Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Hipóteses de ineficácia e revogação de atos praticados antes da falência

Resumo:

Apresentaremos neste Roteiro de Procedimentos as hipóteses de ineficácia e revogação de atos praticados pelo empresário ou pelos sócios ou administradores de sociedade empresária no período que antecede a decretação da falência (período pré-falimentar). Para tanto, utilizaremos como base os artigos 129 a 138 da Lei de Falências, aprovada pela Lei nº 11.101/2005.

Postado em: - Área: Legislação Falimentar.

1) Introdução:

Primeiramente, cabe esclarecer que os atos praticados pelo falido podem ocorrer após a decretação da falência, no curso do termo legal da falência ou em período anterior ao termo legal da falência. No primeiro caso, todos os atos praticados pelo falido são nulos, pois decretado a falência, ele não tem mais poderes para representar a massa falida, já nas outras hipóteses (no curso do termo legal ou antes dele), apenas alguns atos praticados pelo falido podem ser considerados ineficazes.

No que se refere aos atos praticados no curso do termo legal ou antes dele, nossa atual Lei de Falências, aprovada pela Lei nº 11.101/2005, contempla a possibilidade de revogação de vários atos e negócios jurídicos ocorridos com ou sem intenção de lesar os credores, independentemente de serem fraudulentos ou não, objetivando, desta forma, recompor o ativo do devedor que foi desfalcado.

Uma vez recomposto o ativo do devedor estará novamente assegurado aos credores à possibilidade de recebimento, total ou parcialmente, dos débitos do falido.

Resumidamente, citado diploma legal, faz em seus artigos 129 a 138 as seguintes distinções que, inclusive, serão objetos de análise deste trabalho:

  1. Atos Ineficazes: são os atos expressamente listados na Lei de Falências, sendo que sua ineficácia independe do intuito de fraude (Ver capítulo 3 abaixo); e
  2. Atos Revogáveis: são quaisquer atos em relação aos quais se demonstre a intenção de prejudicar credores, por conluio fraudulento (1) do devedor com terceiros, e o efetivo prejuízo para a massa falida (Ver capítulo 4 abaixo).

Em ambos os casos, o remédio jurídico e processual para desfazer os efeitos de atos fraudulentos cometidos pelo empresário contra seus credores, é a ação revocatória que será estudada em maiores detalhes neste trabalho.

Diante do tudo o exposto, apresentaremos neste Roteiro de Procedimentos as hipóteses de ineficácia e revogação de atos praticados pelo empresário ou pelos sócios ou administradores de sociedade empresária no período que antecede a decretação da falência (período pré-falimentar). Para tanto, utilizaremos como base de estudo os artigos 129 a 138 da Lei de Falência.

Nota Valor Consulting:

(1) Conluio é o ajuste de condutas entre devedor e terceiro, o que reflete a expressão latina consilium fraudis, ou seja, a vontade de causar fraude contra interesse de terceiros.

Base Legal: Arts. 129 e 138 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

2) Conceitos:

2.1) Termo Legal:

Termo legal é o momento, anterior à decretação da falência, que caracteriza o estado de falido do devedor, sendo fixado por Lei ou pelo juiz em sentença declaratória de falência, ou em decisão interlocutória, não podendo retroagir por mais de 90 (noventa) dias. Sua utilidade é definir a ineficácia (nulidade) de alguns atos praticados pelo falido.

Esse prazo deve ser contado do pedido de falência, do requerimento do pedido de recuperação judicial, do pedido de autofalência ou do 1º (primeiro) protesto por falta de pagamento, excluindo-se, para esta finalidade, os protestos que tenham sido cancelados.

Após a fixação do termo legal, os atos praticados serão revogáveis se tiveram a intenção de prejudicar os credores e, para tanto, deve-se provar a fraude entre o devedor e terceiro que com ele contratar e o efetivo prejuízo sofrido pela massa falida. Entretanto, existem atos que são considerados ineficazes independente de prova da intenção de fraudar do devedor, conforme veremos nos capítulos seguintes.

Portanto, o termo legal da falência, visa revogar atos que sejam nocivos aos interesses dos credores, fraudulentos por presunção legal. Trata-se de uma tentativa de maximizar a equiparação dos credores, e cercá-los de mais garantias e meios eficazes de obter o pagamento do seu crédito. Objetiva o par conditio creditorum.

Por fim, registramos que, esses atos serão anulados por ação revocatória que poderá ser proposta pelo síndico da massa falida, por qualquer credor ou pelo Ministério Público no prazo de 3 (três) anos contados da decretação da falência. Entretanto, essa ação não fica restrita ao termo legal, pois havendo provas de fraude, anteriores ao termo legal, qualquer interessado poderá ajuizar a ação revocatória, com o objetivo de anular as operações ilegais e trazer para a massa falida todos os bens e recursos eventualmente desviados.

Base Legal: Art. 99, caput, II da Lei nº 11.101/2005 e; Art. 55 do Decreto-Lei nº 7.661/1945 - Revogado (Checado pela Valor em 18/04/21).

3) Atos Ineficazes:

Primeiramente cabe esclarecer que ineficaz significa sem efeito, que não produz resultado.

No que diz respeito a Lei de Falências, alguns atos que foram realizados pelo devedor, antes da decretação da falência, podem ser declarados como ineficazes a partir de uma decisão judicial, independentemente se o contratante (terceiro) detinha ou não o conhecimento do estado de crise econômico-financeira do devedor, e de que o devedor não tenha tido a intenção de fraudar credores.

De acordo com nossa legislação falimentar são tidos COMO ineficazes em relação à massa falida:

  1. o pagamento de dívidas não vencidas realizadas pelo devedor dentro do termo legal da falência, por qualquer meio extintivo do direito de crédito, ainda que pelo desconto do próprio título;
  2. o pagamento de dívidas vencidas e exigíveis realizados dentro do termo legal, por qualquer forma que não seja a prevista pelo contrato (Exemplo: Pagamento com mercadorias ao invés de dinheiro, neste caso o bem será arrecadado.);
  3. a constituição de direito real de garantia, inclusive a retenção, dentro do termo legal, tratando-se de dívida contraída anteriormente (se os bens dados em hipoteca forem objeto de outras posteriores, a massa falida receberá a parte que devia caber ao credor da hipoteca revogada);
  4. a prática de atos a título gratuito, desde 2 (dois) anos antes da decretação da falência;
  5. a renúncia à herança ou a legado, até 2 (dois) anos antes da decretação da falência;
  6. a venda ou transferência de estabelecimento feita sem o consentimento expresso ou o pagamento de todos os credores, a esse tempo existentes, não tendo restado ao devedor bens suficientes para solver o seu passivo, salvo se, no prazo de 30 (trinta) dias, não houver oposição dos credores, após serem devidamente notificados, judicialmente ou pelo oficial do registro de títulos e documentos;
  7. os registros de direitos reais e de transferência de propriedade entre vivos, por título oneroso ou gratuito, ou a averbação relativa a imóveis realizados após a decretação da falência, salvo se tiver havido prenotação anterior (Exemplo: o falido vendeu um bem imóvel antes da decretação da falência, mas o comprador não registrou, não poderá mais registrar, o ato será considerado ineficaz. Se tiver prenotarão anterior o registro é válido, se não tiver perante a massa falida o ato será ineficaz).

A ineficácia poderá ser declarada de ofício pelo juiz, alegada em defesa ou pleiteada mediante ação própria ou incidentalmente no curso do processo.

Cabe observar, ainda, que os atos ineficazes fraudulento listados acima independe de constituição de prova.

Base Legal: Art. 129 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

4) Atos Revogáveis:

São revogáveis os atos praticados com a intenção de prejudicar credores, provando-se o ato fraudulento entre o devedor e o terceiro que com ele contratar e o efetivo prejuízo sofrido pela massa falida.

Base Legal: Art. 130 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

4.1) Ação revocatória:

Amador Paes de Almeida diz que, no direito falimentar, há duas espécies de ação revocatória: revocatória por ineficácia e revocatória por fraude. A primeira é para as hipóteses previstas no artigo 129 da Lei de Falência (Ver capítulo 3) e a segunda para o caso do artigo 130 da Lei de Falência (Ver capítulo 4) (2).

Conforme já mencionamos, a ação revocatória (de revogar) poderá ser proposta pelo administrador judicial da massa falida, por qualquer credor ou pelo Ministério Público no prazo de 3 (três) anos contados da decretação da falência.

O objetivo dessa peça processual é declarar a ineficácia de um ato praticado pelo falido em conluio (ajuste de condutas) com terceiro e que tenha causado efetivo prejuízo à massa.

A ação revocatória pode ser promovida:

  1. contra todos os que figuraram no ato ou que por efeito dele foram pagos, garantidos ou beneficiados;
  2. contra os terceiros adquirentes, se tiveram conhecimento, ao se criar o direito, da intenção do devedor de prejudicar os credores;
  3. contra os herdeiros ou legatários das pessoas indicadas nas letras "a" e "b".

Os réus, por sua vez, são todos os que figuram no ato ou que deles se beneficiem, assim como os herdeiros ou legatários como litisconsortes necessários, uma vez que a decisão deve ser unânime para todos.

A sentença que julgar procedente a ação revocatória determinará o retorno dos bens à massa falida em espécie, com todos os acessórios, ou o valor de mercado, acrescidos das perdas e danos, lembramos que dessa ainda sentença cabe apelação.

De qualquer forma, o terceiro contratante de boa-fé, devido ao reconhecimento da ineficácia do ato que havia realizado com o agora falido, terá direito a restituição dos bens ou valores que entregou ao devedor à época do negócio.

Notas Valor Consulting:

(2) Amador Paes de Almeida. Curso de falência e recuperação de empresa: de acordo com a Lei nº 11.101/2005, p.193.

(3) A ação revocatória correrá perante o juízo da falência e obedecerá ao procedimento ordinário previsto na Lei nº 5.869/1973 (Código de Processo Civil - CPC).

(4) O juiz poderá, a requerimento do autor da ação revocatória, ordenar, como medida preventiva, na forma da lei processual civil, o sequestro dos bens retirados do patrimônio do devedor que estejam em poder de terceiros.

Base Legal: Arts. 131 a 134 e 137 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

5) Efeitos da ineficácia ou revogação:

Reconhecida à ineficácia ou julgada procedente a ação revocatória, as partes retornarão ao estado anterior, e o contratante de boa-fé terá direito à restituição dos bens ou valores entregues ao devedor, observando-se que:

  1. na hipótese de securitização de créditos do devedor, não será declarada a ineficácia ou revogado o ato de cessão em prejuízo dos direitos dos portadores de valores mobiliários emitidos pelo securitizador;
  2. é garantido ao terceiro de boa-fé, a qualquer tempo, propor ação por perdas e danos contra o devedor ou seus garantes.
Base Legal: Art. 136 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

6) Atos previstos e realizados na recuperação judicial:

A Lei de Falências expressamente cria uma exceção aos atos ditos como ineficazes. Estabelece o artigo 131 da Lei nº 11.101/2005 que nenhum dos atos referidos nas letras "a" a "c" e "f" do capítulo 3 deste trabalho que tenham sido previstos e realizados na forma definida no plano de recuperação judicial ou extrajudicial será declarado ineficaz ou revogado.

Base Legal: Art. 131 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

7) Atos praticados com base em decisão judicial:

O ato pode ser declarado ineficaz ou revogado, ainda que praticado com base em decisão judicial, observado a exceção prevista no capítulo 6 deste trabalho. Uma vez revogado o ato ou declarada sua ineficácia, ficará rescindida a sentença que o motivou.

Base Legal: Art. 138 da Lei nº 11.101/2005 (Checado pela Valor em 18/04/21).

8) Referências:

ALMEIDA, Amador Paes de. Curso de falência e recuperação de empresa: de acordo com a Lei nº 11.101/2005. 24 ed. São Paulo: Saraiva, 2008.

Base Legal: Equipe Valor Consulting.
Informações Adicionais:

Este material foi escrito no dia pelo(a) Valor Consulting e está atualizado até a doutrina e legislação vigente em (data da sua última atualização), sujeitando-se, portanto, às mudanças em decorrência das alterações doutrinárias e legais.

Lembramos que não é permitido a utilização dos materiais aqui publicados para fins comerciais, pois os mesmos estão protegidos por direitos autorais. Também não é permitido copiar os artigos, materias e arquivos do Portal Valor Consulting para outro site, sistema ou banco de dados para fins de divulgação em sites, revistas, jornais, etc. de terceiros sem a autorização escrita dos proprietários do Portal Valor Consulting.

A utilização para fins exclusivamente educacionais é permitida, desde que indicada a fonte:

"Valor Consulting. Hipóteses de ineficácia e revogação de atos praticados antes da falência (Área: Legislação Falimentar). Disponível em: https://www.valor.srv.br/matTecs/matTecsIndex.php?idMatTec=78. Acesso em: 16/05/2021."

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Crédito Presumido (ou crédito outorgado) do ICMS

O crédito presumido (ou crédito outorgado do ICMS é um mecanismo utilizado pelos Estados e pelo Distrito Federal para desonerar o contribuinte da carga tributária incidente nas operações praticadas. Não é crédito oriundo diretamente das entradas de mercadorias tributadas pelo ICMS no seu estabelecimento. É apenas uma "presunção de crédito" de ICMS sobre valores apurados com base nas operações efetuadas pelo contribuinte. No presente Roteiro de Proced (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


TRT da 23ª Região (MT) decide redução de salário durante a pandemia é inválida sem acordo escrito

Empregador deverá quitar as diferenças salariais A redução de salário durante a pandemia da covid-19, prevista pela Medida Provisória 936/2020, só pode ocorrer com a concordância do empregado. Do contrário, a alteração é inválida e o empregador terá de quitar a diferença salarial. Foi o que ocorreu com o colégio CNEC de Nova Mutum, condenado a pagar a remuneração integral a uma auxiliar de serviços gerais. Depois de quase seis anos de e (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral


Tributação de software e meios de acesso

Na atual sociedade em que vivemos, a “transformação digital” é sem dúvida um dos fenômenos mais presentes, já que temos cada vez mais incorporado a tecnologia digital em nosso dia a dia. É nítido que esse processo tem sido acelerado exponencialmente pela pandemia da covid-19, na medida em que, em vista do distanciamento social, temos nos servido da tecnologia mais do que nunca, seja para fins profissionais (home office), para fins de socialização (míd (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - Geral


CFC e Sebrae oferecem capacitação gratuita para contadores

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferecem capacitação gratuita aos contadores por meio do Programa Contador Parceiro: Construindo o Sucesso. A iniciativa acontece na modalidade on-line, tem duração de 80 horas e está dividida em 13 módulos. As inscrições podem ser feitas pela página do Sebrae na internet. O objetivo da atividade é preparar os profissionais da contabilidade (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade


Criptomoedas devem ser declaradas no imposto de renda

Contador explica como esses investimentos são tributados Há alguns anos, as criptomoedas começaram a ficar mais populares. O que os contribuintes talvez não saibam é que eles são obrigados a incluir esse investimento na declaração anual do Imposto de Renda, conforme alerta o Conselho Federal de Contabilidade (CFC). “As criptomoedas não são consideradas ativos mobiliários ou moeda de curso, mas são consideradas um investimento e, portanto, de (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF



Restituição do Empregador Doméstico pode ser feita pelo e-CAC

O serviço de restituição do empregador doméstico foi liberado pela Receita Federal para ser realizado pelo e-CAC a partir do mês de maio. O cidadão que deseja solicitar a restituição do empregador doméstico já pode realizar o serviço através do Portal e-CAC. O serviço está relacionado aos pagamentos efetuados por meio do Documento de Arrecadação do eSocial (DAE) que tenham sido recolhidos indevidamente ou em valor maior do que o devido. Pa (...)

Notícia postada em: .

Área: Tributário Federal - IRPF


Lei garante à gestante afastamento do trabalho presencial na pandemia

A Presidência da República sancionou a Lei 14.151, que garante regime de teletrabalho às trabalhadoras gestantes durante a pandemia de covid-19. A norma foi publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13). O texto estabelece ainda que a substituição do trabalho presencial pelo remoto, para a trabalhadora gestante, deverá ocorrer sem redução de salário. A lei é originada do PL 3.932/2020, de autoria da deputada federal Perpétua Almeida (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista - Geral


INSS retoma bloqueio de benefícios por falta de prova de vida

A rotina de bloqueio será a partir do mês de maio. OInstituto Nacional do Seguro Social (INSS) retoma a rotina de bloqueio dos créditos dos benefícios por falta de prova de vida, a partir da competência do mês de maio, para os residentes no Brasil. De acordo com a Portaria 1.299, publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (13), a rotina iniciará com os benefícios em que não houve a realização da comprovação de vida por nenhum c (...)

Notícia postada em: .

Área: Previdenciário


Empregador não pode invocar direito ao silêncio em relação a documentos trabalhistas, decide TRT da 12ª Região (SC)

Processo foi julgado na Seção Especializada 2. O empregador não pode deixar de apresentar à Justiça do Trabalho documentos relativos ao contrato de seus empregados sob o fundamento de não constituir prova contra si mesmo. A decisão é da Seção Especializada 2 do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região (SC), em ação de produção antecipada de provas movida por uma auxiliar de pizzaiolo contra uma empresária de Balneário Camboriú (SC). (...)

Notícia postada em: .

Área: Direito trabalhista - Geral