Logomarca - Valor Consulting
Logomarca - Valor Consulting

Siga nas redes sociais:

Fim de privilégios, simplificação, combate à sonegação e redução de distorções são pilares da segunda fase da Reforma Tributária

Notícia postada em: - Área: Assuntos gerais sobre tributação.

Mudanças previstas preveem manutenção da carga tributária global, sem aumento do peso dos impostos sobre os brasileiros.

anutenção da carga tributária global, combate à sonegação, redução de distorções e fins de privilégios, simplificação e menos custos, segurança jurídica, neutralidade nas decisões econômicas, foco no estímulo ao investimento e geração de empregos foram os pilares que nortearam a construção da segunda fase da Reforma Tributária, entregue nesta sexta-feira (25/6) pelo governo federal ao Congresso. Os detalhes da proposta foram apresentados em entrevista coletiva virtual concedida por equipe do Ministério da Economia (ME) logo após o texto ter sido entregue pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, e pelo secretário especial da Receita Federal, José Tostes Neto, ao presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP/AL).

Durante a coletiva, autoridades do ME explicaram, ponto a ponto, as medidas propostas ao Legislativo na segunda fase da Reforma Tributária. O secretário especial da Receita Federal ressaltou que um dos critérios mais importantes foi promover mudanças, mas sem gerar aumento da carga tributária. Ou seja, de um lado foram sugeridas medidas que reduzem tributação, e, paralelamente, propostas que compensam essa retração. A meta, explicou Tostes, é manter o equilíbrio da carga tributária, com efeito nulo do ponto de vista do total da arrecadação. As mudanças focam no critério da progressividade, ou seja, fazer com que quem ganha mais, pague mais, e quem ganha menos, pague menos.

Progressividade

Com o objetivo de reduzir o peso tributário de quem ganha menos, uma das principais medidas apresentadas é a correção da tabela do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF). Pela proposta, quem recebe até R$ 2.500 estará isento. Hoje, a faixa de isenção – congelada desde 2015 – vai até R$ 1.903,98. Todos os contribuintes serão beneficiados com reduções, em todas as faixas, segundo destacou a equipe econômica.

Pela proposta, metade dos atuais declarantes não terão mais de pagar Imposto de Renda e mais de 5,6 milhões passarão a ser considerados isentos. O desconto simplificado de 20% passa a ficar restrito a quem recebe até R$ 40 mil por ano, ou seja, pessoas de menor renda. Segundo explicou a Receita Federal, a medida vai estimular o contribuinte a pedir nota fiscal para ter acesso às deduções (que estão mantidas), e isso é importante para o país.

Outra mudança importante refere-se à possibilidade de atualização do valor de imóveis, o que tornará mais justa a tributação sobre o ganho de capital. Hoje, na declaração, os imóveis são mantidos pelo valor original. Ao vender o bem, o cidadão precisa pagar entre 15% e 22,5% de imposto sobre o ganho de capital. Com a proposta, será permitido atualizar os valores patrimoniais, com incidência de apenas 5% de imposto sobre a diferença.

O Ministério da Economia também sugeriu a queda geral do Imposto de Renda para empresas do lucro real e presumido, um mecanismo mais justo em relação à tributação de lucros e dividendos, com proteção aos pequenos empresários. Atualmente, lucros e dividendos são isentos de tributação. A sugestão do governo é estabelecer tributação de 20% exclusivamente na fonte, com isenção sobre os lucros distribuídos por microempresas e empresas de pequeno porte de até R$ 20 mil por mês. A Receita apontou que o modelo atual – que isenta dividendos de tributação – cria uma distorção na economia ao estimular a “pejotização”, em um modelo que privilegia os mais ricos, que deixam de pagar impostos.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Aperfeiçoamentos

A reforma do Imposto de Renda para empresas terá queda em duas etapas, conforme prevê o texto encaminhado ao Congresso. A alíquota cai dos atuais 15% para 12,5% em 2022, e a 10% em 2023. O adicional de 10% para lucros acima de R$ 20 mil por mês permanece. Por outro lado, pagamentos de gratificações e participação nos resultados aos sócios e dirigentes feitos com ações da empresa não poderão mais ser deduzidos como despesas operacionais. Também fica vedada a possibilidade de deduzir juros sobre o capital próprio, medida que se mostrou ineficaz para capitalizar empresas e promover o investimento. Estão previstas, ainda, novas regras para a reorganização de empresas e tributação do ganho de capital na venda de participações societárias, de forma a evitar abusos e deduções indevidas. Entre os aperfeiçoamentos para as empresas, as mudanças tributárias focam na construção de um cenário de mais produtividade, competitividade e investimento, eliminando brechas para o não pagamento de impostos.

No conjunto de mudanças do Imposto de Renda para investimentos financeiros, o objetivo é facilitar a vida do investidor, harmonizar o tratamento de grandes e pequenos investidores e retirar privilégios hoje concedidos aos agentes de grande porte. Uma medida de destaque é o estabelecimento de alíquota única de 15% para ativos de Renda Fixa – como CDB e Tesouro Direto. Pela regra atual, quem deixa o dinheiro por mais tempo na aplicação, paga menos imposto, ou seja, os mais ricos, que podem deixar o dinheiro parado por um tempo maior, são beneficiados pelo sistema atual. Outra alteração proposta é o fim da isenção sobre os rendimentos distribuídos a pessoa física no caso dos Fundos de Investimento Imobiliário com cotas negociadas em bolsa a partir de 2022. O objetivo é simplificar e harmonizar o tratamento tributário para todos os fundos.

Participaram da coletiva o secretário especial da Receita Federal do Brasil, José Barroso Tostes Neto; o subsecretário de Tributação e Contencioso, Sandro de Vargas Serpa; o coordenador-geral de Tributação, Fernando Mombelli; a coordenadora-geral de Tributação substituta, Claudia Lucia Pimentel Martins da Silva; o chefe do Centro de Estudos Tributários e Aduaneiros, Claudemir Rodrigues Malaquias; e o professor Isaias Coelho, assessor especial do Ministério da Economia.

Assista à coletiva de imprensa sobre a segunda fase da Reforma Tributária:

Fonte: Ministério da Economia

ACOMPANHE AS ÚLTIMAS PUBLICAÇÕES

Retificação de lançamentos contábeis

No Brasil, grande parte dos departamentos de contabilidade trabalham com equipe enxuta para minimizar custos administrativos e maximizar seus lucros, assim, seus profissionais acabam trabalhando em ritmo acelerado para liberar informações para alta gerência e, nesse esforço acabam cometendo erros em lançamentos contábeis que podem prejudicar a interpretação dos números pelos usuários da contabilidade. Estudaremos nesse Roteiro os procedimentos existentes (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Estabelecimento empresarial

No presente artigo fazemos comentários a respeito do estabelecimento empresarial... Com base em nosso Código Civil (CC/2002), aprovado pela Lei nº 10.402/2002. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Direito de Empresa


Trabalhador com câncer de pele obtém reconhecimento de dispensa considerada discriminatória

A Terceira Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Goiás (TRT-18) declarou nula uma dispensa sem justa causa e determinou o retorno de um motorista, acometido por um câncer de pele maligno, para o posto de trabalho, bem como o pagamento de verbas trabalhistas e recolhimento do FGTS relativos ao período de afastamento. A relatora, desembargadora Rosa Nair, aplicou o entendimento do Tribunal Superior do Trabalho (TST) contido na Súmula 443, que presume ser discr (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Sistema de auxílio à Classificação Fiscal de Mercadorias (Classif) chega à 4ª fase com novidades

Agora o Classif passa a permitir consultas às exigências administrativas e aos requisitos técnicos para importação de mercadorias. O sistema Classif é um módulo do Portal Único do Comércio Exterior (Pucomex), relativo à Nomenclatura e Classificação Fiscal de Mercadorias (NCM). A nova versão do Classif traz as seguintes novidades: Consulta ao Tratamento Administrativo (TA) na importação e na exportação Consulta às decisões sobre (...)

Notícia postada em: .

Área: Comércio Exterior (Comércio Exterior)


Telefônica terá de indenizar atendente que tinha pausas para ir ao banheiro vinculadas a remuneração

Segundo o processo, as pausas eram utilizadas como critério de pagamento de prêmio. A Sexta Turma do Tribunal Superior do Trabalho condenou a Telefônica Brasil S.A., em Maringá (PR), a pagar R$ 5 mil de indenização por danos morais a uma atendente por utilizar programa de incentivo condicionado a restrição de pausas para ir ao banheiro. Além de serem contadas para fins remuneratórios, havia a divulgação de ranking pela empregadora. Para o órgão (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


Tutora de sistema EAD não será reconhecida como professora

A pretensão da tutora era ser reconhecida como professora/pedagoga de ensino superior. A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho não admitiu recurso de uma profissional de ensino a distância (EAD), em Londrina-PR, contra decisão que concluiu que as atividades que exercia na Editora e Distribuidora Educacional S.A não se enquadravam na condição de professora. Ao entender por não conhecer do recurso, o colegiado esclareceu que a decisão está d (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)



Correção de cópias ilegíveis do Livro Diário

Apresentaremos neste Roteiro de Procedimentos modelo de ressalva para correção de cópias ilegíveis do Livro Diário. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: Manual de lançamentos contábeis


Venda a bordo de aeronaves em voos domésticos

Veremos no presente Roteiro quais são os procedimentos a serem observados para a realização de venda a bordo de aeronaves em voos domésticos. Para tanto, utilizaremos como base o Ajuste Sinief nº 07/2011 (DOU 08/08/2011) que dispõe sobre a concessão de Regime Especial nas referidas operações. (...)

Roteiro de Procedimentos atualizado em: .

Área: ICMS São Paulo


Falta reiterada de depósitos de FGTS condena empregador em SP por dano moral coletivo

Os magistrados da 11ª Turma do TRT da 2ª Região acolheram recurso interposto pelo Ministério Público do Trabalho relativo a uma ação coletiva ajuizada por um sindicato de trabalhadores da indústria de Itaquaquecetuba-SP. A decisão de 2º grau reconheceu o dano moral coletivo, condenando uma fabricante de peças à indenização de R$ 10 mil. O motivo foi a falta do recolhimento e do pagamento do FGTS desde 2014, de forma reiterada, tanto para os empregados (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)


CFC firma parceria com SEPRT para ampliar a fiscalização da profissão contábil

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) e a Secretaria Especial de Previdência e Trabalho (SEPRT), do Ministério da Economia, firmaram um acordo de cooperação técnica para ampliar e fortalecer a fiscalização do exercício ilegal da profissão contábil no Brasil. A parceria começou a valer a partir de abril deste ano e terá duração de três anos, podendo ser renovada por igual período. Por meio da ação, o CFC passa a ter acesso à base de dados da (...)

Notícia postada em: .

Área: Contabilidade (Contabilidade geral)


Tabela de entes federativos responsáveis facilita prestação de informações por órgãos públicos

Foi disponibilizada para consulta a tabela de entes federativos responsáveis - EFR para os órgãos públicos que optem por prestar suas informações ao eSocial de forma descentralizada. Os órgãos públicos da administração direta e indireta (autárquica e fundacional) da União, Estados, Distrito Federal e Municípios podem prestar suas informações de forma descentralizada ao eSocial. Nesse caso, cada órgão que corresponda a uma unidade adminis (...)

Notícia postada em: .

Área: Trabalhista (eSocial)


Aplicar multa para cumprimento da sentença atenta contra devido processo legal

Multa de 10% seria aplicada em caso de ausência de pagamento no prazo de oito dias. A Terceira Turma do Tribunal Superior do Trabalho isentou a Unimed de Belém - Cooperativa de Trabalho Médico do pagamento de multa de 10% no caso de não pagamento das verbas rescisórias devidas a um agente de portaria no prazo estabelecido para cumprimento da sentença. Conforme entendimento do colegiado no TST, a multa ofende o princípio do devido processo legal. Co (...)

Notícia postada em: .

Área: Judiciário (Direito trabalhista)