Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Contadores: Registro Profissional

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos a Resolução CFC nº 1.554/2018, que atualmente versa sobre o registro profissional dos contadores e técnicos em contabilidade em nível nacional. Referida norma dispõe, entre outros pontos não menos importantes, sobre a concessão, alteração de categoria, transferência e cancelamento do registro profissional, documento que permite o exercício da atividade contábil no País.

Nunca é demais lembrar que somente poderá exercer a profissão contábil, em qualquer modalidade de serviço ou atividade, segundo normas vigentes, o contador ou o técnico em contabilidade registrado em Conselho Regional de Contabilidade (CRC).

Postado em: - Área: Profissões regulamentadas.

1) Introdução:

É a Resolução CFC nº 1.554/2018 (D.O.U de 20/12/2018) que atualmente traz o disciplinamento sobre o registro profissional dos contadores e técnicos em contabilidade em nível nacional, ou seja, é a citada norma que dispõe, entre outros, sobre a concessão, alteração de categoria, transferência e cancelamento do registro profissional, documento que permite o exercício da atividade contábil no País.

A citada Resolução estabelece 2 (dois) tipos de registro profissional: i) o Registro Profissional Originário, quando concedido pelo Conselho Regional de Contabilidade (CRC) da jurisdição do domicílio profissional e; ii) o Registro Profissional Transferido, concedido pelo CRC da jurisdição de novo domicílio profissional ao portador de registro originário.

O Registro Originário habilita o profissional ao exercício da atividade contábil na jurisdição de seu CRC e o exercício eventual ou temporário, que não implique alteração do domicílio profissional, em qualquer parte do território nacional. Para exercer a Contabilidade em outro Estado, o profissional deve comunicar previamente o CRC da jurisdição de destino, por meio do site do CRC de origem. Nos demais casos será necessário solicitar o Registro Transferido, que terá acrescida a letra "T" ao número do Registro Original e a sigla da nova jurisdição.

Registra-se, ainda, que a Resolução CFC nº 1.554/2018 revogou todas as disposições existentes em contrário, especialmente a Resolução CFC nº 1.494/2015, publicada no D.O.U 1 de 27/11/2015, que anteriormente dispunha sobre o assunto.

Feitos esses brevíssimos comentários, passaremos a analisar mais detidamente nos próximos capítulos a citada Resolução CFC nº 1.554/2018. Esperamos que tenha uma ótima leitura e, nunca é demais lembrar que todos as bases legais estão citadas no final de cada capítulo. É a Valor Consulting trazendo o que a de melhor na prática contábil!!!

Base Legal: Arts. 3º, 4º, 5º, § único, 12, caput e 36 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Profissão contábil, atividade privativa:

Somente poderá exercer a profissão contábil, em qualquer modalidade de serviço ou atividade, segundo normas vigentes, o contador ou o técnico em contabilidade registrado em CRC.

Os serviços contábeis dos órgãos e entidades públicas, das entidades sem fins lucrativos, das empresas e das sociedades em geral somente poderão ser executados por meio de profissionais habilitados, terceirizados ou não, independentemente do grau de responsabilidade técnica assumido, cabendo a essas entidades a comprovação dessa habilitação.

Base Legal: Art. 1º da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

3) Obtenção do registro profissional:

O registro profissional deverá ser obtido no CRC com jurisdição no local onde o contador tenha seu domicílio profissional, assim considerado o local onde o contador ou o técnico em contabilidade exerce ou dirige a totalidade ou a parte principal das suas atividades profissionais, seja como autônomo, empregado, sócio de organização contábil ou servidor público.

O Registro Profissional compreende:

  1. Registro Originário: é àquele concedido pelo CRC da jurisdição do domicílio profissional aos bacharéis em Ciências Contábeis, obedecendo-se aos requisitos deste Roteiro de Procedimentos; e
  2. Registro Transferido: é àquele concedido pelo CRC da jurisdição do novo domicílio profissional ao portador de Registro Originário.
Base Legal: Arts. 2º e 3º da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

3.1) Numeração dos registros:

A numeração do Registro Originário será única e sequencial em cada CRC. No caso de Registro Transferido, ao número do Registro Originário será acrescentada a letra "T", acompanhada da sigla designativa da jurisdição do CRC de destino.

Base Legal: Art. 5º da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

4) Registro Originário:

O Registro Originário habilita ao exercício da atividade profissional na jurisdição do CRC respectivo e ao exercício eventual ou temporário em qualquer parte do território nacional (1).

O pedido de Registro Originário será dirigido ao CRC com jurisdição sobre o domicílio do bacharel em Ciências Contábeis, aprovado em Exame de Suficiência, por meio de requerimento, instruído com:

  1. comprovante de recolhimentos das taxas de registro, Carteira de Identidade Profissional e anuidade;
  2. 2 (duas) fotos 3x4 iguais, recentes, de frente, coloridas e com fundo branco; e
  3. original e cópia dos seguintes documentos:
    1. diploma de conclusão do curso de Bacharelado em Ciências Contábeis devidamente registrado por órgão competente;
    2. documento de identidade;
    3. comprovante de regularidade com o serviço militar obrigatório para aqueles do sexo masculino e com idade inferior a 46 anos;
    4. Cadastro de Pessoa Física (CPF); e
    5. comprovante de endereço residencial recente.

O profissional que requerer o Registro Originário, sem a posse do diploma, deverá apresentar os originais do histórico escolar e da certidão/declaração do estabelecimento de ensino.

A certidão/declaração do estabelecimento de ensino deverá conter a indicação do ato normativo do órgão competente que reconheceu o curso, informando que o requerente concluiu o curso, com aprovação. A certidão/declaração deverá apresentar: nome do requerente, data de nascimento, filiação, nome do curso concluído e colação de grau. Caso a certidão não contemple todos os requisitos mencionados, se contidos no histórico escolar, poderá ser considerada para fins de atendimento deste item.

A inclusão do nome social obedecerá às exigências previstas em legislação federal.

Por fim, temos que ao contador registrado será expedida a Carteira de Identidade Profissional.

Nota Valor Consulting:

(1) Considera-se exercício eventual ou temporário da profissão aquele realizado fora da jurisdição do CRC de origem do contador ou técnico em contabilidade e que não implique alteração do domicílio profissional.

Base Legal: Arts. 4º, 6º a 8º da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5) Alteração de categoria:

Para a obtenção do Registro Originário, decorrente de mudança de categoria, o profissional deverá encaminhar ao CRC requerimento, após a comprovação de recolhimentos das taxas de registro profissional e da Carteira de Identidade Profissional, instruído com:

  1. original e cópia, que será autenticada pelo CRC, do diploma devidamente registrado, por órgão competente, ou a certidão/declaração acompanhada do histórico escolar fornecidos pelo estabelecimento de ensino;
  2. 2 (duas) fotos 3x4 iguais, recentes, de frente, coloridas e com fundo branco;
  3. comprovante de endereço residencial recente.

Para alteração de categoria:

  1. faz-se necessária a aprovação no Exame de Suficiência, quando a alteração for de técnico em contabilidade para contador, dos bacharéis que concluíram o curso após 14/06/2010;
  2. o profissional contador ou técnico em contabilidade deverá estar regular no CRC.
Base Legal: Art. 9º da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

6) Alteração de nome ou nacionalidade:

Para proceder à alteração de nome ou nacionalidade, o profissional deverá encaminhar requerimento ao CRC, após a comprovação de recolhimentos das taxas de registro profissional e da Carteira de Identidade Profissional, instruído com:

  1. original da certidão de casamento ou de separação judicial ou de divórcio, acompanhada de cópia, que será autenticada pelo CRC, ou certificado de nacionalidade ou certidão de nascimento averbada, conforme a situação;
  2. 2 (duas) fotos 3x4 iguais, recentes, de frente, coloridas e com fundo branco; e
  3. comprovante de endereço residencial recente.

Para a alteração de nome ou nacionalidade, o contador ou técnico em contabilidade deverá estar regular no CRC.

Base Legal: Art. 10 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

7) Comunicação do execício profissional em outra jurisdição:

Para a execução de serviços em jurisdição diversa daquela onde o contador ou técnico em contabilidade possui seu registro profissional, é obrigatória a comunicação prévia ao CRC de destino, de forma eletrônica, por intermédio do site do CRC de origem.

A comunicação terá validade condicionada à manutenção do registro profissional, ativo e regular, no CRC de origem.

Base Legal: Art. 11 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

8) Registro transferido:

O pedido de Registro Transferido será protocolado no CRC do novo domicílio profissional do contador ou do técnico em contabilidade, mediante requerimento, instruído com:

  1. comprovante de recolhimentos das taxas de registro, Carteira de Identidade Profissional e anuidade;
  2. Carteira de Identidade Profissional;
  3. 2 (duas) fotos 3x4 iguais, recentes, de frente, coloridas e com fundo branco; e
  4. comprovante de endereço residencial recente.

O CRC da nova jurisdição verificará as informações cadastrais do contador ou do técnico em contabilidade no CRC de origem.

A transferência será concedida ao contador ou ao técnico em contabilidade que estiver regular no CRC de origem.

Registra-se que no caso de transferência de registro profissional baixado, a anuidade proporcional, se houver, será devida ao CRC do novo domicílio profissional. Uma vez concedida a transferência de Registro Profissional baixado, este passará à condição de "ativo" no CRC de destino e de "baixado por transferência" no CRC de origem.

Já no caso de transferência de registro profissional ativo, a anuidade do exercício será devida ao CRC de origem, independente da data de transferência do registro.

De qualquer forma, concedida a transferência, o CRC de destino comunicará à jurisdição anterior.

Base Legal: Arts. 12 a 15 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

9) Cancelamento do registro profissional:

O cancelamento do Registro Profissional dar-se-á pelo falecimento ou por cassação do exercício profissional do contador ou do técnico em contabilidade, decorrente da aplicação de penalidade transitada em julgado ou por decisão judicial, cuja contagem de prazo dar-se-á nos termos da normatização vigente.

A comprovação do falecimento do profissional será feita pela apresentação de certidão de óbito ou por outro meio que constitua a prova do fato jurídico, a critério do CRC.

O cancelamento do registro profissional de titular de organização contábil de responsabilidade individual acarreta o mesmo efeito ao seu registro cadastral, bem como a baixa da organização contábil de responsabilidade coletiva, cujos sócios remanescentes ou sucessores não sejam contadores ou técnicos em contabilidade.

A baixa de Registro Cadastral de organização contábil de responsabilidade coletiva, prevista no caput deste artigo, poderá ocorrer se não for realizada a devida alteração contratual pelo(s) sócio(s) remanescente(s).

Base Legal: Arts. 16 a 18 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

10) Baixa do registro profissional:

A baixa do Registro Profissional poderá ser solicitada pelo contador ou pelo técnico em contabilidade, em face da interrupção ou da cessação das suas atividades na área contábil, e deverão ser encaminhadas para o Setor de Fiscalização do CRC, para as providências cabíveis.

O pedido de baixa de Registro Profissional deverá ser instruído com requerimento dirigido ao CRC, contendo o motivo que originou a solicitação.

Solicitada a baixa até 31 de março, será devida a anuidade proporcional ao número de meses decorridos. Após essa datac é devida a anuidade integral.

O profissional suspenso terá, durante o período de suspensão, seu registro profissional considerado baixado.

O contador ou técnico em contabilidade com Registro Profissional baixado não poderá figurar como sócio, titular ou responsável técnico de organização contábil ativa.

A baixa do Registro Profissional de titular ou sócio de organização contábil acarreta o mesmo efeito ao registro cadastral da organização, quando todos os sócios contadores ou técnicos em contabilidade tiverem seus registros profissionais baixados. A baixa de Registro Cadastral de organização contábil de responsabilidade coletiva, prevista no caput deste artigo, poderá ocorrer se não for realizada a devida alteração contratual pelo(s) sócio(s) remanescente(s).

Base Legal: Arts. 19 a 23 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

11) Suspensão e cassação:

11.1) Suspensão:

Suspensão é a cessação temporária da habilitação para o exercício da atividade profissional, decorrente da aplicação de penalidade transitada em julgado ou por decisão judicial, cuja contagem de prazo dar-se-á nos termos da normatização vigente.

Decorrido o prazo da penalidade de suspensão, o Registro Profissional será restabelecido automaticamente, independente de solicitação.

Base Legal: Arts. 24 e 25 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

11.2) Cassação:

Cassação é a perda da habilitação para o exercício da atividade profissional, decorrente de decisão transitada em julgado, por infração prevista no artigo 27, "f" do Decreto-Lei nº 9.295/1946:

Art. 27. As penalidades ético-disciplinares aplicáveis por infração ao exercício legal da profissão são as seguintes:

(...)

f) cassação do exercício profissional quando comprovada incapacidade técnica de natureza grave, crime contra a ordem econômica e tributária, produção de falsa prova de qualquer dos requisitos para registro profissional e apropriação indevida de valores de clientes confiados a sua guarda, desde que homologada por 2/3 (dois terços) do Plenário do Tribunal Superior de Ética e Disciplina;

(...)

A cassação do exercício profissional de contador ou de técnico em contabilidade, desde que homologada por 2/3 (dois terços) do Plenário do Tribunal Regional de Ética e Disciplina, bem como por 2/3 (dois terços) do Plenário do Tribunal Superior de Ética e Disciplina, acarretará o cancelamento do Registro Profissional.

Decorridos 5 (cinco) anos da devida cientificação da decisão de cassação do exercício profissional, após o trânsito em julgado, poderá o bacharel em Ciências Contábeis requerer novo registro, nos termos da Lei nº 12.249/2010, desde que cumpridos os requisitos previstos no capítulo 4 deste Roteiro de Procedimentos.

Além disso, na hipótese da cassação do exercício profissional resultar da prática de:

  1. de crime contra a ordem econômica e tributária, o pedido de novo registro dependerá da correspondente reabilitação criminal, comprovada mediante Certidão Negativa, sem prejuízo do disposto no capítulo 4 deste Roteiro de Procedimentos;
  2. apropriação indébita de valores, o pedido de novo registro dependerá da correspondente comprovação do ressarcimento do valor apropriado, sem prejuízo do disposto no capítulo 4 deste Roteiro de Procedimentos.

A cassação do Registro Profissional de titular de organização contábil de responsabilidade individual acarreta o cancelamento do Registro Cadastral da organização contábil.

A cassação de sócio de organização contábil de responsabilidade coletiva pode acarretar a baixa de Registro Cadastral de organização contábil, se não for realizada a devida alteração contratual pelo(s) sócio(s) remanescente(s), obrigatoriamente, no prazo de até 30 (trinta) dias.

Base Legal: Art. 27, caput, "f" do Decreto-Lei nº 9.295/1946 e; Arts. 26 a 29 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

12) Restabelecimento do registro profissional:

O Registro Profissional baixado poderá ser restabelecido mediante requerimento, após a comprovação dos recolhimentos da taxa de Registro Profissional, da anuidade e da taxa da Carteira de Identidade Profissional, para aquele que não a possui, instruído com:

  1. 2 (duas) fotos 3x4 iguais, recentes, de frente, coloridas e com fundo branco.

Caso o Registro Profissional baixado possua débitos de anuidades ou multa, será necessária a respectiva regularização para o restabelecimento.

Base Legal: Arts. 30 e 31 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

13) Contador com formação no exterior:

A concessão de Registro Profissional a contador com formação escolar no exterior ficará condicionada à apresentação de diploma revalidado pelo órgão competente no Brasil e à aprovação em Exame de Suficiência. Já no caso de contador de outra nacionalidade portador de visto temporário, o Registro Profissional terá validade condicionada àquela do visto de permanência.

Base Legal: Art. 32 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

14) Certidão de inteiro teor:

O CRC poderá fornecer ao contador ou ao técnico em contabilidade certidão de inteiro teor dos assentamentos cadastrais, mediante requerimento, contendo a finalidade do pedido e instruído com o comprovante de pagamento da taxa estabelecida.

Base Legal: Art. 33 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

15) Diplomação em outra jurisdição:

Nos casos em que o diploma ou a certidão/declaração apresentados pelo bacharel em Ciências Contábeis tenham sido emitidos por estabelecimento de ensino ou órgão de outra jurisdição, deverá ser feita consulta ao respectivo CRC para apurar se o titular é possuidor de Registro Profissional naquela jurisdição e se a instituição de ensino está credenciada a ministrar curso na área contábil.

Base Legal: Art. 34 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).

16) Cursos de gestão:

É vedada a concessão de Registro Profissional aos portadores de diplomas/certidões de cursos de Gestão com especialização/habilitação em Contabilidade e de cursos de Tecnólogo em Contabilidade.

Base Legal: Art. 35 da Resolução CFC nº 1.554/2018 (Checado pela Valor em 03/05/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Contadores: Registro Profissional (Área: Profissões regulamentadas). Disponível em: https://www.valor.srv.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=408. Acesso em: 16/05/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS

O crédito presumido (ou crédito outorgado do ICMS é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte. No presente Roteiro de Proced (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


TRT da 23ª Região (MT) decide redução de salário durante a pandemia é inválida sem acordo escrito

Empregador deverá quitar as diferenças salariais A redução de salário durante a pandemia da covid-19, prevista pela Medida Provisória 936/2020, só pode ocorrer com a concordância do empregado. Do contrário, a alteração é inválida e o empregador terá de quitar a diferença salarial. Foi o que ocorreu com o colégio CNEC de Nova Mutum, condenado a pagar a remuneração integral a uma auxiliar de serviços gerais. Depois de quase seis anos de e (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral


Tributação de software e meios de acesso

Na atual sociedade em que vivemos, a “transformação digital” é sem dúvida um dos fenômenos mais presentes, já que temos cada vez mais incorporado a tecnologia digital em nosso dia a dia. É nítido que esse processo tem sido acelerado exponencialmente pela pandemia da covid-19, na medida em que, em vista do distanciamento social, temos nos servido da tecnologia mais do que nunca, seja para fins profissionais (home office), para fins de socialização (míd (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - Geral


CFC e Sebrae oferecem capacitação gratuita para contadores

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferecem capacitação gratuita aos contadores por meio do Programa Contador Parceiro: Construindo o Sucesso. A iniciativa acontece na modalidade on-line, tem duração de 80 horas e está dividida em 13 módulos. As inscrições podem ser feitas pela página do Sebrae na internet. O objetivo da atividade é preparar os profissionais da contabilidade (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade


Criptomoedas devem ser declaradas no imposto de renda

Contador explica como esses investimentos são tributados Há alguns anos, as criptomoedas começaram a ficar mais populares. O que os contribuintes talvez não saibam é que eles são obrigados a incluir esse investimento na declaração anual do Imposto de Renda, conforme alerta o Conselho Federal de Contabilidade (CFC). “As criptomoedas não são consideradas ativos mobiliários ou moeda de curso, mas são consideradas um investimento e, portanto, de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF



Restituição do Empregador Doméstico pode ser feita pelo e-CAC

O serviço de restituição do empregador doméstico foi liberado pela Receita Federal para ser realizado pelo e-CAC a partir do mês de maio. O cidadão que deseja solicitar a restituição do empregador doméstico já pode realizar o serviço através do Portal e-CAC. O serviço está relacionado aos pagamentos efetuados por meio do Documento de Arrecadação do eSocial (DAE) que tenham sido recolhidos indevidamente ou em valor maior do que o devido. Pa (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF


Lei garante à gestante afastamento do trabalho presencial na pandemia

A Presidência da República sancionou a Lei 14.151, que garante regime de teletrabalho às trabalhadoras gestantes durante a pandemia de covid-19. A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13). O texto estabelece ainda que a substituição do trabalho presencial pelo remoto, para a trabalhadora gestante, deverá ocorrer sem redução de salário. A lei é originada do PL 3.932/2020, de autoria da deputada federal Perpétua Almeida (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


INSS retoma bloqueio de benefícios por falta de prova de vida

A rotina de bloqueio será a partir do mês de maio. OInstituto Nacional do Seguro Social (INSS) retoma a rotina de bloqueio dos créditos dos benefícios por falta de prova de vida, a partir da competência do mês de maio, para os residentes no Brasil. De acordo com a Portaria 1.299, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13), a rotina iniciará com os benefícios em que não houve a realização da comprovação de vida por nenhum c (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário


Empregador não pode invocar direito ao silêncio em relação a documentos trabalhistas, decide TRT da 12ª Região (SC)

Processo foi julgado na Seção Especializada 2. O empregador não pode deixar de apresentar à Justiça do Trabalho documentos relativos ao contrato de seus empregados sob o fundamento de não constituir prova contra si mesmo. A decisão é da Seção Especializada 2 do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), em ação de produção antecipada de provas movida por uma auxiliar de pizzaiolo contra uma empresária de Balneário Camboriú (SC). (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral