorporado a tecnologia digital em nosso dia a dia. É nítido que esse processo tem sido acelerado exponencialmente pela pandemia da covid-19, na medida em que, em vista do distanciamento social, temos nos servido da tecnologia mais do que nunca, seja para fins profissionais (home office), para fins de socialização (míd (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - Geral


CFC e Sebrae oferecem capacitação gratuita para contadores

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferecem capacitação gratuita aos contadores por meio do Programa Contador Parceiro: Construindo o Sucesso. A iniciativa acontece na modalidade on-line, tem duração de 80 horas e está dividida em 13 módulos. As inscrições podem ser feitas pela página do Sebrae na internet. O objetivo da atividade é preparar os profissionais da contabilidade (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade


Criptomoedas devem ser declaradas no imposto de renda

Contador explica como esses investimentos são tributados Há alguns anos, as criptomoedas começaram a ficar mais populares. O que os contribuintes talvez não saibam é que eles são obrigados a incluir esse investimento na declaração anual do Imposto de Renda, conforme alerta o Conselho Federal de Contabilidade (CFC). “As criptomoedas não são consideradas ativos mobiliários ou moeda de curso, mas são consideradas um investimento e, portanto, de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF



Restituição do Empregador Doméstico pode ser feita pelo e-CAC

O serviço de restituição do empregador doméstico foi liberado pela Receita Federal para ser realizado pelo e-CAC a partir do mês de maio. O cidadão que deseja solicitar a restituição do empregador doméstico já pode realizar o serviço através do Portal e-CAC. O serviço está relacionado aos pagamentos efetuados por meio do Documento de Arrecadação do eSocial (DAE) que tenham sido recolhidos indevidamente ou em valor maior do que o devido. Pa (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF


Lei garante à gestante afastamento do trabalho presencial na pandemia

A Presidência da República sancionou a Lei 14.151, que garante regime de teletrabalho às trabalhadoras gestantes durante a pandemia de covid-19. A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13). O texto estabelece ainda que a substituição do trabalho presencial pelo remoto, para a trabalhadora gestante, deverá ocorrer sem redução de salário. A lei é originada do PL 3.932/2020, de autoria da deputada federal Perpétua Almeida (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


INSS retoma bloqueio de benefícios por falta de prova de vida

A rotina de bloqueio será a partir do mês de maio. OInstituto Nacional do Seguro Social (INSS) retoma a rotina de bloqueio dos créditos dos benefícios por falta de prova de vida, a partir da competência do mês de maio, para os residentes no Brasil. De acordo com a Portaria 1.299, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13), a rotina iniciará com os benefícios em que não houve a realização da comprovação de vida por nenhum c (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário


Empregador não pode invocar direito ao silêncio em relação a documentos trabalhistas, decide TRT da 12ª Região (SC)

Processo foi julgado na Seção Especializada 2. O empregador não pode deixar de apresentar à Justiça do Trabalho documentos relativos ao contrato de seus empregados sob o fundamento de não constituir prova contra si mesmo. A decisão é da Seção Especializada 2 do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), em ação de produção antecipada de provas movida por uma auxiliar de pizzaiolo contra uma empresária de Balneário Camboriú (SC). (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral