Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

IPI: Transposição de Estoque

Veremos no presente Roteiro os procedimentos que deverão ser adotados pelo contribuinte que consumir ou integrar, no Ativo Imobilizado (AI), produtos por ele produzidos ou adquiridos para industrialização. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do IPI (RIPI/2010), aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010.

Postado em: - Área: IPI.

1) Introdução:

A operação de transposição de estoque configura-se quando o contribuinte, industrial ou equiparado a industrial, embora tenha adquirido insumos (matérias-primas, produtos intermediários ou materiais de embalagem) com intuito de destiná-los a industrialização, decide utilizá-los em situações em que não haja operação subsequente ou empregá-los em objeto alheio à sua atividade. Portanto, a transposição de estoque ocorre quando o contribuinte altera a destinação dos insumos, passando-os para o seu uso e/ou consumo ou os integra no Ativo Imobilizado (AI) do estabelecimento.

Situação idêntica ocorre quando o contribuinte consome ou integra, no Ativo Imobilizado (AI), produtos (acabados ou semi-acabados) por ele mesmo fabricado ou extraído.

Como o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) é um imposto não-cumulativo, é permitido ao contribuinte se creditar do imposto pago nas aquisições de insumos utilizados na fabricação de produtos saídos do estabelecimento tributados ou, ainda, isentos, sujeitos à alíquota 0% (zero por cento) ou imunes, estes quando destinados à exportação. Por outro lado, é vedado o crédito do imposto quando das entradas de bens destinados ao Ativo Imobilizado (AI) ou de materiais destinados ao uso e/ou consumo do estabelecimento, caso estes não sejam consumidos durante o processo de industrialização.

O Regulamento do IPI (RIPI/2010), aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010, não prevê expressamente a transposição de estoque na relação de operações que constituem fato gerador do imposto, muito menos, a anulação (ou estorno) do crédito relativo às entradas de insumos ou dos produtos acabados do estabelecimento. A legislação do IPI também se silencia quanto à emissão de Nota Fiscal.

Contudo, com base no princípio da não-cumulatividade do IPI e na interpretação sistemática da legislação, no momento em que os produtos forem transferidos do estoque para o Ativo Imobilizado (AI) ou para uso e/ou consumo, o contribuinte deverá anular o crédito do imposto que houver sido lançado por ocasião da entrada dos insumos ou dos produtos acabados.

Considerando que a transposição de estoque vem gerando muitas dúvidas nas empresas que pretendem realizá-las, veremos neste Roteiro os procedimentos que deverão ser adotados pelo contribuinte que consumir ou integrar, no Ativo Imobilizado (AI), produtos por ele produzidos ou adquiridos para industrialização. Para tanto, utilizaremos como base o Regulamento do IPI (RIPI/2010).

Base Legal: RIPI/2010 (Checado pela Valor em 31/03/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceito:

2.1) Transposição de Estoque:

A operação de transposição de estoque configura-se quando o contribuinte embora tenha adquirido mercadorias com intuito de destiná-las a industrialização ou comercialização, decide utilizá-las em situações em que não haja operação subsequente ou empregá-las em objeto alheio à sua atividade. Portanto, a transposição de estoque ocorre quando o contribuinte altera a destinação das mercadorias, passando-as para o seu uso e/ou consumo ou as integra no Ativo Imobilizado (AI) do estabelecimento.

Situação idêntica ocorre quando o contribuinte consome ou integra, no Ativo Imobilizado (AI), produtos por ele mesmo produzido ou extraído.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

3) Crédito do IPI:

Conforme dissemos na introdução deste trabalho, o IPI é um imposto não-cumulativo, pois permite aos estabelecimentos industriais, ou equiparados a industriais, creditarem-se do imposto cobrado nas aquisições de matérias-primas (MP), produtos intermediários (PI) ou materiais de embalagem (ME) utilizados na fabricação de produtos saídos do estabelecimento tributados ou, ainda, isentos, sujeitos à alíquota 0% (zero por cento) ou imunes, estes quando destinados à exportação.

Lembramos que se incluem no conceito de insumo, aqueles produtos que, embora não se integrem ao novo produto, sejam consumidos no processo de fabricação, salvo se compreendidos entre os bens do Ativo Imobilizado (AI).

Nota Valor Consulting:

(1) O estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial, também poderá creditar-se do IPI lançados nas saídas de produtos do estabelecimento, quando estes forem devolvidos ou retornados.

Base Legal: Art. 153, § 3º, II da Constituição Federal/1988; Art. 11 da Lei nº 9.779/1999 e; Arts. 225 e 226 do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 31/03/21).

3.1) Vedação ao crédito do IPI:

É vedado o crédito fiscal do IPI nas entradas de bens destinados ao Ativo Imobilizado (AI) do estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial, e também de materiais destinados ao uso e/ou consumo, caso estes não sejam consumidos durante o processo de fabricação de produtos saídos do estabelecimento tributados ou, ainda, isentos, sujeitos à alíquota 0% (zero por cento) ou imunes, estes quando destinados à exportação.

Nota Valor Consulting:

(2) É garantido à manutenção do crédito do IPI incidente sobre equipamentos adquiridos para emprego na industrialização de produtos que venham a ser remetidos para a Zona Franca de Manaus (ZFM), para seu consumo interno, utilização ou industrialização na referida área.

Base Legal: Arts. 93 e 226 do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 31/03/21).

4) Tratamento fiscal na mudança de destinação:

A legislação do IPI não prevê expressamente a transposição de estoque na relação de operações que constituem fato gerador do imposto, muito menos, a anulação (ou estorno) do crédito relativo às entradas de insumos ou dos produtos acabados do estabelecimento. A legislação do IPI também se silencia quanto à emissão de Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

Contudo, com base no princípio da não-cumulatividade do IPI e na interpretação sistemática da legislação, no momento em que os produtos forem transferidos do estoque para o Ativo Imobilizado (AI) ou para uso e/ou consumo, o contribuinte deverá anular o crédito do imposto que houver sido lançado por ocasião da entrada dos insumos ou dos produtos acabados.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.

4.1) Anulação do crédito:

A anulação do crédito do IPI será efetivado no período de apuração em que ocorrer ou se verificar a transposição de estoque. Para tanto, o valor da anulação deverá ser lançado diretamente no quadro "Demonstrativo de Débitos", item 010, "Estornos de Créditos" do Livro Registro de Apuração do IPI (LRAIPI), com as indicações pertinentes ao fato.

A título de exemplo, imaginemos que a empresa Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., empresa com sede no Município de Campinas/SP, tenha, no mês de janeiro de 20X1, produzido um lote de 1.000 (um mil) monitores para computador com objetivo de vendê-los posteriormente, e que no mês de junho de 20X1 tenha retirado 10 (dez) deles do estoque para utilização em seu próprio estabelecimento.

Considerando que os insumos utilizados na fabricação de cada monitor (3) tenha gerado um crédito de IPI no montante de R$ 50,00 (cinquenta reais), teremos o seguinte cálculo do valor do imposto a ser estornado na escrita fiscal do contribuinte:

IPI unitário:R$ 50,00
Quantidade:10
IPI total (Valor a anular):R$ 500,00

O lançamento do estorno no LRAIPI deverá ser feito da seguinte forma:

Livro Registro de Apuração do IPI-Transposição de Estoque
Figura 1: Livro Registro de Apuração do IPI-Transposição de Estoque.

Nota Valor Consulting:

(3) Recomendamos a elaboração de uma relação dos insumos que servirão de base para o lançamento de anulação do crédito do IPI para eventual comprovação ao Fisco do valor anulado.

Base Legal: Art. 254, § 5º do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 31/03/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1.1) Escrituração da anulação no Sped-Fiscal:

O lançamento do estorno (anulação) do IPI também deverá ser efetuado na Escrituração Fiscal Digital (EFD), popularmente chamada de Sped-Fiscal, do estabelecimento. O lançamento deverá ser feito mediante o preenchimento, entre outros, do campo 05 (VL_OD_IPI) do Registro E520 da EFD-ICMS/IPI, que tem por objetivo informar o valor de "Outros débitos" do IPI (inclusive estornos de crédito).

Considerando o exemplo visto no subcapítulo 4.1 acima, temos que a Vivax deverá lançar o estorno no Registro E520 da EFD-ICMS/IPI da seguinte forma:

Registro E520
CampoValor
(...)(...)(...)
05VL_OD_IPI500,00
(...)(...)(...)

Além desse Registro, a Vivax também deverá preencher o Registro E530 da EFD-ICMS/IPI, a fim de discriminar os valor lançado a título de estorno. Assim, considerando o estorno de R$ 500,00 (quinhentos reais), teremos a seguinte escritutação:

Registro E530
CampoValor
01REGE530
02IND_AJ0
03VL_AJ500,00
04COD_AJ101
05IND_DOC9
06NUM_DOC
07DESCR_AJAnulação de crédito relativo à 10 monitores de computador, objeto de transposição do estoque para o Ativo Imobilizado em 10/06/20X1 - Conforme relação de Notas Fiscais de aquisição de insumos levantadas.
Base Legal: Registro E520 da EFD-ICMS/IPI e; Registro E530 do Sped-Fiscal da EFD-ICMS/IPI.

4.2) Impossibilidade de identificação do insumo ou produto:

Havendo mais de uma aquisição de insumos ou produtos acabados e sendo impossível determinar a qual deles corresponde à entrada que deverá ser objeto de anulação de crédito do IPI, este será calculado com base no preço médio das aquisições.

Base Legal: Art. 254, § 1º do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 31/03/21).

4.3) Material consumido no processo industrial:

A legislação do IPI prevê a manutenção de crédito nas entradas de bens que, embora não se integrando ao novo produto, sejam consumidos no processo de industrialização, salvo se compreendidos entre os bens classificáveis no Ativo Imobilizado (AI) do estabelecimento.

Dessa forma, caso o material de uso e/ou consumo objeto da transposição de estoque seja efetivamente consumido durante o processo de fabricação e sofra, em virtude de ação exercida diretamente sobre o produto em fabricação ou de ação por ele diretamente sofrida, alterações como desgaste, dano ou perda das propriedades físicas ou químicas, o crédito do IPI a ele relativo não deverá ser anulado, podendo ser mantido na escrita fiscal do contribuinte.

Nesse sentido, transcrevemos a Solução de Consulta nº 162/2007 da Secretaria da Receita Federal (Disit 10) que corrobora esse entendimento:

MINISTÉRIO DA FAZENDA
SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL
SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 162 de 10 de Setembro de 2007

ASSUNTO: Imposto sobre Produtos Industrializados - IPI

EMENTA: CRÉDITO DO IPI. MATERIAIS EMPREGADOS NO PROCESSO INDUSTRIAL QUE NÃO SE AGREGAM AO PRODUTO FINAL FABRICADO. Geram direito ao crédito de que trata o art. 164, inciso I, do Decreto nº 4.544, de 2002 - RIPI/2002, além das matérias-primas e produtos intermediários que se integrem ao produto final, também aqueles que, embora não se integrando a tal produto, sejam consumidos no processo de industrialização, salvo se compreendidos entre os bens do ativo permanente. Considera-se "consumo" o desgaste, o dano ou a perda de propriedades físicas ou químicas, em função de uma ação diretamente exercida pelo insumo sobre o produto em fabricação ou deste sobre aquele.

Base Legal: Art. 226, caput, I do RIPI/2010; Parecer Normativo CST nº 65/1979 e; Solução de Consulta nº 162/2007 (Checado pela Valor em 31/03/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. IPI: Transposição de Estoque (Área: IPI). Disponível em: https://www.valor.srv.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=108. Acesso em: 21/04/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Assinaturas e anuidades a apropriar

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o tratamento contábil a ser observado quando do registro da mais comum hipótese de despesa paga antecipadamente, qual seja, as assinaturas de periódicos e anuidades. Para tanto, utilizaremos como base a Lei nº 6.404/1976 (Lei das S/As), bem como, outras normas emanadas pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). (Continua ...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Conselho Federal de Contabilidade aprova norma destinada a entidades em liquidação

O Plenário do Conselho Federal de Contabilidade aprovou a Norma Brasileira de Contabilidade para Entidades em Liquidação, a NBC TG 900. A norma deverá ser adotada por toda entidade em liquidação, seja liquidação voluntária, liquidação por entidade reguladora, liquidação extrajudicial, liquidação judicial, autofalência, falência, insolvência civil e qualquer outra forma de liquidação que le (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade


Fazenda inicia fase de monitoramento fiscal de contribuintes do Simples Nacional

A Secretaria da Fazenda e Planejamento do Estado de São Paulo, a partir de hoje (19), estende aos contribuintes optantes do Simples Nacional o monitoramento e a análise dos documentos fiscais que já vinham sendo realizados para os contribuintes do regime normal de apuração. A ação, que tem por objetivo identificar indícios de comportamento irregular em empresas enquadradas no Simples Nacional, ocorre após a (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário - Estadual (São Paulo)


Novo sistema para regularização de obras

Serviço Eletrônico para Aferição de Obras (Sero) trará mudanças na forma de regularizar as contribuições sociais relativas à construção civil e de obter a CND de obra. O novo sistema entrará em vigor no dia 1º de junho deste ano. A Instrução normativa n° 2.021 de 2021, publicada pela Receita Federal, regulamenta as contribuições sociais incidentes sobre o valor da remuneração da mão de ob (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário - Federal


Pernoite em caminhão não dá direito a indenização por dano moral a motorista

Conforme a jurisprudência do TST, a reparação só é devida se for efetivamente comprovado dano à personalidade. A Quarta Turma do Tribunal Superior do Trabalho, por unanimidade, excluiu da condenação imposta à Trans Accurcio Ltda., de Palmas (TO), o pagamento de indenização por dano moral a um motorista que tinha de pernoitar no caminhão durante as viagens de trabalho. O colegiado seguiu a jurispru (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Jurídico



Autofalência

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos o requerimento de falência pelo próprio devedor, ou seja, a autofalência. Para tanto, utilizaremos como fonte de estudo os artigo 105 a 107 da Lei nº 11.101/2005, bem como, outras fontes que se fizerem necessários ao entendimento da matéria ora estudada. (Continua ...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Legislação Falimentar


Opção do empregado por aposentadoria especial implica pedido de demissão

A 2ª Turma do TRT da 2ª Região manteve decisão de 1º grau que negou a um trabalhador o direito a verbas rescisórias relativas a uma dispensa imotivada após o encerramento de seu contrato de trabalho. O motivo foi a obtenção de aposentadoria especial pelo empregado, que é concedida quando o profissional exerceu atividade prejudicial à sua saúde ou à sua integridade física, em razão da exposição a agen (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Jurídico


Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT) deverá ser feito pela internet

Portaria SEPRT/ME nº 4.334 estabelece procedimentos e informações para a Comunicação de Acidente de Trabalho A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia (SEPRT/ME) modernizou a forma de comunicar os acidentes de trabalho. Com a publicação da Portaria SEPRT/ME nº 4.334, a partir do dia 8 de junho deste ano, a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) deverá ser feita (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


Governo sinaliza novos ajustes no eSocial

O objetivo é aumentar a eficiência do sistema e proporcionar economia de recursos e de tempo para desenvolvedores e usuários. Convergência Digital A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia firmou uma parceria com o Conselho Federal de Contabilidade para análises e implementações de ajustes no eSocial, sistema que já reúne 6 milhões de empresas e 40 milhõe (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


Procuradoria Geral do Estado de São Paulo abrirá credenciamento para contadores e bacharéis em Ciências Contábeis

A Procuradoria Geral do Estado de São Paulo (PGE/SP) abrirá em 19 de abril de 2021 o credenciamento de contadores e assistentes técnicos para atuação em perícias judiciais e elaboração e conferência de cálculos em ações judiciais de interesse da Fazenda do Estado de São Paulo. As inscrições deverão ser realizadas de 19 de abril a 10 de maio de 2021, conforme edital publicado no Diário Oficial do Esta (Continua ...)

Notícia postada em: .

Área: Jurídico - Geral