Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Venda fora do estabelecimento por intermédio de ambulante

Resumo:

Analisaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras previstas na legislação do ICMS do Estado de São Paulo para emissão e escrituração das Notas Fiscais que envolvem a operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento, tanto para mercadorias sujeitas ao regime normal de tributação como para as sujeitas ao ICMS-ST. Para tanto, utilizaremos como base de estudo os artigos 284 a 286 e 434 do RICMS/2000-SP, bem como a Portaria CAT nº 127/2015 que veio disciplinar nesse Estado as operações realizadas fora do estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes.

Postado em: - Área: Manual de emissão de Notas Fiscais.

1) Introdução:

Regra geral, as mercadorias são comercializadas dentro do próprio estabelecimento do contribuinte, porém, por questões estritamente comerciais, pode o contribuinte querer comercializar suas mercadorias fora do seu estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou até mesmo em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. Estamos falando da operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento.

Nessa operação, o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias sem destinatário certo, utilizando-se de veículo ou qualquer outro meio de transporte, para a realização de vendas fora de seu estabelecimento físico a clientes localizados no próprio Estado de São Paulo ou em outro Estado. Nessa empreitada os vendedores ofertam suas mercadorias para potenciais compradores, que poderão ou não comprá-las, desta forma, o efetivo adquirente será conhecido apenas no momento da efetivação da venda.

O mesmo ocorre quando o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias para venda em eventos, feiras, exposições ou outros locais semelhantes. Nesse caso, a realização de venda também ocorre fora do estabelecimento físico do contribuinte, porém, ao invés de se utilizar um meio de transporte qualquer a comercialização corre no ambiente do evento, da feira, da exposição ou qualquer outro local semelhante.

Até 28/02/2015, as regras paulistas para operacionalização da venda fora do estabelecimento estavam todas previstas nos artigos 433, 434 e 434-A do RICMS/2000-SP. Porém, tendo em vista a alteração do artigo 434 do RICMS/2000-SP e a revogação do artigo 434-A do RICMS/2000-SP pelo Decreto 61.084/2015, todas essas regras restaram alteradas.

Assim, a partir de 01/03/2015, o contribuinte deve observar a nova redação do artigo 434 do RICMS/2000-SP, bem como a Portaria CAT nº 127/2015, com alterações posteriores, que veio disciplinar no Estado de São Paulo as operações realizadas fora do estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes.

Feitas essas brevíssimas considerações, passaremos a analisar nos próximos capítulos as regras previstas na legislação do ICMS do Estado de São Paulo para emissão e escrituração das Notas Fiscais que envolvem essa operação fiscal, tanto para mercadorias sujeitas ao regime normal de tributação como para as sujeitas ao ICMS-ST, estas regulamentadas pelos artigos 284 a 286 do RICMS/2000-SP.

Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP e; Preâmbulo da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceitos:

2.1) Venda fora do estabelecimento:

Regra geral, as mercadorias são comercializadas dentro do próprio estabelecimento do contribuinte, porém, por questões estritamente comerciais, pode o contribuinte querer comercializar suas mercadorias fora do seu estabelecimento, por qualquer meio de transporte, ou até mesmo em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes. Estamos falando da operação fiscal denominada venda fora do estabelecimento.

Nessa operação, o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias sem destinatário certo, utilizando-se de veículo ou qualquer outro meio de transporte, para a realização de vendas fora de seu estabelecimento físico a clientes localizados no próprio Estado de São Paulo ou em outro Estado. Nessa empreitada os vendedores ofertam suas mercadorias para potenciais compradores, que poderão ou não comprá-las, desta forma, o efetivo adquirente será conhecido apenas no momento da efetivação da venda.

O mesmo ocorre quando o contribuinte promove a saída (remessa) de diversas mercadorias para venda em eventos, feiras, exposições ou outros locais semelhantes. Nesse caso, a realização de venda também ocorre fora do estabelecimento físico do contribuinte, porém, ao invés de se utilizar um meio de transporte qualquer a comercialização corre no ambiente do evento, da feira, da exposição ou qualquer outro local semelhante.

Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP e; Preâmbulo da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

2.2) Estabelecimento:

Estabelecimento é o local, público ou privado, construído ou não, mesmo que pertencente à terceiro, onde o contribuinte exerça toda ou parte de sua atividade, em caráter permanente ou temporário, ainda que se destine a simples depósito ou armazenagem de mercadorias ou bens relacionados com o exercício dessa atividade.

Notas Valor Consulting:

(1) Considera-se extensão do estabelecimento o escritório onde o contribuinte exerce atividades de gestão empresarial ou de processamento eletrônico de suas operações ou prestações.

(2) Na impossibilidade de determinação do estabelecimento nos termos deste subcapítulo, considera-se como tal o local em que tiver sido efetuada a operação ou a prestação, encontrada a mercadoria ou constatada a prestação.

Base Legal: Art. 14 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

2.3) Estabelecimento autônomo:

O RICMS/2000-SP trás o conceito de estabelecimento autônomo, para efeitos de cumprimento da obrigação tributária, entendendo como autônomo cada estabelecimento do mesmo titular, ainda que simples depósito. Na mesma linha, também será considerado, estabelecimento autônomo:

  1. o veículo utilizado na venda de mercadoria sem destinatário certo, em território paulista, por contribuinte de outro Estado;
  2. o veículo utilizado na captura de pescado;
  3. a área onde se realize a atividade de revenda de combustíveis e de outros derivados de petróleo, conforme definida em legislação federal, quando se tratar de atividade secundária;
  4. o site ou a plataforma eletrônica que realize a venda ou a disponibilização, ainda que por intermédio de pagamento periódico, de bens e mercadorias digitais mediante transferência eletrônica de dados
Base Legal: Arts. 15 e 16 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

2.4) Comerciante autônomo/ambulante:

Para efeitos tributários, são considerados comerciante autônomo, ambulante ou não, a pessoa física (atualmente, pessoa natural), ainda que como empresário individual, que pratique habitualmente atos de comércio, com o fim de lucro, em seu próprio nome, na revenda direta a consumidor, mediante oferta domiciliar, dos produtos que conduzir ou oferecer por meio de mostruário ou catálogo.

Assim, para efeito do assunto tratado neste Roteiro de Procedimentos, consideraremos o comerciante autônomo como ambulante.

Base Legal: Art. 613 do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3) Operações com mercadorias sujeitas ao regime comum de tributação:

As operações realizadas fora do estabelecimento, por contribuinte do Estado de São Paulo, por qualquer meio de transporte, ou ocorridas em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, deverão ser efetuadas conforme disciplina estabelecida pela Portaria CAT nº 127/2015, que também será aplicada, no que couber, às operações internas realizadas por contribuintes optantes pelo Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Simples Nacional).

Registra-se que contribuinte somente não observará a disciplina estabelecida pela Portaria CAT nº 127/2015 se:

  1. o objeto das operações for mercadoria arrolada no regime da substituição tributária, caso em que deverão ser observados os procedimentos descritos no capítulo 4 abaixo;
  2. a operação ocorrer em evento, feira, exposição ou locais semelhantes:
    1. em outro Estado;
    2. no Estado de São Paulo, mas com prazo de permanência superior a 60 (sessenta) dias, caso em que o contribuinte deverá efetuar a inscrição no Cadastro de Contribuintes de São Paulo (Cadesp), relativamente ao local em que pretende se instalar, e cumprir todas as obrigações previstas na legislação tributária do ICMS, inclusive as decorrentes da referida inscrição.

Tratando-se de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, em que o período de permanência das mercadorias fora do estabelecimento não ultrapasse 60 (sessenta) dias, o respectivo local, durante o referido período, fica abrangido pela Inscrição Estadual (IE) do estabelecimento correspondente.

Nota Valor Consulting:

(3) O contribuinte que efetuar vendas fora do estabelecimento por meio de preposto, fornecerá a este o documento comprobatório de sua condição.

Base Legal: Art. 434 do RICMS/2000-SP e; Arts. 1º, 8º e 9º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.1) Lavratura de termo no LRUDFTO:

Tratando-se de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte deverá, antes de realizar tais operações, lavrar termo no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências (LRUDFTO), Modelo 6, informando:

  1. o local onde serão efetuadas as operações;
  2. o período de permanência fora do estabelecimento;
  3. as mercadorias a serem remetidas;
  4. as séries das Notas Fiscais do Consumidor Eletrônicas (NFC-e), Modelo 65, a serem utilizadas, se for o caso;
  5. as séries das Notas Fiscais Eletrônicas (NF-e), Modelo 55, a serem utilizadas, se for o caso;
  6. marca, modelo, tipo e número de autorização de cada equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF) a ser utilizado, se for o caso;
  7. número de série de cada equipamento de Sistema de Autenticação e Transmissão (SAT) a ser utilizado, se for o caso.

Nas demais operações realizadas fora do estabelecimento por qualquer meio de transporte, o contribuinte fica dispensado da obrigação de lavrar termo no LRUDFTO, exceto quando optar pela utilização de equipamento ECF ou equipamento SAT, hipótese em que deverá lavrar termo no LRUDFTO, Modelo 6, informando os dados a que se referem os incisos "g" e "h".

Referente à letra "b" acima, na Resposta à Consulta nº 6.335/2015 o Fisco Estadual manifestou entendimento que o contribuinte poderá listar no LRUDFTO às Notas Fiscais de remessa ao invés das mercadorias, tendo em vista que na Nota Fiscal já constam todos os item que tiveram saída do estabelecimento com destino a evento, feira, exposição ou locais semelhantes. Abaixo estamos publicando na íntegra o referido entendimento (4):

RESPOSTA À CONSULTA TRIBUTÁRIA 6335/2015, de 30 de Dezembro de 2015.

ICMS - Obrigações acessórias - Venda fora do estabelecimento - Termo a ser lavrado no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência, modelo 6.

I. Nas remessas para venda fora do estabelecimento previstas na Portaria CAT 127/2015, o contribuinte deverá lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, podendo, em substituição à lista de mercadorias a serem remetidas, informar as Notas Fiscais correspondentes a essas saídas, registrando seus números e chaves de acesso.


1. A Consulente, tendo por atividade principal o comércio varejista de artigos esportivos, conforme CNAE (47.63-6/02), relata que, para realizar venda fora de seu estabelecimento, deve lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência, informando as mercadorias a serem remetidas, de acordo com o inciso III, do artigo 2º, da Portaria CAT 127/2015.

2. Questiona, então, se pode lavrar o referido termos apenas referenciando as Notas Fiscais emitidas, em que constam todos os item que tiveram saída, sem listar todas as mercadorias, pois são muitos "itens a serem manuscritos".

3. A Portaria CAT 127/2015, citada pela própria Consulente, determina, em seu artigo 2º, III, que "tratando-se de operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte deverá, antes de realizar tais operações, lavrar termo no livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrências, modelo 6, informando (...) as mercadorias a serem remetidas."

4. No entanto, considerando que as Notas Fiscais, emitidas para acobertar a remessa das mercadorias a serem comercializadas fora do estabelecimento da Consulente, listam todas as mercadorias a serem remetidas, entendemos que, se o termo lavrado no Livro Registro de Utilização de Documentos Fiscais e Termos de Ocorrência (RUDFTO) referenciar essas Notas Fiscais, informando seus números e chaves de acesso, estará atendido o artigo 2º, III, da Portaria 127/2015.

Nota Valor Consulting:

(4) Lembramos que a Resposta à Consulta Tributária aproveita ao consulente nos termos da legislação vigente. Deve-se atentar para eventuais alterações da legislação tributária.

Base Legal: Art. 2º da Portaria CAT nº 127/2015 e; RC nº 6.335/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.2) Nota Fiscal de remessa das mercadorias:

Na saída de mercadorias para a realização das operações fora do estabelecimento, deverá ser emitida Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), modelo 55, contendo, além dos demais requisitos, as seguintes informações:

  1. quadro "Destinatário": o nome, números de IE e no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ) do emitente e, tratando-se de eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, o respectivo endereço;
  2. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento";
  3. CFOP: 5.904/6.904, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente; e
  4. o valor do ICMS, se devido, calculado mediante aplicação da alíquota vigente para as operações internas sobre o valor total da mercadoria;
  5. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e, a indicação "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015", bem como a indicação das séries da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e), modelo 65, ou da NF-e, modelo 55, a serem utilizadas, conforme o caso.

Registra-se que essa FF-e deverá acompanhar o transporte das mercadorias a que se refere e ser escriturada, efetuando o débito, quando emitido com destaque do ICMS.

Base Legal: Art. 3º, caput, § 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.2.1) Movimentação de material de uso e/ou consumo e bem do Ativo Imobilizado:

A movimentação de material de uso e/ou consumo e bem do Ativo Imobilizado, inclusive equipamento Emissor de Cupom Fiscal (ECF) e equipamento SAT, também deverá ser acobertada por NF-e, modelo 55, que deverá:

  1. conter, além dos demais requisitos, os dados previstos na letra "b" do subcapítulo 3.2.1 e no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" a indicação: "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015", bem como a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada equipamento ECF ou o número de série de cada equipamento SAT, conforme o caso;
  2. ser escriturada sem débito do ICMS.

Para essa movimentação, o contribuinte poderá utilizar o mesmo documento emitido para acobertar a remessa das mercadorias, conforme mencionado no subcapítulo 3.2 acima.

Base Legal: Art. 3º, §§ 2º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.3) Entrega das mercadorias:

No momento em que ocorrer a entrega das mercadorias:

  1. se o adquirente for contribuinte do imposto, deverá ser emitida NF-e, modelo 55, contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:
    1. quadro "Destinatário": o adquirente;
    2. Natureza da Operação: "Venda de mercadoria fora do estabelecimento";
    3. CFOP: 5.103/6.103 ou 5.104/6.104 (5);
  2. se o adquirente não for contribuinte do ICMS, deverá ser emitido um dos seguintes documentos:
    1. NF-e, Modelo 55;
    2. Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e-SAT), Modelo 59;
    3. NFC-e, Modelo 65;
    4. Cupom Fiscal emitido por ECF, caso o contribuinte ainda não esteja obrigado à emissão do CF-e-SAT.

Os documentos mencionados nas letras "a" e "b" acima deverão conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, o destaque do ICMS, se devido, observada a legislação específica do documento utilizado, bem como ser escriturados, no período de apuração em que foram emitidos, juntamente com as demais operações realizadas nesse período, com débito do imposto em relação aos documentos emitidos com destaque do ICMS.

Nota Valor Consulting:

(5) Essas CFOPs indicam, respectivamente:

  • 5103/6103 - Venda de produção do estabelecimento efetuada fora do estabelecimento: Classificam-se neste código as vendas efetuadas fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, de produto industrializado ou produzido no estabelecimento; e
  • 5104/6104 - Venda de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros, efetuada fora do estabelecimento: Classificam-se neste código as vendas efetuadas fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, de mercadorias adquiridas ou recebidas de terceiros para industrialização ou comercialização, que não tenham sido objeto de qualquer processo industrial no estabelecimento.
Base Legal: Art. 4º, caput, § 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.3.1) Ocorrência de contingência na emissão de NF-e:

Se, na hipótese de emissão de NF-e mencionada na letra "a" do subcapítulo 3.3 acima, ocorrer, no momento da entrega da mercadoria, contingência que impossibilite a transmissão da NF-e à Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz/SP) ou a obtenção de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e, e desde que a entrega seja feita no Estado de São Paulo, o contribuinte poderá emitir CF-e-SAT.

Nesse caso, o contribuinte emitente deverá fazer constar no campo "Informações Complementares de Interesse do Contribuinte", o nome ou a razão social e o número de IE do adquirente da mercadoria, observado o disposto na letra "b" do subcapítulo 3.3 (6).

Cessada a contingência, deverá ser emitida a correspondente NF-e que, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, deverá:

  1. conter no quadro "Informações Adicionais", a expressão "Emitida nos termos da Portaria CAT nº 127/2015";
  2. conter a indicação do CFOP 5.929;
  3. ser escriturado pelo:
    1. emitente, sem débito do ICMS;
    2. destinatário, com crédito do ICMS quando admitido pela legislação.

Nota Valor Consulting:

(6) Esses documentos fiscais deverão ser escriturados, no período de apuração em que forem emitidos, juntamente com as demais operações realizadas nesse período, com débito do ICMS em relação aos documentos emitidos com destaque do ICMS.

Base Legal: Art. 4º, §§ 2º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.3.2) Utilização de Nota Fiscal, modelos 1 ou 1-A, até 31/12/2019:

Até 31/12/2019, no ato da entrega de mercadoria objeto de operação realizada fora do estabelecimento poderá ser emitida Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, desde que:

  1. a NF-e emitida por ocasião da remessa das mercadorias para a realização das operações fora do estabelecimento contenha, no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco", os números e respectivas séries, quando adotadas, dos impressos de Notas Fiscais, modelo 1 ou 1-A, a serem utilizados nas entregas;
  2. as Notas Fiscais, modelo 1 ou 1-A, emitidas no momento das entregas das mercadorias contenham, no campo "Informações Complementares", a série e o número da NF-e emitida por ocasião da remessa;
  3. a NF-e emitida por ocasião do retorno do veículo contenha, no grupo "Informações de Documentos Fiscais referenciados", os dados identificativos das Notas Fiscais, modelo 1 ou 1-A, emitidas no momento das entregas.

As autorizações para impressão de Nota Fiscal, modelo 1 ou 1-A, para uso nos termos desse subcapítulo deverão ser solicitadas pelo contribuinte até 30/06/2019.

Base Legal: Art. 38-C da Portaria CAT nº 162/2008 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.4) Retorno das mercadorias:

Por ocasião do retorno do veículo ou do encerramento da participação no evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o contribuinte deverá:

  1. emitir NF-e, modelo 55, relativa à totalidade das mercadorias remetidas para realização de operações fora do estabelecimento, com destaque do ICMS correspondente ao valor consignado na NF-e emitida nos termos do subcapítulo 3.2. Referido documento deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:
    1. quadro "Remetente": a própria empresa emitente;
    2. Natureza da Operação: "Retorno de remessa para venda fora do estabelecimento";
    3. CFOP: 1.904/2.904, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente;
  2. escriturar o documento previsto na letra "a" com crédito do ICMS, quando admitido pela legislação.

A NF-e de que trata este artigo deverá conter, além dos demais requisitos, no grupo "Informações de Documentos Fiscais referenciados", as chaves de acesso da NF-e emitida nos termos do artigo 3º e dos documentos emitidos no momento da entrega.

Base Legal: Art. 5º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.5) Remessa de mercadorias para outros Estados por contribuinte paulista:

Tendo ocorrido operações em outro Estado por qualquer meio de transporte, além de observar o disposto nos subcapítulos 3.1, 3.2, 3.3 e 3.4, com exceção das letras "b.iii", "b.iv" e "b.v" do subcapítulo 3.3 e subcapítulo 3.3.1, o contribuinte, quando do retorno do veículo, poderá creditar-se do ICMS eventualmente recolhido em outro Estado, relacionados às operações lá realizadas, desde que possa comprovar seu recolhimento.

Registra-se que o mencionado crédito não poderá exceder ao valor correspondente à diferença entre a quantia resultante da aplicação da alíquota vigente em outro Estado sobre o valor das operações lá realizadas e a quantia resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o mesmo valor.

Para efeito de exemplificação, considerando que um contribuinte localizado no Estado de São Paulo (SP) remeta para o Estado do Piauí (PI) mercadorias no valor total de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para serem comercializadas sem destinatário certo. Nesse caso hipotético, o contribuinte paulista deverá calcular o ICMS sobre a Nota Fiscal de remessa aplicando a alíquota interna do Estado de São Paulo e recolher também o ICMS de acordo com a legislação do Estado do Piauí quando entrar em seu território.

Porém, o contribuinte paulista poderá se creditar do valor calculado da seguinte forma, considerando a alíquota interna do Estado do Piauí de 18% (dezoito por cento) e a alíquota interestadual de 7% (sete por cento):

[(Valor da mercadoria X Alíq. Interna) - (Valor da mercadoria X Alíq. Interestadual)] ==>

==> [(R$ 2.000,00 X 18%) - (R$ 2.000,00 X 7%)] ==>

==> [R$ 360,00 - R$ 140,00] ==>

==> R$ 220,00

Assim, o contribuinte paulista poderá apropriar como crédito o valor correspondente até R$ 220,00 (duzentos e vinte reais).

Nota Valor Consulting:

(7) O procedimento previsto neste subcapítulo não se aplica às operações realizadas em evento, feira, exposição ou locais semelhantes em outro Estado, conforme disposto na letra "b.i" do capítulo 3.

Base Legal: Art. 6º, caput, §§ 1º e 3º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.5.1) Condições para efetuar o crédito:

Para que possa efetuar o crédito de que trata este subcapítulo, o contribuinte paulista deverá:

  1. elaborar um demonstrativo de apuração do valor do crédito contendo:
    1. o valor total das operações realizadas em outro Estado;
    2. o valor do imposto recolhido a outro Estado correspondente às operações lá realizadas;
    3. a quantia resultante da aplicação da alíquota interna vigente no Estado em que foi realizada a operação sobre o valor das operações lá realizadas;
    4. a quantia resultante da aplicação da alíquota interestadual sobre o valor das operações realizadas no outro Estado;
    5. o valor a ser creditado, que corresponderá ao valor constante da letra "a.ii" tendo como limite a quantia correspondente à diferença entre o valor indicado na letra "a.iii" e o valor indicado na letra "a.iv";
  2. emitir Nota Fiscal Eletrônica - NF-e, modelo 55, que conterá:
    1. o valor total das operações realizadas em outro Estado e o correspondente valor do imposto recolhido ao outro Estado;
    2. as chaves de acesso dos documentos fiscais emitidos por ocasião das operações realizadas em outro Estado;
    3. o valor a ser creditado, apurado no demonstrativo de que trata a letra "a";
    4. o(s) número(s) da(s) guia(s) de recolhimento do imposto pago em outro Estado;
    5. a informação: "Recolhimento em Outros Estados - Operações Realizadas Fora do Estabelecimento - Nota Fiscal emitida nos termos da Portaria CAT 127/2015";
  3. escriturar o documento fiscal com crédito do imposto, quando admitido pela legislação;
  4. arquivar, em conjunto, para exibição ao Fisco:
    1. o demonstrativo previsto na letra "a";
    2. a (s) guia (s) de recolhimento do imposto pago em outro Estado.
Base Legal: Art. 6º, § 2º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.6) Aquisição de mercadoria a ser destinada a eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes:

O contribuinte, ao adquirir mercadoria a ser destinada a eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, situados no Estado de São Paulo, poderá solicitar ao fornecedor que a remeta diretamente aos referidos locais, hipótese em que:

  1. o fornecedor deverá emitir NF-e, modelo 55, que acompanhará as mercadorias e deverá conter, além dos demais requisitos:
    1. como destinatário, o adquirente da mercadoria;
    2. o destaque do ICMS, se devido;
    3. a informação de que as mercadorias se destinam a operações em eventos, feiras, exposições ou locais semelhantes, bem como o local da entrega e a indicação: "Portaria CAT nº 127/2015".
  2. o adquirente deverá:
    1. observar, no momento em que realizar operações com as mercadorias, o disposto no subcapítulo 3.3 acima;
    2. escriturar, por ocasião do encerramento da participação no evento, feira, exposição ou locais semelhantes, o documento fiscal referido na letra "a" com crédito do imposto, quando admitido pela legislação.
Base Legal: Art. 7º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

3.7) Remessa de mercadorias por contribuintes de outro Estado para São Paulo:

Quando um contribuinte de outro Estado decidir efetuar operações de circulação de mercadorias dentro do Estado de São Paulo ficará sujeito ao recolhimento do imposto para esse Estado. Assim, na hipótese de empresas cadastradas em outras Unidades da Federação (UF) remeterem mercadorias, sem destinatário certo, para serem comercializadas no Estado de São Paulo, o ICMS deverá ser recolhido no primeiro Município paulista por onde transitar a mercadoria. O ICMS será calculado mediante aplicação da alíquota vigente para as operações internas sobre o valor da mercadoria transportada, e, do resultado será deduzido o valor do imposto cobrado na origem até a importância resultante da aplicação da alíquota vigente para as operações interestaduais realizadas entre contribuintes sobre o valor da mercadoria indicado na NF-e.

Para efeito de exemplificação, considerando que um contribuinte localizado no Estado de Minas Gerais (MG) remeta para São Paulo (SP) mercadorias no valor total de R$ 2.000,00 (dois mil reais) para serem comercializadas sem destinatário certo. Nesse caso hipotético, teremos a seguinte equação para se determinar o ICMS a ser recolhido antecipadamente:

[(Valor da mercadoria X Alíq. Interna) - (Valor da mercadoria X Alíq. Interestadual)] ==>

==> [(R$ 2.000,00 X 18%) - (R$ 2.000,00 X 12%)] ==>

==> [R$ 360,00 - R$ 240,00] ==>

==> R$ 120,00

Assim, o contribuinte de MG deverá recolher aos cofres do Estado de São Paulo um ICMS de R$ 120,00 (cento e vinte reais).

Nota Valor Consulting:

(8) Quanto à entrada de mercadorias provenientes de outros Estados, remetidas sem destinatário certo, para serem comercializadas em São Paulo, cabe algumas observações adicionais:

  • o recolhimento do ICMS aos cofres do Estado de São Paulo poderá ser antecipado por meio da Guia Nacional de Recolhimento Estaduais (GNRE);
  • a mercadoria proveniente de outro Estado, sem documentação comprobatória de seu destino, presume-se destinada à entrega no Estado de São Paulo, hipótese em que o imposto será devido pelo seu valor total, sem qualquer dedução;
  • na entrega de mercadoria por preço superior ao que tiver servido de Base de Cálculo (BC), será devido o imposto sobre a diferença, a ser pago em qualquer município paulista; e
  • poderá a Sefaz/SP determinar que o imposto a ser recolhido seja calculado com base em valor estimado, dispensada, nesta hipótese, a aplicação do disposto no item anterior.
Base Legal: Art. 433 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.8) Exemplo Prático:

Para efeito de exemplificação, consideraremos que a Vivax Indústria e Comércio de Eletrônicos Ltda., empresa com sede no Município de Campinas/SP, obrigatoriamente emissora de NF-e, remeta ao vendedor ambulante Carlos Pereira Neves 100 (cem) mouses (NCM: 8471.60.53) a um preço unitário de R$ 80,00 (oitenta reais) cada, ou seja, um valor total de remessa de R$ 8.000,00 (oito mil reais). Assim, considerando essas informações hipotéticas, a Vivax deverá emitir a seguinte NF-e:

Nota Fiscal de Remessa para Venda fora do estabelecimento
Base Legal: Art. 3º, caput, § 1º da Portaria CAT nº 127/2015.

3.8.1) Retorno da remessa para venda fora do estabelecimento:

Por ocasião do retorno, a Vivax deverá emitir NFE relativamente à totalidade das mercadorias remetidas para realização de operações fora do estabelecimento, com destaque do ICMS correspondente ao valor consignado no documento fiscal de remessa. Referido documento deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:

  1. quadro "Remetente": a própria empresa emitente;
  2. Natureza da Operação: "Retorno de remessa para venda fora do estabelecimento";
  3. CFOP: 1.904;
  4. "Informações de Documentos Fiscais referenciados": a chave de acesso da NF-e de remessa das mercadorias, bem como os dados identificativos ou as chaves de acesso, se for o caso, dos documentos emitidos no momento da entrega.

Dando sequência ao exemplo, a Vivax deverá emitir a seguinte NF-e de entrada:

Nota Fiscal de Retorno de Remessa para Venda fora do estabelecimento
Base Legal: Art. 5º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.8.2) Venda de mercadoria fora do estabelecimento:

No momento em que ocorrer a entrega das mercadorias a Vivax deverá emitir a correspondente Nota Fiscal de venda, contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:

  1. quadro "Destinatário": o adquirente;
  2. Natureza da Operação: "Venda de mercadoria fora do estabelecimento";
  3. CFOP: 5.103/6.103 ou 5.104/6.104, conforme se trate de operação interna ou interestadual, respectivamente; e
  4. com destaque do ICMS, quando devido.

Agora, finalizando nosso exemplo, consideraremos que o vendedor ambulante, Sr. Carlos Pereira Neves, tenha efetuado uma venda de 20 (vinte) mouses a um preço unitário de R$ 120,00 (cento e vinte reais), assim teríamos a emissão da seguinte Nota Fiscal no ato da entrega das mercadorias:

Venda de mercadoria fora do estabelecimento
Base Legal: Art. 4º, caput, § 1º da Portaria CAT nº 127/2015 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Operações com mercadorias sujeitas ao regime de substituição tributária:

4.1) Operações internas (dentro de São Paulo):

4.1.1) Remessa pelo contribuinte substituto:

Em substituição à sistemática estudada no capítulo 3 acima, o contribuinte paulista por substituição tributária (contribuinte substituto), que realizar operações com mercadoria abrangida por esse regime fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, sem destinatário certo, em território do Estado de São Paulo, deverá emitir Nota Fiscal para acompanhar a mercadoria que conterá, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:

  1. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento";
  2. CFOP: 5.414 ou 5.415, conforme o produto seja de produção do estabelecimento ou adquirido de terceiros, respectivamente;
  3. o valor do ICMS incidente na operação própria e o devido por sujeição passiva por substituição;
  4. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da NF-e, os números e, quando adotada, a série dos impressos de Notas Fiscais a serem emitidas por ocasião das entregas;

No caso de estabelecimento não obrigado à entrega da Escrituração Fiscal Digital (EFD), comumente chamada de Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal de remessa deverá:

  1. ser lançada no Livro Registro de Saídas (LRS) do estabelecimento emitente, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "ICMS - Valores Fiscais - Operações ou Prestações sem Débito do Imposto - Outras";
  2. ter o valor do ICMS incidente na operação própria consignado no Livro Registro de Apuração do ICMS (LRAICMS), no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "ICMS Próprio em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento";
  3. ter o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição consignado no LRAICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas operações próprias, no quadro "Débito do Imposto - Outros Débitos", com a expressão "Imposto Retido em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento";

Já na hipótese do estabelecimento estar obrigado à entrega do Sped-Fiscal, a Nota Fiscal de remessa deverá (9):

  1. ser lançada nos vários Registros do Bloco C da EFD-ICMS/IPI destinados à informação do documento fiscal, sem débito do imposto, principalmente o:
    1. Registro C100 da EFD-ICMS/IPI;
    2. Registro C110 da EFD-ICMS/IPI;
    3. Registro C190 da EFD-ICMS/IPI;
  2. ter o valor do ICMS incidente na operação própria lançado no campo 04 (VL_TOT_AJ_DEBITOS) do Registro E110 da EFD-ICMS/IPI (Apuração do ICMS - Operações Próprias), com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E111 da EFD-ICMS/IPI (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS):
    1. campo 01 (REG), o texto fixo "E111";
    2. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP000216 - Remessa para venda fora do estabelecimento";
    3. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "ICMS Próprio em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento";
    4. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração;
  3. ter o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição consignado no campo 9 (VL_OUT_DEB_ST) do Registro E210 da EFD-ICMS/IPI (Apuração do ICMS - Substituição Tributária), com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E220 da EFD-ICMS/IPI (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS Substituição Tributária):
    1. campo 01 (REG), o texto fixo "E220";
    2. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP100201 - Imposto retido em remessa para venda fora do estabelecimento";
    3. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Imposto Retido em Remessa para Venda Fora do Estabelecimento";
    4. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração;

Lembramos que, para a efetiva geração do Sped-Fiscal, outros registros deverão ser apresentados, devendo o contribuinte observar as disposições do Ato Cotepe/ICMS nº 44/2018 e alterações posteriores, bem como o Guia Prático da Escrituração Fiscal Digital - EFD ICMS/IPI.

Por fim, temos que relativamente a cada remessa, arquivar-se-ão conjuntamente, as primeiras vias das Notas Fiscais de remessa e de retorno, bem como, as vias destinadas à exibição ao fisco das Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas.

Nota Valor Consulting:

(9) A entrega do Sped-Fiscal supre a necessidade de escriturar o LRS e o LRAICMS.

Base Legal: Ato Cotepe/ICMS nº 44/2018; Art. 284, caput, I e II, § único do RICMS/2000-SP e; Guia Prático da EFD-ICMS/IPI (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1.1.1) Mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento:

Em relação às mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento:

  1. será emitida Nota Fiscal relativa às mercadorias não entregues (não vendidas), mencionando no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da NF-e, o número e, quando adotada, a série, bem como a data da emissão e o valor da Nota Fiscal correspondente à remessa;
  2. a Nota Fiscal de retorno prevista na letra anterior deverá ser lançada no Livro Registro de Entradas (LRE), consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "ICMS - Valores Fiscais - Operações ou Prestações sem Crédito do Imposto - Outras". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, deverá efetuar o lançamento da Nota Fiscal nos vários Registros do Bloco C destinados à informação do documento fiscal, sem crédito do imposto, principalmente:
    1. Registro C100 da EFD-ICMS/IPI;
    2. Registro C110 da EFD-ICMS/IPI; e
    3. Registro C190 da EFD-ICMS/IPI.
  3. o valor do imposto incidente na operação própria, constante na Nota Fiscal de remessa, será consignado no LRAICMS, no quadro "Crédito do Imposto - Estorno de Débitos", com a expressão "Estorno do ICMS Próprio no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, o valor desse imposto deverá ser lançado no campo 09 (VL_ESTORNOS_DEB) do Registro E110 da EFD-ICMS/IPI (Apuração do ICMS - Operações Próprias) dessa obrigação acessória, com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E111 da EFD-ICMS/IPI (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS);
    1. campo 01 (REG), o texto fixo "E111";
    2. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP030806 - Imposto destacado em Nota Fiscal de remessa para venda fora do estabelecimento";
    3. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Estorno do ICMS Próprio no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento";
    4. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração;
  4. o valor do imposto devido por sujeição passiva por substituição, constante na Nota Fiscal de remessa, será consignado no LRAICMS, em folha subsequente à da apuração referente às suas operações próprias, no quadro "Crédito do Imposto - Estorno de Débitos", com a expressão "Estorno do Imposto Retido no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, o valor desse imposto deverá ser lançado no 06 (VL_OUT_CRED_ST) do Registro E210 da EFD-ICMS/IPI (Apuração do ICMS - Substituição Tributária) dessa obrigação acessória, com a discriminação do ajuste nos diversos campos do Registro E220 da EFD-ICMS/IPI (Ajuste/Benefício/Incentivo da Apuração do ICMS Substituição Tributária):
    1. campo 01 (REG), o texto fixo "E220";
    2. campo 02 (COD_AJ_APUR), do código de ajuste "SP130801 - Estorno de imposto retido no retorno - venda fora do estabelecimento";
    3. campo 03 (DESCR_COMPL_AJ), da expressão "Estorno do Imposto Retido no Retorno - Venda Fora do Estabelecimento";
    4. campo 04 (VL_AJ_APUR), o valor do ajuste da apuração;
  5. as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 273 do RICMS/2000-SP, serão lançadas no LRS ou em Registro próprio do Sped-Fiscal, conforme o caso, nos termos do artigo 275 do RICMS/2000-SP.
Base Legal: Art. 284, caput, III do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.1.2) Remessa pelo contribuinte substituído:

O contribuinte substituído paulista que realizar operações com mercadoria recebida com ICMS retido, fora do estabelecimento, inclusive por meio de veículo, sem destinatário certo, em território paulista, deverá, em lugar da sistemática prevista no capítulo 3 acima, observar o seguinte procedimento:

  1. emitir Nota Fiscal para acompanhar a mercadoria que conterá, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:
    1. Natureza da Operação: "Remessa para venda fora do estabelecimento";
    2. CFOP: 5.414 ou 5.415, conforme o produto seja de produção do estabelecimento ou adquirido de terceiros, respectivamente;
    3. no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e os números e, quando adotada, a série dos impressos de Notas Fiscais a serem emitidas por ocasião das entregas, bem como a indicação "Imposto Recolhido por Substituição, nos termos do Artigo ___ do RICMS/2000-SP";
  2. a Nota Fiscal de remessa prevista na letra "a" deverá ser lançada no LRS, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor das mercadorias apenas no Registro C195 da EFD-ICMS/IPI;

Relativamente a cada remessa, arquivar-se-ão conjuntamente, as primeiras vias das Notas Fiscais de remessa e de retorno, bem como, as vias destinadas à exibição ao Fisco das Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas.

Base Legal: Art. 285, caput, II e II, § único do RICMS/2000-SP.

4.1.2.1) Mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento:

Em relação às mercadorias entregues e às eventualmente retornadas ao estabelecimento:

  1. será emitida Nota Fiscal relativa às mercadorias não entregues (não vendidas), mencionando no campo "Informações Adicionais de Interesse do Fisco" da NF-e ou no campo "Informações Complementares" da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, o número e a série, bem como a data da emissão e o valor da Nota Fiscal correspondente à remessa (utilizar a CFOP 1.414 ou 1.415, conforme o caso);
  2. a Nota Fiscal de retorno prevista na letra anterior deverá ser lançada no LRE, consignando-se o valor das mercadorias apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, referida Nota Fiscal deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor das mercadorias apenas no Registro C195 da EFD-ICMS/IPI;
  3. as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 274 do RICMS/2000-SP, serão lançadas no LRS ou em Registro próprio do Sped-Fiscal, conforme o caso, nos termos do artigo 278 do RICMS/2000-SP, sem prejuízo do lançamento de outros elementos inerentes à substituição tributária, na forma estabelecida pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz/SP).
Base Legal: Art. 285, caput, III do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

4.2) Observações quanto aos documentos fiscais emitidos na entrega das mercadorias:

Ao realizar as operações referidas no subcapítulo 4.1.1 e no subcapítulo 4.1.2, o contribuinte, no ato da entrega das mercadorias, e sem prejuízo do disposto no artigo 284, III, "e" do RICMS/2000-SP e no artigo 285, III, "c" do RICMS/2000-SP, deverá observar o que se segue:

  1. se o adquirente for contribuinte do ICMS, deverá ser emitida NF-e, Modelo 55, ou Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A;
  2. se o adquirente não for contribuinte do ICMS, deverá ser emitido um dos seguintes documentos:
    1. NF-e, Modelo 55;
    2. Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A;
    3. CF-e-SAT, Modelo 59;
    4. NFC-e, Modelo 65;
    5. Cupom Fiscal emitido por equipamento ECF, caso o contribuinte ainda não esteja obrigado à emissão do CF-e-SAT.

Os documentos aludidos nas letras "a" e "b", além dos demais requisitos exigidos pela legislação paulista, deverão conter, no campo "Informações Complementares", a indicação da série e do número da NF-e ou da Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, de remessa da mercadoria, observada a legislação específica do documento utilizado.

Notas Valor Consulting:

(10) O artigo 284, III, "e" do RICMS/2000-SP possui a seguinte redação: "e) as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 273, serão lançadas no livro Registro de Saídas, nos termos do artigo 275".

(11) O artigo 285, III, "c" do RICMS/2000-SP possui a seguinte redação: "c) as Notas Fiscais emitidas por ocasião das entregas, com as indicações previstas no artigo 274, serão lançadas no livro Registro de Saídas, nos termos do artigo 278, sem prejuízo do lançamento de outros elementos inerentes à substituição tributária, na forma estabelecida pela Secretaria da Fazenda.".

(12) Nos termos do artigo 16 da Portaria CAT nº 162/2008, quando o contribuinte optar por emitir NF-e em cada venda ocorrida fora do estabelecimento, o Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica (Danfe) poderá ser impresso em tamanho igual ou inferior ao A4 (210 X 297 mm), em qualquer tipo de papel, exceto papel jornal, caso em que será denominado "Danfe Simplificado", cuja definição das especificações técnicas foram divulgadas por meio da Nota Técnica 2012/001.

Base Legal: Art. 285-A, caput, § 1º do RICMS/2000-SP; Art. 16 da Portaria CAT nº 162/2008 e; Nota Técnica 2012/001 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4.2.1) Impossibilidade de transmissão ou de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e:

Se, no momento da entrega de que trata a letra "a" do subcapítulo anterior, ocorrer contingência que impossibilite a transmissão da NF-e à Sefaz/SP ou a obtenção de resposta à solicitação de Autorização de Uso da NF-e, e desde que a entrega seja feita no Estado de São Paulo, o contribuinte poderá emitir CF-e-SAT, que deverá conter, no campo "Informações Complementares de Interesse do Contribuinte", o nome ou o nome empresarial e o número de Inscrição Estadual (IE) do adquirente da mercadoria.

Caso seja utilizado essa faculdade, o contribuinte, após o término da contingência, deverá emitir NF-e contendo, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as seguintes informações:

  1. no campo "Informações Complementares", a expressão "Emitida nos termos do § 3º do artigo 285-A do RICMS/2000-SP";
  2. a indicação do CFOP 5.929.

Essa NF-e deverá ser escriturada pelo:

  1. emitente, no LRS apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor apenas no Registro C195 da EFD-ICMS/IPI;
  2. destinatário, no LRE, na forma prevista na legislação, inclusive para efeito de crédito fiscal, quando admitido. Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, na forma prevista na legislação, inclusive para efeito de crédito fiscal, quando admitido.
Base Legal: Art. 285-A, §§ 2º e 3º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

4.2.2) Utilização do CF-e-SAT ou do Cupom Fiscal emitido por ECF:

O contribuinte que optar pela utilização do CF-e-SAT ou do Cupom Fiscal emitido por ECF, conforme disposto nas letras "b.iii" e "b.v" do subcapítulo 4.2 acima, deverá, previamente à saída das mercadorias de seu estabelecimento:

  1. lavrar termo no LRUDFTO, Modelo 6, contendo a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada ECF ou o número de série de cada equipamento SAT a ser utilizado, conforme o caso;
  2. emitir, para acompanhar a movimentação do ECF e do equipamento SAT, um dos seguintes documentos:
    1. NF-e, Modelo 55;
    2. Nota Fiscal, Modelos 1 ou 1-A, se o contribuinte não for obrigado à emissão da NF-e.

A Nota Fiscal emitida para os fins da letra "b" deverá:

  1. conter a marca, modelo, tipo e número de autorização de cada ECF ou o número de série de cada equipamento SAT, conforme o caso;
  2. ser registrada no LRS, apenas na coluna "Observações". Caso o contribuinte seja obrigado à escrituração do Sped-Fiscal, essa NF-e deverá ser lançada nos vários Registros que compõem Bloco C destinados à informação do documento fiscal, consignando-se o valor apenas no Registro C195 da EFD-ICMS/IPI
Base Legal: Art. 285-A, §§ 4º e 5º do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

4.3) Operações realizadas por contribuintes de outros Estados:

Nas operações sujeitas à substituição tributária, com mercadoria trazida por contribuinte de outro Estado para venda, em território paulista, sem destinatário certo, não estando atribuída ao adquirente paulista a qualidade de sujeito passivo por substituição, o imposto incidente nas operações subsequentes será calculado na forma prevista no artigo 268 do RICMS/2000-SP (que dispõe sobre o cálculo do ICMS retido) e recolhido juntamente com o exigido nos termos do artigo 433 do RICMS/2000-SP (Ver subcapítulo 3.7).

O documento fiscal emitido pelo contribuinte de outro Estado deverá conter, além dos demais requisitos exigidos pela legislação, as indicações previstas no artigo 273 do RICMS/2000-SP, que dispõe sobre a emissão de documentos fiscais pelo sujeito passivo por substituição.

Base Legal: Art. 286 do RICMS/2000-SP (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

5) Observações quanto ao IPI:

Como dito anteriormente, não existe na legislação do IPI benefício fiscal específico para venda ambulante, assim sendo, entendemos que essa operação deverá ser normalmente tributada por esse imposto, salvo se o produto estiver expressamente amparado por algum benefício ou estiver fora do campo de incidência do imposto.

Quanto ao fato gerador do IPI nas operações de venda por intermédio de ambulantes, considerar-se-á ocorrido e o imposto devido no momento:

  1. da saída do produto de estabelecimento industrial ou equiparado à industrial; e
  2. da entrega do produto pelo ambulante ao comprador.

Interessante observar que IPI será devido sejam quais forem as finalidades a que se destine o produto ou o título jurídico a que se faça a importação ou de que decorra a saída do estabelecimento produtor.

Base Legal: Arts. 35, 36, I, 39 e 182, caput, I, "d" do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 07/12/20).

5.1) Domicílio tributário:

Para os efeitos de cumprimento da obrigação tributária e de determinação da competência das autoridades administrativas, considera-se domicílio tributário do sujeito passivo, se comerciante ambulante, a sede de seus negócios ou, na impossibilidade de determinação dela, o local de sua residência habitual, ou qualquer dos lugares em que exerça a sua atividade, quando não tenha residência certa ou conhecida.

Relembramos que a definição do domicílio tributário torna-se de suma importância para determinação da competência das autoridades administrativas responsáveis pela fiscalização dos atos praticados pelo ambulante.

Base Legal: Art. 32, caput, III do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 07/12/20).

5.2) Base de Cálculo (BC):

Constitui valor tributável pelo IPI, quando produtos nacionais, o valor total da operação de que decorrer a saída do estabelecimento industrial ou equiparado a industrial, compreendendo o preço do produto, acrescido do valor do frete e das demais despesas acessórias, cobradas ou debitadas pelo contribuinte ao comprador ou destinatário.

Cabe observar que o valor da operação, no caso de produtos saídos de estabelecimento industrial ou equiparado à comerciante autônomo (vendedor ambulante), para venda direta a consumidor final, não poderá ser inferior ao custo de fabricação do produto, acrescido dos custos financeiros e dos de venda, administração e publicidade, bem como do seu lucro normal e das demais parcelas que devam ser adicionadas ao preço da operação.

Por fim, o preço de revenda do produto pelo comerciante autônomo (vendedor ambulante), ambulante ou não, indicado pelo estabelecimento industrial, ou equiparado a industrial, não poderá ser superior ao preço de aquisição acrescido dos tributos incidentes por ocasião da aquisição e da revenda do produto, e da margem de lucro normal nas operações de revenda.

Base Legal: Arts. 190, caput, II e 195, caput, III, § 2º do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 07/12/20).

5.3) Retorno dos produtos:

No retorno do ambulante, será feito, no verso da 1ª (primeira) via da Nota Fiscal relativa à remessa, o balanço do imposto destacado com o devido sobre as vendas realizadas, indicando-se a série, se houver, e os números das notas emitidas pelo ambulante.

Se da apuração mencionada resultar saldo devedor, o estabelecimento emitirá Nota Fiscal com destaque do imposto e a declaração "Nota Emitida Exclusivamente para Uso Interno", para escrituração no Livro Registro de Saídas (LRS); se resultar saldo credor será emitido Nota Fiscal para escrituração no Livro Registro de Entradas (LRE).

Considerar-se-á, também, que houve retorno do ambulante, quando ocorrer prestação de contas, a qualquer título, entre as partes interessadas, ou entrega de novos produtos ao ambulante.

Os contribuintes que operarem na conformidade deste subcapítulo fornecerão, aos ambulantes, documentos que os credenciem ao exercício de sua atividade.

Base Legal: Art. 481 do RIPI/2010 (Checado pela Valor em 07/12/20).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

6) Penalidades:

6.1) Quanto ao IPI:

Os vendedores ambulantes e os estabelecimentos que possuírem ou conservarem produtos das posições 71.02 a 71.04, 71.06 a 71.11, 71.13 a 71.16, 91.01 e 91.02 da TIPI/2016, aprovado pelo Decreto nº 8.950/2016 cuja origem não for comprovada, ou quando os que os possuírem ou conservarem não estiverem inscritos no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), sujeitar-se-ão também à pena de perdimento da mercadoria.

Visando facilitar "a vida" de nossos leitores, publicamos abaixo uma Tabela onde contam as detalhes dos produtos a que se referem às posições acima citadas:

PosiçãoProdutos
71.02Diamantes, mesmo trabalhados, mas não montados nem engastados.
71.03Pedras preciosas (exceto diamantes) ou semipreciosas, mesmo trabalhadas ou combinadas, mas não enfiadas, nem montadas, nem engastadas; pedras preciosas (exceto diamantes) ou semipreciosas, não combinadas, enfiadas tempo rariamente para facilidade de transporte.
71.04Pedras sintéticas ou reconstituídas, mesmo trabalhadas ou combinadas, mas não enfiadas, nem montadas, nem engastadas; pedras sintéticas ou reconstituídas, não combinadas, enfiadas tempo rariamente para facilidade de transporte.
71.06Prata (incluída a prata do urada ou platinada), em formas brutas ou semimanufaturadas, ou em pó.
71.07.00.00Metais comuns folheados ou chapeados (plaquê) de prata, em formas brutas ou semimanufaturadas.
71.08Ouro (incluído o ouro platinado), em formas brutas ou semimanufaturadas, ou em pó.
71.09.00.00Metais comuns ou prata, folheados ou chapeados (plaquê) de ouro , em formas brutas ou semimanufaturadas.
71.10Platina, em formas brutas ou semimanufaturadas, ou em pó.
71.11Metais comuns, prata ou ouro , folheado sou chapeados (plaquê) de platina, em formas brutas ou semimanufaturadas.
71.13Artefatos de joalharia e suas partes, de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (plaquê).
71.14Artefatos de ourivesaria e suas partes, de metais preciosos ou de metais folheado sou chapeados de metais preciosos (plaquê).
71.15Outras obras de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (plaquê).
71.16Obras de pérolas naturais ou cultivadas, de pedras preciosas ou semipreciosas ou de pedras sintéticas ou reconstituídas
91.01Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluídos os contadores de tempo dos mesmos tipos), com caixa de metais preciosos ou de metais folheados ou chapeados de metais preciosos (plaquê).
91.02Relógios de pulso, relógios de bolso e relógios semelhantes (incluídos os contadores de tempo dos mesmos tipos), exceto os da posição 91.01.
Base Legal: Art. 604, caput, II do RIPI/2010 e; TIPI/2016 (Checado pela Valor em 07/12/20).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Venda fora do estabelecimento por intermédio de ambulante (Área: Manual de emissão de Notas Fiscais). Disponível em: https://www.valor.srv.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=422. Acesso em: 13/06/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Retorno de mercadoria não entregue ao destinatário

Abordaremos no presente Roteiro de Procedimentos as regras fiscais a serem observadas pelos contribuintes para o recebimento de mercadorias em retorno, quando essas por qualquer motivo não foram entregues ao destinatário constante no documento fiscal. Para tanto, utilizaremos como base o artigo 453 do Regulamento do ICMS (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000, bem como outras fontes citadas ao longo do trabalho. Analisaremos pontos deveras importantes para (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de emissão de Notas Fiscais


Transferência de mercadorias entre estabelecimentos do mesmo titular

Veremos neste Roteiro os procedimentos aplicáveis à operação de remessa de mercadorias de um estabelecimento para outro estabelecimento de um mesmo titular, seja a operação interna ou interestadual. Registramos, porém, que trataremos neste texto apenas das transferências de mercadorias de estoque, não contemplando, portanto, as operações de transferências de bens do Ativo Imobilizado (AI) ou de material de uso e/ou consumo, pois estes são tratados em Roteiros de (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de emissão de Notas Fiscais


Consignação industrial (ICMS e IPI)

Estudaremos no presente Roteiro os procedimentos que os contribuintes do ICMS e/ou do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) deverão observar quando da realização de operações de consignação industrial, para tanto, utilizaremos como base de estudo o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000 e o Regulamento do IPI (RIPI/2010), aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de emissão de Notas Fiscais


Remessa e retorno de teste

Estudaremos neste Roteiro os procedimentos para emissão da Nota Fiscal de "Remessa para Teste" e seu respectivo retorno, para tanto, utilizaremos como referência o Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo (RICMS/2000-SP), aprovado pelo Decreto nº 45.490/2000 e no que for necessário o Regulamento do IPI (RIPI/2010), aprovado pelo Decreto nº 7.212/2010. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de emissão de Notas Fiscais