Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Técnicos e tecnólogos em radiologia: Setor industrial - Atribuições, competências e funções

Resumo:

Analisaremos neste trabalho todas as disposições trazidas pela Resolução Conter nº 11/2016, que veio instituir e normatizar as atribuições, competências e funções dos técnicos e tecnólogos em radiologia no setor industrial, nas seguintes especialidades: a) radiografia industrial; b) irradiação industrial; c) radioinspeção de segurança; d) perfilagem de poços; e) medidores nucleares.

Postado em: - Área: Profissões regulamentadas.

1) Introdução:

Através da Resolução Conter nº 11/2016, o Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia (Conter) veio instituir e normatizar as atribuições, competências e funções dos técnicos e tecnólogos em radiologia no setor industrial. Essa Resolução ainda revogou a Resolução Conter nº 18/2006, a Resolução Conter nº 21/2006 e a Resolução Conter nº 07/2016, bem como deu outras providências.

A mencionada Resolução abrange às seguintes especialidades:

  1. radiografia industrial;
  2. irradiação industrial;
  3. radioinspeção de segurança;
  4. perfilagem de poços;
  5. medidores nucleares.

Feito essas brevíssimas considerações passaremos a analisar nos próximos capítulos todas as disposições trazidas pela Resolução Conter nº 11/2016. Esperamos que todos tenham uma ótima leitura e saibam que estamos sempre a disposição para buscar na legislação atualmente em vigor o melhor para vocês, nossos estimados leitores.

Base Legal: Preâmbulo e arts. 1º e 10 da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

2) Profissionais de nível médio:

2.1) Requisitos para habilitação:

Os requisitos para habilitação dos profissionais das técnicas radiológicas de nível médio no setor industrial são:

  1. ser maior de 18 anos de idade;
  2. possuir diploma de conclusão do curso técnico em radiologia, expedido por instituição de ensino reconhecida pela Secretaria Estadual ou Municipal de Educação;
  3. estar devidamente inscrito no Conselho Regional de Técnicos em Radiologia (CRTR) de sua jurisdição;
  4. ter condições físicas e psicológicas para executar trabalhos de campo;
  5. ser aprovado em curso de formação na área da radiologia industrial promovido por instituição de ensino reconhecida pelo sistema educacional, com carga horária mínima de 360 (trezentos e sessenta) horas, incluída a carga horária mínima de 80 (oitenta) horas para as disciplinas relativas à proteção radiológica;
  6. para exercer as funções de operador de radiografia industrial I e II, os profissionais de nível médio devem comprovar, por meio de formulário assinado pelo supervisor de proteção radiológica (SPR) e histórico de dose individual, a experiência na especialidade pretendida prevista nos artigos 3º e 4º da Norma CNEN NN 7.02.

Registra-se que a ementa básica do curso de formação mencionado na letra "e" acima fica com a seguinte composição:

  1. tópicos avançados sobre a operação dos diferentes tipos de equipamentos emissores de radiação ionizante que são usados para inspeção, segurança e irradiação no setor industrial;
  2. proteção radiológica, plano de emergência e prevenção de acidentes;
  3. introdução ao programa Alara;
  4. ética, legislação e normas técnicas;
  5. ensaios não destrutivos (END);
  6. procedimentos técnicos em radiografia industrial;
  7. diferentes tipos de fontes radioativas;
  8. tipos de materiais, construção civil, eletromecânica e processos de fabricação: soldagens, fundição e forjaria.

Os operadores de radiografia industrial I e II, reconhecidos e registrados pela Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) antes de 16/08/2016 (data de publicação da Resolução Conter nº 11/2016), possuem experiência operacional comprovada e ficam dispensados do cumprimento deste requisito.

Base Legal: Arts. 2º e 11 da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2.2) Atribuições e competências:

São atribuições e competências dos profissionais das técnicas radiológicas de nível médio, com habilitação no setor industrial:

  1. exercer as funções de operador de radiografia industrial I e II, nos termos da Norma CNEN NN 7.02 e do artigo 6º da Norma CNEN NN 6.04;
  2. operar irradiadores de gamagrafia, aparelhos de raios X industriais e demais equipamentos emissores de radiação ionizante no setor industrial;
  3. delimitar e sinalizar áreas supervisionadas e controladas;
  4. verificar as condições de funcionamento dos equipamentos emissores de radiação;
  5. auxiliar no treinamento dos estagiários e profissionais recém-formados no setor industrial;
  6. cumprir os requisitos do Plano de Proteção Radiológica (PPR) da instalação;
  7. ser responsável pela segurança e proteção física das fontes de radiação no setor industrial;
  8. verificar a validade dos certificados de calibração dos medidores de radiação e monitores de radiação e de vistoria dos equipamentos emissores de radiação;
  9. certificar-se dos procedimentos operacionais com relação ao controle de fontes radioativas durante a sua operação, transporte e armazenamento;
  10. verificar documentação e registros disponíveis na instalação de operação, conforme descrito no PPR;
  11. realizar as monitorações estabelecidas no PPR, o armazenamento das fontes radioativas e manter os registros correspondentes nas instalações de operação;
  12. ser responsável pelas chaves do local de armazenamento de fontes radioativas, quando houver;
  13. comunicar imediatamente ao SPR toda e qualquer anormalidade ou condição de perigo que for observada nos dispositivos e instalações radiológicas;
  14. assumir o controle e aplicar as ações previstas nos procedimentos de emergência.
Base Legal: Art. 4º da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

3) Profissionais de nível superior:

3.1) Requisitos para habilitação:

Os requisitos para habilitação dos profissionais das técnicas radiológicas de nível superior no setor Industrial são:

  1. ser maior de 18 (dezoito) anos de idade;
  2. possuir diploma de conclusão de curso de graduação em radiologia expedido por instituição de ensino reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC);
  3. estar devidamente inscrito no CRTR da sua jurisdição;
  4. ter condições físicas e psicológicas para executar trabalhos de supervisão de campo.
Base Legal: Art. 3º da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

3.2) Atribuições e competências:

São atribuições dos profissionais das técnicas radiológicas de nível superior, com habilitação no setor industrial, além das prerrogativas previstas no subcapítulo 3.1 acima, as demais atividades:

  1. exercer a função de SPR, nos termos da Norma CNEN NN 7.01;
  2. treinar, orientar e avaliar o desempenho dos profissionais de nível técnico sob sua supervisão;
  3. auxiliar na seleção e escalação das equipes de trabalho;
  4. aplicar e verificar cotidianamente o PPR da instalação, bem como dos procedimentos para o uso, manuseio, acondicionamento, transporte e armazenamento de fontes radioativas, devendo comunicar qualquer anormalidade ou divergência ao SPR responsável pela instalação;
  5. manter sob controle, em conformidade com as Diretrizes Básicas de Proteção Radiológica instituídas pela Norma CNEN NN 3.01, e de acordo com o PPR do serviço, as fontes de radiação, os rejeitos radioativos, as condições de proteção radiológica dos indivíduos, as áreas controladas e os equipamentos de monitoração da radiação;
  6. avaliar as exposições nos locais sujeitos a radiações, comparando condições normais e situações de emergência, e adotar as medidas de proteção necessárias;
  7. supervisionar o recebimento e o envio dos medidores individuais para troca, junto aos laboratórios de monitoração individual;
  8. verificar a disponibilidade, para uso imediato e em quantidades suficientes, de todo o material auxiliar para proteção radiológica, incluindo aqueles a serem utilizados em situação de emergência;
  9. comunicar, oficial e imediatamente, ao SPR responsável pela instalação, a ocorrência de irregularidades inerentes às fontes de radiação e as ações necessárias para garantir a proteção radiológica da instalação e das pessoas;
  10. atuar, investigar e implementar, quando necessário, ações corretivas e preventivas aplicáveis em situações de emergência, de acordo com o previsto no PPR;
  11. supervisionar e coordenar as ações de proteção radiológica nos depósitos iniciais de rejeitos da instalação, quando houver;
  12. examinar e acompanhar a execução dos projetos de construção e alteração de instalações radiológicas industriais;
  13. garantir que as instalações atendam às condições de operação e armazenamento.
Base Legal: Art. 5º da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

4) Tecnólogos - Exercício das atividades dos técnicos:

Os tecnólogos em radiologia podem exercer todas as atividades dos técnicos em radiologia no setor industrial, desde que cumpram os requisitos previstos nas letras "e" e "f" do subcapítulo 2.1 acima.

Base Legal: Art. 6º da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

5) Observância das normas legais:

Os profissionais das técnicas radiológicas com habilitação no setor industrial devem observar permanente e rigorosamente as normas de proteção radiológica, bem como o Código de Ética Profissional.

Os técnicos e tecnólogos em radiologia com habilitação no setor industrial estão sujeitos às normas e aos códigos profissionais que regulam o exercício da profissão. Faltas, erros e infrações serão apurados e julgados com base no Código de Processo Ético-Disciplinar.

Base Legal: Arts. 7º e 8º da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).

6) Adequação:

Os operadores de radiografia industrial I e II, qualificados e certificados de acordo com a Norma CNEN NN 7.02 que, em 16/08/2016 (data de publicação da Resolução Conter nº 11/2016), operavam equipamentos emissores de radiação ionizante no setor Industrial, deverão se inscrever no CRTR de sua jurisdição.

Para ter o reconhecimento do Sistema Conter/ CRTRs como "técnico em radiologia industrial", os operadores de radiografia industrial I e II, registrados de acordo a Norma CNEN NN 7.02, deverão cumprir os requisitos previstos no subitem 2.1e obedecer ao rito processual definido pelo Conter.

Os operadores de radiografia industrial I e II, registrados conforme a Norma CNEN NN 7.02 que, até 16/08/2016, tiverem comprovado o exercício profissional, experiência técnica e prática na especialidade em que atuam, serão considerados habilitados para o exercício das suas funções.

Base Legal: Arts. 9º e 11 da Resolução Conter nº 11/2016 (Checado pela Valor em 18/04/21).
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Técnicos e tecnólogos em radiologia: Setor industrial - Atribuições, competências e funções (Área: Profissões regulamentadas). Disponível em: https://www.valor.srv.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=481. Acesso em: 16/05/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS

O crédito presumido (ou crédito outorgado do ICMS é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte. No presente Roteiro de Proced (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


TRT da 23ª Região (MT) decide redução de salário durante a pandemia é inválida sem acordo escrito

Empregador deverá quitar as diferenças salariais A redução de salário durante a pandemia da covid-19, prevista pela Medida Provisória 936/2020, só pode ocorrer com a concordância do empregado. Do contrário, a alteração é inválida e o empregador terá de quitar a diferença salarial. Foi o que ocorreu com o colégio CNEC de Nova Mutum, condenado a pagar a remuneração integral a uma auxiliar de serviços gerais. Depois de quase seis anos de e (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral


Tributação de software e meios de acesso

Na atual sociedade em que vivemos, a “transformação digital” é sem dúvida um dos fenômenos mais presentes, já que temos cada vez mais incorporado a tecnologia digital em nosso dia a dia. É nítido que esse processo tem sido acelerado exponencialmente pela pandemia da covid-19, na medida em que, em vista do distanciamento social, temos nos servido da tecnologia mais do que nunca, seja para fins profissionais (home office), para fins de socialização (míd (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - Geral


CFC e Sebrae oferecem capacitação gratuita para contadores

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferecem capacitação gratuita aos contadores por meio do Programa Contador Parceiro: Construindo o Sucesso. A iniciativa acontece na modalidade on-line, tem duração de 80 horas e está dividida em 13 módulos. As inscrições podem ser feitas pela página do Sebrae na internet. O objetivo da atividade é preparar os profissionais da contabilidade (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade


Criptomoedas devem ser declaradas no imposto de renda

Contador explica como esses investimentos são tributados Há alguns anos, as criptomoedas começaram a ficar mais populares. O que os contribuintes talvez não saibam é que eles são obrigados a incluir esse investimento na declaração anual do Imposto de Renda, conforme alerta o Conselho Federal de Contabilidade (CFC). “As criptomoedas não são consideradas ativos mobiliários ou moeda de curso, mas são consideradas um investimento e, portanto, de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF



Restituição do Empregador Doméstico pode ser feita pelo e-CAC

O serviço de restituição do empregador doméstico foi liberado pela Receita Federal para ser realizado pelo e-CAC a partir do mês de maio. O cidadão que deseja solicitar a restituição do empregador doméstico já pode realizar o serviço através do Portal e-CAC. O serviço está relacionado aos pagamentos efetuados por meio do Documento de Arrecadação do eSocial (DAE) que tenham sido recolhidos indevidamente ou em valor maior do que o devido. Pa (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF


Lei garante à gestante afastamento do trabalho presencial na pandemia

A Presidência da República sancionou a Lei 14.151, que garante regime de teletrabalho às trabalhadoras gestantes durante a pandemia de covid-19. A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13). O texto estabelece ainda que a substituição do trabalho presencial pelo remoto, para a trabalhadora gestante, deverá ocorrer sem redução de salário. A lei é originada do PL 3.932/2020, de autoria da deputada federal Perpétua Almeida (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


INSS retoma bloqueio de benefícios por falta de prova de vida

A rotina de bloqueio será a partir do mês de maio. OInstituto Nacional do Seguro Social (INSS) retoma a rotina de bloqueio dos créditos dos benefícios por falta de prova de vida, a partir da competência do mês de maio, para os residentes no Brasil. De acordo com a Portaria 1.299, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13), a rotina iniciará com os benefícios em que não houve a realização da comprovação de vida por nenhum c (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário


Empregador não pode invocar direito ao silêncio em relação a documentos trabalhistas, decide TRT da 12ª Região (SC)

Processo foi julgado na Seção Especializada 2. O empregador não pode deixar de apresentar à Justiça do Trabalho documentos relativos ao contrato de seus empregados sob o fundamento de não constituir prova contra si mesmo. A decisão é da Seção Especializada 2 do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), em ação de produção antecipada de provas movida por uma auxiliar de pizzaiolo contra uma empresária de Balneário Camboriú (SC). (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral